faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Setor de ciências da vida se mantém no padrão de retorno à normalidade, segundo estudo da KPMG

LGIUSTI_A_002_110109_fundo branco.jpg

A KPMG realizou um levantamento analisando os quatro padrões de retomada dos 40 principais setores da economia brasileira após um ano de início da pandemia da covid-19. Segundo o estudo, o setor de ciências da vida permaneceu no patamar "retorno ao normal" comparado à mesma pesquisa realizada em abril do ano passado. Este padrão de retomada indica que as empresas do segmento sofrerão efeitos da recessão do distanciamento social do consumidor, mas se recuperarão mais rapidamente à medida que a demanda retornar em volumes semelhantes.

Apesar de o setor ter se mantido no mesmo patamar de crescimento constatado na primeira edição da pesquisa, a perspectiva para a indústria é boa. Nesse processo, novos canais de vendas e modelos de distribuição estão sendo alavancados por novos marcos regulatórios como prescrição eletrônica e comércio eletrônico na área da saúde. A utilização de tecnologia para aceleração do desenvolvimento de medicamentos e identificação antecipada de surtos já são uma realidade", afirma a sócio líder de Infraestrutura, Governo e Saúde da KPMG, Leonardo Giusti.

Entre as tendências para o segmento, estão a aceleração da transformação digital na cadeia de valor com múltiplos canais para contato com a classe médica e na relação cliente-paciente, novos modelos de negócios na indústria criando maior proximidade entre eles; o uso de tecnologias e inteligência artificial para identificar novos surtos de saúde, bem como para acelerar o desenvolvimento de medicamentos e potencial redução nos participantes privados da cadeia de valor por consequências financeiras resultantes da situação de isolamento e queda brusca de receitas.

Com relação à nova realidade do setor, o relatório apontou as seguintes:

Modelo de negócios: indústria assumindo um papel mais próximo do paciente desenhando um modelo de serviços como nova fonte de receita;

Mudanças de hábitos dos consumidores: pacientes mais protagonistas, mais bem informados e mais exigentes, participando da escolha do percurso assistencial, desafiando decisão médica. Indústria mais próxima dos clientes-pacientes com visão de bem-estar e não apenas de fornecedora de medicamento;

Gestão de riscos: baixo impacto de maneira geral dado bom nível de maturidade dos participantes. Riscos cibernéticos, regulatórios e de negócios em constante monitoramento. Transparência e ética como questões críticas;

Estrutura de capital: a indústria farmacêutica tem pouca alavancagem financeira. É feito um constante debate em relação à necessidade de parque industrial local, com tendência de fechamento de fábricas, em contraponto à ampliação de atuação da indústria nacional.

Sobre a pesquisa "Tendências e a nova realidade - 1 ano de covid-19":

O relatório da KPMG traz informações relevantes e um balanço sobre como as empresas vêm respondendo aos desdobramentos desde o início da crise, indicando quatro padrões de retomada para os setores. De acordo com a pesquisa, podem ser consideradas em processo de crescimento, as indústrias e empresas que escalam o pós covid-19 com o comportamento do consumidor favoravelmente alterado durante a crise. Já no "retorno ao normal", essas organizações são vistas como essenciais. No terceiro estágio intitulado no relatório como "transformar para emergir" estão as indústrias e empresas que se recuperarão, mas ao longo de um caminho prolongado, exigindo reservas de capital para resistir e transformar modelos operacionais e de negócio. Por fim, em reiniciar, essas organizações lutam para se recuperar da covid-19 devido à demanda permanentemente reduzida por ofertas, capital insuficiente para evitar recessão prolongada ou má execução da transformação digital.

"A análise destaca que líderes de diferentes mercados têm buscado enfrentar esse momento com resiliência, informação e planejamento estratégico, de modo a antecipar possíveis entraves e obstáculos e, assim, obter os resultados esperados mesmo em um período complexo e desafiador. O estudo aponta as especificidades dos setores abordados, incluindo as tendências, as medidas que as empresas têm adotado para mitigar os reflexos do atual cenário, os principais desdobramentos observados neste último ano, as lições aprendidas e os riscos inerentes aos mercados", finaliza o sócio de clientes e mercados da KPMG no Brasil e América do Sul, Jean Paraskevopoulos.

O documento completo está disponível no seguinte link.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar