faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Tecnologia e inovação: Brasil precisa acelerar o passo da transformação digital na saúde

DJ_Tecnologia e Inovacao_26 de agosto.jpg
O tema da Digital Journey by Hospitalar de 26 de agosto centrou-se em Tecnologia e Inovação. Quais os passos que já foram dados no sentido da transformação digital? O que falta para impulsionar ainda mais as iniciativas de inovação para que o Brasil alcance o patamar de desenvolvimento tecnológico em saúde de outras nações?

Para responder a questões como essas, a Digital Journey reuniu especialistas renomados e grandes players do setor. Veja alguns highlights das discussões! O conteúdo integral está disponível, gratuitamente, na plataforma Hospitalar Hub.

Entrevista: A tecnologia da saúde em 2030

“Metaverso é uma das tendências do que será o nosso mundo da saúde em 2030. Cada vez mais, desaparecerá a divisão entre o mundo físico e o virtual.” Com essa colocação, Fabrício Campolina, Healthcare Transformation Officer da Johnson & Johnson, deu início à entrevista a Fernando Silveira Filho, Presidente Executivo da ABIMED (Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Produtos para Saúde).

Metaverso é um novo conceito em tecnologia, que representa uma recriação do ambiente físico no virtual. O que isso representa para a saúde? “A conveniência; o consumidor pode escolher onde receber os serviços. Obviamente, alguns procedimentos precisam ser presenciais. É muito empolgante. As empresas têm que aprender a navegar no mundo virtual como fazem no físico”, disse Fabrício.

Outra tendência apontada por ele é a integração de ecossistemas. “Na saúde temos um mundo fragmentado que gera desperdícios. Com a integração de ecossistemas, isso pode ser reduzido: integração de dados e verticalização integrada”, afirmou. “Nesse ecossistema, cada um vai capturar o máximo de valor e maximizar o valor conjunto. Todos ganharão; pacientes e empresas.”

Quando questionado sobre inteligência biológica versus inteligência artificial (AI), Fabrício comentou que não enxerga os dois recursos rivais, já que uma pode colaborar com a outra. “Quem vai ficar obsoleto é o ser humano que não utilizar AI”, afirmou.

Ao final, o entrevistado deixou uma mensagem de otimismo. “Apesar de todos os desafios e complexidades, acredito que com a inovação tecnológica que promove um mundo mais colaborativo em uma perspectiva social, ecológica e de governança, teremos uma década de ouro em produtividade e elevação dos padrões de cuidados com os pacientes.”

Industry Talks: Inovação e Conectividade aplicados ao CME (Centro de Material e Esterilização).

Gisele Panegassi, Gerente de Marketing da Advanced Sterilization Products (ASP), ressaltou o impacto das infecções hospitalares no sistema de saúde: gera aumento médio da permanência em hospital de 4 a 7 dias, duplica o risco de morte, pacientes com infecção hospitalar têm duas vezes mais chance de irem para UTIs e cinco vezes mais possibilidade de readmissão após a alta. “Não adianta termos os melhores cirugião e hospital se a esterilização dos instrumentais não for adequada”, enfatizou. 

A executiva explicou que o CME (Centro de Material e Esterilização), além de esterilizar, precisa documentar a forma como o material foi esterilizado, o horário e o que foi utilizado para desinfecção, entre outros fatores. “Para atingirmos a tão esperada saúde 5.0, precisamos ter o olhar estratégico para o CME; ele é o coração do hospital”, concluiu.

No Hospitalar Hub, acesse a aba  “Empresas” e conheça mais sobre as soluções da ASP.

Painel de debate: Transformação digital aplicada na saúde pública

Na saúde pública, a transformação digital exige também uma mudança cultural das equipes e do paciente, revisão de processos internos, além de cuidadosa e ética gestão dos dados.

O tema reuniu profissionais de regiões diferentes do Brasil: Luís Romagnolo, Coordenador do Departamento de Inovação do Hospital de Amor de Barretos, Valter Ferreira, CIO do Hospital de Clínicas de Porto Alegre e Marcelo Takano, Coordenador Geral do Projeto e-Saúde da Prefeitura de São Paulo. Coube a Fernando Silveira Filho, da ABIMED, a moderação do debate.

De acordo com Luís, quando se fala em inovação, particularmente na rede pública, é preciso pensar em mudança de cultura e como lidar com a capacidade interna do hospital. “Realizamos mais de 7 mil atendimentos diários e conseguimos ter ideias que podem gerar impactos positivos em todo o Brasil”, comentou. O Hospital do Amor, em Barretos, é 100% SUS. “Criamos um hub de inovação voltado para a saúde pública, associado a big data.” O médico também destacou um programa em funcionamento, baseado em games para conscientizar jovens a prevenir e identificar alguns tipos de câncer. “Esse projeto gerou economia de cerca de R$ 82 milhões em um ano”, afirmou.

O Hospital de Clínicas de Porto Alegre, por sua vez, já desenvolvia soluções próprias de gestão hospitalar desde a década de 1970, segundo Valter. Elas foram levadas a diversas instituições de saúde do Rio Grande do Sul. O  médico  falou da rápida adaptação à telessaúde, provocada pela pandemia. “Em 2019 não tínhamos teleconsulta. Em 2020, realizamos 52 mil teleconsultas.” Outro recurso potencializado pela pandemia foi o uso de prontuário eletrônico. Segundo Valter, o foco do hospital agora está centrado na experiência do usuário. O paciente tem um aplicativo, chamado de AGHUse, onde constam todas as suas informações de relacionamento com o hospital. “Quando apoiamos um hospital público na melhoria de processos, reduzimos perdas, burocracia e geramos mais resultado ao paciente”, encerrou o palestrante.

Para Marcelo Takano, a confiança nos processos digitais, que já acontece em diversas áreas, como a bancária, cada vez mais atingirá a saúde. No e-Saúde, o primeiro trabalho foi integrar dados; a proteção das informações é mais um desafio. O coordenador do projeto da prefeitura paulistana também citou a criação do “app cidadão” para esclarecer dúvidas sobre a saúde de crianças e orientações a respeito da covid-19. “Tecnologia, integração de dados e convencimento do cidadão para que ele acompanhe a sua jornada preventiva: isso fará parte da transformação da saúde no Brasil”, pontificou.

O painel completo já está disponível no Hospitalar Hub. Acesse e veja na íntegra o debate.

Industry Talks: a telemedicina já é passado

Uma das fundadoras da healthtech Nilo Saúde, Isadora Kimura, escolheu um título provocativo para a sua palestra: telemedicina já é passado. “No mundo de saúde, a telemedicina foi implementada de maneira desintegrada do sistema”, afirmou. “Ela replica os problemas do mundo físico: superutilizadores, desintegração de dados, atendimentos impessoais. Ela melhora o acesso, mas não, necessariamente, o desfecho.”

A palestrante destacou que o futuro da saúde são as jornadas digitais centradas no paciente: acesso conveniente, histórico digital e acessível do paciente e cuidado virtual baseado na atenção primária, que é preventiva. “Vou terminar com uma questão para reflexão: vocês estão preparados para a revolução? Toda a jornada do paciente vai ser e precisa ser revolucionada.”

A Nilo Saúde é especializada na oferta de software para gestão de relacionamento e cuidado ao paciente. Com atuação no segmento B2B, atende operadoras, seguradoras, autogestões, corretoras, hospitais e clínicas.

Para conhecer todas as soluções da Nilo Saúde, acesse a aba  “Empresas” no Hospitalar Hub.

Keynote Speaker: Precision diagnosis medicine – Philips trazendo mais segurança e personalização no cuidado do paciente.

Soluções da Philips no tratamento do câncer foram abordadas por Elton Tognon, Gerente de Marketing Latam da empresa.

“A Philips tem suas ações baseadas em quatro pilares: aprimorar a experiência do paciente, obter os melhores resultados, melhorar a experiência da equipe de saúde e reduzir custos com o tratamento”, disse Elton.

O executivo enfatizou o fato da estrutura da Oncologia ser separada em silos, como as áreas de testes, EMR, serviços, genômica, radiologia etc. “Temos que conectar os silos e fazer com que esses dados fluam dentro das organizações ou até fora delas”, afirmou. “A interoperabilidade é fundamental ao falarmos em medicina de precisão.”

Uma das soluções da Philips é uma ferramenta on-line que conecta especialistas de áreas distintas. “Rompemos os silos para que os dados sejam discutidos por um time multidisciplinar”, explicou Elton. 

Outra solução apresentada foi um software para interpretação de dados genômicos. “Ele realiza comparações de mutações que auxiliam na obtenção de terapias e tratamentos alvos”, disse. O executivo acrescentou que todas as soluções estão disponíveis na nuvem, chamadas de plataformas de cloud computing.

Para conhecer outros recursos da Philips de suporte na área de Oncologia, acesse a aba “Empresas” no Hospitalar Hub.

2ª edição da Digital Journey

A jornada de conteúdo ocorre de 16 a 30 de agosto na Hospitalar Hub, plataforma on-line que promove oportunidades de troca de conhecimento e de networking para futuros negócios.

Ainda dá tempo de se inscrever para acompanhar as palestras do último dia! Em 30 de agosto o conteúdo será destinado à comunidade de Medicina Diagnóstica.

Não perca! Garanta aqui a sua participação gratuita e saiba mais sobre a 2ª edição da Digital Journey by Hospitalar.

TAG: Eventos
Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar