Não há lugar como nosso lar: o home care e a humanização do atendimento hospitalar

home care.png
por Emerson Lunardelli, CEO da Lar e Saúde.

A pandemia de Covid-19 mudou o comportamento do consumidor e trouxe novas necessidades, inclusive na área de saúde. Se antes o cuidado era sinônimo de ir aos consultórios e hospitais, agora a sociedade vive uma realidade de atendimentos presenciais mais seletivos. Os fatores para essa mudança incluem desde o medo da exposição ao vírus à lotação dos hospitais, sobrecarregados com o atendimento aos pacientes infectados pelo novo coronavírus e, consequentemente, reduzindo consultas que não são urgentes.

Essa mudança no comportamento dos consumidores não significa, contudo, que os investimentos em saúde diminuíram. Pelo contrário. Em 2019, no último levantamento divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), referente ao ano de 2017, constatou-se que o investimento em saúde no país chegava a R$ 608,3 bilhões, representando 9,2% do Produto Interno Bruto (PIB), segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Agora, em 2021, a estimativa é de que esses gastos estejam em torno R$ 770 bilhões, equivalente a 10% do PIB. Desse total de investimentos, 41% são feitos pelo governo e 59% pelas famílias.

Enquanto os números seguem crescendo, os tipos de serviço preferidos pelos usuários mudaram. Cirurgias eletivas diminuíram, enquanto a atenção domiciliar vem ganhando força. Trata-se de uma tendência de cuidar da própria saúde dentro de casa. Desde o começo da pandemia, em 2020, o setor de home care registrou crescimento de 35%, de acordo com estudo divulgado pelo Núcleo Nacional de Empresas de Serviços de Atenção Domiciliar (Nead) 2019/2020. Espera-se que o crescimento continue em 2021.

O aumento já é sentido nesse segmento do mercado. As empresas de home care no Brasil somam uma receita anual estimada em R$ 10,6 bilhões, indicam dados da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e do Nead. Da receita total, 57,5% se referem a internações domiciliares (que custam, em média, 35% menos do que as hospitalares).

Por isso, oferecer atendimento técnico a pacientes que já vêm sendo atendidos por hospitais e agora se encontram em uma segunda fase de tratamento significa dar continuidade ao atendimento hospitalar dentro de casa, com acompanhamento e autorização de médicos especializados, garantindo o cuidado apropriado para cada caso.

A humanização do atendimento é um aspecto cada vez mais almejado pelos usuários, que valorizam um contato mais estreito entre os profissionais de saúde, pacientes e familiares, prezando pelo bem-estar e qualidade de vida. Esse aspecto é especialmente importante para o brasileiro: no país, 63% das pessoas procuram por um atendimento mais humanizado, contra 44% na Espanha e 34% na Itália, por exemplo.

A realidade trazida pela pandemia de SARS-CoV-2 explicitou aquilo que é mais importante para o consumidor, que tende a evitar riscos de exposição sem abrir mão dos cuidados com a saúde. Os usuários estão tomando as rédeas da própria saúde e buscando alternativas que melhor se adaptam às suas necessidades.

Então, neste cenário o home care se torna um serviço que se adapta perfeitamente à nova demanda. Enquanto descentraliza o atendimento (diminuindo as lotações dos hospitais), leva suporte seguro e profissional aos pacientes, com o conforto de estar em um local aconchegante e familiar: o seu próprio lar. Além disso, durante o atendimento os profissionais podem voltar toda a atenção para um único paciente, respeitando sua individualidade e tornando a assistência muito mais personalizada e humana.

TAG: home care
Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar