faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

O futuro dos dispositivos móveis em hospitais

O futuro dos dispositivos móveis em hospitais

A Zebra lançou um estudo em 2017 sobre tecnologias móveis melhorando a assistência e qual seria sua visão para os hospitais em 2022. Conversamos com Diana Calderon, Head de PR e Social Media da Zebra Technologies na América Latina, para entender as previsões feita pela marca e como se aplicarão à realidade brasileira.

Os dispositivos móveis que são tratados no estudo se referem aos leitores de códigos de barras, scanners, computadores móveis - do tamanho de smartphones – e impressoras móveis. A incorporação destes dispositivos na saúde permitirá que os profissionais passem mais tempo próximo aos pacientes, melhorando a qualidade e a segurança do cuidado, de acordo com a Zebra.

A integração e interoperabilidade entre estes equipamentos são essenciais para que as informações estejam disponíveis e os dados possam ser usados de forma preditiva e na detecção antecipada de agravos à saúde. Para isso a Zebra desenvolveu uma ferramenta chamada Zebra DNA, que permite a conectividade entre os aparelhos. Além disso, as soluções podem ser moldadas às necessidades de cada hospital e seu sistema já em uso.

Diana aconselha que a instituição estude o que realmente é necessário para a sua operação e não procure o que está na moda ou é tendência. Só assim, os investimentos (que não são baixos) em infraestrutura para receber estas novas tecnologias valerão a pena, possibilitando um retorno rápido se a solução atender especificamente a necessidade do serviço com segurança e agilidade.

Uma das promessas do estudo é que, ao serem adotados dispositivos móveis no cuidado, haverá também redução de custos da assistência. “Eficiência e produtividade – precisaremos de menos recursos para fazer o processo mais eficientemente. Você terá visibilidade em toda a sua cadeia de suprimentos. E com a previsibilidade tomará decisões oportunas em um tempo correto”, explica Diana.

A empresa tem aperfeiçoado seu portfólio para o setor da saúde. Seu último lançamento ​é um scanner móvel mais ergonômico, feito de um material resistente aos processos de limpeza exigidos em um hospital e que possui o modo silencioso, que não atrapalhará um paciente que estiver dormindo ou em recuperação.

Uma tendência que a marca tem apostado é na tecnologia de RFID, utilizada principalmente em grandes estoques para capturar informações de grandes volumes rapidamente sem a necessidade de scaneamento um a um. “Isso dá rastreabilidade de ativos e de pessoas em tempo real!”, finaliza Diana.

Hutrin é referência em gestão hospitalar

hutrin-1

Hospital público aumenta em 40% o número de exames, 248% em consultas, 30% em cirurgias e duas horas a menos de espera no PS

Em entrevista ao Bom Dia Goiás (TV Anhanguera), o governador Ronaldo Caiado (DEM), citou o Hospital Estadual de Urgências de Trindade Walda Ferreira dos Santos (Hutrin), em Trindade, como referência de boa gestão na área de saúde. “O Hutrin de Trindade aumentou em mais de 200% o atendimento”, ressaltou Caiado durante a entrevista que tratou do balanço de um ano do seu governo.

O IMED (Instituto de Medicina, Estudos e Desenvolvimento) que assumiu a gestão do hospital em agosto promoveu melhorias significativas no atendimento à população. Segundo o balanço de novembro houve aumento de 40% em exames de eletrocardiograma e raio X, 248% em consultas, 30% em cirurgias e duas horas a menos de espera no Pronto Socorro.

Vagas para laqueadura

Mais organizado, o Hutrin anuncia para as prefeituras da região que estão sobrando vagas para cirurgias pelo SUS. Das 80 cirurgias de laqueadura que o Hospital tem capacidade para realizar mensalmente, somente 32 foram feitas no último mês. As pacientes não estão chegando à unidade, que a partir do segundo semestre de ano, de fato, tem atendido todo o território goiano. A ociosidade das vagas no hospital se dá pela falta de encaminhamento, via regulação, dos municípios. A laqueadura é uma cirurgia que impede que a mulher engravide e é oferecida gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) de acordo com os critérios da Lei nº 9.263/96.

As mulheres que têm interesse em realizar a cirurgia de laqueadura devem procurar uma unidade de saúde no município onde residem. Após uma consulta inicial e orientações sobre planejamento familiar, elas serão encaminhadas pela Secretaria Municipal de Saúde, via regulação, para o Hutrin. Na unidade elas passarão por uma nova consulta para que realizem a cirurgia.

Sobre o HUTRIN 

O HUTRIN (Hospital Estadual de Urgências de Trindade Walda Ferreira dos Santos) é uma unidade de assistência, ensino e pesquisa, que integra a Rede Estadual de Hospitais de Urgências e Emergências do Estado de Goiás (Rede HUGO). O Hospital tem 42 leitos e perfil assistencial voltado para baixa e média complexidade em clínica obstétrica, clínica cirúrgica e clínica médica, sendo referência para Trindade, onde está localizado, e as cidades vizinhas; atendendo uma população de cerca de 160 mil habitantes.

Desde o dia 25 de agosto de 2019, o HUTRIN encontra-se sob a gestão do Instituto de Medicina, Estudos e Desenvolvimento – IMED, uma Organização Social (OS) que se destaca pela prestação de serviços e desenvolvimento de projetos que proporcionem bem-estar, saúde, cidadania e dignidade às pessoas. O IMED administra o HUTRIN para que ele funcione com qualidade 24 horas por dia, todos os dias da semana.

Implus Care fecha 2019 com carteira de 150 mil vidas

DSC03928

Empresa desenvolve e faz a gestão de programas de promoção de saúde e qualidade de vida que contribuem para melhoria de clima organizacional e aumento da produtividade

Desenvolver, implantar e gerenciar programas de saúde e qualidade de vida para colaboradores de empresas, sem deixar de lado as características de cada indivíduo. Esse é o core business da Implus Care. A empresa do Grupo Implus está prestes a completar um ano e fecha 2019 com a marca de 150 mil vidas cobertas.

Atendendo a empresas preocupadas com a saúde dos colaboradores, a Implus Care desenvolveu programas focados nas necessidades específicas dos diferentes públicos que existem dentro de cada uma das corporações clientes, garantido a melhoria na produtividade e nos resultados das empresas.

Esse foi o diferencial para se destacar no mercado e se mostrar competitiva num ano de muitas incertezas econômicas. “Conseguimos mostrar o valor dos nossos serviços para seguir com o plano de negócio, oferendo aos clientes soluções que fazem diferença para os funcionários e no ambiente de trabalho”, afirma Julyana Vieira Caporal, diretora da Implus Care.

De acordo com a diretora, a preocupação com saúde deixou de ser apenas uma questão trabalhista ou legal. Hoje, as empresas estão muito mais engajadas em saber como estão seus times de colaboradores. “Acompanhar a saúde dos funcionários é uma premissa das empresas que são socialmente responsáveis e economicamente competitivas. Fica claro que ter funcionários saudáveis contribui para os resultados das empresas, já que eles trabalham melhor e se sentem mais dispostos”, completa.

Porém, essa não é uma tarefa simples, já que são muitos os fatores que interferem no bem-estar dos funcionários. Por isso, é importante fazer um estudo aprofundado do perfil de cada população e ter um olhar singular sobre o que precisa ser feito para cada indivíduo.

“Muitas vezes, percebemos que a falha está em não conhecer o público interno. Reproduzir um programa que deu muito certo numa empresa, não significa que vai dar certo em outra, pois não existe uma fórmula pronta que se aplicará em todos os casos. O caminho é de bastante estudo e de trabalho em conjunto”, explica Julyana.

No portfólio da Implus Care estão, por exemplo, corporações de grande porte dos segmentos da indústria da aviação, energia e abastecimento de água. Em todos os casos, as ações foram desenvolvidas conforme uma análise preliminar que demonstra qual é o perfil da população de cada empresa. Assim ficam definidos quais são os programas mais interessante a aplicar. “Em uma das empresas, desenvolvemos um programa de acompanhamento materno que orienta a mãe desde o início da gestação, até o pós-parto. O intuito é dar atenção a essa família, esclarecendo as dúvidas e demonstrando os desafios da chegada do bebê”, conta.

Outros serviços

Núcleo de Atenção Primária (NAP) – modelo de acompanhamento por médico de família para a prevenção de doenças.

Gestão de Crônicos – faz o mapeamento dos colaboradores com doenças crônicas para o monitoramento e orientação para melhorar a qualidade de vida desses pacientes.

Auxílio ao Tabagista – destinado a conscientização dos trabalhadores que desejam parar de fumar.

Mais Leve – oferece apoio e orientação para o controle e redução da obesidade com foco na mudança de comportamento e de hábitos alimentares.

Plataforma Com Você – ChatBot – por meio de inteligência artificial são enviadas mensagens de texto ao colaborador para fazer o acompanhamento em tempo real e identificar riscos à saúde, promovendo cuidado e engajamento.

RV Ímola investe R$ 18 milhões em tecnologia em 2019 e cresce 10%

rv-imola

Em meio a crise, empresa de logística hospital se prepara para entrar no seleto grupo da Indústria 4.0

O futuro da indústria chegou e o conceito do 4.0 não é mais um sonho distante. Em todos, o grande "pulo do gato" são os recursos tecnológicos que estes setores da economia passaram a adotar no seu dia a dia, seja na produção ou na operação.

Segundo a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), a  expectativa é que, em dez anos, 15% das indústrias atuem no conceito da indústria 4.0, que se dá principalmente pela digitalização e robotização. Hoje, menos de 2% das empresas estão inseridas nesse conceito.

Em termos simples, o conceito da indústria 4.0 refere-se nada mais que a otimização de toda a cadeia de valor agregado ao longo do ciclo de vida útil de um produto, mediante a aplicação da digitalização e da ligação em rede. O ponto culminante desse desenvolvimento é o produto integrado. Ele incorpora conhecimento, comunicação com as máquinas, ferramentas e pessoas.

No segmento de logística, o "4.0" também passa pela tecnologia, mas pega carona na capacitação e no treinamento dos profissionais, já que todo o maquinário empregado requer e exige conhecimento especializado.

"A Logística 4.0 é um conceito que mistura novas tecnologias - Drones, Big Data, Internet das Coisas (IOT), realidade aumentada etc - com as boas práticas de gestão. Precisamos, sempre, focarmos em quem está na ponta, o paciente”, explica Roberto Vilela, presidente da RV Ímola, empresa especializada no transporte de medicamentos.

Investimento

A retomada do crescimento econômico nacional ainda não alavancou, o PIB do terceiro trimestre de 2019 cresceu 0,6% em comparação aos três meses anteriores. Em comparação com o terceiro trimestre de 2018, o crescimento foi 1,2%, segundo o IBGE.

Neste cenário, a RV Ímola investiu R$ 18 milhões em tecnologia só neste ano para entrar de cabeça no mundo do 4.0. “Só na CLIF (Central Logística de Inteligência Farmacêutica), aplicativo desenvolvido dentro da nossa empresa e se tornou um grande ERP (planejador de recursos) da saúde, foram investidos R$ 2,5 milhões esse ano e um total de R$ 3,7 milhões no projeto, fora os outros projetos”, afirma Vilela.

Essa ousadia fez com que a empresa crescesse 10% em números absolutos, atingindo uma receita líquida de R$ 140 milhões. “Estamos extremamente satisfeitos com esses números, eles refletem o posicionamento estratégico da RV Ímola no mercado. Nossos investimentos só crescem e ver que o faturamento está acompanhando esse crescimento é um sintoma que estamos no caminho certo”, completa Vilela.

Sobre a RV Ímola

RV Ímola é uma empresa especializada em Logística Hospitalar, que conta com antecâmaras climatizadas e docas climatizadas para dar mais segurança na armazenagem e no transporte de seus medicamentos. Para saber mais sobre nossos serviços, entre em contato.

B.E.S.T: Programa de inovação inédito no Brasil desenvolve soluções de baixo custo voltadas à prevenção do câncer ginecológico

terapeuta-com-seu-paciente_1098-1947

A primeira edição do programa de Inovação Médica  – B.E.S.T Innovation Course promovida no Brasil, no Instituto de Treinamento em Cirurgias Minimamente Invasivas (IRCAD Barretos), tem a missão de desenvolver soluções para facilitar o acesso à prevenção de um dos cânceres que mais matam mulheres no Brasil, o ginecológico, que atinge especialmente os Estados mais carentes, estando em primeiro lugar na taxa de mortalidade do norte do país. Desde a última segunda-feira (16), 20 pessoas entre médicos, designers, engenheiros, veterinários e pesquisadores do Peru, Holanda, Brasil e Equador, que tiveram o melhor desempenho na fase online do programa, estão em imersão, na unidade do Instituto localizada ao lado do Hospital de Amor criando estas soluções juntamente com os principais especialistas em inovação da área da saúde no mundo.

Com cerca de 15 horas diárias de atividades juntamente com experts dos Estados Unidos, França, Holanda, Itália e Brasil, os alunos do B.E.S.T estão aprendendo sobre a inovação em saúde nas próximas duas décadas, cirurgia minimamente invasiva, a cirurgia 5.0, prototipagem, inovação médica na América do Sul,  e também realizam vários exercícios voltados para gestão, empreendedorismo e propriedade intelectual, inclusive estando todos os projetos protegidos pelo Instituto, para que após o programa se faça a patente do projeto vencedor.

Um dos 15 docentes, convidados especiais do B.E.S.T, é o mestre em ciência de gestão de engenharia, Dennis McWilliams. Ele é fundador da SparkMed, empresa referência mundial no desenvolvimento de soluções médicas e Apollo Endosurgery, empresa focada em dispositivos cirúrgicos e endoscópicos minimamente invasivos para o tratamento da obesidade, cânceres gastrointestinais e outros distúrbios gastrointestinais, considerada líder global em cirurgia menos invasiva da obesidade, com aproximadamente US $ 70 milhões em receitas e operações comerciais em mais de 50 países ao redor do mundo.  Incentivador da tecnologia disruptiva, um dos instrumentos que ele criou e que considera de maior impacto no tratamento de doenças é o OverStitch, dispositivo para suturas utilizado em todo o mundo desde 2011. O processo de desenvolvimento envolveu cerca de 6 anos.

Participante do B.E.S.T em Barretos, o médico do Equador Diego Zambrano, revelou já ter participado de outros eventos de inovação como o Hackmed Equador e o Programa de Inovação e Desenvolvimento Empresarial da primeira escola de negócios do Equador (ESPAE). O projeto que desenvolveu de maior relevância até o momento, é o projeto de dispositivo inteligente que alerta os parâmetros antes de um infarto. Zambrano afirmou ser muito interessante o programa B.E.S.T ao promover a integração de várias áreas e revelou sua expectativa de implantar uma incubadora de inovação em seu país.

O projeto vencedor do  B.E.S.T Brasil, promovido pelo IRCAD Barretos, será revelado nesta sexta-feira (20), com grandes expectativas de impactar a saúde mundial, na prevenção do câncer ginecológico. Todas as informações sobre o programa no Brasil estão no site.

Avanade e Answer ALS unem tecnologias para acelerar o maior programa de pesquisa sobre ELA

pesquisa-cancer_109345589

Centros de pesquisa médicos, companhias de tecnologia e mais de 1000 pacientes diagnosticados com ELA se unem para colaborar globalmente na busca por novos tratamentos

A Avanade, o programa de pesquisa Answer ALS, um consórcio de centros de pesquisa médicos e mais 1000 pacientes que sofrem com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA ou ALS na sigla em inglês), finalizaram a primeira fase de uma grande infraestrutura tecnológica, que pode ajudar na luta contra a doença. O projeto permitirá que pesquisadores médicos de todo o mundo colaborem com segurança na busca pelas causas da ELA e desenvolvam novos protocolos de tratamento.

A Answer ALS, coordenada pelo hospital John Hopkins e Robert Packard Center for ALS Research, nos Estados Unidos, é o maior programa de pesquisa contra a ELA. O objetivo é atingir altos níveis de analises biológicas, a partir da união de empresas de tecnologia que possibilitam ultrapassar os limites da computação em nuvem, Inteligência artificial (AI) e Machine Learning, em uma pesquisa de caráter mundial para conseguir novas respostas e tratamentos da doença.

O centro de pesquisa é um espaço colaborativo, que acumula uma grande quantidade de dados. A organização trabalhou com a Avanade e parceiros de tecnologia para construir uma extensa base dados e pesquisas online, que não apenas pode acomodar trilhões de bits de informações, mas também é designado para incorporar a inteligência artificial, além de informações adicionais conforme o projeto for evoluindo. Isso permitirá que a Answer ALS continue aproveitando as vantagens de novas tecnologias no decorrer do trabalho.

Uma parte importante da infraestrutura é um mecanismo de consulta de dados, desenvolvido pela Avanade como parte de sua iniciativa Technology for Social Good, que permite que os pesquisadores enviem uma consulta de pesquisa complicada e obtenham uma resposta em horas, em vez de dias ou semanas.

A Esclerose Lateral Amiotrófica, conhecida como ELA ou síndrome de Lou Gehrig, é uma doença autoimune que afeta o sistema nervoso e que retira a habilidade motora do paciente lentamente e, com sua progressão, acaba retirando a capacidade do paciente de respirar. Pesquisadores estimam que existem ao menos 400.000 portadores da ELA no mundo. Quase 5.600 pessoas são diagnosticadas com a doença todos os anos.

"Hoje em dia nós compreendemos muito melhor as funções celulares do nosso organismo", diz Emily Baxi, Ph.D., diretora executiva do Robert Packard Center for ALS Research. "Os pesquisadores da Answer ALS estão criando milhares de perfis de pacientes, construindo passo a passo a partir de múltiplas fontes de dados. Usando o poder da IA e do Machine Learning para integrar e analisar esses perfis, nós esperamos que a Answer ALS construa bases para descobrir os subgrupos de pacientes da ELA e identificar os tratamentos mais efetivos para cada caso", conta.

Segundo a CEO da Avanade Pam Maynard, o propósito da empresa é criar tecnologias que geram impacto real na vida das pessoas. "E que maneira melhor de fazer isso do que ajudar a Answer ALS em sua pesquisa para tratamentos, ou até mesmo, na cura da ELA. Nossa equipe está animada e honrada em trabalhar com esse grupo inspirador de pesquisadores, parceiros de tecnologia e pacientes"

"Se nós quisermos ter um impacto em doenças aparentemente incuráveis como a ELA, Parkinson, Alzheimer e outras, coordenar e colaborar esforços apoiados na tecnologia é o melhor jeito de acelerar essas mudanças" contou o ex-jogador de futebol americano Steve Gleason, atualmente, um paciente que sofre da síndrome e que lidera o Team Gleason, uma fundação instrumental na formação da Answer ALS. "Nós não achamos uma resposta para a ELA ainda, mas estamos mais perto do que antes. Nosso trabalho com parceiros tecnológicos como a Avanade é uma das razões desse avanço."

Sobre a Avanade

A Avanade é a consultoria líder em soluções inovadoras de digital e nuvem, soluções de negócios e experiências baseadas em design do ecossistema Microsoft. Nossos profissionais trazem um pensamento novo e ousado, combinado com tecnologia, negócios e experiência no setor para ajudar a causar um impacto humano em nossos clientes, seus clientes e seus funcionários. Somos o poder impulsionador do Accenture Microsoft Business Group, ajudando as empresas a encantar clientes, capacitar funcionários, otimizar operações e transformar produtos alavancando a plataforma Microsoft. A Avanade tem 38 mil profissionais em 25 países, que trazem aos nossos clientes o melhor pensamento com uma cultura colaborativa que honra a diversidade e reflete as comunidades nas quais atuamos. Maioria de propriedade da Accenture, a Avanade foi fundada em 2000 pela Accenture LLP e pela Microsoft Corporation.

Sobre a Answer ALS

A Answer ALS foi projetada e implementada por Jeffrey Rothstein, M.D., Ph.D., fundador e diretor do Robert Packard Center for ALS Research da Johns Hopkins. O programa foi o resultado direto de uma colaboração entre o Packard Center, outras instituições participantes e a Team Gleason, a organização fundada pelo ex-jogador da NFL Steve Gleason após o diagnóstico de ELA. Em 2014, Gleason e Team Gleason organizaram uma cúpula em Nova Orleans que reuniu pesquisadores, pacientes, cuidadores e todas as partes interessadas da ALS, pela primeira vez em uma única reunião. O chamado à ação foi "pensar de maneira diferente" e criar um plano para acabar com a ELA em nossa vida.

O resultado foi a resposta ALS, agora reconhecida como o maior projeto de pesquisa de ALS coordenado e colaborativo do mundo. Sob a liderança do Packard Center, quase duas dúzias de instituições, 1.000 pacientes e trilhões de pontos de dados serão essenciais para o projeto que a Answer ALS acredita que poderia descobrir diferentes tipos de subgrupos de ELA e desenvolva protocolos de tratamento personalizados que podem permitir que os pacientes tenham vidas vibrantes e completas.

Consumo de remédios antireumáticos cai 21% no Brasil

Consumo de remédios antireumáticos cai 21% no Brasil

Queda indica menos preocupação das empresas com bem-estar do funcionário

O volume de remédios para o tratamento de reumatismo caiu 21% nos últimos dois anos. É o que aponta um estudo da ePharma, empresa líder no gerenciamento de Planos de Benefícios de Medicamentos (PBM). De acordo com a pesquisa, 131.868 unidades foram comercializadas entre janeiro e outubro de 2019 contra 166.896 vendidas no mesmo período do ano passado.

Para o presidente Luiz Carlos Monteiro, a queda de consumo sugere que as empresas estão deixando de oferecer assistência farmacêutica aos seus colaboradores, um serviço que reduz o absenteísmo e garante adesão aos tratamentos de saúde. “O PBM ainda é um benefício associado à despesa dentro das corporações, quando, na verdade, deveria ser visto como investimento em saúde preventiva”, argumenta.

Cinco remédios da lista representam mais de 20% dos medicamentos prescritos por planos de saúde empresariais. São eles, em ordem decrescente: Nimesulida (6.266 unidades), Emplastro Salonpas (6.250), Celebra (4.968), Nisulid (4.932), Toragesic (4.514).

Sobre a ePharma

Fundada em 1999, a ePharma é referência no gerenciamento de programas de benefícios de medicamentos (PBM) no Brasil, estando conectada nacionalmente a 27.649 mil farmácias, 1.322 clínicas médicas e laboratórios de diagnóstico. É parceira do programa Aqui tem Farmácia Popular. Nos últimos anos, vem diversificando sua atuação ao trazer novas soluções em assistência farmacêutica, gestão de saúde populacional e acompanhamento de pacientes que utilizam medicamentos de uso contínuo e de alto custo. Tem como clientes a indústria farmacêutica, operadoras de saúde e empresas de variados portes.

ePharma prevê expansão de planos de saúde com cobertura de remédios

ePharma prevê expansão de planos de saúde com cobertura de remédios
Medicines and drugs - health protection background

Empresa firmou parceria inédita no país e já negocia com outras operadoras

Depois de firmar parceria com a administradora de benefícios Vitta e criar o primeiro plano de saúde com programa de benefícios de medicamentos no país, a ePharma já iniciou negociações com importantes operadoras para a implementação de modelos similares. A empresa prevê ainda que a difusão do modelo criará, na prática, um terceiro setor no seio da saúde suplementar: o da assistência farmacêutica, que se juntará aos segmentos de saúde e odontologia.

Pela parceria com a Vitta, mais de 15 mil médicos – que já operam com prontuários eletrônicos da empresa – poderão fazer prescrições a partir de uma lista de 7 mil itens, enquanto o farmacêutico autoriza as transações por meio do software da  ePharma e o usuário paga apenas 10% do valor dos medicamentos genéricos, com subsídios atrativos também para os medicamentos de marca.

O sistema ainda conta com soluções para agendamento de consultas, acesso aos históricos de tratamento e atendimento por telemedicina 24 horas por dia, realizado por um grupo multidisciplinar formado por médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, nutricionistas e psicólogos. Mais de 80 mil beneficiários já integram o plano e contam com uma rede conveniada de 8,3 mil farmácias, pertencentes a redes como Drogaria São Paulo, Extrafarma e Farmácias Pague Menos.

Luiz Carlos Monteiro, presidente da ePharma, lembra que cerca de 90% das patologias podem ser tratadas ambulatoriamente com medicamentos, mas a população ainda convive com dificuldades de acesso e não recebe estímulos para monitorar adequadamente sua saúde. Em paralelo, as operadoras também convivem com perdas de beneficiários.

“Esse cenário exige que os players da cadeia da saúde integrem conhecimentos e recursos com foco na assistência farmacêutica e na melhoria da jornada do paciente. Só assim podemos mudar uma cultura baseada no combate à doença e que não prioriza o cuidado preventivo”, contextualiza.

Sobre a ePharma

Fundada em 1999, a ePharma é referência no gerenciamento de programas de benefícios de medicamentos (PBM) no Brasil, estando conectada nacionalmente a 27.649 mil farmácias, 1.322 clínicas médicas e laboratórios de diagnóstico. É parceira do programa Aqui tem Farmácia Popular. Nos últimos anos, vem diversificando sua atuação ao trazer novas soluções em assistência farmacêutica, gestão de saúde populacional e acompanhamento de pacientes que utilizam medicamentos de uso contínuo e de alto custo. Tem como clientes a indústria farmacêutica, operadoras de saúde e empresas de variados portes.

AMIB e Ministério da Saúde assinam Acordo de Cooperação Técnica com foco nas UTI públicas

amib-e-ms

A parceria visa a melhoria dos indicadores de qualidades das unidades de terapia intensiva com foco na aplicação de critérios mínimos de qualidade e eficiência

Associação de Medicina Intensiva Brasileira (AMIB) e o Ministério da Saúde assinaram na terça-feira, 17 de dezembro, em Brasília, um acordo de cooperação com o objetivo de utilizar o conhecimento técnico dos intensivistas para melhorar os indicadores de qualidade das Unidades de Terapia Intensiva (UTI) do Sistema Único de Saúde (SUS) e privadas. O foco do trabalho será a organização e aplicação de critérios mínimos de qualidade e eficiência.

O acordo tem como base três pilares: desenvolver o projeto Perfil das UTI no SUS, que consiste na avaliação das unidades públicas a partir de estabelecimentos de saúde, públicos e privados sem fins lucrativos; desenvolver o projeto AMIB Adota, que consiste em um estudo de caso no qual, com base em diagnóstico prévio, será instaurado um programa de capacitação técnica e gestão de uma UTI pública pelo período de 12 meses; e o desenvolvimento de cursos de capacitação para profissionais que atuam em UTI em parceria com o Sistema Nacional de Transplantes (SNT).

O acordo prevê ainda a atuação da AMIB, por meio de suas regionais, na aplicação dos projetos e cursos, bem como na divulgação dos resultados nos meios de comunicação. O acompanhamento será realizado pelo Departamento de Atenção Hospitalar, Domiciliar e de Urgência (DAHU), Departamento de Atenção Especializada e Temática (DAET) e da Secretaria de Atenção Especializada à Saúde (SAES) do Ministério da Saúde. A AMIB, por sua vez, criou uma comissão específica para acompanhar o tema.

“Esse acordo, além de inédito na história da AMIB, é importantíssimo, porque posiciona a nossa associação como assessora oficial no planejamento de políticas de saúde do ministério voltadas às UTI no Brasil”, destaca Dr. Ciro Leite Mendes, diretor presidente da AMIB.

“O ministro, assim como sua equipe, compreendem que a AMIB, na qualidade de representante oficial dos profissionais de terapia intensiva brasileiros, detém todas as qualidades necessárias para prestar esse aconselhamento, incluindo a capacitação técnica dos seus associados, sua capilaridade em todo território nacional, assim como os dados e indicadores de boa parte das unidades de terapia intensiva nacionais. Dessa forma, acreditamos que esse convênio irá influir de forma muito positiva para a melhoria da qualidade na prestação de cuidados aos pacientes críticos no Brasil”, completa o presidente.

Para Dra. Suzana Lobo, que passa a atuar como presidente da instituição a partir de 2020 e, portanto, estará à frente da execução do projeto, essa é uma “parceria muitíssimo importante, porque abre perspectivas de colaboração que irão certamente melhorar a qualidade das UTI Brasileiras”.

Já o Dr. Marcelo Maia, diretor secretário da AMIB, afirma que com o projeto a instituição cumpre sua função de representar e defender os interesses coletivos dos intensivistas brasileiros. “Esse acordo é renovável e com certeza será ampliado para incluir mais tópicos de colaboração, à medida que os bons resultados dos atuais projetos envolvidos na parceria forem surgindo”, avalia.

“Seguramente, nos últimos dez anos, essa será a principal contribuição da AMIB para melhoria da qualidade do cuidado ao paciente crítico. Uma grande oportunidade, que foi muito bem aproveitada pela diretoria atual”, diz o coordenador do projeto AMIB Adota, Dr. Ederlon Rezende.

Sobre a AMIB

Há quase 40 anos atuando em favor da valorização do médico intensivista, a AMIB -- Associação de Medicina Intensiva Brasileira reúne hoje mais de 6.200 associados e 25 regionais espalhadas em todo o território nacional, e tem como principal missão o fomento à pesquisa, formação, titulação e defesa dos profissionais da medicina intensiva.

Biolab Farmacêutica anuncia acordo para desenvolver medicamento para hipertensão

biolab

Empresa fecha acordo de licenciamento e colaboração exclusivo com Quantum Genomic na América Latina

A Biolab Farmacêutica, uma das cinco maiores empresas farmacêuticas brasileiras e líder de mercado em Cardiologia e Hipertensão Arterial, assina acordo com a Quantum Genomics, empresa biofarmacêutica global, para desenvolver e comercializar Firibastat na América Latina, medicamento de uma nova classe para tratamento da hipertensão resistente e insuficiência cardíaca.

A Biolab assume os direitos de comercialização exclusivos de Firibastat na América Latina e financiará parte dos estudos da Fase III do produto, como parte do projeto liderado pela Quantum Genomics. A Biolab está investindo US$ 22 milhões e reverterá royalties sobre as vendas para a Quantum.

Cleiton de Castro Marques, CEO da Biolab Farmacêutica, destaca que os resultados da Fase III de Firibastat para hipertensão arterial são altamente encorajadores. “A atividade de Firibastat em populações historicamente difíceis de tratar, como idosos, obesos, negros e hispânicos, encaixa-se perfeitamente bem ao nosso portfólio de cardiologia. Estamos entusiasmados em trazer esse medicamento potencialmente transformador para a comunidade latino-americana”, diz Marques.

"Com seu portfólio de mais de 140 produtos e importante participação nas doenças do coração, a Biolab Farmacêutica é o parceiro ideal para a América Latina. Sua extensa e estabelecida força de vendas em cardiologia ajudará a garantir que Firibastat, se aprovado, possa transformar o padrão de atendimento a pacientes hipertensos na região, criando valor para os acionistas a longo prazo", afirma Jean-Philippe Milon, CEO da Quantum Genomics.