faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Saúde Pública: Hospital Getúlio Vargas (PE) reabre bloco cirúrgico

O Hospital Getúlio Vargas, em Recife (PE), reabriu nesta semana o bloco cirúrgico, que precisou passar por reformas após um incêndio em abril, provocado por um curto-circuito no ar condicionado. A instituição gastou R$ 400 mil para reestruturar os ambientes, comprar novos equipamentos e limpar os antigos, que foram atingidos pela fuligem.
Por enquanto, o setor está operando com 1/3 de sua capacidade. Cerca de 10 pacientes por dia passarão por cirurgias. Na próxima semana, o bloco deve voltar a operar com sua capacidade anterior, 30 pacientes por dia.

Expansão:URP Diagnósticos Médicos adquire PACS

A URP Diagnósticos Médicos adquiriu um PACS (Picture Archive and Communication System) da empresa brasileira Pixeon. A compra foi motivada pelo grande volume de imagens a ser processado com o uso de equipamentos de diagnóstico por imagem de última geração, como tomógrafos de 64 canais.
O PACS armazenará, em 18 meses, 90 milhões de imagens. Depois desse período, as imagens serão armazenadas em discos, mas, com a memória inteligente, o sistema recuperará automaticamente as informações durante a consulta.

Regulação: Planos de Saúde estão proibidos de preencher o CID em guias de consulta

Para preservar a relação médico-paciente, o Conselho Federal de Medicina acaba de aprovar uma Resolução que proíbe a colocação do diagnóstico codificado (Classificação Internacional de Doenças ? CID 10) no preenchimento das guias de consulta de Seguradoras e Operadoras de Planos de Saúde junto com a identificação do paciente. A exceção serão os casos e doenças de notificação compulsória previstos em lei ou quando houver autorização expressa, por escrito, do paciente. O CFM considera falta ética grave todo e qualquer tipo de constrangimento exercido sobre os médicos buscando forçá-los ao descumprimento da Resolução.

Carreiras: Ubiracy Alves será gerente comercial do Hospital Villa-Lobos

O Hospital Villa-Lobos, empreendimento do grupo INAL a ser lançado no segundo semestre, anunciou a contratação de Ubiracy Alves para o cargo de gerente comercial. Alves foi gestor comercial da rede Diagnósticos da América S.A (Dasa) e também tem passagens pelas áreas comerciais dos hospitais Sírio Libanês e São Luiz.
O executivo é especializado em Administração Hospitalar e pós-graduado em Comunicação e Marketing pela USP.
O Hospital Villa-Lobos prestará atendimento de alta complexidade, no bairro da Mooca, em São Paulo, e receberá investimentos de R$ 36 milhões.

Custos: Samaritano de Minas projeta economia de R$ 38 mil com energia elétrica

O Hospital Samaritano de Governador Valadares, Minas Gerais, deve economizar por ano com energia elétrica cerca de R$ 38 mil. A meta é resultado da doação de uma Autoclave feita pela Companhia Energética de Minas Gerais (CEMIG) nesta terça-feira, 22. A doação faz parte do Programa de Eficiência Energética da estatal mineira, que visa a redução do consumo de energia elétrica em hospitais. Foram investidos R$ 98 mil na aquisição do equipamento pela CEMIG. Além de ajudar no controle e qualidade da esterilização hospitalar, dos enxovais e vestimentos, o hospital irá ainda reduzir os riscos de cancelamentos de cirurgias por falta de uma rápida esterilização e das diárias hospitalares.

Aquisição: Dix Saúde, do Grupo Amil, compra a Med Card

A Dix Saúde, que faz parte do Grupo Amil, anunciou a compra da carteira de clientes da operadora de planos de saúde Med Card. Com a aquisição, a empresa incorpora, além de 61.209 beneficiários ? cerca de 90% em contratos empresariais -, um hospital e dois centros médicos em São Paulo. O crescimento por aquisição é uma das estratégias da Amil. Na semana passada, a empresa anunciou a compra da Blue Life. ?Nossa política é fazer disso um motivo de satisfação para todos os envolvidos, não apenas as empresas, mas principalmente aos clientes?, explicou o diretor técnico da Amil, Antonio Jorge Kropf.
Segundo o executivo, o processo de fusão e aquisição é uma tendência de mercado. ?Antigamente isso era muito difícil, hoje, já ocorre com mais naturalidade. Trata-se de um incentivo natural em qualquer atividade?, diz.
Para Kropf, com a terceira aquisição da empresa, os benefícios podem ser sentidos com o aumento do número de beneficiários, que quase triplicou nos últimos anos. ?Hoje somos o segundo maior grupo nacional em número de clientes?, comemora.
No mercado há 38 anos, a Med Card conta com uma rede de 40 hospitais credenciados, além do Hospital Santo Amaro, que tem 60 leitos de média complexidade. O nome da empresa será mantido.
Atualmente, a gestão já está sendo compartilhada entre as empresas. O valor do negócio não foi divulgado. Para concretizar a compra, a Med Card está passando por uma auditoria, apesar de não passar por dificuldades financeiras.
Entre as outras aquisições da Dix Saúde está a fusão com a Amico, em São Paulo, com 300 mil beneficiários, em 2002 e a incorporação de mais de 100 mil clientes da Semic, no Rio de Janeiro, em 2006.
Considerada uma das maiores operadoras do País, no mercado há oito anos, a Dix Saúde fechou o ano passado com um faturamento de R$ 805 milhões e mais de 1 milhão de beneficiários. Neste ano, a meta é ultrapassar R$ 1 bilhão de faturamento.

Expansão: Hospital Geral de Pedreira investe R$ 7 milhões em ampliação de leitos

O Hospital Geral de Pedreira (HGP), em São Paulo, inaugura no segundo semestre 31 novos leitos de SUS, sendo sete de Enfermaria, seis de semi-intensiva e um de UTI. Outros sete leitos serão criados na UTI Adulto e, por último, 10 novos leitos nas Enfermarias de Ortopedia e da Clínica Médica. Foram investidos no projeto cerca de R$ 7 milhões e inclui a construção de um novo prédio interligado com o antigo. Nesta primeira fase, serão construídos dois andares que irão totalizar cerca de 1 mil m2. A segunda etapa, prevista para 2008, prevê a criação de outros dois andares e a abertura de 34 novos leitos.

Saúde Pública: Hospital de Base do Distrito Federal recebe R$ 42 milhões para a reforma

O governo do Distrito Federal anunciou a liberação de R$ 42 milhões para a reforma do Hospital de Base. É a primeira reforma pela qual a instituição passa em 46 anos. Serão modernizadas as alas de internação, os blocos de hematologia e de oncologia e a estrutura de elevadores e tubulações.
O hospital realiza cerca de três mil atendimentos por dia no pronto-atendimento.

Saúde Pública:Governo de Sergipe anuncia reestruturação da rede hospitalar

O governo de Sergipe anunciou um pacote de ações para a promoção da saúde. Entre elas está a reestruturação da rede hospitalar, a assinatura de convênios de investimentos com a prefeitura municipal de Aracaju e a contratação de serviços para administração da rede, e a implantação do Samu em todo o estado. Na nova política, serão investidos R$ 15 milhões para a aquisição de equipamentos e reforma do pronto-socorrro do Hospital de Urgência de Sergipe Governador João Alves Filho, e serão construídos o Hospital do Câncer, e os hospitais regionais de Estância e Lagarto. O governo também destinará R$ 2 milhões a Assistência Beneficência Santa Isabel para que a instituição administre os hospitais regionais do estado no período de um ano, e assinou contrato de R$ 41 mil com a Universidade Federal de São Paulo para consultoria nessas instituições.
Outra novidade será a criação de fundações públicas para a administração dos serviços da saúde.

Tecnologia: Universidade Federal de Minas Gerais produzirá radiofármacos

O Centro de Desenvolvimento de Tecnologia Nuclear (CDTN) da Universidade Federal de Minas Gerais, em Pampulha, está investindo R$ 11,2 milhões em infra-estrutura e equipamentos para produzir radiofármacos. Inicialmente, o ciclotron, da marca GE, irá produzir apenas o Flúor-18, radioisótopo que forma o FDG (fluorodexiglicose) e é o radiofármaco mais utilizado para diagnóstico de câncer.
Futuramente, em parceria com a Faculdade de Farmácia da UFMG, o CDTN também produzirá outros radiofármacos.
A iniciativa deve popularizar o uso do isótopo para diagnósticos fora do eixo Rio-São Paulo, que hoje são os maiores produtores da substância, já que a meia-vida curta, de 110 minutos, hoje dificulta a logística e encarece seu uso.