faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Pardini oferece novo teste da Abbot liberado pela Anvisa

HERMES PARDINI-abbot

Setor de P&D do laboratório já validou e incluiu em seu portfólio, o teste sorológico da Abbott que foi liberado pela Anvisa para uso no Brasil. Mais acessível e eficaz, o teste ajudará a ampliar a testagem no país e apoiar o diagnóstico

Comprometido com o combate ao avanço do novo Coronavírus, o Grupo Pardini anuncia a inclusão do novo teste de anticorpos IgG para SARS-CoV-2 da Abbott, empresa global de cuidados para a saúde, em seu portfólio de produtos contra a COVID-19. Com a validação do setor de Pesquisa & Desenvolvimento, o laboratório se torna o primeiro do país a oferecer o teste laboratorial para a detecção do anticorpo IgG, realizado em amostra de sangue. Esse teste demonstrou especificidade e sensibilidade para detectar anticorpos IgG maiores que 99% em 14 dias ou mais após o início dos sintomas.

"Sabemos que apenas testando a população poderemos contribuir para reverter a situação de crise em que nos encontramos. Por isso, o compromisso do Pardini em expandir o portfólio com testes altamente confiáveis", afirma Alessandro Ferreira, vice-presidente do Grupo. O teste já está disponível em unidades próprias do Grupo Pardini e nos mais de 6 mil laboratórios, clínicas e hospitais parceiros da rede, distribuídos em 1.900 cidades.

Os testes de anticorpos da Abbott estão sendo usados em diversos países, como Estados Unidos, Reino Unido, Itália e Espanha. De acordo com pesquisadores da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, o resultado, a partir do 17º dia do início dos sintomas da doença, chega a ter 99,9% de especificidade e 100% de sensibilidade.

O ensaio para IgG contra SARS-CoV-2 da Abbott está disponível em um sistema de alto rendimento, capaz de rodar de 100 a 200 testes a cada uma hora, ou seja, um teste com processamento bastante rápido e eficaz que pode ajudar no combate à pandemia. Outro fator relevante é que o teste auxilia no inquérito epidemiológico da doença. "O conhecimento sobre casos de pessoas que já foram infectadas é importante para entender o comportamento do vírus, para saber como nosso organismo responde e para o desenvolvimento de tratamentos e vacinas", afirma Alessandro.

O imunoensaio de micropartículas por quimioluminescência (CMIA), usado para a detecção qualitativa de anticorpos IgG contra SARS-CoV-2 no soro e plasma humano, tem autorização emergencial de uso do FDA nos Estados Unidos e CE Mark na União Europeia. E, agora, recebeu a aprovação da Anvisa no Brasil.