Redução da sinistralidade em 7% com práticas esportivas

pratica-esporte-ministerio-saude-campanha-oftalmologista-fortaleza-fundacao-leiria-andrade

Colaboradores são incentivados a valorizar estilo de vida

Com a implementação de um programa de qualidade de vida, a ePharma reduziu em 7% a sinistralidade e o absenteísmo entre seus 300 colaboradores, no período entre 2017 e 2018. A empresa, pioneira em gestão de planos de benefícios de medicamentos (PBM), também atua com a prevenção de riscos e conscientização sobre o autocuidado para clientes beneficiários de planos de saúde empresariais.

Denominado Filípides, em homenagem a um soldado que colaborou com a vitória do exército grego contra os persas ao correr 40 km em busca de ajuda, o programa prevê aos funcionários subsídios de 50% em qualquer prática esportiva e de 100% em inscrições para provas de corrida e caminhadas de rua. Além disso, disponibiliza um serviço de consultoria esportiva por meio de profissionais qualificados. Um personal trainer assessora o treinamento dos colaboradores, fornecendo orientações técnicas, físicas e laborais.

Atualmente, 12% dos profissionais utilizam os subsídios para prática esportiva, mas a adesão cai para 7% quando contabilizados aqueles que fazem uso do serviço de assessoria com personal trainer. Todos esses benefícios são exclusivos para aqueles que participam ativamente do programa.

Para o CEO da ePharma, Luiz Carlos Silveira Monteiro, incentivar o protagonismo dos funcionários no monitoramento de suas condições clínicas  auxilia as operadoras a reduzir custos evitáveis. “O plano de saúde é o segundo maior custo de uma empresa, respondendo por 15% da folha de pagamento. Por outro lado, mais de 70% das doenças têm relação com o estilo de vida. A melhor forma de equilibrar a balança é orientar o colaborador e estimular hábitos saudáveis”, justifica.

Como elemento complementar ao programa, a empresa criou a plataforma online ND Vida, que conta com a adesão de 80% dos funcionários. Trata-se de uma conta individual que armazena dados sobre condições clínicas e indicadores históricos relativos à saúde e qualidade de vida do colaborador. A partir desses dados, fornece dicas para melhorar as condições clínicas por meio do disparo diário de teasers, com conteúdos audiovisuais personalizados sobre bem-estar, finanças, alimentação e análise de produtividade. “Isso permite melhorar o desenvolvimento pessoal a partir do autoconhecimento”, avalia Monteiro.

6º Congresso Todos Juntos Contra o Câncer reúne os principais líderes da Oncologia em São Paulo

terapia-genetica

Objetivo é debater diferentes temas da Oncologia nacional

Dos dias 3* a 5 de setembro, em São Paulo, acontecerá o 6º Congresso Brasileiro Todos Juntos Contra o Câncer. O objetivo será discutir a Política Nacional de Prevenção e Controle do câncer, salientando os desafios para sua implementação nos 296 hospitais públicos que atendem pacientes com câncer no país.

Aproximadamente 3.500 líderes do seguimento participarão, entre eles: gestores, médicos, profissionais da saúde, sociedades científicas, ongs, ativistas, advogados e jornalistas atuantes na Oncologia.

O evento é parte do Movimento Todos Juntos Contra o Câncer, idealizado pela Abrale (Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia), em parceria com mais de 150 instituições de saúde, e objetiva influenciar as políticas na área de Oncologia e acelerar a promoção da saúde.

Dentre os cerca de 30 painéis de debates, temas como:

· Prevenção primária – Fatores de risco para o câncer

· Diagnóstico oportuno

· Judicilizar é preciso?

· Famarcovigilância – Como participar

· Caminhos na saúde suplementar

· Lei dos 30 e 60 dias

· Financiamento e eficiência na gestão em Saúde

· Medicina personalizada. O futuro chegou

As informações completas e as inscrições para o evento podem ser feitas pelo site.

* O primeiro dia é um pré-congresso com workshops fechados destinados à participantes convidados previamente.

Esqueça o medo: veja o que a tecnologia mudou nos tratamentos odontológicos

odonto-digital

Os dentistas de hoje herdaram uma reputação que não condiz com a realidade dos consultórios. Há alguns anos, os procedimentos eram considerados muito dolorosos, especialmente por quem não cuidava muito bem dos dentes e já apresentava cáries.

A cada dia, a tecnologia vem melhorando muito os equipamentos e as técnicas acompanham essa evolução. Um tratamento hoje é bem diferente de como era há algumas décadas. Um exemplo claro disso é o escaneamento oral e a odontologia 3D. Com eles, é possível projetar os dentes de um paciente em uma imagem 3D completa no computador, permitindo que eles sejam examinados em todos os ângulos possíveis, simular a mordida e oclusão do paciente, além de projetar próteses dentárias.

Outro importante avanço são os diagnósticos que estão cada vez mais precisos. Atualmente, possuem inúmeros métodos de imagem, como o raio x digital, que permite, através de contraste, que sejam identificadas lesões nos dentes do paciente ou até mesmo fraturas, não sendo mais necessário o uso de procedimentos invasivos.

Podemos citar alguns exemplos de tratamentos que mudaram bastante com o avanço tecnológico:

Implante dentário

Fazer um implante dentário pode ser um procedimento complicado. Para encaixar a prótese, às vezes, é necessário perfurar a gengiva, abrindo espaço para o dente implantado. Com a tomografia computadorizada, o procedimento se tornou bem mais prático e eficaz. O recurso ajuda o dentista a ter uma análise mais profunda (altura e espessura), através de imagens, de quanto o paciente tem de osso para receber o implante.

Odontologia estética

Hoje, quem vai ao dentista visando melhorar a aparência dos dentes, conta com uma ampla gama de opções de tratamentos. O planejamento digital do sorriso com softwares especializados ou "ensaio restaurador intra-oral", conhecido também como mock-up, permite que o dentista e paciente escolham as intervenções e simulem o resultado final do tratamento de forma visual, sem que haja algum desgaste dentário, permitindo maior eficácia e satisfação garantida do paciente.

Endodontia

Antigamente, os dentistas demoravam diversas sessões para realizar o tratamento de um canal. Hoje em dia, existem aparelhos, como o RECIPROC, por exemplo, que alargam o canal em apenas uma sessão para que ele seja obturado e o tratamento finalizado.

Prótese Dentária

Alguns pacientes têm ânsia de vômito na hora da moldagem para realizar algum tratamento. Mas, hoje em dia eles não precisam mais passar por isso. Recursos como o 3 Shape, por exemplo, escaneiam a boca do paciente – desde elementos unitários, até múltiplos elementos -, trazendo uma visão bem ampla de modo que não precisa mais ser efetuada a moldagem.

Outro recurso que ajuda muito os protesistas é o DSD (Dental Smile Design), que permite corrigir em fotos, previamente feitas, angulamento e tamanho do dente para depois ser transportado para a boca, efetivamente.

Ter essa tecnologia em mãos e o avanço das técnicas é fundamental para que o profissional possa realizar os procedimentos com perfeição. Embora o medo esteja entre as principais razões para evitar as consultas, a evolução da tecnologia tornou mais seguros, simples e indolores os procedimentos – dos mais simples aos mais complexos. Com a modernidade e a alta tecnologia dos equipamentos, como os citados acima e outros que estão sendo desenvolvidos, permitem oferecer mais precisão nos tratamentos e conforto ao paciente, tanto durante a consulta quanto no pós-operatório.

Sobre a autora

Tatiana Jacob é fundadora da clínica Tatiana Jacob Odontologia, existente há 15 anos em São Paulo. Formada em Odontologia há 17 anos pela Universidade Paulista, possui especialização em endodontia e prótese dentária e pós-graduação em harmonização orofacial.

GE Health mostra a medicina do futuro no ‘GE Experience’

 GE Health mostra a medicina do futuro no ‘GE Experience’

Quem passou pela 26ª edição da Hospitalar, pode conferir o espaço GE Experience que estava localizado no segundo mezanino, e teve a intenção de retratar um ambiente de um hospital do futuro.

No local era possível conhecer todo o trâmite que um paciente percorre ao dar entrada no ambulatório. O Diretor de Soluções Clínicas, Nelson Garcia explica o conceito da experiência oferecida pega GE na Hospitalar. “A ideia que nós temos na Experience da GE Health Care é mostrar um pouco da jornada do paciente dentro do ambiente hospitalar. Basicamente é entrar pela emergência, passando pelo centro cirúrgico, indo para a área de cuidados críticos, a UTI e, sempre que necessário, trabalhando pelo centro de diagnóstico por imagem”, esclareceu.

Durante a Hospitalar, a GE Health também apresentou seu mais recente lançamento, o monitor Carescape One, que é capaz de monitorar todas as etapas pelas quais o paciente é submetido dentro de um hospital e que garante seu bem-estar. 

O líder comercial de áreas críticas, Tarso de Biasi, contou que o intuito é melhorar a estadia do paciente no hospital diminuindo seu tempo de internação. “A grande ideia desse setor é mostrar como o paciente caminha pelo hospital. O fio condutor para isso é o nosso grande lançamento, o monitor Carescape One. Ele vai estar associado ao monitor beira-leito que vai garantir a monitorização contínua desse paciente durante todo o trajeto neste hospital, desde a emergência, centro cirúrgico, UTI, até a alta do paciente. Com este monitor, eu não perco nem um minuto de monitorização, por que ele agora é o monitor do paciente, ele se apropria do paciente. Nós o chamamos de anjo da guarda do paciente.  A ideia é melhorar o fluxo do paciente reduzindo o tempo de internação e de exames,” contou.

A GE Healthcare fornece serviços e tecnologias médicas que atendem a demanda por acesso mais amplo a serviços de saúde de melhor qualidade e menor custo.

Diretor da Amil aponta dificuldades, mas ressalta benefícios da digitalização na saúde

Diretor da Amil aponta dificuldades, mas ressalta benefícios da digitalização na saúde

A digitalização na área da saúde já é uma realidade vivida pelos pacientes. Checar os resultados dos exames no site do laboratório, marcar ou confirmar uma consulta médica por meio de aplicativos e até mesmo requerer a autorização para procedimentos médicos para operadoras de planos de saúde têm se tornado cada vez mais atividades recorrentes em nosso dia a dia e tende a ficar ainda mais com a ajuda dos avanços tecnológicos.

No entanto, ainda existem algumas resistências que possam impedir a aderência desse artifício por parte do paciente. A segurança de dados ainda é questionada por parte deles, mas o diretor de operações da Amil, empresa parte do UnitedHealth Group Brasil, Edvaldo Vieira garante que este cenário está mudando e que a empresa tem trabalhado na transformação dessa realidade que vivemos.

Confira a entrevista abaixo:

Hospitalar: Quais são os riscos de um uso indevido de dispositivos móveis pelo próprio paciente ou com vazamento de dados?

Edvaldo Vieira: Considerando que hoje “data is the new oil”, quaisquer informações de saúde de um grupo de pessoas é um material rico e valioso. Por isso, são considerados como dados hipersensíveis, e o risco real de qualquer tipo de vazamento é o uso indevido por partes interessadas no sistema de saúde, em vantagem do seu próprio negócio.

Diante desse cenário, o vazamento de dados é uma preocupação de organizações de saúde de todo o mundo e não estamos alheios a esse debate. A Amil faz parte de um dos maiores grupos de saúde do mundo, o UnitedHealth Group. Nos Estados Unidos, o grupo tem uma vasta experiência na implantação do marco regulatório da Lei Geral de Proteção de Dados e vamos usar a mesma expertise para aplicar aqui no Brasil com o mesmo nível de excelência.  

A segurança de dados sempre foi uma prioridade da Amil. Hoje, o acesso ao nosso aplicativo para dispositivo móvel, o Amil Clientes, acontece por meio de login e senha, além de outras confirmações sistemáticas de segurança. Em 2017, fomos a primeira operadora de saúde do mercado brasileiro a lançar um token de segurança para confirmação de atendimento, conectado ao aplicativo. A cada vez que um prestador de serviço, como uma clínica, por exemplo, envia para a Amil um pedido de consulta, o cliente recebe um token no seu celular para confirmar que, de fato, foi ele quem solicitou aquele procedimento. É a mesma lógica de um token de segurança bancário. Essa é uma forma de garantir mais transparência e segurança para todos: beneficiário, rede credenciada e a própria Amil.

H: Quais são os resultados de buscar a transformação digital na saúde?

E.V.:O resultado que esperamos é a simplificação, humanização e digitalização das interações com nossos diversos públicos, proporcionando mais comodidade e uma melhor experiência.   Queremos que as nossas soluções digitais sejam percebidas pelo cliente como formas mais simples e fáceis de usar e interagir com o seu plano de saúde, ajudando as pessoas a viverem de forma mais saudável.

A transformação digital atua fortemente em três frentes de atuação: melhoria da experiência do cliente, eficiência de processos e criação e desenvolvimento de novos negócios. Na Amil, a transformação digital não é apenas tecnológica ou com o simples uso de funcionalidades de prateleira. Do ponto de vista da experiência do cliente, por exemplo, estamos revisando todo o processo de agendamento de exames e consultas, de modo a focar no que realmente agrega valor para o paciente e no que podemos excluir de etapas desnecessárias. Para essa revisão end-to-end fomos além, buscando observar o que as indústrias de fora da saúde fazem para oferecer experiências realmente relevantes. Ocorre que hoje é mais fácil você compartilhar um quarto em Shangai por meio de um aplicativo de viagens do que encontrar um dentista no bairro que quer. É exatamente isso que queremos mudar. Quando olhamos a experiência dessa maneira, é inevitável que os processos se tornem mais eficientes. E quando conseguimos ter um mindset fora da caixa sobre o que o sistema de saúde pode ou não oferecer, as ideias sobre novos negócios começam a surgir também. Assim, cumprimos os demais objetivos da transformação digital.

H: Como o uso de aplicativos e dispositivos móveis pode ser um aliado do cuidado centrado no paciente?

E.V.:Desde o chamado momento Fitbit, as pessoas passaram a realmente se interessar pelos seus próprios números: quantos passos deram no dia, como está a qualidade do sono, quantos degraus subiram, como estão os batimentos cardíacos. E os dispositivos móveis e aplicativos têm sido os maiores aliados nesse novo momento da gestão de saúde. Essa vontade de se conhecer mais é o principal aliado para o cuidado realmente centrado no paciente. Para isso, precisamos oferecer ferramentas que realmente levem a saúde às mãos de cada pessoa.

Na Amil, digitalização e o acesso remoto são aliados no fortalecimento da coordenação do cuidado do paciente.  Hoje, o cliente da Amil conta com um telefone disponível 24 horas, sete dias por semana para orientações como preparo para exames, primeiros socorros e sintomas de doenças.  O telefone em questão – o Amil Ligue Saúde – recebe uma média de 4 mil ligações por mês. Já os pacientes engajados nas nossas clínicas de atenção primária (Amil Espaço Saúde) podem conversar com seus agentes de saúde diretamente por apps de mensagem instantânea. Cada paciente é acompanhado por uma equipe de saúde composta por médicos de família, enfermeiros e agentes de saúde. O site da Amil, por sua vez, oferece serviços como acompanhamento dos atendimentos médicos realizados, consulta à rede credenciada e simulador de coparticipação. E o aplicativo Amil Clientes permite o agendamento de consultas e exames, busca da rede credenciada nas proximidades de localização, download de carteirinha virtual e prontuário eletrônico. Também disponibilizamos o site CuidadosMil, um portal que traz informações claras e atualizadas sobre saúde e qualidade de vida, além de dicas práticas sobre como conviver com condições crônicas. Toda essa gama de serviços digitais ajudam o paciente a ter uma experiência de atendimento mais ágil e coordenada.

H.: Sobre big data. Qual o tamanho do impacto de sua utilização em hospitais e estabelecimentos de saúde? Como isso afeta economicamente na área?

E.V.: As empresas de saúde estão cada vez mais focadas em explorar o uso de big data, inteligência artificial e outras tecnologias a favor do paciente. Isso porque o impacto da utilização desses componentes na área é enorme, sem precedentes, e praticamente impossível de ser quantificado. Estamos falando desde termos organizadamente o potencial de conhecer em profundidade cada indivíduo, até de sabermos em tempo real se um paciente tomou sua insulina hoje de manhã ou não. As reverberações do ponto de vista de qualidade de vida e otimização de recursos (equipe de assistência, materiais, medicamentos e recursos financeiros, por exemplo) são gigantescas.

Na Amil, a inteligência artificial e big data são parte de um trabalho de monitoramento de uma base de dados colossal. O sistema Amil computa, anualmente, mais de 98 milhões de consultas, exames e internações, realizados por cerca de 6,1 milhões de beneficiários. Os potenciais de aplicação dessas tecnologias são infinitos e temos diversos projetos em andamento na Amil para entendermos melhor como alavancar o uso de cada uma delas. Estamos estudando desde a predição de internação de um paciente em pronto-socorro para otimização da gestão de leitos até ferramentas de inteligência artificial para autodiagnóstico prévio do paciente.

O mundo analógico está migrando para o mundo digital e a tecnologia será fundamental para a digitalização, a análise de dados e o cruzamento de informações de forma rápida e eficiente, apoiando a tomada de decisões e incentivando cada vez mais o uso da medicina baseada em evidências. Acredito que essas novas práticas permitirão um salto na qualidade e na quantidade dos atendimentos médicos no Brasil.

Anbiotec avalia positivamente a Hospitalar 2019, com previsão de R$ 2 milhões em negócios para seus associados

Anbiotec avalia positivamente a Hospitalar 2019, com previsão de R$ 2 milhões em negócios para seus associados

A Anbiotec Brasil - Associação Nacional de Empresas de Biotecnologia – participou da edição 2019 da Hospitalar com várias atividades e movimentações de negócios e aponta avanços na estrutura e na participação.


“O sentimento geral é que o público foi melhor qualificado e a Anbiotec concluiu bons negócios, o que nos permite ter uma avaliação positiva da Hospitalar este ano. O público internacional teve mais espaço na Feira e as nossas pesquisas internas revelam negócios de R$ 2 milhões para os associados Anbiotec nos próximos 12 meses”, comemorou Vanessa Silva, Diretora Executiva da Anbiotec.

Presidente da Anbiotec, Pedro Vidigal também ficou satisfeito com as movimentações.  “A participação da Anbiotec na Hospitalar foi de grande relevância para as nossas empresas associadas apresentarem os seus produtos e serviços nesta grande vitrine que é a maior Feira do setor na América Latina”, disse.


Vanessa Silva apresentou alguns números que comprovam o êxito da Anbiotec na Hospitalar. “A Ilha da Anbiotec Brasil teve grande movimentação: 16 empresas participaram como expositoras e foram registrados mais de 500 contatos comerciais”, contou. “A Hospitalar atendeu mais a parte de diagnóstico, e a expectativa é que tenha uma área inteira na Hospitalar 2020 com esse segmento. Isso demonstra que a Feira está amadurecendo e atendendo melhor diferentes áreas da saúde. Temos uma boa expectativa para a Hospitalar na São Paulo Expo em 2020”, finaliza.

Nos dias 22 e 23 de maio, a Anbiotec realizou a rodada de negócios no pavilhão azul do Expo Center Norte. O evento teve 48 reuniões entre as startups e empresas âncoras do setor.

Associações parceiras celebram participação na Hospitalar

As associadas também deram seus depoimentos sobre a participação na 26ª edição da Hospitalar e como já era de se esperar, o evento foi um sucesso. Cristina Martins, Diretora da Technodry, é uma das empresas associada à Anbiotec que comemora o sucesso de mais de 10 anos de participação no evento. “Participamos há mais de 10 anos porque sabemos das oportunidades que a Hospitalar proporciona para apresentar novos produtos e fomentar negócios com cliente e consumidores”.

Sheila Bicalho, Diretora Executiva da JHS, também associada da Anbiotec, não deixa a distância ser um impeditivo para participar da feira. “Nossa empresa de biotecnologia está sediada em Belo Horizonte, Minas Gerais. Mesmo assim, temos participado regularmente da Hospitalar há 14 anos”

Fabrício Melo, Sócio-proprietário da Alcatti, afirma que participar da feira em parceria com a Anbiotec é uma grande experiência e Adilson Pereira, Diretor Administrativo da Adca entende a importância de ser fiel em sua participação no evento por ser uma forma estar no centro do mercado e ponte fundamental para estar em proximidade com seus clientes.

Francislaine Azzolin, Gerente de Negócios da AZV comprova as vantagens de estar na feira. “Estamos em nosso segundo ano de participação na Hospitalar em parceria com a Anbiotec e consideramos a participação muito boa e são inúmeros os benefícios decorrentes da Feira.”

Por fim, Ramaya Vallias, Diretor do Grupo Zigma, afirma que a participação ajuda a estreitar o contato e a geração de negócios com seus clientes. “A nossa parceria com a Anbiotec na Hospitalar é de vanguarda para o desenvolvimento de relações e negócios na área de tecnologia e prestação de serviços”.

BioInnovation Challenge

A grande novidade da Anbiotec na Hospitalar neste ano foi a realização do BioInnovation Challenge, um desafio que gerou conexões entre empresas âncora do setor com tecnologias e soluções inovadoras de startups de biotecnologia e ciências da vida. Com o apoio do Sebrae, da Biotechtown e da própria Hospitalar, o BioInnovation Challenge contou com mais de 50 startups inscritas de todo o Brasil e 18 participações efetivas. Já no palco Health Connection do pavilhão vermelho, a Anbiotec contou com 10 palestrantes e painelistas convidados e 24 pitches realizados pelas startups inscritas no BioInnovation Challenge e também no Desafio Sebrae. Nos dois dias de evento o espaço teve ocupação máxima (50 pessoas).

Confira a lista das empresas vencedoras do BioInnovation Challenge: 

Dia 22/05

Tema: Soluções Tecnológicas para o desenvolvimento de produtos para a saúde

1º Lugar: APTAH Bioinformática

Plataforma ágil de desenvolvimento de novos métodos terapêuticos e dispositivos diagnósticos baseados em sondas de oligonucleotídeos.

2º Lugar: Birth Tech dispositivos para a saúde

O Preemie-Test, uma tecnologia inovadora e disruptiva que avalia a maturidade da pele através de sua reflexão à luz, estimando a idade gestacional ao nascimento, auxiliando a equipe de saúde a tomar decisões para o melhor cuidado com o bebê.

3º Lugar: Safetest Diagnósticos

Teste rápido para detecção de doenças infecciosas. Maior acurácia, menor preço e maior velocidade que os testes tradicionais.

Dia 23/05

Tema: Soluções Tecnológicas utilizando Inteligência Artificial e Big Data

1º Lugar: JADE

Plataforma que usa jogos de associação para estímulo e desenvolvimento de crianças com deficiências cognitivas e que, em background, lê o desempenho e o comportamento do usuário, gerando assim relatórios tanto de desempenho quanto de prognóstico, que são usados pelos respectivos terapeutas para traçar os pontos mais críticos e os melhores caminhos de tratamento do paciente.

2º Lugar: Predict Vision

Plataforma de Inteligência Artificial para suporte a diagnósticos médicos utilizando imagens médicas e dados clínicos.

3º Lugar: Mindfy

A Mindfy é um software que utiliza Inteligência Artificial (IA) para simplificar a coleta de dados clínicos, gerando feedback e sugerindo hipóteses diagnósticas aos médicos.

Ao contrário dos prontuários eletrônicos tradicionais, a Mindfy ajuda equipes médicas a aumentarem sua resolutividade clínica e reduz custos assistenciais, engajando equipes no correto e pragmático uso da Medicina Baseada em Evidências.

Custos médico-hospitalares sobem 17,3% em 2018

Custos médico-hospitalares sobem 17,3% em 2018

Alta da despesa das operadoras de planos de saúde é impulsionada pelo aumento na utilização de serviços médicos e custo de procedimentos, especialmente terapias

As despesas assistenciais per capita de operadoras de planos de saúde com exames, consultas, terapias, internações e serviços ambulatoriais de beneficiários de planos médico-hospitalares voltaram a acelerar e encerraram 2018 com alta de 17,3%, de acordo com o Índice de Variação de Custos Médico-Hospitalares (VCMH) do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS). Em relação a 2017, o índice registrou avanço de 0,8 ponto porcentual.

José Cechin, superintendente executivo do IESS, explica que o aumento da VCMH resulta de múltiplos fatores. "Diversos elementos influenciam a VCMH. Entre eles, o aumento da frequência de utilização e o aumento dos preços unitários de materiais, medicamentos, honorários, taxas e diárias. Fatores como incorporação de novas tecnologias e o envelhecimento populacional também têm impacto". Entre 2018 e 2017 os itens de despesas que mais cresceram foram as Terapias (exemplos: hemoterapia, Litotripsia Extracorpórea, quimioterapia, radiologia intervencionista, radioterapia, terapia renal etc.), com aumento de 31,3%, seguida de Serviços Ambulatoriais com aumento de 19,7%.

O item de internação, que tem um peso elevado na composição do índice, e por isso, sua variação fica muito próxima da média. Em 2017 e 2018 o valor ficou ligeiramente abaixo da média de todo o setor, em 16,5%. Resultado da elevação de 8,6% da frequência de utilização e do aumento no custo médio, de 7,4%. Cechin aponta que a variação da internação hospitalar só não foi maior em função do movimento das operadoras e prestadores de serviços médicos em iniciar uma migração para pacotes, diárias globais etc.

O executivo reforça que o aumento da frequência de itens de consultas, internações e outros procedimentos foram fatores que justificaram  o reajuste de planos em um nível superior ao da inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ou mesmo uma de suas componentes  que apura a variação de preços de produtos de saúde, como o IPCA Saúde. Para se ter uma ideia do peso da frequência de uso na conta, pode-se imaginar uma situação em que os custos de serviços de saúde caiam, mas a despesa aumenta devido ao aumento da frequência. Por exemplo: se as consultas médicas custassem, em média, R$ 100 e passassem a custar R$ 95, indicadores como a inflação registrariam uma queda de 5% (deflação). Contudo, se no mesmo período a frequência de realização de consultas passar de 5,0 para 5,5 o custo per capita passa de R$ 500,00 para R$ 522,50, com aumento de 4,5%. "Claro, a tendência não é que os custos médios de cada procedimento caiam, assim como não temos deflação no País. Mas o exercício lógico mostra porque a VCMH continua acima da inflação. O que não é natural é esperar que a VCMH fosse semelhante ou igual ao IPCA, isso porque inflação mede apenas variação de preços enquanto a VCMH mede a combinação da variação de preços com a variação de frequência", argumenta Cechin.

Outros motores da VCMH

A crescente judicialização que se observa tanto no setor público quanto na saúde suplementar é um poderoso promotor das despesas e acrescenta iniquidades pois, em muitos casos, privilegia o individual à custa do coletivo. Outro fator que responde pelo aumento de custos é a incorporação de tecnologia, um fenômeno que acontece no mundo inteiro e com impactos semelhantes.

Esta incorporação sem a exigência de estudos de custo-efetividade e análise da capacidade do sistema em absorver o incremento de despesas é outro ponto que pesa nessa conta. Especialmente porque, diferentemente de outros países e no próprio SUS, por meio da Conitec, a saúde suplementar não dispõe de requisitos técnicos que definam critérios claros para o ingresso de uma nova tecnologia.

Importante lembrar também que o processo de transição demográfica, com a maior participação de idosos no total da população, impacta diretamente na demanda de serviços de saúde, em especial de internações. E a faixa etária de idosos é a que mais cresce no mercado brasileiro de saúde suplementar.

Sobre o VCMH/IESS

O índice VCMH/IESS capta o comportamento dos custos per capita das operadoras de planos de saúde com consultas, exames, terapias e internações e Serviços Ambulatoriais. O cálculo utiliza os dados de um conjunto de planos individuais de operadoras, e considera a frequência de utilização pelos beneficiários e o preço dos procedimentos, levando em conta os valores cobrados em todas as regiões do Brasil. Dessa forma, se em um determinado período os beneficiários usavam, em média, mais os serviços e os preços médios aumentam, o custo apresenta uma variação maior do que a soma desses fatores isoladamente.

A metodologia aplicada ao VCMH/IESS é reconhecida internacionalmente e usada na construção de índices de variação de custo em saúde nos Estados Unidos, como o S&P Healthcare Economic Composite e Milliman Medical Index. Além disso, o índice VCMH/IESS considera uma ponderação por padrão de plano (básico, intermediário, superior e executivo), o que possibilita a mensuração mais exata da variação do custo médico hospitalar. Ou seja, se as vendas de um determinado padrão de plano crescerem muito mais do que as de outro padrão, isso afeta o cálculo agregado, resultando em VCMH maior ou menor do que o real, o que subestimaria ou superestimaria a VCMH.

Automation Anywhere anuncia colaboração estratégica com Microsoft para impulsionar automação inteligente

redes-de-bots-768x432

Ampliação da parceria inclui investimento multimilionário pela Automation Anywhere para ajudar organizações de todo o mundo a implantar bots via Microsoft Azure

Automation Anywhere, líder global em automação robótica de processos (RPA, na sigla em inglês), anuncia uma colaboração estratégica com a Microsoft que ajudará milhares de empresas de todos os portes e em diversos setores da economia a melhorar seus processos empresariais por meio da automação.

Os clientes agora poderão acessar os bots da Automation Anywhere a partir do Microsoft Azure para gerenciar grandes conjuntos de dados não estruturados, reduzir o tempo de entrada no mercado e cortar custos operacionais.

A ampliação desse relacionamento está ancorada em uma colaboração estratégica em produtos para alavancar a plataforma de RPA da Automation Anywhere e o Azure, o que possibilitará a integração, a co-venda e o marketing de produtos em conjunto pelas duas companhias para beneficiar os clientes que elas têm em comum. Um investimento de muitos milhares de dólares feito pela Automation Anywhere ajudará a promover a adoção da RPA e dar a empresas do mundo inteiro uma maneira escalável, segura e confiável de gerenciar a migração de clientes para a nuvem.

A Automation Anywhere também escolheu o Azure para ser seu principal provedor na nuvem, fazendo com que os clientes mútuos tenham acesso às tecnologias de automação onde e quando estiverem, para qualquer usuário. As organizações podem hospedar a plataforma de RPA da Automation Anywhere no Azure, na rede local, em uma nuvem pública ou privada para promover produtividade, estimular a inovação e elevar o ROI.

A Automation Anywhere é pioneira no conceito de força de trabalho digital inteligente, com bots de software trabalhando junto com os empregados para automatizar tarefas e processos repetitivos – o que libera as pessoas para focar iniciativas mais importantes da empresa que apenas humanos podem realizar.

Combinando sofisticadas tecnologias de RPA, IA e analítica integrada, a Automation Anywhere tem clientes em todos continentes e setores, incluindo 90% das maiores companhias de serviços de saúde, 85% das principais companhias de tecnologia, mais de 85% dos maiores bancos e empresas de serviços financeiros e 80% das principais companhias de telecomunicações do mundo.

Essa colaboração também possibilitará que os clientes em comum:

  • Utilizem bots de software para automatizar processos empresariais complexos e criar capacidades profundas integradas com produtos Microsoft, inclusive a Microsoft Power Platform, em um só clique, tornando sua utilização rápida e fácil.
  • Aproveitem a premiada Bot Store da Automation Anywhere – a primeira loja on-line do mercado para download de bots de RPA pré-configurados –, que contará com novos bots e Trabalhadores Digitais habilitados para Microsoft, além de mais de 60 bots específicos para Microsoft que já estão na plataforma.
  • Acessem os produtos da Automation Anywhere no Marketplace Azure a partir do próximo trimestre. Essa versão é otimizada para o ambiente Azure e inclui a função de Instalação Expressa (Express Install), com fácil instalação e implantação.
  • Implantem a Instalação Expressa da Automation Anywhere para facilitar, simplificar e agilizar a RPA na nuvem, bem como criar rapidamente os ambientes de Máquina Virtual (VM) e SQL necessários.

Depoimentos

Frank Della Rosa, diretor de pesquisa de SaaS e software de nuvem do IDC:

"A computação em nuvem fornece o alicerce sobre qual se constrói um empreendimento digital. As empresas digitais dependem de aceleradores de inovação, como a automação por IA, para aumentar a agilidade e provocar a disrupção no mercado. A combinação da Automation Anywhere com o Microsoft Azure cria uma força de trabalho digital inteligente, na qual bots de software atuam com eficiência e precisão máximas, permitindo que as empresas descubram o valor da automação inteligente na nuvem."

John Cottongim, diretor de Automação da Mars:

"Utilizar a Automation Anywhere em conjunto com a Infraestrutura como Serviço e as capacidades cognitivas do Microsoft Azure faz com que a Mars ganhe velocidade para entregar maior valor comercial e melhorar a experiência do cliente de ponta a ponta em nossa organização."

Alysa Taylor, vice-presidente corporativa de Aplicações Empresariais e Indústria Global da Microsoft:

"A transformação digital revolucionou o escritório moderno. A Microsoft é uma das líderes dessa revolução e estamos animados por acompanhar a Automation Anywhere ao levar a tecnologia administrativa digital para o próximo patamar. A visão da Automation Anywhere está alinhada com a nossa, que é infundir dados e inteligência em todos os seus produtos, aplicações, serviços e experiências."

Mihir Shukla, CEO e cofundador Automation Anywhere:

"As organizações estão percebendo os múltiplos benefícios da RPA – que faz as empresas se tornarem mais eficientes, reduzindo custos por meio da automação e liberando os funcionários para que se concentrem no que fazem melhor, que é serem criativos e inovarem. Nossa relação ampliada com a Microsoft ajudará mais negócios a obter esses benefícios muito mais rápido."

A Microsoft incluirá os produtos de automação da Automation Anywhere em seus centros de eventos para executivos (Executive Briefing Centers – EBCs) ao redor do mundo. Com isso, os clientes poderão ver demonstrações práticas de produtos da Microsoft habilitados com as tecnologias da Automation Anywhere.

Sobre a Automation Anywhere

A empresa é líder em robotic processs automation (RPA) e a plataforma mais utilizada, no mundo, pelas organizações na construção de workforces digitais inteligentes. A solução de nível empresarial da Automation Anywhere é um software de robôs que trabalham lado a lado com as pessoas para realizar grande parte do trabalho repetitivo, nos mais variados setores, combinando sofisticadas tecnologias analíticas RPA, Inteligência Artificial e incorporadas. Mais de 1.400 organizações usam a solução habilitada por Inteligência Artificial para gerenciar e escalonar processos de negócios mais rapidamente, com taxas de erro quase nulas, enquanto reduzem drasticamente os custos operacionais. A Automation Anywhere fornece tecnologia de automação para as principais empresas de serviços financeiros, seguros, saúde, tecnologia, manufatura, telecomunicações e logística em todo o mundo.

Dados que salvam vidas: Integrações UTI

tecnologia_medica

Muitos séculos atrás, Sócrates afirmou que "o segredo da mudança é concentrar toda a sua energia não em lutar contra o velho, mas na construção do novo." Hoje em dia, podemos relacionar sua citação com o conceito de inovação, que é considerado o processo de transformar uma ideia em um bem ou serviço que agrega valor.

A inovação deve satisfazer uma necessidade específica, envolver uma aplicação deliberada de informação, imaginação e iniciativa, devendo incluir todos os processos pelos quais novas ideias são geradas e convertidas em produtos úteis. Muitos médicos, tendem a assumir avanços incrementais regulares em tecnologia e processos, mas de tempos em tempos inovações disruptivas acontecem.

Embora a inovação implique a aplicação de novas ideias úteis, estas devem abordar o nosso desafio específico: cuidar das necessidades dos pacientes. Novas ideias devem aceitar a fisiopatologia, pelo menos a um certo nível, e visam evitar mais danos. Somos espectadores de um aumento exponencial no conhecimento e enfrentamos situações complexas com pequeno tempo de resposta. Portanto, a tecnologia moderna vem a desempenhar, proporcionando cuidados críticos com novas ferramentas que atendem a três objetivos principais: melhorar a gestão, tomar melhores decisões e ser mais eficaz no atendimento ao paciente.

Os profissionais de saúde vem enfrentando as questões: visualização e interpretação das enormes quantidades de dados específicos do paciente em um ambiente extensivamente monitorado. A avaliação contínua do estado respiratório e a otimização das definições do ventilador, um dos pilares de sistemas de monitoração avançados, melhorando nossa compreensão da doença e o efeito de estratégias terapêuticas. Os monitores atuais integram vários parâmetros ao mesmo tempo, fornecendo informações limpas para o usuário.

Neste contexto e a fim de implementar a melhor medicina possível, os sistemas de apoio à decisão clínica como o “Orquestra” da healthtech Carenet Longevity nasceram para ficar. Em outras palavras, “Orquestra” ajuda a abordar os desafios de Big Data em uma era de medicina de precisão dentro do ambiente crônico de alto risco, ajudando as equipes multidisciplinares das unidades de terapia intensiva e clínicos a tomarem decisões ideais.

Consiste na aplicação de sistemas informáticos, incluindo um algoritmo que monitora os sinais vitais dos doentes na UTI do hospital, a fim de permitir uma identificação precoce da deterioração, diminuindo a incidência de insuficiência operacional.

Uma enfermeira de UTI perde 2 horas por turno com a captura manual de sinais vitais do paciente. Permite ajudar a valorizar sua equipe, eliminando essa rotina tediosa e aumentando a segurança do paciente.

“Orquestra” fornece uma integração de todos os equipamentos da UTI, visualização dos sinais vitais num único dashboard digital em nuvem e funcionalidades de monitoramento, processamento e filtragem de dados, antes de alimentar o prontuário digital do hospital.

Sendo assim, a internet das coisas médicas (IoMT) como tecnologia exponencial é um grande divisor de águas na eficácia em orquestrar dados e salvar vidas nas integrações de UTIs.

Sobre o Autor:

Fernando Paiva, VP of Customer Success & Digital Sales Transformation da Carenet

Hospital Vitória Anália Franco conquista certificação JCI

acreditacao-1-700x350

O Hospital Vitória Anália Franco, do Americas Serviços Médicos, conquistou, neste mês de junho, a mais importante acreditação internacional de unidades de saúde, a americana JCI - Joint Commission International.

O selo atesta a excelência, qualidade e segurança do hospital.  No total, são 68 instituições no Brasil auditadas, sendo, na zona leste da capital paulista, apenas o Vitória. A JCI avaliou por quatro dias processos administrativos e assistenciais do hospital, além de estrutura e capital humano, rastreando pacientes por meio de padrões altamente discutidos em todo o mundo.

“A conquista dessa certificação é resultado de um trabalho voltado para a segurança, qualidade e experiência do paciente, apoiado pela inovação em nosso hospital e excelência do corpo clínico”, diz o Dr. Felipe Teles, diretor da unidade.

Hospital Vitória Anália Franco

O Hospital Vitória Anália Franco se destaca também pela estrutura de hotelaria confortável e de alta qualidade, além de maternidade acolhedora e atenção aos cuidados especiais em gestação e partos de alto risco.

A unidade, que é referência em traumatologia, com profissionais renomados no mercado, e centro de referência em cirurgia bariátrica, conta com centro de diagnóstico e ressonância magnética, tomografia computadorizada e ultrassom obstétrico nos ambulatórios.

Estrutura: UTI Adulto, UTI Neonatal, UTI Pediátrico, Centro Cirúrgico Especializado, Heliponto e Emergência para atendimento pediátrico e adulto 24 horas.