faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Inteligência artificial consegue agilizar diagnóstico de doenças raras

saúde business inteligencia artificial.png
Algoritmos avançados guiam o médico no momento da consulta para que ele busque o diagnóstico mais preciso possível, trazendo insights dos caminhos a seguir e permitindo que doenças, que poderiam levar até cinco anos para serem descobertas, possam ser tratadas mais rapidamente

Segundo o Ministério da Saúde, considera-se doença rara aquela que afeta até 65 pessoas em cada 100.000 indivíduos, ou seja, 1,3 pessoas para cada 2.000 indivíduos. No Brasil, estima-se que 13 milhões de pessoas convivem com algum tipo de doença rara. Atualmente, diagnósticos precoces e assertivos são dois dos grandes problemas relacionados a essas doenças no Brasil, prejudicando o cuidado com o paciente e tendo forte impacto no sistema de saúde, pois diagnósticos errados significam agravamento da doença. Além disso, estima-se que 25% das pessoas nem saibam de sua condição.

Mas, com o avanço da tecnologia, mais precisamente da inteligência artificial é possível avaliar de forma precoce hipóteses de doenças raras, seja identificando, excluindo ou até mesmo confirmando os diagnósticos.  E a boa notícia é que o Brasil já possui tecnologia disponível e reconhecida para isso. 

O MIDAS-MedFlow, módulo de inteligência artificial embarcado na Medkortex, plataforma de gestão em telemedicina desenvolvida pela GetConnect, inclusive conquistou o primeiro lugar no prêmio “Desafios Plurais – a vida de cada paciente é singular, o desafio é plural” por ajudar nesse processo.  A premiação promovida pela Roche, companhia multinacional Suíça;  e pela Eretz.bio, incubadora de startups do Hospital Israelita Albert Einstein, teve como objetivo identificar soluções capazes de  facilitar diagnósticos precoces de doenças raras voltadas para atenção primária e possam ser replicáveis em grande escala. A solução foi a que mais se destacou dentre as mais de 60 outras ideias inovadoras que participaram do desafio. 

“Existem algumas doenças que demoram de três a cinco anos para serem diagnosticadas e a inteligência artificial permite agilizar esse processo. Quando um paciente chega com uma dor abdominal - que pode ter várias causas - o médico investiga o paciente e navega pelas várias árvores do sistema; assim então, começa a raciocinar com o aplicativo, o que o possibilita examinar diversas perspectivas. Detalhes que poderiam passar despercebidos (afinal, estamos falando de doenças que não são triviais e com as quais não temos contato com frequência) podem surgir já na primeira anamnese - algo pode ocorrer, inclusive, via telemedicina”, ressalta Julio Cesar Gali Filho, médico responsável pelo desenvolvimento do algoritmo MIDAS, base tecnológica do MedFlow. 

Através de algoritmos avançados (redes neurais convolucionais), a solução MedFlow guia o médico no momento da consulta para ele buscar o diagnóstico mais preciso possível, trazendo insights dos caminhos a seguir. Com base em perguntas que vão sendo sugeridas sobre sintomas e identificação dos sinais vitais, o sistema refina da melhor maneira possível as hipóteses. O módulo sugere as doenças prováveis e traz as informações sobre cada uma delas, auxiliando na solicitação de exames, na decisão clínica e no caso das doenças raras, trazendo possibilidades que tradicionalmente poderiam não estar entre as hipóteses do médico. É exatamente essa capacidade de refinamento que diferencia o módulo da MedKortex dos demais sistemas do mercado. 

“Essa tecnologia tem muito potencial nessa era de teleconsulta e telemedicina. É preciso que todos entendam que inteligência artificial e outros recursos não substituem o médico, mas podem ajudá-lo a pensar melhor. São recursos que trazem mais segurança, conhecimento e agilidade. O médico dificilmente consegue absorver todos os avanços da medicina e as doenças raras têm muitas especificidades e a tecnologia ajuda muito nesse diagnóstico e a salvar muitas vidas”, enfatiza.  

Marcelo Fanganiello, diretor da GetConnect, complementa que esta tecnologia é fundamental hoje na medicina e na telemedicina e que essa inteligência aumentada ajuda a trazer agilidade, aprimorar a segurança do paciente e trazê-lo para o centro do cuidado. Isso vale não só para as consultas à distância como também para as presenciais. 

“A medicina evolui de maneira rápida e diariamente surgem novas doenças, inclusive as raras, novos tratamentos. Visto que um profissional não tem como absorver milhares de informações sobre enfermidades, diagnósticos, seus sinais e sintomas, a Inteligência Artificial surge como uma excelente aliada. Além de aumentar a exatidão da interpretação de exames”, finaliza o diretor.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar