faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Arquitetura da Saúde em tempos de Pandemia

acr-reforca-aposta-em-arquitetura-de-saude-com-novo-diretor.jpg
- Shutterstock

A chegada avassaladora do COVID-19 já tem um grande impacto no sistema de saúde mundial e cabe a cada um de nós descobrir qual é o nosso papel como agentes fundamentais no combate à esse vírus. Todos nós aprendemos diariamente sobre medidas essenciais como a importância do distanciamento social, melhoria da higiene e entendimento do nosso próprio impacto na sociedade como um todo, mas há ainda diversas oportunidades a serem exploradas.

Arquitetos da saúde serão peças chaves nesse momento onde todas as estruturas hospitalares terão que abruptamente multiplicar a sua capacidade de atendimento. Isso demandará a aplicação inteligente de diversas estratégias, algumas das quais serão discutidas abaixo.

· Gestão Estratégica - Estruturas hospitalares são extremamente resistentes à mudanças rápidas devido ao seu alto grau de complexidade. Portanto a gestão estratégica nesse momento será primordial para que qualquer plano seja colocado em prática de maneira resolutiva e eficiente.

· Identificação de áreas desocupadas - Áreas desocupadas são as que possibilitam ocupação rápida e imediata, por tanto são consideradas como principal ponto de partida.

· Identificação de áreas flexíveis - Áreas flexíveis provavelmente estarão sendo utilizadas para outras funções, como reuniões, administração, exames, exigindo relocações e planos de contingencia, mas são essenciais para expansão da capacidade de atendimento.

· Identificação de áreas externas – Todas as áreas externas podem ser avaliadas como potencial de expansão através da adaptação de seu uso e utilização de estruturas temporárias de rápida instalação.

· Identificação de estruturas hospitalares desativadas – Se a avaliação de todas as possibilidades de crescimento dentro da área já construída e existente no complexo não forem suficientes para atender a demanda, será necessário investigar outros edifícios que possam oferecer esse aumento de capacidade de atendimento. Estruturas hospitalares desativadas, quando disponíveis, podem ser soluções eficientes.

· Identificação de estruturas não hospitalares – A utilização de edifícios que não tenham sido programados originalmente para o uso hospitalar é uma alternativa que muitas regiões terão que considerar. Estruturas como escolas e universidades, que já estão desocupadas diante desse cenário, devem também ser avaliadas.

· Parcerias – parcerias criativas podem ser a reposta para muitos dos problemas que ainda vamos enfrentar. O entendimento de urgência e de coletivo que a essa nova realidade trouxe, será um facilitador para a implantação de soluções inovadoras.

· Tecnologia – Esta é a grande arma que temos na atualidade e que ainda não utilizávamos em todo seu potencial. Casos que não demandam hospitalização, mas sim atendimento, vão tirar cada vez mais proveito de ferramentas como a Telemedicina e o Home Care.

Épocas de crise são também onde grandes oportunidades surgem. Novas chances de aprender, de reinventar, de melhorar e principalmente inovar. Tópicos há muito tempo discutidos, como a importância da flexibilidade no ambiente hospitalar construído, talvez apareçam como itens essenciais das próximas sessões de planejamento. Há sem dúvida muitas lições que devem ser aprendidas e cada um de nós exerce um papel fundamental nessa batalha.

Vamos juntos!

TAG: Colunas