faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Produtos para saúde: de um abaixador de língua a um PET CT

Dentro de um universo rico e complexo, veja a posição do Brasil em relação à competitividade e influência

A indústria de produtos para saúde é um dos setores mais dinâmicos da economia mundial, com faturamento anual estimado em US$ 300 bilhões (2012), cerca de 30 mil indústrias ao redor do mundo e mais de 1 milhão de empregados, de acordo com o Brazilian Health Devices.

O dinamismo se dá pela abrangência de produtos, sendo mais de 20 mil diferentes, segundo a OMS, que variam de um simples abaixador de língua aos mais sofisticados e vitais equipamentos para prevenção, diagnóstico, tratamento, monitoramento de doenças e reabilitação de pacientes.

Os produtos para a saúde podem ser classificados em três categorias principais: equipamentos (Raio X, Ressonância Magnética e outros aparelhos), materiais (próteses e implantes como stent e marca-passo) e suprimentos médico-hospitalares (gaze, linha para sutura, etc.).

LEIA MAIS

Abimed anuncia conjunto de ações em prol da inovação

Posição do Brasil

De acordo com dados divulgados pela Abimed, durante lançamento de seu novo posicionamento no mercado, o Brasil é o sétimo mercado mundial em produtos para a saúde, com um faturamento ao redor de US$ 11 bilhões (2013), responde por 0,4% do PIB brasileiro. O setor tem crescido ao redor de dois dígitos e de maneira sustentável nos últimos 10 anos, alcançando índices bem acima do mercado.Para a entidade, esses resultados podem ser atribuídos ao envelhecimento da população, expansão das classes C e D, aumento do número de empregos formais e mudança do perfil epidemiológico do País, entre outros fatores.

Atualmente, existem 13.800 empresas que fabricam ou comercializam produtos para a saúde no Brasil. Ao todo, empregam cerca de 130 mil trabalhadores - 46% na indústria e 54% no comércio -, sendo que 8,4% das empresas respondem por 91,7% do contingente do setor. Do total de empresas, cerca de 80% são pequenas e médias, a maioria concentrada em São Paulo.

Por ser um setor com um ciclo de vida do produto extremamente curto, a Abimed prepara uma série de iniciativas para acelerar o processo de inovação das empresas brasileiras.

Para se ter uma ideia da situação brasileira, o País ganhou três posições no Índice Global de Inovação 2014 - elaborado pela Organização Mundial de Propriedade Intelectual (Ompi), Cornell University (EUA) e Insead (escola francesa de administração) - ficando em 61º lugar entre 143 países, mas abaixo de países como Barbados, Chile e Panamá.

Competitividade: O Brasil perdeu quatro posições no ranking de competitividade do Fórum Econômico Mundial entre 2011 e 2014. Passou da 53ª posição entre os mais competitivos em 2011 para a 57ª posição em 2014, em um universo pesquisado de 144 países.

Patentes: O Brasil ocupa a penúltima posição no ranking de patentes válidas, segundo relatório da Organização Mundial de Propriedade Intelectual. Entre 20 países analisados, o Brasil ocupa a 19ª posição e só ganha da Polônia. Enquanto o número de pedidos de patentes cresceu 5,1% em 2012, na China, o aumento foi de 24%. A espera por uma concessão de patente no Brasil pode ultrapassar 10 anos.

Redes globais de produção: O Brasil tem baixa participação nas redes internacionais de produção, segundo o Relatório Mundial de Comércio 2014 publicado pela Organização Mundial de Comércio (OMC). O País divide a “lanterna” com Argentina e África do Sul. A participação nessas redes eleva o patamar tecnológico e de conhecimento dos países e aumenta sua competitividade.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar