faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

10 dicas para melhorar a produtividade em clínicas

produtividade-como-se-tornar-menos-ansioso

Diversas ações podem ser adotadas para melhorar a produtividade e o atendimento

Um objetivo recorrente de gestores de clínicas e hospitais é conseguir melhorar a produtividade das equipes sem prejudicar – ou até mesmo melhorando – a qualidade do atendimento prestado.

Ainda que esses objetivos pareçam contraditórios, diversas soluções têm trazido bons resultados, tais como: mudanças nos processos, investimentos em tecnologia e terceirização de atividades secundárias. Saiba mais, a seguir.

10 soluções para aumentar a produtividade em clínicas e hospitais

O aumento da produtividade pode ser entendido como fazer mais com menos recursos ou em menos tempo. Para que esse resultado seja possível é preciso mapear as principais dificuldades da clínica e trabalhar para superá-las.

Dessa forma, para fazer mais com menos, é sempre necessário investir seja em novas ferramentas, estudo de processos, equipe etc.

1. Invista em tecnologia

O primeiro investimento necessário para quem deseja aumentar a produtividade da clínica ou hospital é a tecnologia. Atualmente, há diversos novos recursos que viabilizam esse resultado, como automação de processos e sistemas de gestão.

Conhecer as tecnologias mais adequadas ao seu negócio depende de um levantamento interno dos gargalos que impedem a melhora da produtividade.

Por exemplo, a automação é recomendada quando identifica-se que a mesma atividade precisa ser realizada em diferentes etapas do atendimento, como solicitar as mesmas informações ao paciente na recepção e no consultório médico.

2. Integre sistemas

A integração dos sistemas é outra solução que evita o cenário apresentado anteriormente, a necessidade de refazer processos em diferentes etapas do atendimento.

Com a integração, as informações do paciente e as atualizações no prontuário estarão disponíveis a todos os envolvidos no atendimento, como médicos, , radiologistas, enfermeiros e outros.

3. Crie e otimize processos

O mapeamento e correção dos processos são fundamentais para ter um atendimento mais produtivo. As equipes pouco poderão fazer se as etapas forem intrincadas e pouco eficientes.

Por exemplo, se antes do atendimento no consultório o paciente precisa ter a pressão arterial e temperatura medidas, insira uma etapa fixa para isso logo após a recepção.

Esse cuidado evita o vai e vem nas medidas adotadas, o que compromete a produtividade da equipe e também a satisfação do paciente com o atendimento.

4. Defina um tempo para os atendimentos

A definição de um tempo médio para o atendimento não visa comprometer a qualidade do diálogo entre médico e paciente, mas estabelecer padrões médios para que os processos funcionem corretamente.

A definição do tempo médio também ajuda no planejamento da agenda, evitando que a rotina torne-se corrida ao profissional ou que os pacientes tenham que esperar muito pelo atendimento.

5. Capacite sua equipe

A qualificação da equipe é essencial para que o serviço seja prestado com excelência. Os recepcionistas, enfermeiros e mesmo os médicos devem ter domínio dos processos e das ferramentas.

Por exemplo, o sistema de gestão é usado por todos os profissionais envolvidos no atendimento, se uma equipe não opera corretamente a ferramenta, todas as demais etapas ficam comprometidas.

Além disso, a equipe deve ser capacitada para oferecer um atendimento humanizado, respeitando as particularidades de cada paciente.

6. Conheça seu público

Conhecer as características e necessidades do público é fundamental para que a estrutura da sua clínica seja adequada.

Por exemplo, se você atende pediatria deve ter atenção a processos voltados tanto aos pais quanto aos pacientes, o que pode alterar completamente o andamento das atividades.

7. Atualize a agenda

A organização da agenda de atendimento da clínica é um dos aspectos essenciais para que a equipe se mantenha produtiva.

Por essa razão, a atualização da agenda deve ser automática e imediata caso haja um cancelamento, encaixe ou alteração da data. Isso permite que os profissionais possam organizar a rotina e evitar tempo ocioso.

8. Disponibilize serviços online

Atualmente, os serviços online são grandes aliados da produtividade das clínicas, pois reduzem o fluxo de pacientes no local e também as ligações telefônicas.

Alguns exemplos incluem o acesso online aos exames, de forma que o paciente não precise buscá-los presencialmente. Além disso, o agendamento de consultas pela internet também reduz o trabalho dos atendentes que podem direcionar os esforços a outras tarefas.

9. Monitore o desempenho

Se o objetivo é aumentar a produtividade, os gestores devem estabelecer alguns indicadores que permitam saber qual é a produtividade atual e medir outra vez, após as mudanças implantadas. Entre os exemplos de indicadores que podem ser acompanhados incluem-se:

  • tempo de permanência do paciente na clínica;

  • número de consultas/dia;

  • tempo de espera, entre outros.

Para se verificar, eficazmente, a melhora da produtividade com cada mudança os gestores devem atribuir métricas específicas a cada inovação.

10. Terceirize atividades

Por fim, uma das soluções mais satisfatórias atualmente é a terceirização de atividades da clínica.

O principal exemplo é a emissão de laudos do setor de radiologia. A clínica não tem um fluxo intenso o suficiente para ter um especialista interno, no entanto, precisa garantir uma entrega rápida e de qualidade aos exames de imagem realizados no local.

Dessa forma, a telerradiologia é uma opção de terceirização, pois a empresa especializada tem profissionais atuando 24 horas por dia, 7 dias por semana. A entrega de laudos emergenciais, por exemplo, é feita dentro de 30 minutos.

Portanto, a terceirização de atividades é uma das formas de tornar os processos mais eficazes.

Existem diversas estratégias que podem ser adotadas com o objetivo de aumentar a produtividade, desde a telerradiologia até a adoção de sistemas informatizados. Avalie quais soluções são mais vantajosas para a sua clínica.

Hospital Samaritano Higienópolis recebe quinta reacreditação da JCI

EI7A6612

O Hospital Samaritano Higienópolis, do Americas Serviços Médicos, foi reacreditado pela quinta vez consecutiva pela Joint Commission International (JCI) desde sua primeira certificação em 2004, uma das primeiras do Brasil. “É com grande satisfação e responsabilidade que recebemos mais uma vez este reconhecimento, pautado em parâmetros internacionais que visam a qualidade e segurança de nossos pacientes, além da melhoria contínua de nossos serviços e corpo clínico”, diz Fabio Katayama, diretor executivo da unidade.

O selo assegura e promove o desempenho diário em todo o ciclo do cuidado, elevando os padrões de excelência hospitalares em quesitos como, por exemplo, a assistência, segurança, controle de infecções, ambiente e canais de informação.

O hospital Samaritano Higienópolis completou 125 anos em 2019.  A instituição nasceu do desejo do imigrante chinês José Pereira Achao de oferecer um serviço hospitalar de qualidade aos imigrantes de todas as nacionalidade e credos que escolheram a cidade para viver e trabalhar. Hoje se destaca pela inovação, qualidade e excelência. Recentemente figurou o ranking da revista America Economia Intelligence 2019, que elegeu os melhores hospitais da América Latina, classificado como o segundo melhor do Brasil (7ª posição).

A Joint Commission International (JCI)  JCI é uma instituição internacional que realiza acreditações em unidades de saúde, por meio de auditorias para as certificações com ciclos de três em três anos. Ela trabalha para melhorar a segurança do paciente e a qualidade dos cuidados de saúde na comunidade internacional, oferecendo educação, publicações, serviços de consultoria e credenciamento e certificação internacional. Em mais de 100 países, a JCI faz parceria com hospitais, clínicas e centros médicos acadêmicos; sistemas e agências de saúde; ministérios do governo; academia para promover padrões rigorosos de atendimento e fornecer soluções para alcançar o desempenho máximo.

Sobre o Americas Serviços Médicos:

O Americas Serviços Médicos é um grupo médico-hospitalar composto por hospitais-referência e clínicas especializadas. Está presente em cinco estados brasileiros – Rio de Janeiro, São Paulo, Pernambuco, Ceará e Rio Grande do Norte – e no Distrito Federal, totalizando mais de 2,6 mil leitos. O Americas Serviços Médicos faz parte do UnitedHealth Group Brasil.

Tráfego na rede está uma carroça? Ela pode prejudicar a gestão das empresas do setor de Saúde

marco_catunda_telcomanager_1

As empresas do setor de Saúde (hospitais, clínicas, laboratórios, operador de serviços), independentemente do seu porte ou localidade, podem ser prejudicadas pela baixa conectividade da Internet e lentidão do tráfego de dados e de aplicações na sua rede corporativa. A lentidão pode afetar negativamente o acesso aos prontuários e exames, agendamento de consultas, faturamento, estoque e relacionamento com sua rede de clientes, fornecedores, credenciados entre outros. Além do desempenho das atividades, o problema afeta negativamente os negócios, a produtividade e o lucro. Como solucionar este problema?

O tráfego lento e a baixa resposta das aplicações podem ter origem em uma Internet lenta ou má dimensionada, sobrecarga em servidores e sistemas, erros no dimensionamento do conjunto de recursos de TI e de dispositivos, configuração de proxy, de firewall e antivírus, além da ação de códigos maliciosos a partir de ataque cibernético. Este último pode levar a empresa a uma situação de alto risco, como o sequestro de dados via ransomware ou a manipulação ou desvio de informações confidenciais que possam prejudicar o cumprimento das novas regras de proteção de dados pessoais, a LGPD e GDPR.

A falta de atualizações de sistemas, plugins, navegadores, componentes Java também contribui fortemente para emperrar as estações de trabalho e toda a rede, impondo à equipe de suporte uma sobrecarga de trabalho. Do lado do usuário, o baixo tempo de resposta de aplicações é o sintoma mais perceptível, fazendo com que ele reclame que o “computador não anda” e acione o suporte repetidas vezes até que o problema possa ser identificado e resolvido.

A lentidão na rede resulta no atraso nos processos de negócios. Em uma empresa com centenas – ou milhares - de usuários conectados ao mesmo tempo, imagine o transtorno. Se tempo é dinheiro, imagine o prejuízo.

Primeiros passos

Levando-se em conta que a lentidão da rede pode ter muitas origens, é aconselhável realizar o mapeamento de hardware e sistemas. Empresas com uma base instalada muito antiga é, em geral, a que mais apresenta falhas e brechas para o acesso não autorizado. Um exemplo é o Windows 7, ainda utilizado por milhões de empresas em todo mundo, mesmo tendo a Microsoft anunciado o fim do suporte ao sistema operacional, previsto para início de 2020. A modernização do parque de TI pode exigir um orçamento acima da capacidade financeira da empresa, mas é possível avançar com algumas medidas simples. Entre elas podemos listar:

Atualização de hardware – Assim como milhões de empresas ainda trabalham com o Windows 7, é verdade que boa parte delas ainda possui um parque de hardware desatualizado. É possível encontrar antigos computadores com apenas 1 GB de memória e pouca capacidade de processamento de máquina. Pode-se pensar em um plano de ação onde a modernização das máquinas comece por áreas mais críticas aos negócios.

Atualização de sistemas – A maior parte dos sistemas legados existente nas empresas cumpre o requisito básico operacional, mas não recebe atualizações, principalmente quanto ao quesito segurança, uma situação que coloca em risco todo o ambiente de TI. Uma brecha não corrigida em um software pode permitir, por exemplo, que um malware monitore a rede e abra uma porta para a invasão de códigos maliciosos em outras áreas da empresa. Mantenha, portanto, a mais recente versão de todos os sistemas;

Integração de sistemas - A adaptação e integração de sistemas legados às novas aplicações de software - incluindo nuvem e mobilidade empresarial - é um desafio recorrente nas empresas, onde as equipes de TI se sobrecarregam com tarefas de suporte ao usuário e demandam tecnologias capazes de responder aos objetivos dos negócios. Plataformas modernas de integração permitem criar um barramento de comunicação entre sistemas legados com aplicações mais modernas. Opte por uma tecnologia que possua o maior número de conectores homologados pelos fabricantes de software e que permita realizar customizações livre de código;

Monitoramento e otimização dos recursos de TI e a rede corporativa - Aliada aos passos anteriores, a esta é uma tarefa cotidiana vital que permite melhorar o tráfego de dados e a respostas das aplicações empresariais. A partir do uso de ferramentas especialmente projetadas para esta finalidade, é possível obter a visibilidade de toda a rede corporativa e identificar gargalos, padrões de comportamento de tráfego, acessos não autorizados internos ou externo (incluindo invasão de códigos maliciosos). A tomada de decisão dos gestores de TI e administradores de rede é facilitada e contribui nas correções necessárias, desde o dimensionamento adequado dos recursos, isolando as causas, reforçando a segurança e garantindo a satisfação dos usuários.

Este conjunto de ações impulsiona a governança e permite estabelecer as políticas de uso de aplicações e de proteção à rede corporativa. Afinal, recursos de TI bem ajustados impactam positivamente nos resultados dos negócios.

Sobre o autor

Marco Catunda, CTO da Telcomanager, fornecedora de tecnologias de monitoramento de redes corporativas.

ServiceNow habilita transformação digital na CNU

pexels-photo-3184669

A jornada para a transformação digital e adaptação de sistemas internos tem se tornado um dos principais objetivos dos departamentos de tecnologias das grandes empresas, e na saúde suplementar não é uma realidade diferente. Em um setor extremamente regulamentado, a Central Nacional Unimed, operadora nacional dos planos de saúde empresariais da marca Unimed, procurou a ServiceNow e a Deloitte para desenvolver soluções que integrassem seus sistemas e processos de TI, que são usados por mais de 1600 funcionários. Resultado disso foi o sistema que recebeu o nome de HELP, que concentra todos os chamados para o departamento de TI através de uma interface simples, rápida, segura e hospedada na nuvem.

O principal desafio da CNU era lidar com o antigo ambiente de ITSM, que possuía muitos pontos de entrada de solicitações, o que dificultava bastante a experiência do usuário. Mesmo que estas soluções estivessem adequadas a seus propósitos, a diferença na experiência impactava o tempo de uso – e, consequentemente, a produtividade de cada colaborador. Com o HELP, todo este processo foi agilizado.

Outro grande problema era a falta de visibilidade fim a fim e a gestão geral dos processos, que não era permitida por conta da falta de integração e da limitação das ferramentas em possibilitar o feedback por parte dos usuários. A maior operadora do Sistema Unimed então realizou uma série de estudos para encontrar um novo fornecedor de tecnologia e, através de uma análise de Moscow, se destacou a ServiceNow.

“É um equívoco pensar que mudanças em processos internos não refletem na qualidade do atendimento ao cliente. Quando assumimos a atual gestão da Central Nacional Unimed a primeira grande reestruturação e investimento focado que realizamos foi em nossos sistemas internos. Hoje a engrenagem de uma empresa está principalmente ligada à inovação e sistemas que devem ser eficientes na vida das pessoas, sejam colaboradores ou clientes, e o case HELP. contribuiu com mais agilidade e tornou-se uma referência da TI para os colaboradores.”, explica Alexandre Ruschi, Presidente da Central Nacional Unimed.

Desenvolvido pela ServiceNow, o HELP. permitiu ao time de TI da CNU trabalhar com apenas um ponto de contato para os funcionários, tanto por meio de portal quanto por chatbot e, principalmente, permitiu uma integração total não apenas interna, mas também com outras soluções de mercado. Isto possibilitou que usuários utilizassem as soluções de forma mais natural e orgânica, como também deu ao time de TI a visibilidade fim a fim que era tão necessária. Outra conquista foi a viabilidade para que o time de TI realize pesquisas de satisfação dos processos internos entre seus funcionários, gerando um importante fluxo de feedbacks.

A escolha de fornecedores capazes de atender a necessidade existente em um curto prazo de tempo também foi fundamental para o sucesso da ferramenta. Essa foi uma etapa importante de um grande projeto de evolução tecnológica e transformação digital da Central Nacional Unimed. Um projeto que promove um novo direcionamento à aplicação de recursos de TI, com base na geração de valor ao negócio. A partir desse novo reposicionamento estratégico, foi possível qualificar o retorno do investimento na solução da ServiceNow. O mesmo cuidado foi tomado para a escolha do parceiro para a implementação, no qual a experiência em projetos de grande porte e metodologia própria e ágil foram requisitos essenciais”, explica Luiz Renato Evangelisti, superintendente de Tecnologia da cooperativa Unimed.

“Em um setor tão complexo e sofisticado como o da saúde, a inovação é um tema desafiador. A CNU, em sua jornada de transformação digital, tinha o desafio de implementar essa inovação disruptiva em seus processos de TI em apenas 12 semanas e nós, da ServiceNow, sabíamos que era possível atingir esse objetivo. É uma satisfação ver que a CNU já percebe a diferença no nível de satisfação dos usuários e, principalmente, poder colaborar no aumento da velocidade dos serviços de TI para toda a empresa” afirma Katia Ortiz, country manager da ServiceNow no Brasil.

E para contribuir com sua expertise de consultoria em TI, a Deloitte utilizou a metodologia Enterprise Value Delivery for ServiceNow, com uma abordagem de entrega híbrida que combina conceitos e técnicas ágeis estabelecidos com a previsibilidade da entrega do escopo definido interativamente, acelerando o tempo de valorização, fornecendo disciplina e transparência para alcançar resultados. Os sponsors, consultores e os product owners se posicionaram como um único time, rompendo as barreiras entre cliente e prestador de serviços e focando na melhor solução para as necessidades da CNU - fator crítico de sucesso do projeto.

“Um dos diferenciais da Deloitte foi o modelo de implantação da solução, em que foram criadas duas squads, uma de definição da solução, conduzida por consultores especialistas em ITSM e outra squad de desenvolvimento da solução na plataforma ServiceNow, passando pela evangelização e comunicação dos processos, resultando em entregas parciais em um prazo curtíssimo”, explica Milena Gomes, gerente da Deloitte na prática de ServiceNow.

Samantha Valente Fischetti, coordenadora da área de Workplace e Serviços de TI da CNU, responsável pela interface da TI com os colaboradores, esteve à frente de toda a implantação, desde a gestão do projeto à estratégia da campanha de lançamento da ferramenta, a fim de obter o melhor engajamento dos colaboradores na aceitação e utilização do HELP. "A equipe mostrou um grande empenho, sobretudo nos meses do projeto, e isso foi essencial para o sucesso da ferramenta. Sem as parcerias firmadas de todos os lados, não seríamos tão eficazes. O HELP. oferece aos colaboradores uma interface amigável, intuitiva e simples, mas atrás dessa praticidade há tecnologia de ponta. Para que houvesse a melhor aderência da solução e para evitar comparações com os legados tratamos a estratégia de comunicação de forma intensa e diferenciada. Criamos diversas ações como uma marca e um slogan, campanha de contagem regressiva, divulgação do projeto via hashtag, treinamentos para usuários e para a TI com evangelização dos processos Itil, manuais divertidos, vídeo ilustrativo da solução, divulgação nas TVs corporativas, além de prepararmos um GO-LIVE com pipocas e banners para celebrar esse momento pelas redes sociais da cooperativa. Os colaboradores são o nosso bem mais precioso e por esse motivo fizemos de tudo para que essa transição agregasse valor e otimizasse o dia a dia deles. A prova disso é o nosso índice de aderencia, que está em 90% e nosso CSAT que está em 85%, com apenas 3 meses de ON-GOING da solução”.

O tempo de implementação da nova solução foi de apenas três meses, considerado extremamente reduzido se comparado às ferramentas tradicionais e conhecidas no mercado. Entre os principais motivos para isto estão o fato das soluções da ServiceNow já seguirem as regras de boas práticas ITIL, uma demanda da CNU, além da metodologia ágil da solução. O novo sistema também já coloca a CNU como uma empresa que segue a nova Lei Geral de Proteção de Dados, por isso mesmo o tempo de implementação se tornou ainda mais impressionante diante da quantidade de regulamentações necessárias.

CGU premia UnitedHealth Group Brasil por medidas de combate à corrupção

CGU premia UnitedHealth Group Brasil por medidas de combate à corrupção

Companhia recebe o Selo Empresa Pró-Ética 2018/2019 devido à adoção de ações consistentes de promoção da integridade

O UnitedHealth Group Brasil recebeu nesta quinta-feira (12/12), o selo de Empresa Pró-Ética 2018/2019, concedido pela Controladoria-Geral da União (CGU). A iniciativa busca fomentar no setor privado a adoção voluntária de medidas de integridade e de prevenção da corrupção. O anúncio foi feito durante a 1ª Conferência Internacional de Promoção da Integridade, em Brasília (DF). Com o reconhecimento, a empresa passa a fazer parte do seleto grupo de 26 companhias brasileiras diferenciadas pelo selo. No Brasil, o grupo tem como razão social Amil Assistência Médica Internacional e suas ações de compliance abrangem a operadora de planos de saúde Amil e o grupo médico-hospitalar Americas Serviços Médicos.

De acordo com a diretora de Compliance do UnitedHealth Group Brasil, Luciana Servija, a premiação é fruto do forte comprometimento da companhia no combate à corrupção e às fraudes. “A integridade é um dos nossos cinco valores corporativos e buscamos aplicá-la na prática por meio da promoção de programas de compliance e ética. Entre as medidas que nos levaram a esse reconhecimento, destaco o processo de análise de terceiros que se relacionam com a companhia, a estrutura dos canais de denúncia, os ciclos de treinamento e o modelo de investigação independente, que garante credibilidade e sigilo”, explica.

Para estimular a integridade dos cerca de 40 mil colaboradores, a empresa implementou o programa de integrity partners, em que colaboradores de áreas diversas atuam como pontos focais de questões relacionadas à ética em seus setores de atuação. Além disso, todas as situações relatadas nos canais de denúncias do UnitedHealth Group Brasil, internos ou externos, sem exceção, são analisadas. O trabalho é realizado 24 horas por dia, sete dias por semana, por uma empresa terceirizada, e é gerenciado pela matriz do UnitedHealth Group, nos EUA, que faz o direcionamento para os times de investigação no Brasil, conforme o tema da queixa. A análise de fornecedores é outro diferencial. Todos são submetidos a um processo de due diligence para avaliação de riscos, sendo os contratos passíveis de rescisão caso se identifique alguma inconformidade.

O Programa Pró-Ética é uma iniciativa pioneira na América Latina criada em 2010, por meio de uma parceria da CGU e do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social. A relação completa dos contemplados com o selo de Empresa Pró-Ética 2018/2019 pode ser encontrada no site da CGU.

Tecnologia em saúde: conheça 5 tendências digitais

Saude-business-tendencias-digitais

A chamada transformação digital está impactando a área da saúde. São cada vez mais comuns os aplicativos, softwares e hardwares que são incorporados à medicina para facilitar o dia a dia de profissionais do setor, bem como os seus pacientes. A tecnologia tem feito com que o foco seja cada vez mais nos cuidados e na prevenção.

A seguir, reunimos algumas tendências globais de tecnologia na saúde. Acompanhe e veja como cada uma impactará o nosso futuro.

1. Digitalização

A maior tendência tecnológica no setor de saúde no Brasil é a digitalização dos processos. Estão em alta serviços como prontuário eletrônico, prescrição eletrônica, sistemas de gestão médica, softwares para farmácias etc.

A radiologia é uma área da medicina que já está digitalizada há bastante tempo e tem servido de modelo para outras ramificações. Esse segmento pode servir como modelo para que as demais especialidades modifiquem a sua cultura e insiram a tecnologia em suas operações.

2. Data Analytics

O uso de dados na medicina deverá ser cada vez mais utilizado. No entanto, não é recomendado que o serviço de coleta de informações seja visto como uma inovação em si, mas sim o que ele pode proporcionar.

Os dados podem servir para fazer a análise preditiva de doenças, scores de risco, pré-diagnósticos e probabilidades de ocorrência de sintomas.

Isso é o que precisa ser analisado e o trabalho para desenvolver e utilizar os recursos de Data Analytics deve ser feito em parceria entre profissionais de TI, que conhecem os sistemas, e médicos, que têm domínio sobre as doenças, os riscos e os resultados.

3. Unificação de dados

Ainda falando sobre dados, não é útil para um paciente que ele tenha uma informação guardada no laboratório em que fez um exame, outra em um hospital e uma terceira numa clínica de radiologia, por exemplo.

Quanto mais dados os médicos tiverem acesso melhor, uma vez que poderão fazer estudos mais aprofundados e dar um diagnóstico mais completo para os pacientes. Isso é possível com o uso de tecnologias como as ferramentas de blockchain.

Obviamente que questões como a privacidade e o sigilo de determinadas informações deverão ser mantidas, não só por conta da ética, mas também para cumprir a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

4. Inteligência artificial

O uso da inteligência artificial vem sendo muito aplicado na medicina e deverá se desenvolver ainda mais nos próximos anos. Sistemas inteligentes, por exemplo, podem fazer a varredura de dados coletados em um exame de maneira até 150 vezes mais rápida do que um ser humano.

Isso pode possibilitar economia no setor de saúde. Uma tomografia computadorizada, que demora meia hora para ser feita, por exemplo, pode ser concluída em poucos minutos, caso os sistemas de inteligência artificial descubram nas primeiras imagens geradas o problema do paciente.

Dessa maneira os hospitais geram economia e os médicos agilizam os tratamentos. Além de terem o seu problema de saúde diagnosticado e tratado mais rapidamente, os usuários, bem como os convênios ou poder público, no caso do SUS, pagarão menos por isso.

5. Realidade virtual e realidade aumentada

Os recursos de realidade virtual e realidade aumentada contribuem para que os estudantes de medicina possam aprender a executar procedimentos perigosos e delicados, como cirurgias cardíacas. Isso é excelente para que erros médicos sejam menos frequentes, por exemplo.

As tendências globais de tecnologia na saúde surpreendem. Elas devem avançar cada vez mais e modificar a forma como pensamos em cuidados com o ser humano.

Estabelecimentos de saúde que iniciarem os investimentos nesse segmento mais cedo, terão mais facilidade em conquistar resultados positivos no futuro, uma vez que se diferenciarão da concorrência e ganharão a preferência dos usuários.

Dê o play no vídeo abaixo e assista a entrevista do Dr. Thiago Júlio, gerente de inovação aberta da Dasa e médico radiologista. Ele fala sobre tendências para o setor da saúde a Leonardo Gross, Latam Digital Services Leader GE Healthcare.

Você pode assistir a outros vídeos dessa entrevista:

Tecnologia a favor dos recém-formados no setor da saúde

quais-sao-as-principais-caracteristicas-do-mobiliario-para-consultorio-medico

Plataforma on-line ajuda médicos, dentistas, nutricionistas e psicólogos em início da carreira a sublocar consultórios e salas equipadas

Mais de 1,2 milhão de estudantes concluíram o ensino superior no Brasil em 2018, segundo o Inep. Entre as carreiras mais procuradas estão Medicina e Psicologia, por exemplo. Essa procura se deve ao crescimento acelerado do mercado de saúde que atualmente emprega cerca de 12 milhões de pessoas, de acordo com o Ministério da Saúde.

A CliniClick percebeu, nesse setor, a carência de uma alternativa para facilitar o processo de sublocação de consultórios, uma das maiores dificuldades desses milhões de recém-formados. Na prática, a plataforma on-line possibilita ao estudante sair da faculdade com acesso a salas prontas para alugar e já começar a exercer sua profissão. Isso sem a necessidade de fiador, depósito ou seguro e a possibilidade de sublocar por dia e período, ou seja, terça de manhã, por exemplo. “Quando começa a trabalhar o profissional ainda está construindo a sua carteira de pacientes. Então, ele pode fazer o aluguel do consultório somente por um ou dois períodos na semana e aumentar gradativamente conforme for evoluindo na profissão.” explica Rafael Valente, CEO e um dos sócios-fundadores da CliniClick.

O trabalho da empresa veio para profissionalizar esse mercado, simplificando e dando segurança aos profissionais da saúde, tanto aos que buscam uma sala de atendimento, como aos que têm um espaço parado que, antes, era apenas despesa e agora pode ser rentabilizado. “A assinatura do contrato é digital, com validade jurídica, para agilizar a formalização. Inclusive, já está incluso um seguro de danos para a sala durante o período locado.” reforça o CEO.

A startup surgiu quando um dos fundadores, Joelson Santos, sentiu na própria pele o quanto era complexo e burocrático administrar a sublocação do consultório de sua esposa, Psicóloga. Ele notou que existiam muitas salas ociosas pelo simples fato de os donos das clínicas não terem tempo, conhecimento ou segurança para rentabilizar seus espaços. Ao mesmo tempo, verificou vários profissionais em busca de viabilizar um local adequado para atender seus pacientes. Uniu-se, então, a outros dois colegas para encarar o desafio de buscar uma solução para esse problema, com o objetivo de agregar eficiência ao setor e ampliar as possibilidades para os profissionais. Sempre atentos às inovações, economia compartilhada e dificuldades estruturais no setor da saúde, os empreendedores planejam revolucionar o acesso e compartilhamento de consultórios.

Sobre a CliniClick

A CliniClick é uma empresa especializada em sublocação de salas prontas para profissionais da saúde e tem a missão de promover o avanço rápido e seguro do compartilhamento de consultórios. Pioneira em seu setor, é a única a atuar em todas as etapas do processo, do anúncio da sala ao fim do contrato de locação, conectando os profissionais e tornando o compartilhamento de consultório mais simples, prático e seguro. A empresa criou, com o uso de tecnologia própria, um processo ágil e inteligente que permite a mais proprietários disponibilizar seus espaços para alugar e a mais profissionais considerar o aluguel de consultório como uma alternativa para exercer o seu trabalho.

Grupo Fleury recebe Medalha de Prata em programa da Sociedade de Radiologia da América do Norte (RSNA)

radiologia

Companhia tem importante conquista no Desafio de Inteligência Artificial durante o maior congresso mundial na área de Radiologia e Diagnóstico por Imagem e que teve como tema principal a detecção de hemorragia intracraniana.

O Grupo Fleury foi premiado pelo RSNA no Desafio de Inteligência Artificial. O trabalho reconhecido com medalha de prata teve como tema ‘detecção de hemorragia intracraniana’ e foi produzido pela equipe multidisciplinar da companhia com o apoio da startup DataLife, parceira do Grupo. Considerado o maior congresso mundial na área de Radiologia e Diagnóstico por Imagem, o RSNA reúne médicos de diversas especialidades. Neste ano, mais de 50 colaboradores do Grupo Fleury, entre médicos e diretores da empresa, participaram do evento, que teve como temas principais Inteligência Artificial, impressão 3D e realidade virtual.

O congresso internacional de radiologia, promovido anualmente pela Sociedade Radiológica da América do Norte, aconteceu em Chicago (EUA) entre 1 e 6 de dezembro. Na ocasião, médicos referência da Companhia apresentaram trabalhos inéditos. A empresa já validou uma solução de inteligência artificial para diagnóstico em imagem de embolia pulmonar.

A Sociedade de Radiologia da América do Norte (RSNA), organização sem fins lucrativos, conta com mais de 54 mil membros de 136 países e é comprometida em prover educação de excelência para a comunidade de radiologia global, incluindo o alcance de nações com poucos recursos, e conceder apoio para o desenvolvimento de padrões e protocolos da especialidade.

Mais informações

Sobre o Grupo Fleury

Com mais de 90 anos, o Grupo Fleury é uma das mais respeitadas organizações de medicina e saúde do Brasil, reconhecido pela comunidade médica e opinião pública pela excelência técnica, médica, em atendimento e em gestão. Com mais de 9 mil colaboradores e cerca de 2 mil médicos, a empresa conta com mais de 200 unidades de atendimento das marcas Fleury Medicina e Saúde, a+ Medicina Diagnóstica, Weinmann Laboratório, Labs a+, Clínica Felippe Mattoso, Diagnoson a+, Serdil, Instituto de Radiologia de Natal, Lafe, CPC e Inlab. Além de medicina diagnóstica, operações diagnósticas em hospitais e de laboratório de referência, o Grupo Fleury tem avançado fortemente em novos serviços relacionados à medicina personalizada e de precisão.

Acesse e conheça o Fleury Genômica

Saúde Business Fórum: Líderes da saúde definirão tendências do setor em 2020

Saúde Business Fórum: Líderes da saúde definirão tendências do setor em 2020

A Informa Markets iniciará o seu portfólio de eventos da saúde em março com o Saúde Business Fórum (SBF), que ocorre na ilha de Comandatuba, Bahia, de 19 a 22 de março. O evento reunirá 150 executivos dos maiores hospitais, operadoras e laboratórios do país. Somados, estes representam 16 mil leitos hospitalares e 131 milhões de beneficiários. Também estarão presentes 60 marcas de soluções em saúde, que em conjunto com os convidados do evento, realizarão mais de 400 reuniões one-on-one no local.

O evento é baseado nos pilares conteúdo, relacionamento e negócios, e definirá as tendências da saúde para o ano de 2020 no Brasil. O tema deste ano será “A Evolução Do Cuidado: O Paciente Certo No Lugar Certo”, trazendo ao debate novos modelos de gestão na saúde.

O assunto de destaque do ano e que permeará as discussões dos líderes da saúde é o modelo norte-americano de organização chamado de Accountable Care Organization (ACO, na sigla em inglês), que traz uma nova perspectiva sobre a coordenação e organização do cuidado para as instituições de saúde.

As ACOs contribuem para que os pontos de atendimento sejam mais eficientes, a prevenção seja mais desenvolvida e os custos de cuidado sejam mais bem utilizados.

“O modelo de ACO traz o debate para um modelo em que os recursos podem ser utilizados com mais eficiência e gerando muito mais valor na entrega. Estamos falando de menos filas nos atendimentos, exames que realmente são necessários aos pacientes, valorização da experiência e necessidade do paciente, além de uma gestão mais focada na qualidade dos processos. É um assunto que conversa diretamente com o tema do evento, que fala sobre o paciente certo no lugar certo. Estamos falando de uma gestão e serviços cada vez mais precisa e eficazes”, comenta Vitor Asseituno, consultor para o mercado da Informa Markets.

Os dados e perspectivas do SBF foram apresentados em um evento de lançamento na sede da Informa Markets, que aconteceu no dia 10 de dezembro para patrocinadores, com o objetivo de demonstrar a amplitude do Saúde Business Fórum, a variedade de conteúdo e a possibilidade de negócios durante o fórum, que chega a sua 18ª edição.

“Sem dúvida este é um momento muito forte de conexão entre os principais líderes e através desta integração nos quatro dias de agenda muito intensa de conteúdo e discussões que vão nortear o futuro do setor. Nós entendemos que o SBF é um momento importante para a construção de sistema de saúde mais apropriado, mais eficiente e mais adequado para atender aquele que é o centro de tudo, que é o paciente”, comenta Rodrigo Moreira, diretor do portfólio de saúde da Informa Markets.

E neste encontro de líderes, o conteúdo é parte essencial da estratégia para fomentar os debates e trazer conceitos que podem ser aplicados no mercado brasileiro à favor da sustentabilidade do sistema e melhores resultados para os pacientes.

“Quando pensamos na estratégia do conteúdo, nós também levamos em conta os três eventos do ano (SBF, Hospitalar e HIS – Healthcare Innovation Show). O SBF é o momento mais estratégico para discutir estes temas e alinhar os conteúdos que serão desenvolvidos ao longo do ano no mercado da saúde, como é o caso do ACO. O que fazemos aqui influenciará todos os eventos e todo mercado ao longo do ano”, finaliza Natália Nunes, editora-chefe de conteúdo da Informa Markets.

Durante 4 dias, CEOs, Presidentes e Diretores dos principais players do país irão se reunir para debater maneiras de acelerar e estruturar as mudanças da saúde. O SBF acontece de 19 a 22 de março de 2020, na Ilha de Comandatuba, na Bahia. Consulte a programação e elegibilidade através do site.

Samtronic ressalta parceria com a Hospitalar: “O principal retorno é a satisfação do trabalho bem feito”

Samtronic ressalta parceria com a Hospitalar: “O principal retorno é a satisfação do trabalho bem feito”

A Hospitalar sempre se preocupou em fazer um bom trabalho. A consequência dessa parceria com seus expositores é refletida no reconhecimento deles com a feira. Um deles é a Samtronic, que enxerga na feira uma oportunidade para mostrar o lançamento de produtos, divulgar novos recursos e tecnologias além de fechar negócios e consolidar a marca no mercado.

O encarregado de Marketing da Samtronic, Roger Medici, conversou com o Blog da Hospitalar sobre as considerações da empresa em relação ao trabalho realizado pela feira. Confira a entrevista na íntegra.

Hospitalar: Qual a principal razão da empresa em permanecer expondo na Hospitalar?

Roger Medici: Existem várias razões para continuarmos como expositores deste evento: além de ser da maior relevância para o Brasil e América Latina, atraindo visitantes e expositores do mundo todo, a Hospitalar oferece um meio adequado de mostrar as empresas ao mercado, servindo de palco principal para o lançamento de produtos e divulgação de novos recursos e tecnologias.

Ainda vale ressaltar o excelente atendimento e suporte ao expositor na organização do evento, bem como a sua eficiência na divulgação para seu público-alvo, seja nos meios impressos ou mídia eletrônica.

H: Como essa parceria impactou o crescimento da empresa ao longo dos anos?

RM: A parceria entre a Samtronic e a Hospitalar significou, principalmente, a consolidação da nossa marca no mercado de equipamentos médico-hospitalares. Ao longo dos anos, nossa participação ininterrupta e crescente sinalizou para o mercado que a Samtronic é uma empresa idônea, forte, pujante, na qual pode se confiar como parceira de negócios.

H: Qual o principal retorno que a empresa tem ao participar da Hospitalar?

RM: O principal retorno é a satisfação do trabalho bem feito. Observar os visitantes se interessarem, questionarem e se admirarem com nossos produtos é um sentimento que nos enche de orgulho.

A aproximação com clientes, distribuidores e fornecedores propicia um retorno tangível, permitindo uma atualização sobre novos recursos e tecnologia. Além disso, potenciais compradores esperam pelo evento para os descontos promocionais oferecidos durante o período da feira. Neste sentido, a Samtronic promove a venda de equipamentos com preços competitivos, agradando e beneficiando a todos.

Prepare-se para a Próxima edição

De 19 a 22 de maio de 2020, Samtronic e outras milhares de marcas expositoras estarão presentes na 27a edição da Hospitalar, que acontece agora no SP Expo e pretende levar muito conteúdo, networking, inovações e novas atrações, com foco nos setores de desenvolvimento do evento Facilities, Tecnologia, Atenção Domiciliar e Cuidados de Transição e Reabilitação. Além disso, ações focadas na América Latina e nos compradores nacionais terão reformulação e serão ampliadas.