Saúde Business Fórum: O principal evento de lideranças no país

20191210_SBF_009

Há 18 anos o Saúde Business Fórum (SBF) vem antecipando as principais tendências do setor e promovendo discussões relevantes para os tomadores de decisão do sistema de saúde brasileiro. “Ao longos dos últimos anos, temos adiantado alguns temas relevantes para os setor. Trouxemos a discussão de Saúde Baseada em Valor, por exemplo,  bem antes de vermos o tema em todos os eventos do setor. E estamos provocando a discussão desse ano de novo com essa ideia, de adiantar tendências. ” diz Nathália Nunes, editora-chefe de conteúdo da Informa Markets.

Para este ano, o tema que permeará todos os eventos do portfólio, Saúde Business Fórum, Hospitalar e Healthcare Innovation Show, será a "Evolução do cuidado: o paciente certo no lugar certo". Já confirmados para o SBF20 estão Chris Coburn, Chefe de Inovação da Partners Healthcare, um dos maiores sistemas de saúde do mundo, responsável por vários hospitais do complexo de Harvard, e Robert Pearl, ex-CEO do The Permanente Medical Group e autor do bestseller Mistreated. Os dois master keynotes abordarão as características do modelo americano das Accountable Care Organization (ACO), focada na coordenação de cuidado e remuneração por resultado, o que podemos aprender e, principalmente, o que faz sentido ou não ser aplicado no Brasil.

“O modelo de ACO traz o debate para um modelo em que os recursos podem ser utilizados com mais eficiência e gerando muito mais valor na entrega. Estamos falando de menos filas nos atendimentos, exames que realmente são necessários aos pacientes, valorização da experiência e necessidade do paciente, além de uma gestão mais focada na qualidade dos processos. É um assunto que conversa diretamente com o tema do evento, que fala sobre o paciente certo no lugar certo. Estamos falando de uma gestão e serviços cada vez mais precisa e eficazes”, comenta Vitor Asseituno, Consultor para o Mercado da Informa Markets.

Além do conteúdo, dois outros pilares formam a base do evento: relacionamento e negócios. Escolhido pela Informa Markets, o Resort Transamérica em Comandatuba – Bahia, será o local para quatro dias intensos de trocas de experiências. Para 2020, o SBF contará com mais momentos estruturados de interação entre os 150 executivos dos maiores hospitais, operadoras e laboratórios do país, e 60 marcas de soluções em saúde. As atividades variam de esportes em equipe à workshop de bebidas, finalizadas com um grande show durante o jantar de encerramento.

Para garantir que estes momentos de relacionamento e conteúdo fomentem, de fato, uma transformação no setor, estão previstas mais de 400 reuniões one-on-one entre os presentes. É importante ressaltar que participam do SBF somente executivos convidados de acordo com critérios de relevância, influência e inovação, com elegibilidade de prestadores e pagadores. Do outro lado, patrocinadores com sinergia entre as soluções procuradas pelos convidados, trazem a pertinência do pilar de negócios em um modelo de reuniões estruturadas entre os pares.

“Sem dúvida este é um momento muito forte de conexão entre os principais líderes e através desta integração nos quatro dias de agenda muito intensa de conteúdo e discussões que vão nortear o futuro do setor. Nós entendemos que o SBF é um momento importante para a construção de sistema de saúde mais apropriado, mais eficiente e mais adequado para atender aquele que é o centro de tudo, que é o paciente”, comenta Rodrigo Moreira, Diretor do Portfólio de Saúde da Informa Markets.

O SBF acontece de 19 a 22 de março de 2020, na Ilha de Comandatuba, na Bahia. Veja mais informações pelo site.

Grupo Fleury é reconhecido com selo Pró-Ética 2018-2019

ETHICS wood word on compressed board with human's finger at S le
ETHICS wood word on compressed board with human's finger at S letter

Chancela atesta boas práticas de empresas na prevenção, detecção e punição de atos de corrupção e fraude

O Grupo Fleury acaba de receber o selo Pró-Ética edição 2018-2019. A iniciativa é promovida pela Controladoria Geral da União (CGU), do Governo Federal, que há nove anos soma esforços dos setores público e privado em prol de um ambiente corporativo mais íntegro, ético e transparente. A conquista reconhece as boas práticas do Grupo na prevenção, detecção e punição de atos de corrupção e fraude.

A edição 2018-2019 do Pró-Ética teve a participação de 375 empresas. Destas, 222 enviaram o questionário de avaliação adequadamente preenchido e no prazo determinado. Após o processo, 26 empresas de diferentes portes e setores de atuação foram aprovadas e reconhecidas. Os resultados foram divulgados na 1ª Conferência Internacional de Promoção da Integridade, em Brasília (DF), durante os dias 12 e 13 de dezembro de 2019.

Esta é a segunda vez que o Grupo Fleury integra o seleto grupo de empresas com o selo Pró-Ética. Em 2017, a companhia foi uma das 23 empresas reconhecidas e a única representante do setor de serviços de saúde.

Para mais informações sobre a lista acesse o site.

Sobre o Grupo Fleury

Com mais de 90 anos, o Grupo Fleury é uma das mais respeitadas organizações de medicina e saúde do Brasil, reconhecido pela comunidade médica e opinião pública pela excelência técnica, médica, em atendimento e em gestão. Com mais de 9 mil colaboradores e cerca de 2 mil médicos, a empresa conta com mais de 200 unidades de atendimento das marcas Fleury Medicina e Saúde, a+ Medicina Diagnóstica, Weinmann Laboratório, Labs a+, Clínica Felippe Mattoso, Diagnoson a+, Serdil, Instituto de Radiologia de Natal, Lafe, CPC e Inlab. Além de medicina diagnóstica, operações diagnósticas em hospitais e de laboratório de referência, o Grupo Fleury tem avançado fortemente em novos serviços relacionados à medicina personalizada e de precisão.

Sociedade Brasileira de Cardiologia tem nova diretoria

Diretoria_Posse_ANM_01

Marcelo Queiroga defendeu maior eficiência na gestão dos serviços públicos

“Unir a cardiologia do Brasil e construir uma SBC cada vez mais forte. Este é o legado que herdo dos meus antecessores. É o compromisso que tenho”, afirmou o presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia (biênio 2020-21), Marcelo Queiroga, no discurso de posse. A cerimônia – que pela primeira vez foi transmitida ao vivo, através do portal da SBC – aconteceu no dia 13 de dezembro, na Academia Nacional de Medicina - ANM, no Rio de Janeiro.

O acadêmico Milton Ary Méier, que é cardiologista, representou o presidente da ANM, Jorge Alberto Costa e Silva, e deu boas vindas aos convidados. Também estavam presentes o presidente-eleito da World Heart Federation, Fausto Pinto; o representante do American College of Cardiology, Hadley Wilson; o secretário Estadual de Saúde da Bahia, Fabio Vilas-Boas; a diretora de Assuntos Parlamentares da AMB, representando o presidente da Associação Médica Brasileira, Lincoln Lopes Ferreira; o conselheiro Federal, Luís Guilherme Teixeira dos Santos, representando o presidente do Conselho Federal de Medicina, Mauro Luiz de Britto Ribeiro; o conselheiro do Cremerj, Roberto de Castro Meirelles de Almeida, representando o presidente do Conselho Regional de Medicina; Sylvio Sergio Neves Provenzano; diversos ex-presidentes da SBC e presidentes das Sociedades Estaduais e Regionais, presidentes dos Departamentos Especializados e presidentes dos Grupos de Estudos das gestões atual e futura. Representantes de outras entidades prestigiaram a nova diretoria, entre eles o coordenador das Ações de Prospecção da Presidência da Fiocruz, Carlos Gadelha; o diretor presidente da Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS, Leandro Fonseca da Silva; o membro da Academia Brasileira de Neurologia, Gutemberg Augusto Cruz dos Santos; e a diretora do Hospital Geral de Bonsucesso, Cristiane Rose Jourdan Gomes.

Oscar Dutra, no discurso de despedida, agradeceu a todos que, de forma direta e indireta, colaboraram. “Essa diretora exerceu e executou bravamente aquilo que havíamos nos determinado. Fizemos uma gestão do possível. O Brasil enfrentou, nos últimos dois anos, forte queda de volume de negócios em todos os setores. Neste período, tivemos imensas dificuldades em obter patrocínio de históricos parceiros, mas conseguimos aumentar o Congresso e adequar as contas”.

Destacou as várias e importantes vitórias, entre elas, o SBC Vai à Escola, o incremento das relações com Regionais, Departamentos e sociedades internacionais e vitórias jurídicas. “Mesmo em um ambiente adverso, cumprimos a missão e entregamos a nova diretoria eleita uma SBC mais preparada para os desafios que vierem. Estamos com as contas rigorosamente em dia, temos processos internos bem definidos. Tudo isso será a plataforma que permitirá a próxima gestão executar projetos antes impensados”, concluiu Dutra.

Em um vídeo com mensagem de boas vindas, o senador da República, Flávio Bolsonaro, desejou “sucesso ao doutor Marcelo Queiroga, que está qualificado e preparado para qualquer missão na área médica”, disse o parlamentar.

Em seguida, o novo presidente da SBC enfatizou que recebe das mãos do presidente biênio 2018-19, Oscar Dutra, uma entidade unida e forte e que “a SBC é uma glória para a medicina do Brasil”. Queiroga reforçou que o compromisso da cardiologia do Brasil é com a ciência. “A SBC tem como compromissos a difusão do conhecimento, a ética, a integração federativa e a inovação”. E defendeu maior eficiência na gestão dos serviços públicos. “Precisamos de investimento na atenção primária, no controle da pressão arterial. A SBC vai atuar fortemente não só para que essas políticas públicas tenham consecução, mas também para estimular novas políticas públicas e inovações que possam mudar a vida do povo brasileiro”, defendeu.

Citando poema de Cecília Meirelles, ‘como se morre de velhice ou de acidente ou de doença, morro, Senhor, de indiferença’, Marcelo Queiroga destacou a nova diretoria “construída a muitas mãos, com líderes da mais absoluta representatividade do nosso Brasil. Com a ação de todos os senhores, já não se morrerá mais nem de velhice, nem de acidente e nem de doença. Lamentavelmente, continuará se morrendo de indiferença, só não será da indiferença da Sociedade Brasileira de Cardiologia”, concluiu.

Acordos e compromissos firmados

O presidente-eleito da World Heart Federation, Fausto Pinto, enalteceu o trabalho realizado pela gestão de Oscar Dutra e reafirmou o compromisso, em nome da WHF, “de colaborar de forma muito estreita para o bem da cardiologia mundial para diminuir o peso das doenças cardiovasculares no mundo e no Brasil”.

            Em seguida, foi anunciado o Prêmio SBC de Tese – Edição 2020, da Sociedade Brasileira de Cardiologia – SBC em parceria com a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES. O objetivo é fomentar a pesquisa na área da cardiologia e reconhecer o mérito científico e premiará as melhores Teses defendidas no ano de 2019, nas categorias Mestrado Profissional, Mestrado e Doutorado Acadêmico. O Edital do Prêmio foi assinado por Marcelo Queiroga e pelo coordenador de Medicina I da CAPES, Luis Felipe Ribeiro Pinto.

Cardio X

            Ainda na cerimônia de posse, foi assinado o acordo firmado entre a Sociedade Brasileira de Cardiologia e o American College Cardiology, representado por Hadley Wilson, para a realização do ACC Latin America – Cardio X, nos dias 20 e 21 de novembro do ano que vem, em São Paulo.

Em reunião na véspera, na sede as SBC no Rio, foi definida a ampliação das ações conjuntas entre as duas entidades. Participaram do encontro o presidente da SBC, Marcelo Queiroga, o diretor de Pesquisa, David Brasil, a diretoria Extraordinária de Acompanhamento da Gestão e Controle Interno, Glaucia Moraes, o representante das Américas na Assembleia Internacional de Governadores do ACC, Antonio Carlos Palandri Chagas, o diretor Científico, Fernando Bacal, Luiz Alberto Piva Mattos e Pedro Lemos.

CardioX - Cardiology Experience é uma atividade totalmente interativa, cujo aprendizado ocorre por meio de discussões de casos clínicos, apresentados com o emprego de uma revolucionária plataforma digital operada pelos palestrantes e equipe especializada e transmitida por telões, contendo casos em realidade virtual para a tomada de decisões médicas votadas pela audiência.

Diretoria SBC (biênio 2020/2021)

Presidência: Marcelo Queiroga

Vice-Presidência: Celso Amodeo

Diretoria de Departamentos Especializados: Andrea de Araújo Brandão

Diretoria de Relações com Sociedade Estaduais e Regionais: João David de Souza

Diretoria de Promoção à Saúde Cardiovascular: José Francisco Kerr Saraiva

Diretoria Extraordinária de Acompanhamento da Gestão e Controle Interno:

Glaucia Moraes de Oliveira

Coordenadoria de Assuntos Estratégicos: Helio Roque Figueira

Núcleo Científico

Diretoria Científica: Fernando Bacal

Diretoria de Pesquisa: David Brasil

Diretoria Extraordinária de Ciência, Tecnologias e Inovações: Ludhmila Abrahão Hajjar

Coordenação de Educação Médica Continuada: Brivaldo Marckman Filho

Núcleo de Governança Corporativa

Diretoria Administrativa: Olga Souza

Diretoria Financeira: Ricardo Mourilhe Rocha

Diretoria de Tecnologia da Informação: Leandro Ioshpe Zimerman

Diretoria de Comunicações: Harry Corrêa

Núcleo de Qualidade Assistencial

Diretoria de Qualidade Assistencial: Silvio Henrique Barberato

Diretoria de Relações Governamentais: Nasser Sarkis Simão

Diretoria de Compliance e Transparência: Marcelo Cascudo

Tabu com saúde mental é coisa do passado

inscricoes-de-processo-seletivo-para-psicologos-e-assistentes-sociais-comecam-nesta-terca-22

Quando o assunto é saúde mental, diversos tabus surgem na mente de quase toda a população, porém o preconceito não deveria ser o primeiro pensamento e sim o interesse pelo cuidado. Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde), até 2020 a ansiedade será o principal motivo de afastamento do emprego no mundo. Aqui no Brasil essa realidade, infelizmente, não está distante, segundo pesquisa somos o país líder do mundo no número de pessoas com transtorno de ansiedade, registrando 9,3% da população diagnosticada.

Alguns fatores encontrados na rotina do ser humano influenciam no aumento de ansiedade ou no desenvolvimento em problemas mentais, sejam eles por falta de emprego, traumas de infância, insegurança no trabalho ou relacionamentos. Mesmo que seja um clichê, estar de bem com a vida é um dos pilares mais importantes para o desenvolvimento humano, e se você pensar em estar bem consigo mesmo lembre-se que é necessário estar com a saúde mental em dia.

O cuidado com a saúde mental vai além de estar ou não doente, pois é necessário um equilíbrio mental, social e físico. Com a saúde mental em dia as habilidades profissionais e pessoais estarão equilibradas, você terá autoconhecimento e se sentirá seguro para executar ações e tomar decisões corretas na vida, atingindo os objetivos.

Devido aos tabus em relação à saúde mental, algumas ações e inovações vem surgindo no mercado de psicologia brasileiro. Desde 2012, as orientações on-line são permitidas, porém somente em novembro do ano passado as portas foram abertas por meio da nova resolução do Conselho Federal de Psicologia, permitindo que os atendimentos fossem feitos a longa distância e sem restrição no número de atendimentos ou no tema central da consulta.

Pensando no bem-estar do paciente e com o intuito de auxiliá-lo da melhor forma, os atendimentos são feitos dentro do período padrão de 50 minutos, com horários flexíveis e maior possibilidade de escolha do profissional que irá orientar. Como forma de segurança, todo o atendimento é criptografado e ao final da consulta ele não fica salvo. Desta forma, o sigilo entre paciente e psicólogo continua o mesmo que em uma consulta presencial.

Além da segurança no atendimento, as empresas sérias e certificadas pelo CFP, estão cada vez mais preocupadas com os profissionais que fazem parte da equipe, antes de representarem a empresa, todos os profissionais passam por uma rigorosa seleção com análise de currículo, entrevista e testes.

Superando os desafios e os preconceitos, a psicoterapia vem ganhando destaque como ferramenta para o desenvolvimento e cuidado do autoconhecimento, pois possibilita a escolha do profissional de acordo com a necessidade do paciente e horário mais adequado. A ideia é que mesmo com a vida corrida, a psicoterapia on-line possa ser uma aliada para a resolução dos problemas em saúde mental, prevenindo futuras doenças e estabilizando a forma de lidar com os problemas, por meio de ajuda profissional qualificada através da tela de um computador ou do celular, quando e onde se sentir mais confortável.

Aos poucos podemos notar como a tecnologia vem beneficiando e revolucionando o mercado de saúde no Brasil. As novas plataformas surgem como oportunidade de atendimento on-line de forma ética e segura, permitindo credibilidade e confiança para o paciente. Pense nisso e se cuide!

Sobre a autora

Milene Rosenhtal é co-fundadora da TelaVita , marketplace de saúde que conecta profissionais da psicologia a pacientes e psicóloga especializada em Terapia Cognitiva com certificações em Cybercounsellor pela Universidade de Toronto

Saúde Suplementar enfrenta momento de impasse

Charles-Lopes_B2

Atualmente, existem no Senado Federal várias tentativas para a criação de novos mecanismos para reduzir as mensalidades dos planos de saúde. De um lado, há uma corrente que acredita no retorno do regime anterior à Lei 9656/98, ou seja, um retrocesso. Do outro, o poder público busca autorizar as operadoras a oferecer convênios que foquem apenas na atenção primária, isto é, que cubram somente consultas médicas e exames mais simples, excluindo procedimentos complexos, como cirurgias e internações.

No início de 2019, no intuito de baratear custos e reduzir mensalidades, surgiu a ideia do escalonamento gradual dos preços para os clientes com mais de 59 anos.

Logo após essa mudança, veio outra, a de tentar alterar os reajustes nos planos de saúde individuais, pois no modelo atual não há interesse para este produto e, além dos planos corporativos, há um constante aumento da demanda dos falsos “planos individuais”. Produtos de Adesão que possui um baixo controle por parte Operadoras, das Administradoras de Benefícios e da própria Agência Nacional de Saúde Suplementa (ANS).

E então, chegamos ao impasse que podemos descrever da seguinte forma:

Nossa população está envelhecendo. Necessitando cada vez mais investimentos em saúde;

A crise tem reduzido o número de beneficiários no sistema de saúde Suplementar, logo, impactando cada vez mais num SUS com baixos investimentos;

Os custos crescentes, principalmente com a adoção de novas tecnologias mais caras no tratamento médico;

Vivemos um período no qual se tornou comum a judicialização da saúde.

Neste momento de impasse, não surgem novas ideias para a obrigatoriedade de aceitar pessoas idosas – Se não fosse assim, o que seria feito com estas pessoas? - e a cobertura de todas as doenças listadas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) – O que deveria ou não ser coberto? Quem define e de que forma?

Além, de tudo já mencionado, o cadastro positivo – na busca de reativar a confiança dos consumidores. Algo complexo, uma vez que hoje existem mais de 5 milhões de microempresas na “antessala da falência”.

O uso de novas tecnologias - inteligência artificial, comunicação via aplicativos e publicidade na internet, com uma análise meramente econômica, sem a preocupação com a posição do consumidor em relação à todas essas novidades.

O aumento do tempo para atualizado do rol de procedimentos da ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar). Atualmente, realizada a cada 2 anos, passaria para 3 anos.

Alguns dos pontos mais polêmicos dessa série de mudanças é o novo formato de plano, em que o consumidor poderá escolher somente parte da cobertura. – Como decidir o que contratar? Quais serão as barreiras criadas para que haja uma visão meramente econômica e não proativa?

Na realidade, estes modelos poderão deixar de fora atendimentos mais caros, até mesmo pelo desconhecimento do consumidor no momento da contratação.

Esta segmentação levará mais pacientes a buscar o SUS, mesmo os que têm plano de saúde se verão obrigados a recorrer ao sistema público, pois sua demanda não estará completa.

Deixo aqui uma pergunta: Como fica a questão do ressarcimento ao SUS, que hoje é amparado pela Lei?

Após essa reflexão, chego à conclusão de dois pontos básicos:

Que são os mesmos 'planos populares' e 'planos acessíveis', que tentaram, sem êxito, emplacar nos governos anteriores e em comissão especial da Câmara dos Deputados em 2017.

E que estamos retrocedendo na volta a um passado sem a Lei 9656/98 onde era possível limitar as coberturas, eliminar procedimentos de alto custo e editar as franquias mais pesadas – algo que foi eliminado das pautas recentemente.

Resumindo, não adianta aplicar mudanças modernas ou retrogradas, uma vez que nosso Poder Judiciário continua agindo da mesma forma. Na realidade, toda e qualquer mudança implementada de maneira irresponsável, só abrirá novas portas para o aumento da judicialização dos contratos e, consequentemente, da saúde.

O papel do intraempreendedorismo na saúde

O papel do intraempreendedorismo na saúde

Quando pensamos em um empreendedor, é comum que nos venha à mente a imagem de uma pessoa que segue uma grande ideia e faz de tudo para emplacar um novo negócio. Porém, essa característica não é vista apenas por pessoas que criam as suas próprias empresas.

Os intraempreendedores são profissionais que apresentam ideias que ajudam as organizações a tomarem atitudes ou ter uma diferente abordagem para solucionar problemas.

O intraempreendedorismo na saúde é visto, muitas vezes, como uma transição de carreira para os profissionais da área. Algo equivocado! Quando se destacam em empresas que atuam no setor de tecnologia, por exemplo, os médicos desempenham atividades de gestão e inovação. Isso não quer dizer, no entanto, que deixaram de ser profissionais da saúde. Pelo contrário, significa que estão em busca de melhorias para o setor.

O Dr. Thiago Júlio, gerente de inovação aberta da Dasa, é um exemplo de intraempreendedor na área da saúde. Em entrevista a Leonardo Gross, Latam Digital Services Leader GE Healthcare, ele comentou sobre a transição da sua carreira como médico radiologista para gestor de tecnologia.

Ele conta que trabalhou em grandes hospitais e que estava em uma fase estabilizada da sua carreira como médico. Porém, ao necessitar estudar programação para ajudar na implementação de um software no hospital em que trabalhava, percebeu que podia ir além.

Thiago seguiu estudando sobre tecnologia, gestão, liderança e outros assuntos que fugiam da rotina de um médico tradicional. Hoje, ele ocupa um cargo de destaque na Dasa, a maior empresa de medicina diagnóstica da América Latina.

Em sua rotina, ele desenvolve ações que não estão “na ponta”, no atendimento feito ao paciente no consultório. Porém, auxilia na criação de sistemas tecnológicos que beneficiam a toda uma comunidade.

Para exemplificar, Thiago explica que quando trabalhava como médico radiologista em um hospital, atendia cerca de 20 pacientes por turno. Hoje, em vez de ajudar 20 indivíduos, ele consegue auxiliar no tratamento de todas as pessoas internadas no local, uma vez que está envolvido no desenvolvimento de soluções que impactam na forma como as operações são realizadas.

Quais são as características de um intraempreendedor na saúde?

Na visão do Dr. Thiago Júlio, existem duas características que são marcantes em um intraempreendedor da saúde, a criatividade e a tomada de risco. Entenda!

Criatividade

Os médicos sempre precisaram ser criativos e a medicina é uma das ciências mais inovadoras que existe. Exemplo disso são os transplantes de órgãos, que só acontecem hoje em dia porque um médico idealizou esse procedimento no passado.

Para ser um intraempreendedor na saúde, essa criatividade precisa ser aguçada. Ao atuar em uma empresa de tecnologia, por exemplo, o médico necessita pensar em soluções que possam ser resolvidas por meio de softwares ou hardwares para melhorar a saúde da população.

Tomada de risco

Quando falamos em tomada de risco na saúde, esbarramos em uma questão cultural. Isso porque os médicos são treinados, desde quando cursam a faculdade, para evitar correr riscos. Afinal, ao realizar um procedimento arriscado em um paciente, estará colocando a vida de outra pessoa em jogo.

Mas, ao sair de dentro do consultório ou da sala de cirurgia, o profissional da saúde precisa sim saber correr riscos, até mesmo porque essa é uma das exigências da economia atual. As coisas mudam muito rápido, a tecnologia se desenvolve com muita facilidade e, nesse cenário, as ações no meio empresarial são baseadas em erros e acertos.

Para que o intraempreendedorismo se desenvolva na saúde, portanto, é preciso que as empresas do setor ajudem o médico e demais profissionais a desenvolverem essas características, sem medo de errar. Apenas assim se alcançará o sucesso e se verá melhorias nas funções organizacionais.

Esse tipo de adesão por parte dos colaboradores melhora os comportamentos, o engajamento, a produtividade e a cidadania dentro dos estabelecimentos da saúde, questões que são imprescindíveis para um bom atendimento aos pacientes.

Dê o play e assista ao vídeo com o Dr. Thiago Júlio, gerente de inovação aberta da Dasa e médico radiologista. Ele aprofunda a questão do empreendedorismo na saúde numa entrevista a Leonardo Gross, Latam Digital Services Leader GE Healthcare.

O modelo de prevenção ao câncer da Previneo

O modelo de prevenção ao câncer da Previneo

Estima-se que em 2018 ocorreram cerca de 600 mil novos casos de câncer no Brasil, segundo o Instituto Nacional de Combate ao Câncer (INCA). A Previneo foi fundada em 2015 com o objetivo de ser uma plataforma para a prevenção e combate ao câncer.

Os médicos Dr. Hélio Rubens de Oliveira Filho, mastologista, e o Dr. Rodrigo Camargo juntaram o conhecimento global sobre os cinco tipos mais prevalentes de câncer – próstata, mama, pulmão, cólon e colo de útero – e desenvolveram uma ferramenta de rastreamento dos mesmos. “Baseado em um questionário que leva em consideração seu histórico pessoal, familiar, comportamentos e hábitos de vida, você tem uma avaliação do risco de desenvolver câncer”, explica Sidnei Marcos Pechibilski, sócio da Previneo.

Desenvolvida em linguagem laravel e PHP, a plataforma é hospedada na​ nuvem da AWS e possui toda segurança necessária para proteger os dados sigilosos. Hoje o modelo de negócios é o B2B, atuando na saúde corporativa, e dentre ​os parceiros que já utilizaram a solução estão empresas como BRF, AON, Ford entre outras.

A avaliação é voluntária e estimulada de diferentes formas pelas empresas. No caso da BRF, a avaliação foi incluída no exame periódico e os funcionários eram incentivados a partir da isenção da coparticipação em exames que eram solicitados caso o risco apresentado fosse alto. A partir da avaliação, a área médica de cada empresa segue com o acompanhamento.

Toda avaliação é compilada em um dashboard com informações online que facilita​m a gestão dos dados. “Dentro do RH, depois dos salários a maior conta é da saúde. E dentro da saúde o maior gasto é com câncer! As empresas entendem que prevenção é o caminho daqui pra frente!”, informa Sidnei.

A empresa já avaliou mais de 60 mil vidas. Genericamente, de 20 a 25% da população avaliada tem alto risco para desenvolver câncer. A recomendação é que a avaliação seja feita anualmente.

A Previneo foi uma das vencedoras do programa de inovação da Roche e irá para a Alemanha participar de uma mentoria. “Ficamos extremamente felizes! É uma chancela importante para o nosso trabalho agora em busca da fase de expansão e crescimento”, comemora Sidnei e finaliza “Achamos que podemos ser parte de algo maior, somos muito bons e especialistas no câncer. Mas ainda é só uma doença. Existem outros aplicativos e plataforma de operadoras, de indústrias farmacêuticas com cuidados e com diferentes preocupações, como por exemplo diabetes, [problemas] cardíacos, depressão, porque não incluir o câncer? Temos abordado distintas empresas neste sentido”.

Casa de Saúde São José investe em tratamento da obesidade

emprego-casa-de-saude

O Brasil tem mais de 41 milhões de pessoas com obesidade. A taxa da doença no país atingiu o maior índice dos últimos 13 anos: 19,8% da população, o que representa um aumento de 67,8% entre 2006 e 2018, segundo dados do Vigitel 2018, pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde.

Estudo recente da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) também mostrou que a obesidade poderá causar uma redução de 5,5% no PIB nacional, entre 2020 e 2050, devido à forma como a doença pode impactar o mercado de trabalho e aos gastos com saúde.

Atento a esse cenário, o Laboratório de Performance Humana (LPH) da Casa de Saúde São José acaba de lançar seu programa de Reabilitação Metabólica, com objetivo de promover o emagrecimento de forma progressiva e duradora. Responsável pelo projeto, a Médica do Esporte Fernanda Domecg destaca que a iniciativa vai focar na adoção de hábitos saudáveis e na mudança do estilo de vida dos participantes, por meio de um acompanhamento multidisciplinar realizado por nutricionistas, endocrinologistas, psicólogos e educadores físicos durante o período de um ano.

“Identificamos que muitos pacientes conseguem fazer uma dieta para reduzir o peso, porém não são capazes de manter a nova medida. Isso ocorre porque somente a dieta em si não é suficiente, é preciso ocorrer uma mudança no estilo de vida e na forma como o paciente se relaciona com a comida. Entendemos que a melhor maneira de obter as transformações propostas é olhar o paciente por diferentes pontos de vista e não somente pela ótica da alimentação”, explica a médica.

Segundo Fernanda, no primeiro momento, o paciente realizará exames para obter um diagnóstico metabólico e, a partir dos resultados, a equipe traçará a conduta terapêutica. Nesta segunda fase, haverá consultas individuais com os profissionais, em uma escala semanal, de forma que o paciente compareça ao LPH uma vez por semana.

“O acompanhamento será semanal e assim ficará mais fácil observar se o paciente estabilizou a perda ou eventualmente aumentou o peso. Dessa forma, aumentamos a chance de adesão ao programa e evitamos esperar um ano inteiro para fazer uma intervenção, caso não obtenha sucesso. Ao fim do projeto, além da redução do peso, esperamos que os pacientes tenham adquirido mudanças no estilo de vida para que a manutenção do peso perdido seja duradoura”, aponta.

Além dos encontros individuais, uma vez por mês serão realizados workshops em grupo no LPH, com temas relacionados à obesidade e à vida saudável. Outro benefício é o aplicativo do programa, que permitirá acompanhar de perto a evolução do paciente e aproximar o contato com o time multidisciplinar.

O que o programa Reabilitação Metabólica oferece:

• Avaliação inicial com teste cardiopulmonar do exercício, avaliação da taxa metabólica basal (TMB), avaliação da composição corporal por bioimpedância e avaliação física completa;

• Avaliação metabólica trimestral - TMB e Composição corporal;

• Acompanhamento Nutricional (16 consultas por ano);

• Acompanhamento Endocrinológico (4 consultas por ano);

• Acompanhamento com educador físico para a elaboração de um programa de exercícios personalizado (14 consultas por ano);

• Sessões de terapia em grupo formando um grupo de apoio, promovendo o contato com outras pessoas com o mesmo objetivo (14 sessões por ano).

Sobre o Laboratório de Performance Humana (LPH)

O Laboratório de Performance Humana (LPH) é uma iniciativa da Casa de Saúde São José ligada à Medicina Esportiva. Inaugurada em 2017, a unidade ganhou destaque com o atendimento ao público interessado em melhorar o desempenho nas atividades físicas e adotar um estilo de vida mais saudável.

O LPH é um local de avaliação, orientação e intervenção pelo prisma do exercício, com benefícios para o paciente e com vantagens na redução de custos do ponto de vista da gestão de saúde. O espaço oferece programas integrados de avaliação física para entender como está a saúde do paciente, planejando e executando a melhor estratégia de melhoria da performance e da qualidade de vida.

Nutrição esportiva, fisiologia do exercício, treinamento em altitude, biomecânica, pediatria e endocrinologia do esporte são alguns dos serviços oferecidos. Há também a área de reabilitação, que pode ser cardíaca, oncológica, pré-operatória e musculoesquelética. A ideia é que o LPH seja um espaço para a realização de uma reabilitação multimodal – exercício, dieta e atendimento psicológico – antes, durante e depois do tratamento convencional.

Convênio Farmácia do Grupo DPSP conquista pela 4ª vez consecutiva o prêmio Fornecedores de Confiança

200628-gestao-na-industria-farmaceutica-como-garantir-o-sucesso-810x538

Redes Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo atingiram a zona de excelência com sua pontuação

O Grupo DPSP, formado pelas redes Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo, conquistou pela quarta vez consecutiva o prêmio Fornecedores de Confiança, promovido pela editora Segmento e Revista Melhor, em São Paulo.

Em sua 12ª edição, o Prêmio Fornecedores de Confiança consiste em um estudo que avalia o grau de confiabilidade e indicação de clientes em relação às empresas fornecedoras de produtos e serviços para a área de gestão de pessoas. O Grupo DPSP atingiu a zona de excelência com 65 pontos no NPS.

“Estamos muito felizes com esse reconhecimento que é o resultado de um trabalho constante da empresa para tornar nossas marcas uma referência na prestação de serviços. Isso mostra que estamos no caminho certo”, afirma Thiago Almeida, Gerente de Convênios do Grupo DPSP.

O critério para a escolha dos Fornecedores de Confiança foi embasado em perguntas feitas aos seus clientes sobre a probabilidade de recomendação da empresa fornecedora a um amigo ou colega. A metodologia utilizada para identificar os esses fornecedores é a ferramenta Net Promote Score (NPS), reconhecida mundialmente no mercado pela confiabilidade de suas análises. A pesquisa foi realizada entre os meses de agosto a novembro de 2019.

Anualmente, 50 empresas fornecedoras são reconhecidas como as mais confiáveis em evento promovido pela Editora Segmento.

Sobre o Grupo DPSP

Com a missão de proporcionar qualidade no atendimento, cuidados com a saúde e bem-estar a todos os brasileiros, o Grupo DPSP nasceu em 2011, a partir da fusão das redes Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo.

Presente em oito estados e no Distrito Federal, empregando mais de 26 mil colaboradores e atendendo mensalmente milhões de clientes, as marcas Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo carregam em seu DNA uma história de confiança e credibilidade no mercado. Isso se deve também às respectivas trajetórias individuais, pontuadas pelo respeito à prescrição médica e à ética na orientação e atendimento ao cliente. Juntas somam quase dois séculos de cuidado, respeito e proximidade, se preocupando constantemente em oferecer excelência em seus processos; nos serviços oferecidos, a exemplo de suas linhas de marca própria Ever Care e V.It Care, que se destacam pela qualidade e o custo-benefício, e a garantia da satisfação do consumidor. Um reconhecimento comprovado com os resultados de pesquisas, como “O Melhor de São Paulo – Serviços”, e “Marcas Cariocas”, que elegeram as redes como as melhores farmácias de São Paulo e Rio de Janeiro, respectivamente.

Obesidade cresce no Brasil e pode impactar o PIB nos próximos 30 anos

Obese boy who is overweight on a pink background.
Obese boy who is overweight on a pink background.

Número de obesos no país se aproxima das nações mais ricas, revela estudo da OCDE. Com o propósito de oferecer tratamento completo e seguro, em um mesmo local, aos pacientes com a doença crônica, Hospital Santa Catarina inaugura Centro de Excelência em Cirurgia Bariátrica e Metabólica, com equipe multidisciplinar dedicada.

Mais de 41 milhões de pessoas são obesas no Brasil. Um a cada 5 brasileiros sofre com a doença, que só está atrás do cigarro em causa de mortes evitáveis no mundo.

Entre 2006 e 2018, a obesidade cresceu 67,8% no país, tornando-se uma epidemia e que pode nos levar a um patamar semelhante ao dos Estados Unidos, campeão em porcentagem de obesos (36% de sua população adulta), já nos próximos anos.

Os dados do Ministério da Saúde foram reforçados por estudo recente da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), grupo que reúne os 36 países mais ricos do planeta. E o número de obesos no Brasil cresceu em um ritmo maior do que nas nações ricas. A proporção de obesos na população adulta brasileira pulou de 12,7% para 22,1%, em dez anos, enquanto a da OCDE está em 23,2%.

Além de ser um fator de risco para alguns tipos de câncer, hipertensão e diabetes, a obesidade poderá impactar em 5,5% do PIB nacional, entre 2020 e 2050, justamente devido aos gastos com essas doenças.

A obesidade, porém, não pode ser associada a desleixo e falta de vontade, estigma frequentemente carregado por pacientes que sofrem com o excesso de peso. Por ser uma doença multifatorial, o tratamento deve considerar diversos aspectos, incluindo emocional e psicológico.

Novo Centro Bariátrico do Hospital Santa Catarina

Reunir uma equipe multidisciplinar e centralizar a realização de exames para otimizar o atendimento aos pacientes é a proposta do novo Centro de Excelência em Cirurgia Bariátrica e Metabólica do Hospital Santa Catarina.

De acordo com o médico Victor Medeiros Fernandes, que está à frente da equipe, quase a metade dos pacientes elegíveis para a cirurgia bariátrica acabam desistindo quando os procedimentos pré-operatório demoram mais de seis meses.

"É importante que o paciente se sinta acolhido e respeitado. A pessoa que procura a cirurgia já tentou emagrecer de todas as formas. Comumente as vias metabólicas e de absorção de alimentos estão alteradas, dificultando bons resultados mesmo com dieta e atividade física. Uma espera longa, injustificada, no processo de liberação cirúrgica pode frustrar o paciente", explica.

A proposta é que, no local, os exames clínicos e as avaliações médicas, psicológicas e nutricionais, obrigatórias para cirurgia, sejam feitas em menos de dois meses.

Além do atendimento humanizado e toda a estrutura do Santa Catarina, o espaço oferece aos pacientes mobília adaptada, cadeiras e macas mais largas, e uma moderna balança de bioimpedância, que mede as taxas de musculatura, gordura e água do corpo com agilidade.

De acordo com o médico, a cirurgia bariátrica é padronizada e segura, com taxa de complicação mínima. O Brasil é o segundo país do mundo em números absolutos deste tipo de procedimento, atrás apenas dos Estados Unidos. "No novo centro, pretendemos realizar 100 cirurgias por ano. A expectativa é ajudar o paciente a lutar contra a obesidade, permanecendo por muitos anos afastado dela e de suas comorbidades. Lembrando que a cirurgia não é a cura, e sim um auxílio na luta contra uma doença crônica", alerta.

Para a nutricionista Thais Trujillo Sato, que integra a equipe, é importante conscientizar o paciente que ele viverá em dieta alimentar e precisará repor vitaminas provavelmente para o resto da vida. "Logo após a cirurgia, são 10 dias de dieta líquida e o paciente só poderá ingerir alimento sólido após 30 dias".

O cuidado se estende ao pós-operatório. Os homens são acompanhados por um semestre e as mulheres por um ano, todos os meses, com testes clínicos, psicológicos e nutricionais, até receber alta.

A psicóloga Michelli Bernini Pedro lembra que entender o que leva o paciente a se alimentar é imprescindível. "Em alguns casos, há uma certa crise de identidade, já que a pessoa perde muito peso".

Obesidade

O índice de massa corpórea (IMC), calculado pelo peso dividido pela altura ao quadrado, define a obesidade da seguinte forma:

• IMC entre 25,0 e 29,9 Kg/m2: sobrepeso

• IMC entre 30,0 e 34,9 Kg/m2: obesidade grau I

• IMC entre 35,0 e 39,9 Kg/m2: obesidade grau II

• IMC maior do que 40,0 Kg/m2: obesidade grau III

Para a realização da cirurgia bariátrica é exigido que paciente tenha IMC acima de 40 kg/m², ou IMC de 35kg/m² e doenças associadas, ou IMC acima de 30 kg/m² e diabetes tipo 2.

Hospital Santa Catarina

O Hospital Santa Catarina, que completou 113 anos de fundação em 2019, prima pela excelência no atendimento seguro e humanizado. Referência de qualidade em serviços de saúde no Brasil, atende desde pequenos procedimentos até cirurgias de alta complexidade. A instituição filantrópica é parte da Associação Congregação de Santa Catarina, uma rede social que atua nos eixos da saúde, educação e assistência social, e congrega cerca de 14 mil colaboradores, distribuídos em diversas obras sociais e programas de apoio, em seis estados brasileiros.

Com infraestrutura moderna, equipamentos de última geração e profissionais altamente qualificados, o Hospital Santa Catarina dispõe de 316 leitos, sendo 79 de UTI, distribuídos em cinco Unidades de Tratamento Intensivo (neurológica, cardiológica, pediátrica, geral e multidisciplinar), 17 salas de cirurgias e pronto atendimento 24 horas.