faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

O que ocasiona a falta de medicamentos em hospitais públicos

Relatório elaborado pelo TCU divulgado esse ano aponta falhas de gestão logística, com impactos no atendimento ao paciente

Nesse ano, o Tribunal de Contas da União (TCU) realizou

levantamento em todos os Estados da federação para avaliar os motivos que levam

à falta de medicamentos e insumos nas instituições públicas de saúde.

Nas 116 unidades visitadas foram apontados: falhas nos

processos de licitação (59%); erros no gerenciamento dos estoques central e

local (18% e 10%, respectivamente); problemas na distribuição dos bens entre as

unidades (9%); não entrega pelos laboratórios nos prazos estipulados (9%); falta

de comunicação sobre baixos níveis de estoque (9%); expiração dos medicamentos

(5%); e deficiências no fornecimento de remédios pelo Ministério da Saúde (4%);

entre outros.

As razões, em sua maioria, denotam a falta de uma gestão

logística efetiva para dimensionar recursos financeiros, priorizar insumos de

maior utilização, distribuir corretamente esses materiais e medicamentos entre

as unidades do Estado e controlar o consumo, para programar a reposição em

prazos adequados.

Entre esses hospitais, 17% relataram que, muitas vezes,

ocorrem restrições na realização de procedimentos em função da falta de

suprimentos. Em outros, as soluções – todas inapropriadas - passam por:

substituição frequente de materiais por outros menos adequados à realização de

determinados procedimentos ou tratamentos; empréstimos entre unidades;

utilização de estoques de farmácias locais; e aquisição direta de medicamentos

pelas próprias unidades hospitalares.

Essa falta de controle acaba resultando em inúmeros

problemas para as Secretarias de Saúde, que vão de erros no dimensionamento das

compras ao comprometimento na segurança dos tratamentos oferecidos à população.

E o pior, os “quebra-galhos” perpetuam os problemas nos

estoques: acaba havendo superestimativa de alguns materiais, que são utilizados

além de suas funções, como substitutos, e subdimensionamento de outros, já que

há falhas na comunicação de baixo estoque e improvisa-se com o que se tem à mão.

Além disso, os órgãos públicos enfrentam desperdícios de

insumos (39%) e falta de instrumentos básicos para a assistência (48%).

Fica claro que faltam habilidades específicas aos órgãos

públicos para manter uma gestão logística eficaz no setor de Saúde. Nesse caso,

organizações privadas e com expertises específicas podem contribuir, e muito,

para a melhor utilização de recursos e o bem-estar da população.

Domingos Fonseca, Presidente da UniHealth Logística Hospitalar

http://unihealth.com.br/

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar