faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Como controlar fluxo de materiais e medicamentos na Saúde Pública

homeopathy-1604071_960_720

A gestão de materiais e medicamentos é um dos grandes desafios da rede de Saúde Pública. Os problemas enfrentados são diversos, desde fraudes, complicações de armazenamento, até fatores como obsolescência e pouco controle sobre o estoque. O bom gerenciamento parte do controle de duas pontas: logística e armazenagem e dispensação.

Sob o aspecto de logística e armazenagem, devem ser analisadas a compra e a gestão dos produtos. "É importante saber quanto adquirir e até qual prazo esses suprimentos devem durar”, explica Thiago Uchôa, gerente comercial de produto - Saúde Pública, da MV. Para o especialista, a aquisição de medicamentos e materiais, especialmente para a rede pública, deve ser muito bem pensada e planejada, uma vez que é feita por meio de licitações. “Se é comprado demais, os prazos de validade podem estourar e os produtos estragarem; se compra ‘de menos’, até fazer uma nova licitação, o remédio já estará em falta”.

A utilização de um sistema de gestão na Saúde Pública facilita o mapeamento da demanda pelas substâncias a partir de um cruzamento com o ponto de medida. “Esse ponto de medida é uma média baseada no consumo desses medicamentos e materiais em um determinado período de tempo”, explica. O indicador estipulará o estoque de segurança, ou seja, a quantidade mínima de produtos necessária para não incorrer em faltas ou excessos.

“Quando há um surto de dengue, por exemplo, a previsão de estoque dos medicamentos utilizados para tratar a doença é encurtada. O sistema automaticamente posiciona a queda abrupta e anormal do medicamento, indicando a necessidade de reposição”, ilustra Uchôa. Nesse caso, a partir de critérios de gestão e logística, consegue-se evitar que os estoques sejam subutilizados. A compra de medicamentos, quando bem-feita e organizada, otimiza o rendimento, já que aquisições emergenciais, mais custosas, não ocorrerão com tanta frequência.

Sob o ponto de vista do segundo aspecto, de dispensação, sistemas de gestão auxiliam no controle. “Toda a dispensação é feita por meio da prescrição médica, para determinado paciente. Conciliando as receitas médicas com o sistema, é possível dar baixa naqueles medicamentos que já foram entregues, evitando assim a retirada dupla, por exemplo. O estoque, já interligado com a dispensação, registra e dá baixa no estoque”, expõe o especialista.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar