faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

A tendência do self tracking

Wearable devices e o self tracking
Nos EUA o self-tracking está deixando de ser uma prática restrita a integrantes do movimento Quantified Self e vem gradualmente se tornando uma tendência de massa. Saiba mais.

Nos EUA o self-tracking está deixando de ser uma prática restrita a integrantes do movimento Quantified Self e vem gradualmente se tornando uma tendência de massa. Quer seja através de dispositivos portáteis (como wearables devices), quer seja através de aplicativos móveis, aos poucos os cidadãos norte americanos começam a perceber o impacto que esse simples hábito pode ter na sua saúde.

Uma pesquisa recente realizada pelo Pew Research Center junto a 3.014 pessoas em todo o país revelou que nada menos que 7 em cada 10 pessoas monitoram seus indicadores de saúde, com 21% da amostra respondendo que utiliza recursos digitais para isso. Não é um número inexpressivo.

Existem diferentes motivos para que uma pessoa monitore sua saúde e a pesquisa identificou os três principais:

  • 60% registram dados ligados à sua dieta, peso e exercícios físicos;
  • 33% registram dados de saúde como pressão, padrões de sono e nível de açúcar;
  • 12% registram indicadores de alguém sob seus cuidados.

Como era de se esperar pessoas que convivem com alguma doença crônica estão mais propensas a ser “self trackers”. Caso o paciente tenha mais de uma doença essa propensão aumenta de forma exponencial.

É curioso notar que menos de 20% dessa população compartilhada essa massa de dados com médicos e demais provedores de saúde. A pergunta que surge aqui é: qual seria o impacto no sistema de saúde se esse compartilhamento ocorresse?

Alguns bons exemplos já estão começando a tomar forma como no recente estudo realizado pela FitBit junto a pacientes que passaram por cirurgia cardiovascular. Outros irão surgir a partir de casos futuros derivados da compra da BodyMedia pela Jawbone.

O infográfico dessa semana foi desenvolvido pela Technology Advice e trouxe algumas perspectivas diferentes sobre essa questão obtidas numa pesquisa realizada pela consultoria.

Mais da metade da população de não-usuários ouvidos afirmou que a possibilidade de pagar menos pelos seus planos de saúde seria um excelente motivo para que passassem a utilizar tracking devices. Um pouco menos da metade estariam dispostos a fazê-lo se recebessem um dispositivo de seus médicos.

Um outro motivo que ajudaria muito nesse processo seria a certeza de que o uso de um dispositivo iria melhorar a qualidade do aconselhamento médico.

Isso serve como sinal de que - com a popularização da tecnologia e seu consequente barateamento - as barreiras de adoção pelas pessoas em geral estarão mais ligadas aos padrões de relacionamento entre provedores e seus pacientes. Como visto acima, bons motivos para que isso ocorra não faltam.

Wearable devices e o self tracking

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar