Sitemap


Articles from 2007 In May


Expansão: Hospital Universitário do Oeste Paraná inaugura obras de ampliação

Como parte das comemorações de seus 18 anos, o Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP) inaugurou as obras de ampliação de seu espaço físico, que passará de 15 mil m2 para 20.180 m2 até o final de 2007, o que representa um aumento de 35%. As oito obras em andamento receberam investimentos totais de R$ 2,6 milhões, com fundos provenientes do Tesouro do Estado do Paraná, Fundo Nacional de Saúde (FNS) e Sistema Único de Saúde (SUS).
Até o fim do ano, estarão concluídos o pronto-socorro, ala psiquiátrica, centro de imagem, alas de internação e setores administrativos e o novo prédio para a especialidade de fissuras lábio-palatais. Recentemente, o hospital conquistou o credenciamento dos serviços de ortopedia e neurocirurgia e o certificado de hospital-escola dos Ministérios da Educação e da Saúde.
Atualmente, a instituição, que é referência para 119 municípios do Estado, conta com 173 leitos, sendo 143 gerais, 10 de UTI neonatal, 14 de UTI geral e seis da unidade de cuidados intermediários. O índice de ocupação é de 96,8%.
O HUOP oferece serviços em 29 especialidades, possui 857 funcionários e o corpo clínico é formado por 143 médicos. A população atendida chega a dois milhões de pessoas.

Pesquisa: Brasil e França podem fechar acordos de cooperação científica

Com o objetivo de firmar acordos de cooperação nas áreas de pesquisa e ensino superior em medicina e saúde, a coordenadora regional em saúde, pesquisa e ensino superior da Delegação Regional de Cooperação para o Cone Sul e Brasil, da Embaixada da França no Chile, Annick Manuel, esteve com o diretor da Faculdade de Medicina da USP, Marcos Boulos, nesta quinta-feira, dia 31. Participam da comitiva o funcionário de cooperação para Ciência e Tecnologia, Michel Brunet, e o cônsul geral da França em São Paulo, Jean-Mark Gravier.

Expansão: UFMT anuncia construção de nova sede de hospital

O Hospital Universitário Júlio terá uma nova sede, no Campus da Universidade Federal do Mato Grosso, em Cuiabá. O projeto já está concluído e a previsão é que as obras sejam iniciadas até o final de 2008. A nova sede terá 250 leitos. O Hospital Universitário Júlio Muller realiza anualmente 6 mil internações, 400 mil exames laboratoriais e 6 mil cirurgias, com orçamento mensal de custeio de R$ 800 mil, repassados pelo Ministério da Saúde.

Carreiras: Mario Santoro Júnior assume diretoria da Unimed Paulistana

A Unimed Paulista, acaba de realizar sua Assembéia Geral e nomear a nova diretoria, que será conduzida agora por Mario Santoro Júnior até 2011. Santoro assume uma cooperativa de 1.800 médicos, com 1 milhão e 108 mil beneficiários e irá gerir mais de 2 mil colaboradores com mandato até 2011. Médico Pediatra, Santoro promoveu o relacionamento entre cooperativa e cooperados, na direção do departamento de Integração e Atualização Médica. Em 2005, o departamento recebeu o 1º lugar na Premiação do Case de Sucesso, na categoria Relação com o Cooperado, na 36ª Convenção Nacional Unimed, que reúne todo o sistema, composto por 378 cooperativas.
Santoro é Titular da Academia Brasileira de Pediatria, foi Presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria, Ex-Diretor dos Hospitais: Menino Jesus e Cândido Fontoura e é Membro do Conselho de Administração da Unimed Paulistana desde 2004.
Formado pela Faculdade de Ciências Médicas - Santa Casa de Misericórdia de SP, Santoro é doutor em Medicina pela Faculdade de Medicina da USP, pós-graduado em Administração Hospitalar e Sistemas de Saúde pela PROHASA da FGV/Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, com MBA Gestão de Serviços em Saúde ? FAAP/ Universidade Wharton (Philadelphia) e Especialista em Administração Hospitalar pela IPH - Instituto de Pesquisa Hospitalar São Camilo.

Expansão: MV Sistemas inaugura nova filial em Belo Horizonte

A MV Sistemas, especializada em sistemas de gestão para o setor de saúde, acaba de inaugurar uma nova filial em Belo Horizonte (MG). A nova unidade tem estrutura adequada para treinamentos, cursos e apoio a clientes e consultores da empresa, além de atividades comerciais e suporte técnico. O objetivo é atender clientes dos Estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e Tocantins. A razão do investimento se deve ao crescimento de clientes na região, cerca de 15 somente no estado de Minas.

Pesquisa: O custo com abortos clandestinos chegou a R$ 33,7 milhões no SUS

Os abortos clandestinos custaram R$ 33,7 milhões ao Sistema Único de Saúde. O dado foi revelado pelo estudo "Morte e Negação: Abortamento Inseguro e Pobreza", realizado pela Federação Internacional de Planejamento Familiar (IPPF, sigla em inglês), entidade que atua em 150 países. Segunda pesquisa, no ano passado foram registradas 230.523 internações no SUS decorrentes das complicações causadas pelos abortos inseguros, enquanto os abortos permitidos por lei (casos de risco de morte para a mãe e de gravidez resultante de estupro) tiveram 2.068 internações, custando ao sistema R$ 302,8 mil.
O relatório também aponta que no Brasil, o aborto é responsável por 9,5% das mortes maternas relacionadas à gravidez.
Os pesquisadores do IPPF apontaram que a solução para o problema passa por falta de acesso à informação e a serviços seguros. Segundo a federação, em países onde o aborto é permitido o custo no sistema público de saúde é bem mais baixo.

Aquisição: Genesis Healthcare vende empresa de enfermagem por US$ 2 bilhões

Os acionistas da Genesis Healthcare Corp., grupo especializado em serviços de enfermagem e de home care, aprovaram a venda da empresa Wednesday, serviço de enfermagem à domicílio, para o joint venture formado pelos fundos de investimento Formation Capital LLC e JER Partners. A negociação foi avaliada em US$ 1,9 bilhão. O acordo determina que os acionistas recebam US$ 69,35 por papel se o negócio for concluído até 31 de julho, e prevê uma taxa de US$ 40 milhões a ser paga aos fundos caso a Genesis seja vendida para outra empresa.
A Genesis opera mais de 200 centros de enfermagem e serviços de home-care em mais 13 estados americanos. A empresa também fornece serviços de reabilitação para mais de 600 centros de saúde em 20 estados.

Artigo: Segurança do paciente

A "segurança" no trânsito, financeira, no trabalho e nas ruas é algo muito desejável e perceptível no cotidiano. No entanto, nem sempre se evidencia o seu significado em um dos momentos de maior fragilidade das pessoas e seus familiares, que é uma internação hospitalar. A questão agrava-se ante a constatação de que grande parte dos países tem sérios problemas na área da saúde e que essas distorções não se solucionam apenas com os grandes investimentos realizados por governos e empresas privadas para melhorar a vida dos pacientes. É preciso, além de dinheiro, implantar práticas corretas, valorizar a gestão dos processos e entender a contribuição da tecnologia. Dentre os inúmeros fatores que preocupam a população e os órgãos responsáveis, um tem característica que o torna prioritário e tema de discussão obrigatória em todo o mundo: é o chamado ?Medication errors?. A administração de fármacos protagoniza os conhecidos "5 Rights" (medicamento certo para o paciente certo, na dose certa, no tempo certo e com o método certo). Gerenciar com eficácia tais procedimentos é imprescindível para o sucesso de qualquer tratamento. Assim, não se pode admitir erros, em especial se considerado o fato de que soluções eficientes para os prevenir e evitar.
Um grupo de especialistas em práticas de medicação segura, formado pelo Comitê de Experts em Questões Farmacêuticas do Conselho Europeu, publicou recentemente relatório intitulado ?Creation of a better medication safety culture in Europe: Building up safe medication practices Report? (disponível em www.gs1brasil.org.br - Atuação Setorial - Saúde). O trabalho detalha, em 275 páginas, como construir as melhores práticas em medicação segura e porque as pessoas estão mais preocupadas com este assunto do que com as guerras que invadem o nosso cotidiano.
O Brasil, alinhado à Europa, América do Norte e Ásia, vem, há alguns anos, mapeando esse setor e implementando as melhores práticas de segurança do paciente. As entidades certificadoras exigem dos hospitais a rastreabilidade dos processos, o que inclui os medicamentos. Os hospitais, em conseqüência, necessitam que os laboratórios (fabricantes de medicamentos) colaborem, identificando os medicamentos de maneira eficiente.

Um grupo de hospitais e laboratórios, de modo transparente e colaborativo, reúne-se freqüentemente para disseminar conhecimento, discutir e implementar as melhores práticas para a melhoria da qualidade da prevenção de erros. Tal conhecimento dá-se por meio da participação em conferências internacionais e nacionais, que alguns participantes repassam aos outros do grupo, por meio de lições aprendidas em pilotos e implementações de soluções e do intercâmbio de informações com outros países.
Esse grupo também elabora e atualiza guias e cursos gratuitos para a comunidade do setor e envolve, quando necessário, a participação de empresas de tecnologia que possam contribuir para o desenvolvimento. Estamos falando de um grupo minoritário e que talvez não reflita a realidade brasileira, mas temos de começar de alguma forma, pois com o tempo e a percepção das pessoas de que este é um assunto sério, a atenção e o investimento serão naturais.

Saúde Pública: Incor-DF continuará funcionando

Ficou decidido pelo Ministério da Saúde que o Instituto do Coração (Incor) de Brasília não vai fechar e que a Fundação Zerbini continuará à frente da administração do hospital por mais seis meses, até que o Ministério da Saúde planeje a gestão do hospital. O governo do Distrito Federal também se comprometeu a ajudar o Incor, pagando antecipadamente os serviços e utilização dos leitos.
Cerca de R$ 5 milhões poderão ser remanejados pelo governo do estado e a meta é quitar as dívidas, além de adequar a folha de pagamento à receita do hospital.
Leia mais:
Fundação Zerbini se desligará do Incor-DF nos próximos 30 dias

Investimentos: São Camilo Santana investe US$ 3,5 milhões em Centro de Diagnóstico por Imagem

O Hospital e Maternidade São Camilo Santana acaba de investir US$ 3,5 milhões na conclusão da primeira fase do novo Centro de Apoio ao Diagnóstico por Imagem. A expectativa é triplicar a capacidade de atendimento. Os recursos foram investidos em infra-estrutura, aquisição de duas máquinas de ressonância magnética, dois tomógrafos, um equipamento de densitometria óssea, um mamógrafo e três aparelhos de ultra-sonografia. A segunda fase de conclusão do novo CDI deverá ocorrer em cerca de dois anos e incluirá toda a área de Radiologia.