Pesquisa: BNDES lança Índice de Desenvolvimento Social próprio

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), acaba de criar um índice de desenvolvimento próprio. O Índice de Desenvolvimento Social do BNDES (IDS-BNDES), tem como objetivo tornar mais nítidas as diferenças sociais entre as várias regiões e estados brasileiros. O objetivo é também acompanhar anualmente, as condições de vida da população do país, com um único indicador, com escala entre 0 e 1, em três diferentes dimensões do desenvolvimento social: renda, saúde e educação.
O IDS é apurado a partir da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD). O IDS-Saúde é composto pela média de três variáveis: a esperança de vida ao nascer, o percentual de domicílios com canalização interna de água, e o percentual de domicílios com rede coletora ou fossa séptica ligada à rede.
Entre os fatores que foram mais significativos para a evolução do IDS-BNDES destacam-se, no caso do IDS-Saúde, o aumento da esperança de vida - 3,6 anos - e a expansão da cobertura das redes de água ? de 80,5% para 90,1% - e de esgoto - de 48,4% para 56,8%.

Negócios: Samel, de Manaus, investe R$ 3,7 milhões em ampliação da rede própria

A operadora Samel, de Manaus, anunciou investimento de R$ 3,7 milhões na reforma de seu hospital e na construção de uma nova clínica. Com a reforma, o hospital aumentará em 30% o número de leitos, passando de 73 para 95, e o número de consultórios, passando de 11 para 21 novas unidades de atendimento ambulatorial. As obras devem ser concluídas em setembro.
A nova clínica, a ser construída no centro histórico da cidade, terá 2.300 m2 e terá capacidade de realizar 150 atendimentos por dia.
A manutenção e ampliação da rede de atendimento faz parte do projeto de crescimento da Samel, que pretende aumentar em 15% sua carteira de clientes até 2009, e alcançar o crescimento de 5% de participação de mercado até 2010.

Internacional: Presidente do Chile assina decreto para criação de Serviço de Saúde

A presidente do Chile, Michele Bachelet, assinou projeto que determina a criação de um Serviço de Saúde no arquipélago de Chiloé, e a transferência do Hospital Hanga Roa para o Serviço de Saúde Metropolitano do Oriente. A medida visa melhorar a atenção à saúde a população da região, que antes recorria às regiões de Valparaíso e Santiago para atendimento.
A rede de saúde da ilha é formada por cinco hospitais, seis clínicas de atenção primária ligados ao serviço municipal de saúde, quatro centros de saúde e 71 postos rurais. A criação do Serviço de Saúde regional pretende melhorar a gestão dos serviços.

Pesquisa: Índice da inflação em Saúde na cidade de São Paulo é de 0,49%

O último levantamento da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), em São Paulo, aponta que a inflação subiu 0,40% na terceira prévia de maio. A alta anterior foi de 0,35%. Em Saúde, o índice passou de 0,72% para 0,49%. O grupo habitação também teve ligeira alta, com 0,31% contra 0,30% registrado na segunda prévia. Já o grupo Transporte, mostra desaceleração, com elevação de 0,50% ante 0,64% da pesquisa anterior.
Em Despesas Pessoais, houve aumento de 0,58% contra 0,66%. Também ocorreu diminuição no ritmo de remarcações em vestuário, com alta de 0,46% ante 0,58%. Educação ficou estável, em 0,09%.

Política: Lula anuncia Política Nacional de Planejamento Familiar

O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, lança em conjunto com os ministros da Saúde, José Gomes Temporão, e da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, Nilcéa Freire, a Política Nacional de Planejamento Familiar. Uma das medidas que deve entrar em vigor imediatamente é a venda de anticoncepcionais com até 90% de desconto em farmácias e drogarias privadas credenciadas no programa Farmácia Popular. O governo também vai ampliar a quantidade de remédios contra a gravidez disponíveis gratuitamente nos postos de saúde. Outra medida prevê a expansão do programa de Humanização do Atendimento (HumanizaSUS) na rede credenciada.

Tecnologia: Unifesp investe R$ 700 mil em reestrutração de rede

Para modernizar a infra-estrutura de suporte aos 7 mil usuários de 4,5 mil computadores distribuídos em mais de 200 prédios, a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) apostou na modernização de sua rede. Com a implantação de uma solução da Extreme Network e com integração promovida pela Olitel Telecom, a instituição conseguiu uma economia de R$ 5 mil mensais com a eliminação de links. A modernização se fez necessária porque a antiga rede, em padrão FDDI, criada treze anos antes, tinha sido projetada para atender a 200 usuários e integrar 46 computadores. O custo para a modernização da rede dentro do mesmo padrão chegaria a R$ 50 mil por switch de dez megabites, enquanto a nova estrutura custou um décimo do valor.
No projeto de reestruturação da rede foram investidos R$ 700 mil. A nova estrutura conta com doze switches, sendo dois de grande porte para tráfego de dados mais intensos, ligados por um link de dez gigabites, expansível para 40; quatro switches de médio porte, e seis de pequeno porte. A rede utiliza o sistema Linux.

Negócios: Samcil investe R$ 4 milhões em reestruturação de hospital

A Samcil investe R$ 4 milhões na reestruturação do Hospital Jardim, de Santo André, que passará a se chamar Hospital Santo André.
A instituição, que será o 11º da rede, terá 92 leitos, sendo 10 de UTI, quatro salas cirúrgicas, maternidade e pronto-socorro, com capacidade de realizar 7 mil atendimentos por mês. O recurso será investido em reforma e na aquisição de equipamentos.
A previsão é que o Pronto-Socorro comece a funcionar no próximo mês. A Samcil também deve inaugurar duas unidades de pronto-atendimento nos próximos dois meses, em São Bernardo do Campo e Diadema.

Política: Chinaglia afirma que dará prioridade ao projeto da CBHPM e PEC 29

Em reunião com lideranças da Associação Paulista de Medicina (APM), do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) e Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp), Arlindo Chinaglia, o presidente da Câmara dos Deputados, empenhou sua palavra quanto a pauta do projeto de lei 3.466/2004, que referencia a Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM) no sistema suplementar de saúde em âmbito nacional. Chinaglia também se comprometeu a trabalhar pela breve regulamentação da Emenda Constitucional 29, que estabelece participação orçamentária mínima e obrigatória da federação, estados e municípios no financiamento da saúde.
Para Chinaglia, o projeto da CBHPM está maduro para entrar na pauta de votação. Quanto a PEC 29, existe consenso de que é fundamental o aumento do contingenciamento de verbas à saúde. Outros temas também estiveram em pauta, como o controle na abertura de escolas médicas, a revalidação obrigatória de diplomas de médicos formados em Cuba, de estrangeiros e brasileiros formados fora do país, a avaliação dos egressos de escolas médicas e a aprovação de um plano de carreira, cargos e salários dos médicos.

Medicamentos: Temporão defende que setor privado aumente produção de remédios no país

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, defendeu que o setor privado assuma "seu papel fundamental" na produção de remédios no país e pretende incentivar a expansão das atividades do setor. Para ele, apesar dos 17 laboratórios estatais, é imprescindível que o empresariado assuma o papel que tem nesta área.

Política: São Paulo passa a fazer parte do Pacto pela Redução da Mortalidade Materna

O estado de São Paulo, passa a fazer parte do Pacto Nacional pela Redução da Mortalidade Materna, que inclui os 26 estados brasileiros. Entre as ações desenvolvidas em três anos, desde que o pacto foi criado, destacam-se a promoção de seminários nacionais e estaduais sobre atenção obstétrica e neonatal humanizada; o fortalecimento da capacidade técnica de 1.857 profissionais de saúde, de 1.538 profissionais na atenção humanizada à criança de baixo peso - Método Mãe-Canguru e de 1.237 profissionais da área médica em reanimação neonatal e 1.226 auxiliares. Para financiar o Pacto, o Ministério da Saúde destinou R$ 22 milhões para os 78 municípios prioritários, dos quais R$ 9 milhões já foram aplicados na intensificação de ações de qualificação da atenção à mulher e ao recém-nascido, além dos recursos das Áreas Técnicas da Saúde da Mulher, Saúde da Criança, do Adolescente e Jovem, da Atenção Básica, Especializada e da Coordenação Nacional de DSTs/Aids.