faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

[EBOOK] Transformação Digital - Dedalus

Transformação Digital: Como ela pode se tornar sua melhor estratégia de negócio

 

 

Os benefícios da cloud computing para suportar o processo de Transformação Digital

 

A nuvem deve ser a base para a Transformação Digital em qualquer segmento. Seja em um hospital, uma escola, um banco, uma loja ou uma fazenda, é preciso contar com um ambiente consistente, seguro e confiável para suportar soluções de Dados e de Inteligência Artificial e, assim, contribuir para o crescimento do seu negócio mais rapidamente.

Para atender aos desafios de negócio de cada empresa é preciso cobrir as grandes demandas de operação, mudança e evolução permanente que esses ambientes tenham. Tudo isso oferecendo uma ótima relação custo-benefício.

Faça o download do ebook ao lado e descubra como começar.

Oferecimento

 

Em caso de dúvidas, consulte nossa Política de Privacidade e nossa Política de Cookies.

Registre-se para fazer download desse recurso

Registrar-se como membro da Saúde Business lhe dá acesso a conteúdo premium incluindo webinars, whitepapers e muito mais.

Por que você não pode ficar alheio à Transformação Digital

Convidamos o CIO do UnitedHealth Group para explicar a importância do tema e as implicações dele para os negócios na área da Saúde

 Convidamos o CIO do UnitedHealth Group para explicar a importância do tema e as implicações dele para os negócios na área da Saúde

A Tecnologia avança em diversos campos e mercados a cada dia em velocidade surpreendente. Embora ainda esbarre em algumas questões de cunho legal - como por exemplo a privacidade de dados, muitos segmentos já estão implementando soluções para passar pelo processo de Transformação Digital. No entanto, há ainda um longo caminho para ser percorrido no Brasil.

De acordo com o Índice de Transformação Digital Dell Technologies (DT index), produzido a partir da parceria entre a Dell, Intel e Vanson Bourne, apenas 6% das companhias brasileiras podem ser consideradas líderes digitais. Um percentual de 33% está em estágio de avaliação de soluções tecnológicas, separando, inclusive, recursos para este processo. Outro grupo formado por 22% adotam um movimento mais lento, sem destinar recursos para implementações futuras, enquanto 2% não apresentam nenhum planejamento nesse sentido.

O índice apresenta ainda os principais obstáculos enfrentados pelas empresas na adoção de uma cultura digital. A regulamentação e a mudanças na legislação são os líderes desse tópico no índice, sendo mencionadas por 33% dos participantes. A preocupação com privacidade e segurança é lembrada por 31% das empresas que participaram do estudo.

Já um percentual de 30% relata a sobrecarga de informações como um fator de dificuldade para a Transformação Digital, enquanto 26% relatam que uma fraca governança e estrutura digital corrói as bases para construção dessa nova mentalidade. Por fim, quase um quarto das empresas (24%) declaram que faltam habilidades e conhecimentos internos adequados ao processo.

Agora que você conhece parte desse cenário, te convidamos a fazer parte da mudança! Amanhã, 20 de março, às 15h, realizaremos um webinar ao vivo e gratuito sobre a Transformação Digital na Área da Saúde, apresentado pela IT Director do UnitedHealth Group, Teresa Sacchetta.

Falaremos sobre como movimentar toda a cadeia em direção a uma mentalidade digital, oportunidades e os cuidados na hora de escolher parceiros e soluções de Tecnologia para a Gestão da Saúde. Você também pode participar, enviando perguntas para serem respondidas durante a transmissão! Para garantir sua vaga, é necessário fazer um prévio cadastro gratuito nesta página para receber o link do webinar. Não deixe de participar!

Revistas científicas da SBC passam a integrar as ferramentas de busca de publicações da Sociedade Europeia de Cardiologia

Que-computador-devo-comprar-para-meu-consultorio-

Os artigos publicados no ABC Cardiol e na IJCS, duas revistas científicas da Sociedade Brasileira de Cardiologia – SBC agora também podem ser encontrados nas buscas feitas a partir da plataforma de publicações científicas da European Society of Cardiology - ESC. O acordo foi feito no ano passado, durante o 73° Congresso Brasileiro de Cardiologia, em Brasília, e passou a vigorar desde o começo do ano.

O editor-chefe do ABC Cardiol, Carlos Eduardo Rochitte, publicou um editorial no CardioPulse da ESC onde destacou a história dos Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Rochitte lembrou que o ABC Cardiol tem o maior Fator de Impacto para periódicos na área de revistas de Cardiologia e Ciências Cardiovasculares em toda a América Latina, ou seja, 1.318, com um total de 2.541 citações em 2017. “A publicação da SBC está indexada nas principais bases de dados, como o ISI Web of Science, o Cumulated Index Medicus, o PubMed Central, o EMBASE, o SCOPUS, o SCIELO e o LILACS, bem como uma classificação B2 pelo Sistema Qualis CAPES”, completou.

Para Rochitte, houve um aumento constante no FI do ABC Cardiol, nos últimos cinco anos, resultante das políticas editoriais adotadas, entre as quais se destacam as contribuições científicas revisadas por pares; membros do Conselho Editorial e revisores selecionados entre os pesquisadores mais importantes do Brasil e do exterior; a rápida avaliação de trabalhos que são aceitos de acordo com relevância e originalidade, precisão científica e nível de importância para o avanço da ciência; indexação nas principais bases de dados; e publicação de acesso aberto bilíngue sem custo para os autores. “Vale a pena notar que a autocitação não foi focada como mostrado, o que reforça que o novo FI é uma conquista sólida da nossa comunidade científica”, acrescentou o editor-chefe no texto da ESC.

Carlos Eduardo Rochitte ainda ressaltou que para promover a internacionalização do ABC Cardiol foram fomentadas parcerias internacionais, respondendo por 21% dos artigos publicados em 2017, principalmente dos Estados Unidos, Portugal, Turquia, Espanha, China e Canadá, entre outros países. “20% dos editores associados são de importantes instituições médicas internacionais. Em 2017, a revista recebeu 650 artigos para avaliação, dos quais 171 foram aprovados e 472 foram rejeitados, com uma taxa de aprovação de 26%. Atualmente, nossa taxa de aceitação é inferior a 20%”, informou.

Crescimento do setor de Dispositivos Médicos foi de 13,5% em 2018

Crescimento do setor de Dispositivos Médicos foi de 13,5% em 2018
Includes a medical mask, syringe, stethoscope, gloves, scissors, and gauze. The selective focus is on the syringe needle.

O setor de Dispositivos Médicos registrou alta de 13,5% no acumulado de 2018, segundo dados que acabam de ser divulgados no Boletim Econômico da Aliança Brasileira da Indústria Inovadora em Saúde – ABIIS. Só no ano passado, este mercado movimentou US$ 10,5 bilhões.

As importações tiveram uma elevação de 21,8% no ano, totalizando US$ 5,4 bilhões. Já a produção nacional – que representa uma fatia maior do setor com 51,5% do todo – subiu 5,6% e atingiu US$ 5,7 bilhões em negócios. “Esta alta é atribuída principalmente a investimentos em equipamentos e aparelhos eletromédicos e eletroterapêuticos e de irradiação. Em 2018, o mercado registrou um número elevado de fusões e aquisições de hospitais, clínicas e laboratórios, em todo o país, com ampliação dos investimentos nesses equipamentos”, analisa o diretor-executivo da ABIIS, José Márcio Cerqueira Gomes.

O ano de 2018 também foi positivo na geração de empregos. Entre janeiro e dezembro, foram abertas 6.058 vagas na indústria e no comércio do setor de Dispositivos Médicos, uma alta de 4,6% em relação a 2017. Atualmente são 138.940 trabalhadores (63,1 mil na indústria e 75,8 mil no comércio), número que não inclui os empregados em serviços de complementação diagnóstica e terapêutica. Entre os segmentos, destaque para a criação de 2.819 postos de trabalho na ‘Indústria de instrumentos e materiais para uso médico e odontológico e de artigos ópticos’. A variação mais representativa em percentual foi na ‘Indústria de aparelhos eletromédicos e eletroterapêuticos e equipamentos de irradiação’, alta de 9,7%.

“Os dois segmentos que mais abriram oportunidades de emprego foram justamente na produção de equipamentos, mais um reflexo do investimento no setor”, afirma o diretor-executivo da ABIIS. Para Cerqueira, o ano foi positivo, mas a modernização da saúde no Brasil ainda é lenta. “Precisamos de uma regulação mais inteligente, aliada a incorporação racional de tecnologias, para que as redes pública e privada possam atender uma demanda crescente. O desempenho do setor hoje está nos mesmos patamares que há 5 anos, a mudança se faz necessária e urgente”, finaliza.

O Boletim ABIIS é desenvolvido pela Websetorial Consultoria Econômica.

Sobre a ABIIS:

A Aliança Brasileira da Indústria Inovadora em Saúde – ABIIS nasceu em 2011, da união das entidades Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Produtos para Saúde – ABIMED, Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Produtos para Saúde – ABRAIDI e Câmara Brasileira de Diagnóstico Laboratorial – CBDL; interessadas em produzir e difundir conhecimento e propostas ligados ao ambiente social, econômico e normativo próprio para o florescimento da inovação em Saúde no Brasil. Com o apoio da Advanced Medical Technology Association – AdvaMed, a ABIIS é formuladora de propostas para aprimoramento de políticas públicas em saúde de uma maneira ampla e sustentável para o Estado e a sociedade.

A ABIIS trabalha com foco em cinco pilares: Incorporação Racional de Tecnologias, Ambiente de Negócios Ético, Redução dos Custos da Saúde no Brasil, Aprimoramento Institucional dos Reguladores e Regulação Inteligente.

Programa educacional francês gratuito fomenta inovação em tecnologia médica

Programa educacional francês gratuito fomenta inovação em tecnologia médica

O IRCAD América Latina (Instituto de Treinamento em Técnicas Minimamente Invasivas), unidade localizada em Barretos (SP), sediará, pela primeira vez no Brasil, o módulo presencial do B.E.S.T Innovation Course, programa educacional promovido gratuitamente pelo instituto, que combina cirurgia, empreendedorismo e engenharia a fim de incentivar a criação e inovação cirúrgica no mundo, através de curso e desenvolvimento de projetos ou protótipos para a área médica. Desenvolvido ao longo do ano, com módulos on-line e presencial, o programa ainda selecionará o melhor projeto apresentado e poderá colocá-lo a disposição das mais respeitadas empresas da indústria médica no mundo.

Com o apoio exclusivo do IHU, instituto de ponta dedicado à cirurgia guiada por imagem, localizado na França, o B.E.S.T foi iniciado na França em 2011, e também aplicado na unidade IRCAD de Taiwan desde 2016, tendo recebido, até o momento, 21.325 inscrições de estudantes de 54 países.

O programa é realizado por transmissão on-line interativa durante nove meses e módulos de ensino no local, no período de cinco dias. O corpo docente é formado por profissionais selecionados em todo o mundo, incluindo empreendedores da área técnica, médica e negócios do empreendedorismo médico. As inscrições para o módulo online, que tem vagas ilimitadas, estão abertas e poderão ser realizadas até o final de maio através do portal. Podem se inscrever universitários e profissionais das áreas de medicina, engenharia e gestão.  Nesta fase, os alunos terão conteúdos exclusivos, durante nove meses, sobre cirurgias minimamente invasivas, noções básicas de laparoscopia, procedimentos laparoscópicos, técnicas minimamente invasivas, engenharia clínica e biomédica e empreendedorismo. Para o módulo presencial, que será realizado em Barretos (SP), de 16 a 20 de dezembro, o IRCAD América Latina oferecerá 20 vagas, sendo selecionados os alunos que obtiverem o melhor desempenho no módulo on-line.  Para esta fase interessados deverão se inscrever até o dia 30 de setembro de 2019.

Investimento em Atenção Primária à Saúde pode reduzir internações e gerar economia de até R$ 400 milhões

confianca_medico_paciente (1)

A Atenção Primária à Saúde (APS), na qual o indivíduo (e não a doença) é o foco, pode contribuir para redução de cerca de 5% do total de internações, segundo levantamento da UNIDAS (União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde). Pelo menos 5,2% de todas as internações ocorridas no sistema de saúde foram classificadas como evitáveis (Pesquisa UNIDAS - 2018). Em número absolutos, esse total é de mais de 20 mil internações que representam o montante financeiro de quase R$ 400 milhões (ano).

Na prática, a APS é um acompanhamento do paciente de maneira periódica, estimulando atividades e ações que previnam doenças, contribuindo para evitar exames e internações desnecessárias. As principais causas de internações hospitalares potencialmente evitáveis são: gastroenterite infecciosas e complicações (17,2%), infeção no rim e trato urinário (13%) e doenças cerebrovasculares (12,7%).

Investir em APS é um benefício para o paciente, em especial os mais idosos, que sofrem mais com internações e doenças relativas à idade. A taxa de internação da última faixa, considerada de 59 anos ou mais, é atualmente de 20%, ou seja, seriam 4 mil internações a menos no sistema. O total de exames também seria impactado. Os beneficiários com 59 anos ou mais costumam fazer em média 37,7 exames por ano.

Segundo o vice-presidente da UNIDAS e responsável pela Pesquisa UNIDAS, João Paulo dos Reis Neto, investir em uma mudança do modelo atual de assistência é essencial para fortalecer a APS. "Todos ganham com esse fortalecimento, planos que reduzem os gastos e beneficiários que têm uma vida mais saudável com acompanhamento de qualidade e direcionado".

Sobre a Pesquisa UNIDAS

Desde 2000, a UNIDAS promove, anualmente, a realização de uma pesquisa entre entidades filiadas e não filiadas, com o objetivo de conhecer o perfil das instituições de autogestão em saúde. Esta publicação consagrou-se como um importante referencial para identificar as tendências do mercado e auxiliar a tomada de decisões, sendo utilizada por todos os componentes do segmento privado da saúde, inclusive pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A pesquisa traz dados desde inflação médica até ranking das causas mais comuns em internações. Este ano, ela contou com 44 filiadas participantes, contabilizando quase 4 milhões de beneficiários. Os dados foram coletados em 2016 e primeiro semestre de 2017.

Como os exames laboratoriais podem contribuir para orientação adequada do paciente?

UyZr77u6TO7UV0Jp-KuUsA_Ilustra-n-sn-mka

Recentemente o Google divulgou um levantamento sobre como os brasileiros pesquisam e consomem conteúdo de saúde. Dentre vários dados apresentados, foi apontado que 26% dos brasileiros recorrem à plataforma de busca ao constatar problemas de saúde.

Isso só é possível através do advento da internet e pode servir tanto para bem, quanto para mal. Em milésimos de segundos, é possível encontrar na internet milhares de resultados e causas para quaisquer sintomas. Há uma infinidade de sites, canais e relatos de pessoas sobre suas experiências pessoais em relação a determinadas patologias que podem gerar um misto de reações como identificação, preocupação, ansiedade ou alívio.

Os resultados apresentados pelo "Dr. Google" são, em sua maioria, muito generalistas e da mesma forma que podem dar um direcionamento sobre qual especialista buscar e como tratar um problema de saúde, podem colocar em risco a segurança do paciente incentivando, por exemplo, a automedicação. Também não é incomum que os pacientes busquem atendimento de maneira desesperada para descartar ou comprovar o "diagnóstico" apresentado na tela do computador ou celular. Essa atitude em nada contribui para a eficiência do diagnóstico. Pelo contrário, pode muitas vezes induzir ao erro do sistema de assistência à saúde.

É importante lembrar que apesar de as doenças apresentarem um padrão de comportamento, devem ser consideradas e respeitadas as peculiaridades de cada organismo e condição de saúde de cada indivíduo.

Na era digital, o paciente ideal é aquele que realiza a busca na internet, mas que consegue identificar e fazer uma curadoria dos conteúdos que acessa, considerando, principalmente, a credibilidade das fontes acessadas. Ele busca atendimento numa unidade de saúde em casos emergenciais ou em consultas com especialistas. Munido de informações de qualidade consegue contribuir para o diagnóstico e sabe discernir o bom e o mau atendimento médico. Sobretudo, permite que o profissional de saúde tenha a liberdade de conduzir a investigação médica sem impor condições e padrões generalistas identificados na internet e sem exigir a realização de exames não solicitados pelos especialistas.

Já o profissional de saúde ideal é aquele que utiliza o advento da internet para ampliar a sua gama de conhecimento, com a possibilidade de acessar conteúdos anteriormente inacessíveis, de forma a construir uma linha de investigação colaborativa, se utilizando dos melhores recursos. E também a possibilidade de produzir e compartilhar conteúdos de qualidade que sejam apontados como resultados nas buscas de incontáveis dúvidas digitadas na barra de busca do Google diariamente.

Nesse sentido, a Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial tem feito sua lição de casa, pois considera que os consumidores de serviços de saúde querem entender mais sobre o que lhes é oferecido e participar ativamente deste processo. A SBPC/ML disponibiliza na internet o portal Lab Tests Online, através de uma parceria de tradução e revisão do original em inglês produzido pela American Association for Clinical Chemistry (AACC) e da geração de novos conteúdos de interesse local. Um site que apresenta informações sobre uma grande quantidade de exames de análises clínicas de sangue, urina e outros materiais biológicos. Nele, o paciente encontra informações sobre como são feitos, para que servem e quais as recomendações dos exames. Para o médico, o portal é uma referência que pode ser encontrada de forma rápida e uma fonte de atualizações constantes sobre a medicina laboratorial.

A possibilidade da pesquisa é uma realidade imutável. Cabe aos pacientes e aos profissionais do sistema de saúde agirem de forma a utilizar essa ferramenta de maneira sensata, contribuindo para o êxito de todo o sistema de assistência à saúde.

Sobre o Autor: Carlos Aita, Diretor da SBPC/ML

Sobre a SBPC/ML

A Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML) é uma Sociedade de Especialidade Médica, fundada em 1944 e que atua na área de laboratórios clínicos. Com sede na cidade do Rio de Janeiro, tem como finalidade reunir médicos com Título de Especialista em Patologia Clínica/Medicina Laboratorial e de outras especialidades como farmacêutico-bioquímicos, biomédicos, biólogos e outros profissionais de laboratórios clínicos, além de empresas do setor.

A SBPC/ML disponibiliza o PALC – Programa de Acreditação de Laboratórios Clínicos que avalia um laboratório através de auditorias e determina se ele atende a requisitos predeterminados para exercer as tarefas a que se propõe. Dentre vários objetivos esse processo pretende garantir a qualidade dos serviços prestados e a confiabilidade dos resultados.

A SBPC/ML dispõe de projetos de habilitação e qualificação profissional de acordo com a legislação em vigor, através de atividades voltadas para ensino, pesquisa e divulgação científica em Medicina Laboratorial, tendo como meta principal a saúde da população. Para alcançar esses objetivos a SBPC/ML realiza cursos, jornadas, congressos, eventos relacionados e publicações científicas.

Casa de Saúde Santa Maria adquire soluções MV

Casa de Saúde Santa Maria adquire soluções MV

Com a missão de proporcionar atendimento humanizado e de excelência, a Casa de Saúde Santa Maria, com mais de 60 anos de atuação na região de Barra Mansa-RJ, vai passar a contar com as soluções MV para garantir evolução tecnológica. Integrar setores, padronizar processos e ter um melhor gerenciamento de informações clínicas, assistenciais, administrativas, financeiras e estratégicas são alguns dos objetivos buscados pela instituição ao formalizar contrato com a MV, empresa que lidera a transformação digital do setor.

A implantação da plataforma de gestão SOUL MV vai melhorar a eficiência no atendimento aos pacientes, facilitar o fluxo de informações entre as equipes, reduzir desperdícios, aumentar a produtividade dos profissionais e possibilitar ao hospital alcance alta performance. Com o uso do Painel de Indicadores, uma solução de Gestão Estratégica da MV, a Casa de Saúde Santa Maria terá também acesso a dashboards, relatórios e consultas inteligentes que possibilitam uma gestão completa da instituição. Na área assistencial, para garantia de mais qualidade e segurança ao paciente, as equipes ainda terão à disposição o prontuário eletrônico da MV eleito quatro vezes consecutivas como o melhor da América Latina pelo instituto de pesquisa e insights norte-americano KLAS.

“Nosso hospital está em fase de expansão e crescimento e as soluções MV viabilizarão esta evolução”, afirma Luiz Fernando Guedes, gerente administrativo Casa de Saúde Santa Maria. Segundo o gestor, a escolha pela MV aconteceu devido à expertise da empresa, a sua credibilidade no mercado e aos cases de referência no segmento.

MV também no Hospital Universitário de Vassouras

Referência hospitalar de média e alta complexidade da região Centro-sul Fluminense, o Hospital Universitário de Vassouras escolheu a MV para obter mais eficiência no atendimento aos pacientes, evitar perdas financeiras e melhorar a gestão. Atendendo especialidades como Oncologia Clínica e Cirúrgica, Cirurgia Cardíaca, Hemodinâmica, Eletrofisiologia, Neurologia e Neurocirurgia, Traumato-Ortopedia, a instituição vai implantar a plataforma de gestão hospitalar SOUL MV.

Reestruturação do Grupo Implus visa crescimento exponencial

porta

Grupo que fechou 2018 com quase R$ 150 milhões em faturamento, projeta crescimento orgânico e aquisições para alcançar meta de R$ 1 bilhão em 2025

Depois de fechar 2018, com crescimento de 15% e faturamento de R$ 144 milhões, o Grupo Implus deu novos e importantes passos na reorganização das unidades de negócios nos primeiros meses de 2019. Nesta semana, a Implus Participações, holding do grupo, abriu as portas da nova sede.

“Desta forma, consolidamos a holding como uma unidade de prospecção de novos negócios, parcerias e investimentos. Além de sermos uma prestadora de serviço para as nossas empresas em todas aquelas áreas que não fazem parte de seus core business”, explica o CEO do Grupo Implus, Dr. Alexandre Berger.

Em janeiro, foi criada a Implus Care. A empresa passou a reunir a experiência da Ciel Corretora de Benefícios e da Influence, que faz a gestão de programas corporativos de saúde. Com a sinergia das duas empresas que já faziam parte do grupo, mas atuavam de forma independente, a Implus Care passou a oferecer soluções mais completas para os clientes.

“Atuamos em um mercado de clientes maduros, que veem a qualidade de vida e a saúde dos colaboradores e dependentes como fundamentais. Por isso, na Implus Care o indivíduo é o centro do trabalho. Seja na melhor solução de benefício ou no programa de saúde mais adequado ao seu perfil”, comenta do CEO da Implus Care, Rodrigo Malucelli.

Ele destaca que a abordagem mais assertiva tem influência direta no desempenho profissional do beneficiário. Os programas da Implus Care geram ainda impacto nos índices de reajuste dos planos de saúde empresariais. Hoje, a saúde é o segundo maior investimentos em recursos humanos, atrás apenas da folha salarial. “Com a promoção da saúde do indivíduo, a procura por tratamentos médicos cai, o que pressiona menos o reajuste dos planos”, explica Malucelli.

Tecnologia

Gerenciamento inteligente da carteira de vidas e o acesso aos serviços são duas prioridades da Implus Care. Nestes casos, a tecnologia é fundamental. Além de estratificar a base de clientes e levar programas específicos para cada um dos grupos, a empresa acaba de lançar um aplicativo que facilita o acesso a equipes e programas de saúde. São serviços que vão desde o esclarecimento de dúvidas até o atendimento por profissionais especializados. A plataforma funciona em tablets e smatphones e proporciona atendimento via chat, chamada de voz ou vídeo-chamadas. Sempre de formas rápida e intuitiva.

Tradição

Dentro do portfólio do grupo também estão os serviços do Imtep. A empresa é a pioneira do grupo e comemora, em 2019, 25 anos de fundação. Hoje, é o maior player nacional na operação de ambulatórios corporativos. Atua nacionalmente com clientes de segmentos como o petrolífero, indústria automotiva e de alimentos e bebidas.

O Imtep também é referência em saúde e segurança no trabalho. São serviços que vão dos exames periódicos à assessoria de implantação e gestão do eSocial. “Hoje, temos uma gama completa de soluções integradas em saúde empresarial. Serviços que garantem muito mais do que o cumprimento da Legislação. Trazem segurança, saúde e qualidade de vida aos trabalhadores, com economia e sustentabilidade para o empresário”, atesta o CEO do Imtep, Dr. Cezar Berger.

Autorregulação na área de compliance na Saúde é destaque na SAHE

Autorregulação na área de compliance na Saúde é destaque na SAHE

O Fórum de Ética e Compliance na Saúde, realizado na SAHE 2019 – South America Health Exhbition, contou com a participação direta do Instituto Ética Saúde. O presidente, Gláucio Pegurin Libório, integrou o Comitê que definiu os temas e palestrantes. Já o diretor executivo, Carlos Eduardo Gouvêa, apresentou o painel ‘Perspectivas de autorregulação na área de compliance em saúde - o caso do IES’, com destaque para o recém-lançado QualIES, o primeiro programa de avaliação do nível de maturidade de Sistemas de Compliance no setor. O evento foi entre os dias 12 e 14 de março, em São Paulo.

Durante a solenidade de abertura, Libório parabenizou a sensibilidade dos organizadores em promover dentro da SAHE um Fórum de Compliance. “Este é um tema extremamente relevante, tanto para a área da saúde quanto para o país como um todo”, destacou.

No painel sobre Ética e Compliance, Carlos Eduardo Gouvêa, explicou que o IES é uma entidade que reúne praticamente todos os players do setor – à exceção, ainda, dos planos de saúde – e que busca um ambiente de concorrência justa e transparente, por meio de condutas éticas entre todos, para a sustentabilidade da saúde público e privada.

Ele também detalhou os eixos de atuação, apresentou os integrantes dos conselhos de Ética e Consultivo; explicou sobre o Canal de Denúncias e as delações mais prevalentes; além dos encaminhamentos para os órgãos do governo com quem o IES tem acordos de cooperação firmados. “É importante a troca de experiências com os órgãos reguladores, que muitas vezes não conhecem os detalhes do setor da saúde. Assim como quem trabalha no mercado também não tem conhecimento pleno sobre a forma de atuação no combate a corrupção destes órgãos”, enfatizou o diretor executivo.

Gouvêa explicou ainda que o monitoramento do compliance é feito de dois modos: autoavaliação anual das associadas e por meio do QualIES, pioneiro na saúde. “O IES e as principais empresas de auditoria do mundo definiram um novo modelo de check-list para mensurar o grau de maturidade dos programas de integridade de uma companhia. O projeto é uma referência para todo o setor, que passa a enxergar o tema de forma homogênea e mais madura”, acrescentou. Estão homologadas para realizar as revisões dentro do QualIES: Deloitte, Ernst & Young, Grant Thornton, KPMG e PwC. “A classificação da maturidade dos Sistemas de Integridade vai de 1 a 5, de acordo com critérios e testes padronizados que avaliam gestão; políticas e procedimentos; treinamentos; terceiros/parceiros de negócios; monitoramento e auditoria; registros contábeis/testes de transação; e canal de denúncia”, elencou o diretor executivo do IES.

A iniciativa inédita no mercado brasileiro será apresentada agora em fóruns de saúde internacionais. “O IES tem procurado levar este exemplo de esforço conjunto pra outros países. No Brasil, o projeto de combate à corrupção na saúde começou pela iniciativa privada, mas existem governos pelo mundo que querem trazer pra dentro de seus mercados iniciativas como a nossa. Independentemente de quem promova, o fundamental é tornar o setor mais sustentável e perene para todos”, finalizou Carlos Eduardo Gouvêa.