faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Clinicas de Imunização antecipam compra de vacinas contra a gripe A

shutterstock_345038330

Com 84 casos e 11 mortes confirmadas pelo vírus da gripe A(H1N1) somente no primeiro bimestre deste ano, o Ministério da Saúde recomenda à população reforçar medidas preventivas contra a doença. A vacinação mostra-se uma das medidas mais efetivas para a prevenção da influenza grave e suas complicações. A gaúcha Imunosul, uma das maiores distribuidoras de vacinas do Brasil, prevê crescimento de vendas de 22% em relação a 2015, o que corresponde a 550 mil doses da vacina.

“A maior ocorrência dos casos de gripe é durante os meses mais frios, mas o surgimento da doença ainda no verão fez com que clínicas de imunização e empresas antecipassem a compra de vacinas a fim de proteger seus colaboradores”, destaca a farmacêutica da Imunosul, Silvia Furlanetto.

O vírus da Gripe A (H1N1) se disseminou pelo mundo em 2009, matando mais de 19 mil pessoas. Desde então, circula no Brasil, junto de outras cepas que causam a gripe. Em 2016, a Campanha Nacional de Vacinação da rede pública será realizada de 30 de abril a 20 de maio, oferecendo somente a vacina trivalente.

“Já a vacina comercializada pela distribuidora é a tetravalente, que além de conter antígenos contra três cepas de influenza: A (H1N1), A (H3N2) e B na linhagem Yamagata, conta ainda com a proteção de mais uma cepa do vírus B (linhagem Victoria), o que amplia seu espectro de proteção”, explica Silvia.

Próxima de completar 30 anos de atuação no segmento de vacinas e produtos médico hospitalares, a Imunosul se mantém atenta às demandas de mercado e, sobretudo, ao bem estar da população. Mais informações em www.imunosul.com.br.

Hospital Mãe de Deus anuncia investimento de R$70 milhões em unidade oncológica

maededeus

A nova unidade receberá um investimento total de R$ 70 milhões de recursos próprios e contará com uma estrutura de 12 mil metros quadrados. Assim, o Hospital terá sua capacidade de atendimento para pacientes com câncer triplicada.

“O Hospital será um centro de excelência dedicado e especializado no acompanhamento do paciente com câncer e sua família totalmente conectado às inovações e avanços mundiais no combate à doença oferecendo à população todos os avanços terapêuticos na área oncológica”, afirma Alceu Alves da Silva, diretor superintendente do Sistema de Saúde Mãe de Deus.

Segundo Stephen Stefani, um dos médicos responsáveis pela gestão da nova unidade, o atendimento inter e multidisciplinar será foco para atendimento da necessidade dos clientes de forma humanizada e individual.

A proposta do projeto vem de encontro com a epidemiologia da doença: o câncer, atualmente, é a segunda causa de morte na população brasileira e estima-se que, em 2020, seja a primeira. Com a demanda, novas estruturas hospitalares precisam ser construídas e dedicadas para o atendimento.

“A proposta envolve o atendimento do paciente e sua família em todas as etapas da cadeia de valor que vai desde a prevenção e o diagnóstico precoce, os mais modernos tratamentos, o acompanhamento até a reabilitação e bem estar pós tratamento”, diz Stephen.

O projeto será dividido em três fases:

A primeira será a expansão de consultórios e áreas de tratamento oncológico ambulatorial com início no primeiro semestre deste ano. Os sete andares da Torre Leste do Centro Clínico Mãe de Deus, na Rua Costa, abrigarão uma Unidade de Tratamento Quimioterápico e um Centro de Tratamento Imunoterápico, aumentando a capacidade de atendimento com mais salas de aplicação e novos consultórios. 

Na segunda etapa do projeto, com início previsto para 2017, haverá a readequação e reforma das áreas assistenciais de internação na estrutura do Hospital Mãe de Deus, dedicando áreas específicas para o atendimento oncológico no Bloco Cirúrgico e CTI.  Ainda nesta segunda fase, será adquirido equipamento de radioterapia intra-operatória que permite a realização de tratamento com radiação durante a cirurgia oncológica, diminuindo a necessidade das sessões que normalmente são realizadas após a cirurgia. 

O plano de expansão do Hospital do Câncer Mãe de Deus terá continuidade com a construção de um novo prédio, terceira e última fase deste projeto. A conclusão está prevista para 2018.  Nesta fase, novos equipamentos de radioterapia de última geração serão instalados multiplicando ainda mais a capacidade de atendimento da instituição.

O novo complexo de atendimento oncológico será referência na Região Sul e no Mercosul e terá uma interação contínua com os grandes centros especializados do mundo. Atenderá a pacientes das redes privada e conveniada, com potencial para beneficiar também à rede pública através dos hospitais integrantes do Sistema de Saúde Mãe de Deus no interior do Estado. A equipe que está à frente do Instituto do Câncer Mãe de Deus seguirá na gestão do novo hospital.

Instituto Ética Saúde apresenta o primeiro balanço do Canal de Denúncias

shutterstock_360330515

O levantamento constatou que, nos últimos oito meses desde que foi criado, o Canal de Denúncias recebeu informações com suspeitas de irregularidades envolvendo 164 distribuidores (39% do total de denunciados), 163 médicos (38%), 54 hospitais (13%), 31 fabricantes (7%) e 12 importadores (3%).

Um quarto das denúncias envolvem empresas do Estado de São Paulo que lidera o ranking com 59 relatos, em segundo lugar aparece o Rio Grande do Sul com 35 casos, Mato Grosso do Sul vem em terceiro com 26, Maranhão com 19 relatos, Rio de Janeiro com 15, Paraná com 12 e Mato Grosso com 11. Os demais estados possuem individualmente menos de 10 denúncias.

Das 241 denúncias, 197 foram anônimas e 44 identificadas. O Canal permite as duas opções de contato, que podem ser feitos pelo site www.eticasaude.com.br ou pelo atendimento telefônico 0800 741 0015. O meio virtual recebeu 200 relatos e os demais 41 vieram por ligações telefônicas.

Em 70% dos casos ainda estão sendo feitas investigações para apurar os fatos relatados, em 26% os dados apresentados foram insuficientes para iniciar uma análise e somente em 4% foram completamente descartados. "Como o Canal de Denúncias é um serviço novo, muitos testaram, em um primeiro momento, para conhecer, sem de fato ter o que apresentar. Por isso esses 4% de relatos descartados", esclarece a diretora executiva do Instituto, Claudia Scarpim.

Encaminhamento

"Todos os casos envolvendo 163 médicos estão sendo encaminhados para o Conselho Federal de Medicina com o devido número de CRM do profissional", conta Claudia Scarpim. Os 76 hospitais denunciados estão sendo convidados para dar esclarecimentos ao Conselho de Ética do Ética Saúde. Os distribuidores, fabricantes e importadores denunciados também estão sendo convidados para esclarecimentos no Conselho de Ética. 44 empresas relatadas são associadas ao Ética Saúde e podem receber punições como suspensão e até exclusão do Instituto Ética Saúde. Quatro casos, pela consistência das denúncias, estão sendo apresentados ao Ministério Público.

Gláucio_1

Canal e Conselho de Ética

Uma empresa terceirizada e independente, a ICTS, faz toda a apuração de cada denúncia até submeter os relatos ao Conselho de Ética do Instituto. O Conselho é também independente e composto por três integrantes: o subprocurador da República, Antônio Fonseca, o presidente do Fórum Nacional Contra Pirataria, Edson Luiz Vismona e o Professor Titular do Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, Celso Grisi.

"Quem priorizar a integridade e o combate à corrupção e ao suborno ganhará clientes", prevê Claudia Scarpim. "Quem não fizer o dever de casa será eliminado pelo fabricante, mercado ou por órgãos de controle", finalizou o presidente do Instituto, Glaucio Pegurin Libório.

10 dicas para gerir seu consultório (ou sua clínica)

shutterstock_388690747

Plantões, mais de um emprego e longas jornadas semanais, essa é a realidade de pelo menos 78% dos médicos, conforme a publicação “Demografia Médica Brasileira”, feita pelo Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP). 37,8% deles, ainda segundo a pesquisa, também acumulam cargos de gestão.

“Não raramente, profissionais de saúde se vêem exercendo posições de gestores, sem sequer terem sido preparados para tal. Isso pode acarretar em conseqüências sérias, como prejuízos e descontrole financeiro”, pondera Silvane Castro, MBA em finanças pelo Ibmec Business School.

Ela ressalta que, como a gestão financeira envolve diversas etapas e demanda tempo, acaba sendo deixada de lado. “Como não são identificados, alguns erros se repetem, virando uma bola de neve. Por fim, ao serem percebidos já é tarde demais”, alerta Silvane.

Confira, abaixo, dez dicas que a consultora dá para evitar problemas:

1. Não misture contas pessoais com as do consultório: Não separar a administração financeira é um erro comum que pode levar a grandes problemas. “Essa postura gera descontrole de gastos, pois dificulta a identificação de quem realmente é o detentor da divisa”.

2. Cuidado na hora de calcular o valor da consulta: O ideal é pesquisar com outros médicos da área, considerar o custo mensal do consultório e a capacidade de atendimento no mês, avaliando também a expectativa de ganho. “Ao contrário da opinião geral, esse ganho não está relacionado à especialidade e usar o valor pago pela operadora de saúde como referência também não é uma boa”, pontua.

3. Conheça em detalhes as finanças do consultório: É preciso utilizar ferramentas adequadas de controle, como sistemas de gestão e relatórios apropriados. Além disso, deve ser definida uma estratégia de custeio – nesse último a orientação de um profissional de administração pode ser útil.

4. Planeje sua carreira, incluindo a aposentadoria: O planejamento é um ponto-chave para um futuro tranquilo. Se, no início da carreira, é comum ter rotinas de trabalho pesadas, para não haver surpresas no futuro são necessários alguns cuidados.

5. Trate a atividade médica como negócio: Preocupação com rentabilidade é importante em qualquer profissão. “Não fuja do assunto e nada de achar que a busca do lucro corrompe seu trabalho”, garante Silvane. Para ela, buscar resultados e trocar ideias sobre resultados financeiros pode evitar situações difíceis.

6. Dê atenção à gestão financeira da clínica: Crie um setor financeiro e, se necessário, terceirize o serviço. Contudo, procure entender minimamente do assunto para acompanhar o processo e cobrar dos responsáveis.

7. Não espere para começar a poupar: “Há quem pense que só dá para fazer reservas quando a renda já é suficientemente alta. Isso é um engano”. O mais indicado é guardar proporcionalmente aos ganhos.

8. Arrisque com moderação: Em alguns momentos, ousar é importante, garante Silvane, mas pecar pelo excesso de otimismo pode ser fatal. Por isso, um estudo de viabilidade econômico, feito com auxilio de especialistas, é recomendado.

9. Conheça seu público-alvo: Sua estrutura, desde a sala de espera até os equipamentos adquiridos, deve ser escolhida de acordo com o perfil de seus pacientes. “Já vi médicos superdimensionarem as estruturas de clínicas e consultórios com conforto, luxo, tecnologia de ponta e atraírem pacientes sem condições para pagar pelo serviço”, pondera a consultora financeira.

10. Não sacrifique sua qualidade de vida: É preciso haver equilíbrio entre planos pessoais e profissionais, por isso, pode ser vantajoso diminuir gastos e volume de trabalho para ganhar qualidade de vida.

Aplicativo ePharma orienta paciente

shutterstock_350136563

Cada vez mais, as famílias contam com ferramentas que ajudam no dia a dia atribulado. O Aplicativo ePharma, por exemplo, é uma excelente opção para lembrar seus usuários do horário correto para tomar medicamentos, além de armazenar receitas, localizar farmácias. Todos os interessados podem fazer o download gratuito no smartphone, disponíveis para os sistemas IOS e Android.

As funções são de fácil utilização e trazem informações essenciais para seus usuários. Por meio de uma consulta rápida, o aplicativo identifica farmácias por região ou mais próxima e os medicamentos podem ser localizados por letra, princípio ativo e indústria fabricante. Além disso, ele permite gravar os medicamentos de uso recorrente e rede de preferência.

“O aplicativo está disponível para todos os interessados. Os beneficiários dos programas da ePharma também podem conferir as farmácias credenciadas”, explica Carlos Pappini Jr, diretor da Unidade de Negócios Farma e de Marketing da ePharma, empresa líder no setor de assistência farmacêutica.

A ePharma

Consolidada como principal player no recente mercado brasileiro de assistência farmacêutica, a ePharma dispõe de tecnologia que conecta, em tempo real, mais de 24 mil farmácias e drogarias de todo o país a um sistema autorizador ancorado em um potente banco de dados, dando acesso a medicamento a mais de 29 milhões de pessoas.

O portfólio de serviços da ePharma traz ainda serviços inovadores voltados à saúde e ao bem-estar dos beneficiários. Dentre eles, destacam-se o Plano de Medicamentos no modelo de pré-pagamento baseado no levantamento da estimativa de gastos com medicamentos de acordo com o perfil dos colaboradores, como o ePharma Plenus; o gerenciamento de doentes crônicos; o Concierge da Saúde, que é um serviço multidisciplinar de aconselhamento telefônico que oferece assistência nutricional, enfermagem, psicóloga, médica e farmacêutica; Unidade de negócios Farma responsável pelo acompanhamento dos pacientes via call center especializado; Specialty Care, direcionado a promover o acesso e a gestão do tratamento de pacientes portadores de doenças complexas e raras.

A companhia detém ainda mais da metade do mercado de assistência farmacêutica, com uma carteira de cerca de 150 empresas, constituindo 1.610 programas.

A evolução do Enterprise Content Management (ECM)

shutterstock_141224869

ECM (Enterprise Content Management) fez enormes progressos nos últimos 10 anos. Ainda assim, em muitos casos, permanece invisível para quem o utiliza diariamente. ECM armazena conteúdo clínico que reside fora do prontuário eletrônico do paciente (PEP), até 65% em algumas situações, e uma grande parcela do conteúdo administrativo e financeiro, tornando-se o repositório de conteúdo mais importante em uma instituição de saúde.

ECM surgiu como gestão de documentos departamentais em áreas administrativas e financeiras. Chamado na época de “gestão de documentos e imagens”, tinha como foco a digitalização e o armazenamento eletrônico de material em papel para ajudar os departamentos a reduzir custos de armazenamento e recuperar espaço valioso. Ao longo do tempo, passou a incluir as capacidades de workflow, gestão de processos de negócio e gestão de casos, que aceleraram os processos de negócio e pouparam tempo e recursos. Evoluiu de uma solução de gestão de documentos para o que atualmente é denominado: gestão de conteúdo empresarial.

É familiar a visão do staff operacional entregando ao paciente uma prancheta com formulários. Não é muito comum o paciente receber um tablet contendo versões eletrônicas de todos os formulários importantes que ele deve ler, preencher e assinar.

ECM preenche os formulários automaticamente com informações do paciente que já estão arquivadas para que ele não precise fornecer dados redundantes, o que proporciona uma melhor experiência. E, uma vez que ECM captura o conteúdo eletronicamente, informações completas e exatas do paciente ficam disponíveis de imediato a partir do próprio PEP, otimizando não só todo o processo de registro, mas também processos downstream, como faturamento.

Esta estratégia de conteúdo clínico é essencial para a continuidade dos dados, dotando as organizações de saúde com um roadmap para o tratamento aprimorado do paciente.

A tecnologia ECM foi além dos dados administrativos e agora inclui conteúdo clínico, como resultados laboratoriais, fotos de tratamento de lesões, eletrocardiogramas e muito mais. Este conteúdo integrado ao PEP pode ser acessado pelos médicos de forma fácil e rápida, sem que seja necessário alternar entre aplicativos.

Para os departamentos administrativos, a integração de ECM com ERP (sistema integrado de gestão empresarial) permite que o staff permaneça no sistema ERP ao acessar informações relacionadas para concluir tarefas. Frente ao aumento do volume de conteúdo e à necessidade cada vez mais imperiosa de ter um repositório central, a integração com outros sistemas de negócio essenciais continua sendo um elemento decisivo das soluções de ECM para suportar acessibilidade, segurança e atendimento ao paciente.

ECM está sempre evoluindo. Um dos recursos mais recentes é o de captura e armazenamento de conteúdo como radiografias, ressonâncias magnéticas e tomografias computadorizadas, no padrão de comunicação de imagens digital em medicina (DICOM na sigla em inglês). A capacidade de ECM de “ingerir” e gerenciar estas imagens vem completar a eficácia da solução em fornecer uma estratégia de conteúdo clínico abrangente às organizações de saúde.

Plataforma para toda a instituição de saúde, ECM conecta vários departamentos e sistemas de TI. Mas, embora esta verdadeira solução empresarial capture, armazene e automatize processos em departamentos financeiros, administrativos e médicos, talvez o que mais empolgue as organizações seja a capacidade de troca de informações sobre saúde.

Agora, quando há uma transição no tratamento, o conteúdo sobre o paciente é transferido simultaneamente, eletronicamente, para a organização seguinte. Não cabe mais ao paciente transportar registros, e os médicos já não precisam começar do zero e criar manualmente um conjunto de informações sobre ele.

ECM percorreu um longo caminho desde suas raízes em gestão de documentos. O modelo digitalização-armazenamento-recuperação, que ajudou a acabar com os arquivos físicos e reaproveitar o espaço, transformou-se em uma solução corporativa essencial. Ao criar registros mais completos de pacientes, ECM atua como ponto único de acesso a conteúdo clínico e, portanto, assegura que as instituições de saúde certas tenham as informações certas, na hora certa e no contexto certo, para um tratamento mais eficaz. ECM também cria registros administrativos mais completos, possibilitando que as organizações se beneficiem de ferramentas de gestão de casos e processos de negócio para aumentar a eficiência e reduzir os custos.

Instituição do Grupo Ser Educacional faz parceria com Colgate (EUA)

SÃO PAULO, 15 de março de 2016 /PRNewswire/ -- O projeto Latin America Oral Health Association (LAOHA), parceria entre a Universidade Guarulhos (UNG), instituição do Grupo Ser Educacional, USP e Colgate, inaugurou, no dia 24 de fevereiro, a sua sede na UNG. O programa visa formar pesquisadores doutores de outros países da América Latina ou outras regiões do Brasil que possam multiplicar esses conhecimentos em seus países e regiões de origem.

"A ideia da Associação surgiu há alguns anos, quando constatamos a escassez de cursos de Doutorado em diversos países da América Latina e nas regiões Norte e Nordeste do Brasil. Sendo assim, idealizamos juntamente com pesquisadores e executivos da Colgate, principalmente o Sr. Bernal Stewart, diretor de pesquisa da Colgate Global na América Latina, e com o Prof. Giuseppe Romito da USP-SP um projeto que visava absorver alunos desses países nos programas de Doutorado da UNG e da USP, ambos avaliados com nota cinco pela CAPES e classificados entre os melhores do país. Esses alunos poderiam então multiplicar o conhecimento adquirido em suas localidades de origem, contribuindo assim para o avanço da pesquisa nas regiões. O projeto será financiado pela Colgate (EUA), por meio da concessão de bolsas de estudos para esses alunos", declarou a Professora Magda Feres, uma das mentoras do projeto, durante a cerimônia de inauguração da sede da Associação na Universidade.

A cerimônia contou com a presença da chilena Belén Valdes, primeira aluna contemplada com a bolsa de doutorado pelo projeto. "Conheci a UNG ainda na graduação. Em contato com a Professora Magda Feres, referência mundial em pesquisa sobre tratamento periodontal, viajei para o Brasil e realizei um estágio nas áreas de microbiologia e periodontia clínica. Depois de um ano voltei ao Brasil e realizei o meu Mestrado na UNG. Sinto-me honrada em ter sido a primeira aluna bolsista selecionada para o doutorado da LAOHA. É uma grande responsabilidade", revelou a estudante.

Além do financiamento das bolsas de pesquisa e um fundo-reserva para que esses alunos possam viajar para apresentar resultados dos seus estudos nos mais importantes congressos da área odontológica, os organizadores salientam que futuramente o projeto poderá abranger outras atividades, como a organização de eventos internacionais e a realização de estudos multicêntricos que envolvam a UNG, a USP e outras instituições de ensino e pesquisa da América Latina.

"A parceria entre a Colgate, a Universidade Guarulhos e a USP estabelece uma nova filosofia de pesquisa na área de saúde oral na América Latina. Pesquisar por pesquisar não faz sentido, é necessário ter um objetivo maior, que é ajudar nossas comunidades, nossos pacientes e as nossas Universidades", anunciou Bernal Stewart, idealizador da parceria.

O reitor da UNG, Jânyo Diniz, explica a importância do projeto para o Grupo. "A busca por parcerias como esta é constante para nossa instituição. Hoje, mantemos o curso de odontologia, que é orgulho para a comunidade acadêmica, para o Grupo Ser Educacional e para Guarulhos por ser considerado de excelência e um dos melhores do Brasil. Por meio desse projeto, queremos oferecer mais oportunidades aos estudantes de odontologia não apenas de São Paulo, pois também haverá bolsas de estudos para alunos das regiões Norte e Nordeste", comenta.

"A união da pesquisa de excelência realizada dentro das universidades com a indústria é uma ação relativamente comum nos países desenvolvidos, mas ainda considerada de vanguarda no Brasil. Estamos certos de que essa é uma inciativa única que trará benefícios a todos os envolvidos e poderá representar a semente de um projeto maior de expansão da pesquisa e da odontologia clínica de qualidade, embasada em evidências científicas, em toda a América Latina. Agradecemos a Colgate pela parceria", finaliza Magda.

Contato Imprensa
Sandrelly Melo | (+5511) 9 8077-8790/9 5496-1973| sandrelly.melo@attituderp.com
Silvia Fragoso | (+55 81) 3413-4643 | silvia.fragoso@sereducacional.com

FONTE Grupo Ser Educacional

MEC Prime - Banner Chemicals UK tem orgulho do lançamento da nova gama de produtos METHYLENE CHLORIDE PRIME

RUNCORN, Inglaterra, 14 de março de 2016 /PRNewswire/ -- O MEC™ Prime - Methylene Chloride Prime, alta pureza, FARMACÊUTICO, ALIMENTAÇÃO HUMANA E ANIMAL, agora é oferecido pela Banner Chemicals UK, a proprietária exclusiva das marcas Triklone & Perklone.

(Logo: http://photos.prnewswire.com/prnh/20150317/731355-a)

(Logo: http://photos.prnewswire.com/prnh/20160314/343687LOGO)

(Foto: http://photos.prnewswire.com/prnh/20160314/343686)

Como proprietários exclusivos da Triklone e Perklone, estamos orgulhosos do lançamento do nosso novo produto Methylene Chloride Prime; em conformidade com os requisitos farmacêuticos de alimentação humana e animal

MEC Prime – CLORETO DE METILENO, produto FARMACÊUTICO (Pharma) para ALIMENTAÇÃO HUMANA E ANIMAL

Cumpre com os seguintes requisitos:

  • Código de Produtos Químicos Alimentícios (FCC)
  • Especificação ACS para reagentes químicos
  • Especificação D4701-00 da ASTM 
  • Formulário nacional 30 

O Methylene chloride Prime é usado na fabricação de:

  1. ANTIBIÓTICOS   
  2. VITAMINAS  
  3. MEDICAMENTOS farmacêuticos – comprimidos e membrana de revestimento
  4. CARBÔMEROS farmacêuticos     

Dr. Maggie Kessler, diretora de exportação da Banner Chemicals, afirmou: 

"Estamos muito felizes por fornecer o methylene chloride prime (MEC Prime) aos nossos clientes farmacêuticos de alimentação humana e animal da América do Sul e América Latina.

Já pudemos observar grande interesse dos nossos clientes do mundo todo, onde fornecemos ASTM PERKLONE & TRIKLONE para limpeza de precisão (desengorduramento)". 

MAIS INFORMAÇÕES sobre a Banner Chemicals UK 

Para que os clientes recebam uma gama completa de produtos desengordurantes (com o TRIKLONE N, LE & PERKLONE MD), a Banner Chemicals também desenvolveu um GRAU DE DESENGORDURAMENTO POR VAPOR do METHYLENE CHLORIDE PRIME.

O Methylene Chloride Prime DEGREASING GRADE é um produto de limpeza de precisão extraestabilizado em conformidade com a ASTM, oferecido com o exclusivo ALKALINITY & AAV (Acid Acceptance Value) TEST KIT

SOBRE AS MARCAS MEC Prime, PERKLONE & TRIKLONE

A Banner Chemicals fabrica e fornece com exclusividade todos os níveis das marcas METHYLENE CHLORIDE PRIME, PERKLONE e TRIKLONE, inclusive MEC Prime PHARMA, MEC Prime DEGREASING, TRIKLONE N, TRIKLONE LE, PERKLONE MD, PERKLONE D and DX PLUS e PERKLONE EXT

  • MEC Prime – CLORETO DE METILENO de alta pureza, FARMACÊUTICO (Pharma), alimentação humana e animal
  • MEC Prime – METHYLENE CHLORIDE Prime, DESENGORDURANTE (limpeza de precisão), grau de especificação ASTM extraestabilizado
  • TRIKLONE U  – Minimamente estabilizado para uso especializado
  • TRIKLONE N – Produto para desengorduramento de metais (grau altamente estabilizado)
  • TRIKLONE LE – Em conformidade com a ASTM, desengorduramento de metais (grau estabilizado alto e extra)
  • ALKALINITY & AAV (Acid Acceptance Value) TEST KIT- personalizado para MEC Prime DEGREASING METHYLENE CHLORIDE, PERKLONE MD & TRIKLONE LE
  • PERKLONE MD  – Em conformidade com a ASTM, produto para desengorduramento de metais (grau estabilizado alto e extra)
  • PERKLONE D & DX PLUS  – Para limpeza a seco, produtos estabilizados e extraestabilizados (também disponível em recipientes de 20 litros)
  • PERKLONE EXT  Catalisador/grau de isomerização (aprovado para refinaria pela UOP)

Contato - Dr. Maggie Kessler, export@bannerchemicals.com; +44-(0)1928-597-000

FONTE Banner Chemicals UK

Hospital Bandeirantes inaugura Centro de Cuidados Renais

shutterstock_318671729

10 de março é celebrado o Dia Mundial do Rim. Somente no Brasil, existem cerca de 100 mil pessoas em hemodiálise e, além disso, temos aproximadamente 10% dos adultos e 30 % dos idosos com algum grau de doença renal, sendo que a grande maioria desconhece essa situação por não ter sintoma algum. Por isso, é necessário ficar atento aos cuidados e doenças que podem acometer esse órgão.

Pessoas com qualquer um destes fatores - pressão alta, diabetes, idade maior que 60 anos, história de doenças no coração, pedras nos rins ou infecção de urina repetidos, nefrites e cistos nos rins - devem realizar exames preventivos com um nefrologista no mínimo anualmente.

Com uma equipe multidisciplinar, o Hospital Bandeirantes inaugura o Centro de Cuidados Renais focado no diagnóstico precoce e prevenção das doenças renais e também no tratamento de pacientes renais crônicos, oferecendo exames, consultas ambulatoriais e tratamentos como diálises e transplantes.

O centro é comandado por uma Equipe de Nefrologia e conta com o apoio de uma equipe de Nutrição que auxilia principalmente na prevenção de doenças renais. Dr. Farid Samaan explica sobre a importância da criação de um setor voltado não só para o paciente crônico, mas também para os cuidados antecipados com os rins.

“80% dos pacientes que iniciam diálise no Brasil nunca consultaram um nefrologista para fazer prevenção. Se levarmos em consideração que os exames preventivos são simples e baratos, o que vemos é que existe uma falta de conhecimento da população geral e da classe médica sobre a importância da investigação e diagnóstico precoce das doenças renais”.

Os principais sintomas que apontam que algo não vai bem com os rins são: excesso de proteínas ou sangue em exames de urina, pressão arterial de difícil controle, falta de apetite, palidez, inchaço pelo corpo, e dificuldade para urinar. O Centro de Cuidados Renais funciona diariamente no Hospital Bandeirantes e as consultas podem ser marcados por telefone ou WhatsApp. Os nefrologistas que compõem a equipe são Dr. Claudio Melaragno, Dr. Farid Samaan, Dr. Paulo Luconi e Dra Waldere Tânia.

Sobre o Hospital Bandeirantes

Com 70 anos de história, o Bandeirantes é um hospital geral de alta complexidade e atendimento integrado nas principais especialidades médicas, com foco nas áreas de cardiologia, neurologia, oncologia e trauma/ortopedia. Com uma média de 14 mil internações/ano e 10 mil cirurgias/ano, o Hospital Bandeirantes possui certificação Canadense Internacional Qmentum, nível Diamante, e vem realizando investimentos importantes, que o consolida como referência em assistência hospitalar.

Vamos colocar uma luz no assoalho pélvico

shutterstock_381996871

O Dia Mundial da Incontinência Urinária – 14 de março - conscientiza a população de que, apesar de frequente, esta doença tem tratamento. Não só cirúrgico e medicamentoso, mas também fisioterápico e comportamental. O número de casos de incontinência urinária aumenta com a idade, sendo um problema econômico e social relevante.

Atualmente, estudos profundos sobre o assoalho pélvico - que é formado por fáscias, ligamentos, músculos, vasos sanguíneos e nervos - nos dá a dimensão da complexidade desta região que suporta os órgãos pélvicos e é impactado por tensões próprias do mundo moderno.

Podemos dizer sem medo de errar que ele não é só um assoalho da pelve, mas também o assoalho da estrutura física e psíquica de uma mulher. Por isso, carece de atenção nos diversos níveis de assistência à saúde feminina, e esta atenção deve ser multidisciplinar.

Não raro, a incontinência urinária vem acompanhada de outras disfunções como as sexuais - dor ou sensação de flacidez genital nas relações sexuais, as intestinais - como perda involuntária de gazes retais ou fezes, as infecciosas como candidíase ou infecções urinárias de repetição, e as dolorosas, como as dores pélvica e vulvar.

Vários medicamentos interferem também na função adequada do trato urinário baixo- bexiga e uretra e a falta de hormônio feminino advinda da menopausa impacta fortemente as funções urinárias e sexuais. Portanto, deixemos o pudor de lado e procuremos todas as mulheres entender como funciona seu assoalho e órgãos pélvicos.

O entendimento é o primeiro passo para a cura e se inicia com uma conversa franca com seu ginecologista. Alguns fatores podem ter repercussão a curto e médio prazo e devem ser evitados, como aumento da pressão abdominal e esforço evacuatório crônicos, obesidade, exercícios com peso excessivos ou de alto impacto. A gravidez e o parto também são um momento de atenção e a boa assistência obstétrica deve vir acompanhada de uma assistência fisioterápica adequada.

Há 29 anos, o Centro de Disfunções Miccionais da Rede Mater Dei de Saúde trabalha em conjunto com ginecologistas, urologistas, coloproctologistas e fisioterapeutas, seja por meio de um atendimento integrado ou por um grupo de estudo que se reúne, semanalmente, acompanhando todo avanço da área. Este é mais um serviço que complementa a saúde integral da mulher no Mater Dei.