faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Cinco motivos para o paciente estar no centro das decisões digitais do consultório

paciente decisão digital.jpg

Engana-se quem pensa que o médico é o elemento mais importante em um consultório. Ele pode batizar o local com seu nome, cursar as melhores universidades do país e do mundo e até ser reconhecido por sua experiência na área. Mas se ele não se relacionar de forma adequada com os pacientes e buscar melhorar a experiência deles em seu local de trabalho, dificilmente conseguirá se destacar.

Essa é a ideia por trás de um dos conceitos mais importantes da medicina nos últimos anos: patient centricity, ou seja, a capacidade de colocar os pacientes no centro das decisões digitais. O objetivo é simples e envolve a participação do usuário em diferentes etapas e procedimentos do tratamento com o intuito de garantir uma vida mais saudável e equilibrada a todos. Se você ainda desconhece a importância desta proposta, confira cinco motivos para colocar o paciente em papel de destaque na rotina clínica:

1 – Diagnóstico do início ao fim

O grande benefício de colocar o paciente no centro das decisões médicas é, sem dúvida, a possibilidade de realizar um diagnóstico completo. Isso porque a consulta vai além das perguntas burocráticas que muitos estavam acostumadas a responder.

É preciso inseri-lo no dia a dia do consultório, criando lembretes de consultas e retornos, realizando exames, coletando informações e oferecendo suporte em todas as etapas. Em suma: colocar a pessoa em posição de destaque implica envolve-la em toda a jornada do tratamento, com técnicas e abordagens que valorizam o bem-estar e a saúde de todos

2 – Transparência em todos os processos

Não há como privilegiar a experiência do paciente no consultório se não houver comunicação – o que, por sua vez, depende de um relacionamento claro, transparente e eficiente entre médico e usuário. Aquela época de falar expressões difíceis, receitar tratamento no papel e esperar que a pessoa siga à risca não existe mais há algum tempo.

Hoje, é imprescindível que os profissionais de saúde compartilhem todos os resultados que envolvem o tratamento, sejam didáticos e atenciosos na hora de explicar algum conceito e prezem pela transparência na hora de comentar sobre efeitos positivos – e negativos – que as pessoas podem ter. 

3 – Mais dados para análises

Assim como no ambiente corporativo, os dados rapidamente se transformaram no principal ativo digital dos consultórios. Médicos e demais profissionais que conseguem coletar, tratar e interpretar informações têm mais facilidade para fazer diagnósticos e tomar decisões sobre o tratamento.

Quando se coloca a pessoa no centro da estratégia, ela fornece diferentes dados sobre sua própria vida. Com a devida autorização (respeitando as normas da LGPD), podem ser utilizados e combinados com outras fontes a partir do prontuário eletrônico, oferecendo uma visão mais completa.

4 – Apoio da tecnologia

O conhecimento e a perícia médica são elementos importantes, sem dúvida. Nada vai ser superior à experiência e interpretação que o profissional de saúde desenvolve desde a universidade. Mas isso não é mais suficiente para realizar uma boa consulta. O paciente quer o melhor atendimento possível, o que envolve redução no tempo de espera, relacionamento na consulta, pesquisa, inovação, entre outras questões.

Essa nova realidade exige que o médico utilize soluções tecnológicas capazes de automatizar diferentes processos no consultório. Dessa forma, ele fica livre para fazer justamente aquilo que se preparou: atender com qualidade e contribuir com a melhoria de saúde das pessoas. 

5 – Gestão mais humanizada

A combinação dos tópicos anteriores resulta em um elemento cada vez mais essencial na relação entre médico e paciente: a gestão mais humanizada na área de saúde. Há pouco tempo, era comum encontrar profissionais que não faziam questão de se relacionar com as pessoas. O atendimento era frio, robótico e burocrático: os médicos perguntavam, os pacientes respondiam e o tratamento era passado, levando semanas até o retorno.

A humanização nas consultas era uma demanda antiga das pessoas e tornou-se possível, curiosamente, com a digitalização da área. Nada inspira mais confiança do que o velho e tradicional olho-no-olho que somente uma boa consulta pode proporcionar.

Sobre o autor

Tiago Delgado é sócio-fundador da Medicina Direta, empresa especializada em gestão e serviços digitais para clínicas e consultórios

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar