faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

CPI dos Planos de Saúde não paralisa atividades em julho

As atividades devem continuar durante o mês de julho para não atrapalhar o andamento da comissão e não perder o envolvimento da sociedade nos trabalhos

A CPI dos Planos de Saúde da Câmara dos Deputados vai continuar os trabalhos durante a convocação extraordinária do Congresso Nacional, informou a Agência Brasil. A decisão foi tomada ontem, pela CPI, e o requerimento será incluído na pauta do período de convocação extraordinária, de 30 de junho a 1º de agosto, feita pelo presidente da Câmara, João Paulo Cunha. Segundo o presidente da CPI, Henrique Fontana, as atividades devem continuar durante o mês de julho para não atrapalhar o andamento da comissão e para que não se perder o envolvimento da sociedade nos trabalhos.
Na reunião de ontem, representantes do Procon e do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor reafirmaram a existência de problemas sérios no mercado de Saúde Suplementar, que motivaram a instalação da CPI.
Dentre eles estão: o aumento abusivo de preços dos planos de saúde por faixa etária ? alguns planos são reajustados de R$ 168 para R$ 300, quando o usuário completa 70 anos; descredenciamento de hospitais e de médicos durante tratamentos de saúde; redução do número de dependentes por plano de saúde.
"A Lei dos Planos de Saúde regulamentou em alguns pontos de maneira bastante satisfatória o mercado de Saúde Suplementar, mas apresenta uma série de lacunas em relação à defesa do consumidor, que devem ser aperfeiçoadas", afirma o presidente da CPI. O diretor do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, Ricardo Morishita, defende que as normas do Código do Consumidor devem ser aplicadas pela Lei. "Não podemos admitir que o consumidor seja chamado novamente para pagar a conta. Se ele não é sócio das empresas, não deve dividir os prejuízos", afirma Ricardo Morishita.
Em 2001, os planos de saúde ficaram em 4º lugar no ranking de reclamações feitas ao Procon contra empresas. Foram 2,3 mil ocorrências.

TAG: Hospital
Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar