faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Hospital INC realiza neurocirurgias com ajuda de biomodelos 3D

Crédito: Celso Pilati Biomodelos 3D Aneurisma _Credito Foto - Celso Pilati.png
Laboratório de Impressão 3D próprio tornou tecnologia mais acessível e fabrica peças anatômicas fiéis aos órgãos do paciente

O aneurisma intracraniano, doença que atinge até 2% da população e principalmente as mulheres, é uma dilatação das artérias cerebrais, que podem chegar a romper e provocar uma hemorragia. Para tratar o aneurisma é preciso excluí-lo da circulação sanguínea por meio do implante de um clipe metálico. Mas a principal dificuldade durante essa neurocirurgia, de alta complexidade, é justamente a escolha do clipe ideal, que é feita na hora em que o médico manipula o aneurisma, condição que aumenta o tempo do procedimento e os riscos de ruptura intraoperatória e de complicações pós-operatórias, como as infecções.

No Instituto de Neurologia de Curitiba (Hospital INC) as chances de se danificar um vaso e alterar o clipe metálico, durante a cirurgia, foram reduzidas. Isso porque o hospital adotou como protocolo realizar todas as microcirurgias de aneurisma cerebral com base em um planejamento que permite a visualização real tridimensional do aneurisma, por meio da fabricação de biomodelos 3D fidedignos aos órgãos do paciente. Por ano, são realizadas mais de 100 cirurgias dessas na instituição, um dos poucos centros no mundo que adotou essa metodologia para executar neurocirurgias de aneurisma cerebral.

Crédito: Celso PilatiCelsoPilati-0167.jpg

“Existem dezenas de tamanhos e formatos de clipe, porque cada aneurisma apresenta variações de localização e forma, nunca são iguais. Sabe-se que há 17% de chances de se mudar o clipe durante a cirurgia e um risco alto de rompimento do aneurisma, cerca de 6%. Com os biomodelos, fazemos a escolha prévia do clipe de forma certeira e superamos esses riscos”, explica o Dr. André Giacomelli, diretor Técnico do INC e chefe do Departamento de Neurocirurgia Vascular, acrescentando que essa prática também permite uma redução significativa do tempo de cirurgia – em cerca de 80 minutos - de anestesia e da possibilidade de complicações no pós-operatório, além de diminuir os custos intraoperatórios.

Laboratório 3D

No Brasil, o INC foi pioneiro na implantação de um laboratório próprio para o desenvolvimento de biomodelos na área de aneurisma cerebral, com objetivo de atender seu corpo clínico. Desde 2013, a instituição investiga o uso de modelos 3D nesse tipo de neurocirurgia, com dezenas de pesquisas nacionais e internacionais comprovando cientificamente que os biomodelos são eficazes para o planejamento e simulação pré-operatórios.

O INC 3D Lab funciona como um setor do hospital e vem ampliando a impressão de peças anatômicas em 3D para auxiliar também outras especialidades, como as cirurgias cardíacas, pediátricas e ortopédicas. “Estamos evoluindo nesse trabalho, que proporciona uma tecnologia avançada e sofisticada para auxiliar os nossos médicos, tanto com objetivo cirúrgico quanto para treinamento de técnicas”, informa Dr. André Giacomelli, acrescentando que já existem convênios de saúde que estão liberando alguns biomodelos, como os que são utilizados para cranioplastia. “É uma questão de tempo e de estudos científicos para se tornar mandatório em uma neurocirurgia. A impressão 3D em neurocirurgia já é uma tecnologia necessária, não tem mais volta”.

No laboratório, uma equipe de biomédicos opera os softwares e impressoras para fabricar biomodelos, peças anatômicas personalizadas feitas a partir de imagens (DICOM) geradas pela ressonância e tomografias de um órgão específico do paciente. Esse arquivo passa por um processo ‘ainda artesanal’, com etapas de segmentação e modelagem, até chegar à impressão da peça 3D.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar