Hospital Sírio-Libanês inaugura Laboratório do Sono

O Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo, inaugurou neste mês, o Laboratório do Sono com investimentos de US$ 140 mil. A unidade recebeu dois polígrafos digitais para exame e diagnóstico e prevê o atendimento de pacientes com problemas respiratórios, cardiológicos e otorrinolaringológicos, informa o Dr. Maurício Bagnato, responsável pela unidade A meta é o atendimento de dois pacientes por dia. Um dos diferenciais do serviço é o tratamento especializado para crianças, que serão submetidas a polissonografia com acompanhamento neuro-pediátrico. Também estão disponíveis acessórios específicos para realização de exames em recém-nascidos, DPOCs e cardiopatas.
O médico responsável pela área é o Dr. Maurício Bagnato, que atua há mais de dez anos no Instituto do Sono da UNIFESP e já acompanhou serviços de sono no exterior.

HC oferece brinquedoteca

O Instituto de Ortopedia e Traumatologia (IOT) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP inaugura hoje a Brinquedoteca Janusz Korczak. Serão beneficiados pacientes de 0 a 18 anos, portadores de diferentes problemas ortopédicos, decorrentes de traumas, tumores, deformidades congênitas do aparelho locomotor, paralisia cerebral, entre outros. A Unidade de Internação Infantil possui 20 leitos e recebe, mensalmente, cerca de 450 crianças e adolescentes.
A brinquedoteca é resultado de parceria entre o Instituto de Ortopedia e Traumatologia do HC/FMUSP e a ONG Comitê Betinho dos funcionários do Grupo Santander Banespa. Leva o nome do educador, médico e escritor polonês Janusz Korczak, autor do livro "O Direito da Criança ao Respeito", que serviu de base para a formulação do Estatuto da Criança pela Organização das Nações Unidas.
Com móveis sob medida, decoração alegre e brinquedos adequados às condições físicas e faixas etárias das crianças internadas, a brinquedoteca irá proporcionar aos pequenos pacientes momentos de lazer e integração. "As brincadeiras amenizam a tensão do ambiente hospitalar, facilitando a recuperação", afirma Rosângela Suarti Reis, diretora do Serviço Social do Instituto de Ortopedia e Traumatologia.
O espaço estará aberto à participação de voluntários que desejarem desenvolver atividades de recreação junto às crianças e acompanhantes. Brinquedos novos e semi-novos podem ser doados. Os telefones para informações são 3069-6311, com Sílvia, ou 3069-6943, com Malu.

Índice de reclamações de consumidores já está no portal da ANS

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) já colocou em seu portal - www.ans.gov.br - o Índice de Reclamações de junho, que compara as reclamações com indícios de irregularidades feitas pelos consumidores de planos de saúde com as apresentadas em maio. A medida permite que a evolução da qualidade do atendimento das operadoras de planos de saúde seja acompanhada mês a mês pelos consumidores e profissionais de saúde, informa a Agência Brasil. O Índice apresenta as operadoras divididas em três grupos: mais de 50 mil consumidores; menos de 50 mil e mais de 10 mil, e aquelas com menos de 10 mil consumidores.
No índice de junho, o grupo de mais de 50 mil consumidores é integrado por 140 operadoras que atendem 24,1 milhões de consumidores. Em primeiro lugar, o paulistano Unibanco Aig Saúde Seguradora S/A registrou índice de 0,32 e, em segundo, a fluminense Unimed São Gonçalo, 0,29. A carioca Caixa de Assistência dos Advogados do Estado do Rio de Janeiro ficou em terceiro, com índice de 0,27, subindo do 17º lugar em que estava no índice de maio.
O grupo com menos de 50 mil e mais de 10 mil consumidores é integrado por 378 operadoras, com 8,3 milhões de consumidores. A Universo Assistência Médica S/C Ltda., que tem sede no município de Santo André, na Paraíba, pulou para o primeiro lugar com índice de 2,67, depois de ocupar o quarto em maio. Ficou em segundo lugar, com índice de 2,34, a carioca Save Assistência Médica e Hospitalar S/C Ltda, que estava em primeiro em maio. A que apareceu em terceiro lugar no índice de junho não havia registrado reclamações em maio: Unimed de Limeira (SP), com índice de 1,81.
Com 1.004 operadoras e 3,2 milhões de consumidores, no grupo com menos de 10 mil consumidores se destacou a Planmed ? Plano Saúde São Francisco Ltda, que tem sede em Goiânia, com índice de 41,75, embora esta operadora não tenha recebido reclamações em maio. Em segundo lugar, com índice de 19,33, ficou a carioca NGO ? Consultoria e Administração Ltda., que apareceu em quarto lugar em maio. Sem reclamações em maio, surgiu em terceiro lugar a paulistana MB Assistência Médica S/C Ltda., com índice de 6,57.
Os consumidores de planos de saúde dispõem de atendimento especializado para tirar dúvidas e fazer reclamações. O Disque ANS: 0800-701-9656 atende de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h. Se preferir, o consumidor pode usar o e-mail Fale Conosco no portal www.ans.gov.br.

Obras Sociais Irmã Dulce passam por sua pior crise

As Obras Sociais Irmã Dulce (OSID), na Bahia, passam por sua mais grave crise financeira desde a morte da religiosa, em 1992. Tendo o Sistema Único de Saúde (SUS) como principal provedor (responsável por 83% de sua receita) e sem trabalhar com nenhum outro tipo de convênio particular, a entidade mantém a filosofia de sua mentora, que dizia que suas Obras eram ?a última porta? e, portanto, não deveriam restringir atendimento aos necessitados. Hoje, a OSID é a maior instituição filantrópica na área de Saúde do Norte/Nordeste, respondendo pelo maior volume de atendimentos da Bahia (com mais de 1 mil leitos) e recebendo, inclusive, pacientes de quase todos os Estados brasileiros. Mas a realidade dos últimos meses na instituição se traduz no déficit acumulado em R$ 1.684 milhão, somente no primeiro semestre (as despesas operacionais subiram em 13,40%). ?Além de fatores como inflação, queda de receita, aumento de despesas, um dos principais agravantes desta crise foi, sem dúvida, o crescimento em 21,75% nos atendimentos do Hospital Santo Antônio e em 12,45% no Ambulatório, comparando-se dados de junho de 2002 a junho de 2003?, explica Maria Rita Pontes, superintendente da OSID. Segundo ela, no ano passado, a instituição fechou seu balanço com déficit de R$ 1,7 milhão. ?Se continuarmos neste ritmo, a projeção para este ano é que esse valor chegue a R$ 3,37 milhões?, diz a superintendente.
Maria Rita Pontes, que também é sobrinha de Irmã Dulce, mantém a fé e a confiança na solidariedade das pessoas que têm amparado a instituição durante todos esses anos. ?A missão não pode se submeter às dificuldades. Irmã Dulce sempre enfrentou os obstáculos com criatividade e confiança, sem nunca prejudicar o atendimento à população carente?, afirma. Além de adotar drásticas medidas para contenção de despesas, a Superintendência da OSID lançou novo número telefônico (DDG) para arrecadação de doações (0800 284 5 284). De acordo com a superintendente, ?a idéia de unir forças para melhor servir à população carente estende-se, não só a órgãos públicos, grandes empresas, artistas ou personalidades, mas também a profissionais liberais, comerciantes ou cidadãos comuns que, de alguma forma, queiram e possam nos ajudar neste momento delicado?.
Para participar, ligue para 0800-284-5-284. Aceita-se ligações da Bahia, de São Paulo, do Rio de Janeiro, do Ceará e de Sergipe.
NÚMEROS DAS OBRAS SOCIAIS IRMÃ DULCE - MAIOR INSTITUIÇÃO FILANTRÓPICA NA ÁREA DE SAÚDE DO NORTE/NORDESTE
? 100% SUS
? 1,3 milhão de atendimentos/ano
? 2,5 mil atendimentos/dia
? 1,2 mil cirurgias/mês
? 65 mil exames laboratoriais/mês
? 1.021 leitos
? 500 moradores (idosos, portadores de deficiência, pacientes sociais e crianças abandonadas)
? 1.720 profissionais
? 600 voluntários
? Atendimento nas áreas médica, social e de educação
? 13 Núcleos de Atendimento à População (em Salvador e Simões Filho/BA)

Ministério defende suspensão de novos cursos superiores da saúde por 180 dias

Para conter a abertura indiscriminada de cursos na área de saúde, o Conselho Nacional de Saúde (CNS) recomendou ao Conselho Nacional de Educação e ao Ministério da Educação a suspensão pelo prazo mínimo de 180 dias, da criação de novos cursos. Essa suspensão valeria inclusive para as solicitações que estão sob a análise do CNS, informa a Agência Saúde.
Segundo a secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Maria Luiza Jaeger, a definição de critérios para a autorização de novos cursos é prioridade absoluta para o Ministério da Saúde. "Acima de tudo temos que levar em conta as necessidades de saúde da população e a regionalização da oferta", ressalta.
O Brasil possui hoje 119 cursos de Medicina e 334 de Enfermagem. Para Maria Luiza, a expectativa é que nos próximos seis meses, o Ministério da Saúde possa identificar a necessidade de ampliação de vagas para Medicina, e outras profissões da saúde, propor a melhoria da qualificação desses profissionais e regular a oferta, segundo as recomendações do CNS.
Outro ponto que está sendo avaliado é a necessidade dos cursos terem que ser submetidos a uma avaliação de suas condições de ensino, diretrizes curriculares, política de residências e especializações em serviço. Segundo Maria Luiza, o Ministério da Saúde já iniciou o primeiro desses estudos, focalizando os cursos de Medicina e Enfermagem , por serem as profissões majoritárias na atenção direta à saúde.
"O ministério defende também a necessidade de formar profissionais com perfil, número e distribuição adequada ao sistema de saúde para garantir acesso integral à saúde de todos os brasileiros", salienta Maria Luiza. Indicadores do Ministério mostram que dos 2.793 cursos da área da saúde, 51% da oferta está concentrada na região sudeste, especialmente em São Paulo, seguido de 21% na região Sul, e as demais com 28%. A Amazônia Legal, por exemplo, onde 80% das questões de saúde, são resolvidas com ações de atenção básica, tem 6% dos cursos e formação de profissionais inadequada.

ANAHP propõe mudança na Lei sobre cheque-caução

A Associação Nacional de Hospitais Privados - ANAHP - preparou um documento apoiando a decisão da ANS em proibir o cheque-caução. Para evitar constrangimentos aos pacientes, o grupo formado por 28 hospitais privados, percebidos como detentores de padrões de qualidade assistencial diferenciado, está propondo algumas alterações na minuta da ANS para que efetivamente sejam garantidos os direitos do paciente, informa a assessoria de imprensa da entidade. Segundo documento produzido pela ANAHP, os pacientes particulares e de Operadoras de Planos de Saúde que necessitam de procedimentos e/ou internações de urgência e/ou emergência (risco à vida, órgão ou função) devem, necessariamente, ser realizados independentemente de qualquer exigência financeira, não só por determinação legal, mas também - e principalmente - pela ética que regula o ato médico. A omissão de socorro nos casos em que o paciente encontra-se em risco efetivo é ilegal e condenável sob todos os aspectos.
Já os pacientes que não possuem plano de saúde, e em casos de procedimentos e/ou internações eletivas ou após a estabilização do quadro clínico do paciente atendido em caráter de urgência e/ou emergência, a Associação entende como legítima a prática da exigência e fornecimento de sinal e princípio de pagamento ou caução (garantia de pagamento).
Segundo a entidade, os mais diversos ramos de prestação de serviços ao mercado utilizam, regularmente, tanto o caucionamento quanto a exigência de sinal como prática habitual, sendo esta última expressamente autorizada pela legislação em vigor (Código Civil art. 417 a 420).

Instituto de Química da USP desenvolve curativo para queimados

O Instituto de Química da Universidade de São Paulo (IQ-USP), está desenvolvendo um curativo de hidrogel reforçado com fibras de polipropileno, um material plástico, ideal para o tratamento de queimados, informa a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). Hidrogéis são materiais poliméricos, com consistência similar à de uma gelatina, que retêm água em sua estrutura. Os curativos feitos com esse biomaterial, também chamados de membranas, não são novidade no mercado, mas sua fragilidade mecânica impede o uso de forma generalizada pelos hospitais porque se rompem com facilidade durante o manuseio.
Os médicos também reclamam que o curativo ainda é muito pequeno, não cobrindo áreas grandes do corpo. Com o reforço de polipropileno desenvolvido na USP, os curativos poderão ser fabricados em qualquer dimensão e não apenas no tamanho padrão de 8 por 15 centímetros. O aprimoramento do produto coube ao químico Luiz Henrique Catalani e sua equipe. Eles utilizaram o hidrogel criado pelo pesquisador polonês Janus Rosiak, cuja tecnologia foi transferida no início dos anos de 1990 para o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen).
Os curativos de hidrogel são formados por água (92% de sua massa) e polímeros (os 8% restantes), sendo que o polivinilpirrolidona (PVP) é seu principal componente. A maior vantagem em relação aos curativos tradicionais, feitos de gaze, é que ele reduz a dor provocada pela queimadura.

Cresce busca por acreditação

Cresce o número de hospitais acreditados no Brasil. Dia 7 de julho, seis unidades se certificaram através de entidades credenciadas pela Organização Nacional de Acreditação (www.ona.org.br) que trabalha em convênio com Agência Nacional de Vigilância Sanitária. O hospital da Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD), de São Paulo; o Márcio Cunha, da Usiminas, de Ipatinga (MG); o Anchieta, de Taguatinga (DF); o Monte Sinai, de Juiz de Fora (MG); além do Hospital Estadual de Diadema e do Geral de Pirajussara, ambos de São Paulo, foram os que conquistaram o reconhecimento pelo novo padrão de assistência alcançado.
Os hospitais Anchieta e Marcio Cunha receberam graduações extras, em função do nível de atendimento às normas estabelecidas pela ONA: o Anchieta alcançou o nível 2, acreditação plena, o hospital Marcio Cunha, o nível 3, acreditação com excelência.
A diretoria da ONA espera um ritmo mais constante de acreditação no segundo semeste devido ao volume de avaliações contratadas.

Maternidade São Paulo reabre com 57 leitos

Em meados do mês passado, a Maternidade São Paulo demitiu todos os funcionários e suspendeu o atendimento aos conveniados e pacientes do SUS. Agora, sob nova administração, o tradicional hospital volta a funcionar com 57 leitos, 60% da capacidade total. A impossibilidade de pagar fornecedores, funcionários e impostos levou a Maternidade de São Paulo a baixar as portas e contratar um novo gestor para administrar um montande de R$ 35 milhões em dívidas. O primeiro passo para contornar as dívidas foi controlar os gastos, revela Davi Holanda, quer ao lado de Antônio Carvalho, assumiu a gestão do hospital. "Reabrimos com 60% da capacidade e até o final do ano queremos colocar a maternidade em pelo funcionamento. Precisamos atender para gerar receita", afirma Holanda.
Além de trabalhar na redução da dívida, os gestores estão negociando novas formas de parcelamento e afirmam que o retorno tem sido positivo. "Estamos com o nosso estoque de suprimentos em dia e planejamentos inovações tecnológicas até o final deste ano", afirma Holanda.
Atualmente, a maternidade conta com 120 funcionários no corpo clínico, incluindo alguns da antiga gestão e novas contratações, um número ainda pequeno diante do quadro de mil colaboradores que o hospital já teve. "É o recomeço de um trabalho", conclui o gestor.

Laboratório do Hospital Neomater cria novo serviço

O Laboratório de Análises Clínicas do Hospital e Maternidade Neomater criou um novo serviço: a realização de exames de capacitação espermática (Swim-up), técnica utilizada para inseminação artificial. Dirigido a clínicas de reprodução humana e ginecologistas, o novo serviço vem facilitar a vida dos pacientes do Grande ABC, que são obrigados a recorrer a laboratórios de São Paulo para fazer o exame.
A técnica Swim-up, que auxilia casais em tratamento para fertilidade, tem como principal vantagem à recuperação das células do esperma de alta qualidade, aumentando a possibilidade de fecundação. Segundo o laboratório, a técnica elimina o plasma seminal, debris, material amorfo, células esfoliativas, espermatozóides mortos, imóveis e aqueles sem velocidade de progressão direcional, para obter uma amostra limpa composta de espermatozóides com maior possibilidade de vida. Além disso, a técnica recupera cerca de 20% dos espermatozóides móveis presentes, deixando-os mais fortes e aptos para a fecundação.
Com uma equipe formada por biomédicos e biólogos, o Laboratório de Análises Clínicas do Neomater realiza exames bioquímicos, hematológicos, genéticos, hormonais, imunológicos, microbiológicos, parasitológicos, urinálises e outros.
O laboratório atende 24h e realiza coleta domiciliar para as pessoas que não podem se deslocar até o hospital, que fica na avenida Winston Churchil, 151, Rudge Ramos, no Grande ABC (SP).