faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

HCor lidera estudo para avaliar os avanços no suporte respiratório em UTI

medicos_reuniao_estudo

A pesquisa é uma parceria do HCor com o PROADI-SUS com o objetivo de analisar pacientes com SARA (Síndrome da Angústia Respiratória Aguda), uma forma frequente de problema respiratório grave que necessita de suporte respiratório em UTI

O Instituto de Pesquisa HCor acaba de liderar um estudo para avaliar os avanços do suporte respiratório em UTI. Durante a pesquisa, foram incluídos 31 pacientes de UTI’s de cinco hospitais da rede pública e privada no Brasil (inclusive da UTI HCor), com o objetivo de analisar os pacientes com SARA (Síndrome da Angústia Respiratória Aguda), uma forma frequente de problema respiratório grave que necessita de suporte respiratório em UTI. Com alta mortalidade hospitalar, o que corresponde a 50% dos casos, quando graves, a pesquisa foi publicada no jornal médico Annals of the American Thoracic Society, e avaliou a melhor estratégia para reduzir ainda mais as pressões e volumes do suporte respiratório em pacientes graves de UTI.

De acordo com o médico intensivista da UTI do HCor e líder do estudo, Dr. Marcelo Romano, os pacientes com SARA, necessitam de pressões e volumes de gases reduzidos para evitar lesão pulmonar adicional e aumentar as chances de sobrevida. "O estudo demonstrou que esta estratégia chamada de "ultra-protetora" foi factível e segura.

Concluímos que estratégias de ventilação mecânica mais restritivas, utilizando menores volumes e pressões, é segura e pode ser benéfica no tratamento desses pacientes. Esse trabalho nos traz a segurança de testar essas estratégias com pacientes em escalas mundiais, por meio de novas pesquisas, para seguirmos no desenvolvimento de novas terapêuticas ainda mais eficientes", explica Dr. Marcelo Romano.