Home care como saída para falta de leitos

shutterstock_304346579

O debate sobre a humanização da saúde e a redução dos custos operacionais de assistência na rede convencional depara diretamente com iniciativas como o home care, serviço que apresentou um crescimento de 15% no último ano. Apesar dos números, ainda falta um caminho muito grande a percorrer pelos hospitais de retaguarda e de permanência, que até hoje não contam com uma regulamentação sobre o assunto. E este é um dos grandes desafios para a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) e uma provável saída em meio à crise: a inclusão do atendimento domiciliar no rol de procedimentos.

Há ainda outra questão, mais relacionada à ideia equivocada de o hospital ser o lugar mais adequado para o atendimento do paciente, sendo a sugestão do tratamento domiciliar uma saída meramente para corte de custos em detrimento de um tratamento efetivo. O que muitos desconhecem é que o home care é uma tendência mundial. Estima-se que nos Estados Unidos, até 2020, serão 1,3 milhões de usuários deste tipo de serviço.

Em função do avanço nas tecnologias para a área médica, várias doenças podem ser tratadas em casa e com a vantagem de ficar longe dos hospitais, atualmente os locais onde o paciente corre mais alto risco de contaminação. Por isso mesmo, a “desospitalização” contribui para a diminuição da média de permanência dos doentes no ambiente hospitalar, e, consequentemente, o aumento do número de leitos oferecidos. Isto implica em redução de custos para os hospitais, sem prejuízos para os pacientes. A cada paciente que se tira do hospital, gera-se 60 leitos vazios no fim do mês.

Segundo pesquisa do Instituto de Estudos sobre Saúde Suplementar (IESS), as internações são responsáveis por 56% dos custos e devem aumentar 30% nos próximos 15 anos. Por conta do envelhecimento da população, o total de internações para a faixa etária de 59 anos ou mais vai crescer 105% no período, o que demonstra o tamanho do desafio que vem pela frente para o setor de saúde suplementar.

O atendimento primário domiciliar surgiu em 1947 nos Estados Unidos e na Europa, sendo que no Brasil teve início em 1949, com o chamado Serviço de Assistência Médica Domiciliar e de Urgência - SAMDU (Ministério do Trabalho). Em 1960, o Hospital dos Servidores Públicos do Estado de São Paulo criou o Serviço de Assistência Domiciliar.

Dito isto, afigura-se indispensável a atenção à saúde domiciliar, com relevante valor social atribuído à prestação de serviços, de forma equiparada à hospitalar. Isto porque o sistema de home care foi desenvolvido como extensão do tratamento hospitalar, visando ao bem-estar do paciente, à melhoria de suas condições de vida e à contribuição para sua cura. O fato de evitar a incidência de infecção hospitalar e possibilitar a permanência do paciente no seio da família produz notórios benefícios para a sua recuperação.

ricardo_ramires_filho_2016Cabe salientar que o termo home care traduz a prestação de serviços equiparados aos hospitalares, promovendo ações de atenção domiciliar aos usuários que necessitam de cuidados específicos. É desenvolvido por meio de um plano de atenção, com a atuação de uma equipe multidisciplinar e de ações assistenciais de caráter intensivo, no intuito de atingir o equilíbrio da condição de saúde de seus pacientes e minimizar o elevado índice de consultas e internações desnecessárias em hospitais e prontos-socorros.

Com o home care, se busca dar efetividade à garantia fundamental à saúde pública dos brasileiros, em função das dificuldades operacionais para os cidadãos exercerem esse direito fundamental, previsto no artigo 196 da Constituição Federal de 1988. No entanto, a busca por um modelo que colabore para desafogar o sistema de saúde no Brasil, sem deixar de lado à atenção ao paciente, ainda precisa de um longo caminho a percorrer.

Teva conclui aquisição da Actavis

shutterstock_334043420

A farmacêutica Teva anuncia a conclusão do processo de aquisição da Actavis – área de genéricos da Allergan –, após o recebimento das aprovações necessárias das autoridades governamentais.

"Esta aquisição estratégica reúne duas empresas líderes no setor de genéricos, com marca e cultura complementares. Quando combinamos os portfólios de genéricos das duas companhias, reforçamos ainda mais nosso objetivo de entregar produtos da mais alta qualidade, com os preços mais acessíveis. O resultado é uma companhia mais competitiva, forte e bem posicionada para prosperar em um mercado global em evolução e oferecer mais valor aos nossos acionistas”, diz o presidente e CEO da Teva, Erez Vigodman.

O executivo continua: "A aquisição da Actavis vem em um momento em que Teva está muito forte, tanto nos produtos genéricos como nos produtos de marca. Com esse negócio, estamos estabelecendo uma base sólida de longo prazo e um crescimento sustentável. Tudo isso ancorado por produtos genéricos líderes e um pipeline inigualável que acelerará nossa capacidade de construir um portfólio excepcional, tanto em genéricos como em especialidades".

De acordo com Vigodman, a companhia está confiante na rápida integração das duas empresas. “Como resultado do nosso perfil financeiro, reforçado em consequência dessa transação, estaremos ainda melhor posicionados para aproveitar todos os benefícios de Pesquisa e Inovação da TEVA, a fim de sustentar o desenvolvimento de produtos de primeira linha e expandir nosso portfólio. Esperamos um aumento do fluxo de caixa nos próximos anos e continuaremos a avaliar oportunidades para entregar retornos atraentes e contínuos aos acionistas".

Com a aquisição, a Teva tem agora mais de 325 registros de produtos pendentes de aprovação no FDA e mantém a posição de liderança em oportunidades “first-to-file” com 123 novos medicamentos genéricos em aprovação nos EUA.

Aumento comercial global

A aquisição da Actavis melhora as oportunidades comerciais internacionais e aumenta significativamente a escala global das vendas e plataformas de pesquisa e desenvolvimento. A Teva passa a ter presença comercial em 100 mercados, incluindo uma posição de liderança TOP 3 em mais de 40 mercados.

Destaques financeiros

A Teva espera alcançar sinergia de custos e economia de impostos de aproximadamente US$ 1,4 bilhão anualmente, em grande parte por ocasião do terceiro aniversário do fechamento da transação. A Teva prevê economias geradas pela eficiência nas operações, gastos gerais administrativos, fabricação, venda e marketing.

A Allergan recebeu US$ 33,75 bilhões em dinheiro e aproximadamente 100 milhões em ações da Teva.

Forte time global combinado à profunda experiência em todo o negócio

As duas empresas contam com cultura e estratégia muito próximas, e a Teva está focada em alavancar competências e talentos em ambas as organizações. A equipe de gestão é composta por líderes da Teva e da Actavis, e está estruturada para alavancar a força dos talentos de ambas as organizações para garantir que a Teva continue fortalecendo-se como líder mundial em genéricos. Com essa estrutura, a empresa está imediatamente posicionada para maximizar o crescimento em todos os seus negócios globais.

"Aqui no Brasil, estamos muito confiantes em que essa aquisição ampliará ainda mais nossa presença regionalmente e permitirá a oferta de produtos de alta qualidade com preços acessíveis, sempre focados na melhoria da qualidade de vida dos pacientes”, explica Nicolas Lodola, gerente geral da Teva Brasil.

Integração operacional e prontidão

Desde que o acordo de aquisição foi anunciado, em julho de 2015, as equipes da Teva e da Actavis trabalham com muito cuidado para planejar a integração das duas companhias, garantindo a operação logo após o fechamento da transação. Como resultado dessas ações, a Teva começará a capitalizar os benefícios oferecidos pela aquisição da Actavis imediatamente.

Lodola finaliza: "A Teva tem o histórico de realizar grandes transações de forma efetiva, com alto nível de adaptação do negócio, oferecendo rapidamente aos pacientes e familiares todos os benefícios que uma aquisição como essa pode oferecer”.

Sobre a Teva

A Teva Farmacêutica é líder global no setor farmacêutico e oferece soluções com alta qualidade voltadas para a melhora da qualidade de vida. Com sede em Israel, a Teva é o maior produtor de medicamentos genéricos do mundo, aproveitando um portfólio com mais de 1.000 moléculas para produzir uma ampla gama de produtos genéricos para quase todas as áreas terapêuticas. Além disso, a Teva tem uma posição de liderança mundial em tratamentos inovadores para doenças do sistema nervoso central, incluindo a dor, bem como um forte portfólio de produtos para a área respiratória. A divisão de pesquisa e desenvolvimento da Teva integra medicamentos genéricos e de marca, criando novas formas de abordagem para as diferentes necessidades dos pacientes e combinando o desenvolvimento de novas drogas com dispositivos, serviços e tecnologias. No Brasil desde 2006, oferece produtos para Saúde Feminina, Oncologia, Respiratória, Neurologia, Hematologia e Infectologia. A receita líquida global da Teva totalizou US$ 19,7 bilhões em 2015.

Para mais informações, acesse www.tevabrasil.com.br.

Declaração de Safe Harbor da Teva no âmbito da Lei U. S. Private Securities Litigation Reform de 1995:

Este comunicado contém declarações prospectivas, as quais são baseadas em crenças e expectativas atuais da gerência e envolvem uma série de riscos e incertezas conhecidos e desconhecidos que podem causar resultados futuros, desempenho ou realizações, diferentes significativamente dos resultados, desempenho ou realizações expressos ou implícitos por tais declarações prospectivas. Fatores importantes que podem causar ou contribuir para tais diferenças incluem riscos relacionados com: nossa capacidade de desenvolver e comercializar produtos farmacêuticos adicionais; concorrência para os nossos produtos de especialidades e realizar os benefícios previstos de tal aquisição (e o momento de realizar tais benefícios); o fato de que, após a consumação da aquisição Actavis Generics, que será dependente numa extensão muito maior do que anteriormente em nosso negócio de produtos farmacêuticos genéricos; eventuais restrições à nossa capacidade de realizar operações adicionais ou incorrer em endividamento adicional, como resultado da quantidade substancial de dívida que irá incorrer para financiar a aquisição Actavis medicamentos genéricos; o fato de que, por um período de tempo após a consumação da aquisição Actavis Generics, teremos significativamente menos dinheiro na mão do que anteriormente, o que poderia afetar adversamente nossa capacidade de crescer; a possibilidade de multas relevantes, multas e outras sanções e outras consequências adversas decorrentes de nossas investigações da FCPA em curso e questões conexas; nossa capacidade de alcançar os resultados esperados de investimentos em nosso pipeline de especialidade e outros produtos; nossa capacidade de identificar e com sucesso licitação para alvos de aquisição adequados ou oportunidades de licenciamento ou para consumar e integrar aquisições; na medida em que qualquer problema de fabricação ou controle de qualidade prejudicar a nossa reputação para a produção de qualidade e exigir cara remediação; maior escrutínio do governo nos EUA e na Europa dos nossos acordos de patentes; nossa exposição a flutuações e restrições de moeda, bem como riscos de crédito; a eficácia das nossas patentes, acordos de confidencialidade e outras medidas para proteger os direitos de propriedade intelectual de nossos medicamentos especiais; os efeitos das reformas na regulação da saúde e preços farmacêutica, reembolso e cobertura; concorrência para os nossos produtos genéricos, tanto de outras empresas farmacêuticas e, como resultado do aumento das pressões de preços governamentais; investigações governamentais em vendas e práticas de marketing, especialmente para os nossos produtos de especialidades farmacêuticas; efeitos adversos da instabilidade política ou econômica, grandes hostilidades ou atos de terrorismo em nossas operações mundiais significativos; interrupções na nossa cadeia de fornecimento ou problemas com sistemas de tecnologia da informação, de terceiros interna ou que afetem negativamente nossos processos de fabricação complexos; rupturas significativas de nossos sistemas de tecnologia da informação ou de violações da nossa segurança de dados; concorrência para as nossas empresas farmacêuticas especializadas de empresas com maiores recursos e capacidades; o impacto da consolidação dos nossos distribuidores e clientes contínua; a diminuição de oportunidades para obter EUA exclusividade de mercado para novos produtos genéricos significativos; responsabilidade potencial nos EUA, na Europa e em outros mercados para a venda de produtos genéricos antes de uma resolução final do litígio de patentes pendentes; nossa potencial exposição a reclamações de responsabilidade do produto que não são cobertas pelo seguro; qualquer falha em recrutar ou reter pessoal-chave, ou para atrair executivo adicional e talento gerencial; qualquer falha em cumprir o Medicare e Medicaid complexo obrigações de declaração e pagamento; imparidades significativas relacionadas a ativos intangíveis, boa vontade e imóveis, instalações e equipamentos; os efeitos do aumento da alavancagem e nossa dependência resultante sobre o acesso aos mercados de capitais; aumenta potencialmente significativas nos passivos fiscais; o efeito sobre a nossa taxa de imposto efetiva global da rescisão ou expiração de programas governamentais ou de benefícios fiscais, ou de uma mudança em nosso negócio; variações em leis de patentes que podem afetar adversamente nossa capacidade de fabricar os nossos produtos de forma mais eficiente; riscos ambientais; e outros fatores que são discutidos em nosso Relatório Anual no Formulário 20-F para o ano encerrado em 31 de dezembro de 2015 e em nossos outros arquivamentos com os EUA Securities and Exchange Commission (a "SEC"). As declarações prospectivas valem somente para a data em que são feitas e não assumimos nenhuma obrigação de atualizar ou revisar qualquer declaração prospectiva ou outras informações, seja como resultado de novas informações, eventos futuros ou de outra forma.

Startup lança plataforma online que permite orientação psicológica pela internet

shutterstock_220478947

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 11 milhões de brasileiros adultos sofrem de depressão. Os gastos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) com benefícios para trabalhadores afastados por transtornos mentais chegam a R$200 milhões por ano. Com o objetivo de confrontar essas estatísticas e proporcionar um estilo de vida mais saudável, chega ao mercado brasileiro o Zenklub. A startup desenvolveu uma plataforma de orientação psicológica online que permite a pacientes ter acesso a psicólogos de maneira remota, com flexibilidade de horário e pagamento online com valores competitivos. A atividade é reconhecida pelo Conselho Federal de Psicologia (CFP).

O médico português Rui Brandão (CEO) percebeu durante sua prática profissional em países como Estados Unidos, Áustria e Portugal que o sistema médico estava mais focado em curar doenças que em promover saúde e bem-estar. "Quando vi que a raiz de boa parte daqueles males era mental, senti que precisava agir para ajudar as pessoas. Pude perceber como os transtornos psíquicos afetam não só o paciente como todos em seu entorno”, explica. Morando no Brasil, ele se juntou ao sócio programador Tiago Curião e resolveu investir em uma nova ideia que sanasse o problema com apoio da tecnologia.

O principal objetivo da empresa é romper estigmas e barreiras no que diz respeito a serviços de saúde mental. "Queremos ser o lugar de referência para aqueles que desejam explorar seu potencial emocional, acabando com a timidez de se apresentar na recepção de um consultório e possibilitando o atendimento por vídeo chamada no computador da sua casa”, complementa Brandão.  Para tal, foi elaborado um modelo de negócios que permite fixar preços convidativos às sessões: o atendimento custa a partir de R$80. Segundo tabela do Conselho Regional de Psicologia (SP), cobra-se em média R$ 157 por um diagnóstico, portanto os valores chegam a praticamente metade do que se pratica em São Paulo.

O Conselho Federal de Psicologia (CFP), assim como os Conselhos Regionais, aprovam e incentivam a atividade de orientação psicológica online conforme a Resolução CFP nº11/2012. O Zenklub atua de acordo com as especificações dos órgãos e se compromete a manter a privacidade das conversas por meio de um sistema de encriptação que impossibilita o acesso ao que é falado em sessão.

Seleção de profissionais

Um dos diferenciais do Zenklub é a curadoria de psicólogos que integram a equipe da startup. O processo de escolha é dividido em duas etapas. A primeira consiste na análise do currículo do profissional e sua experiência. A segunda é uma entrevista com um membro do corpo clínico em que o psicólogo se aprofundará sobre sua prática clínica e deverá apresentar os devidos registros e licenças.

Além de obter retorno financeiro melhor do que o oferecido pelos planos de saúde, o profissional de psicologia que faz parte do quadro doZenklub não tem custos relacionados a deslocamento e aluguel de consultório. “Não existe nenhuma tarifa para se filiar, somente um repasse ao site no caso de um atendimento realizado. A flexibilidade de horários para atendimento que nosso sistema online proporciona pode potencializar os ganhos dos nossos parceiros”, completa Brandão.

As perspectivas são de que o Zenklub aumente sua equipe de psicólogos para 100 profissionais até o fim do ano. Também se projeta um crescimento mensal de 30% no número de consultas realizadas.

Valores e Funcionamento

As consultas são pagas individualmente, conforme são agendadas. Os valores são divididos em três categorias dependendo da experiência do psicólogo e todas contemplam o atendimento de 50 minutos por meio de uma consulta online.

  • ZenPro– R$80: 3 anos ou mais de experiência e pós-graduados ou em processo de especialização;
  • ZenMaster– R$130: 8 anos ou mais de experiência sendo mestres ou doutores;
  • ZenExpert - R$250:  15 anos ou mais de experiência sendo especialistas de referência.

Veja o passo a passo para fazer a sua consulta:

  1. Crie sua conta em www.zenklub.com.br
  2. Escolha seu psicólogo
  3. Escolha seu horário
  4. Pague pela sessão usando cartão de crédito
  5. No dia indicado, clique em “Iniciar sessão” e aproveite

Sobre o Zenklub

Zenklub (www.zenklub.com.br) é uma startup brasileira que desenvolveu uma plataforma de orientação psicológica online que permite a pacientes ter acesso a psicólogos de maneira remota, com flexibilidade de horário e pagamento online. O objetivo da empresa é promover um estilo de vida saudável por meio da quebra de estigmas e barreiras no que diz respeito a serviços de saúde mental. No escopo tecnológico, trabalha-se para que o Zenklub – hoje um site responsivo – ganhe o formato de aplicativo. Também estão nos planos a promoção de workshops entre psicólogos, desenvolvimento de sistemas de avaliação dos psicólogos e outras atividades voltadas para esse público. Os profissionais da área têm acesso gratuito ao site que funciona como um consultório virtual.

Pfizer lança prêmio para incentivar jovens empresas brasileiras na busca por soluções digitais em saúde

shutterstock_277863239

Descobrir jovens empresas de tecnologia e incentivar o desenvolvimento de soluções digitais inovadoras que contribuam para os cuidados com a saúde.  Esse é o objetivo da 2ª edição do prêmio Desafio Pfizer, que selecionará três startups nacionais de Saúde Digital para um programa de mentoria com executivos da Pfizer no Brasil e nos Estados Unidos. Os interessados em participar da iniciativa, promovida em parceria com a Berrini Ventures, aceleradora de startups na área da saúde, podem se inscrever por meio do site www.desafiopfizer.com.br, até o dia 4 de setembro.

“O sucesso obtido no lançamento do prêmio em 2015 nos motivou a planejar uma nova edição. Para a Pfizer, que tem a inovação em seu próprio DNA e investe fortemente empesquisa e desenvolvimento em busca de novos tratamentos, essa é uma grande oportunidade de impulsionar o desenvolvimento de produtos e soluções que ajudem a melhorar a prática médica e, consequentemente, a vida dos pacientes, criando valor para a sociedade como um todo”, afirma o diretor comercial da Pfizer, Vagner Pin, que também lidera na companhia a área de Multi-Channel Marketing, idealizadora do projeto.

Startups brasileiras podem participar em três etapas: early-stage (em fase inicial de desenvolvimento), commitment (empresas já constituídas, com solução em uso beta por usuários) e scalling (com produtos finalizados e em crescimento expressivo no número de clientes). Entre as empresas inscritas, 12 serão selecionadas para apresentar seus projetos a uma banca multidisciplinar formada por executivos da Pfizer, da Berrini Ventures e de hospitais e grandes empresas na área de saúde.

As três vencedoras serão anunciadas no dia 27 de setembro, durante o Hospital Innovation Show, em São Paulo. Entre os mentores do prêmio estão Maria Lanzarone (diretora de Produto para a América Latina da Pfizer Inc), Sílvio Ferrari (diretor de Marketing e Vendas da Área Hospitalar da Pfizer Brasil) e Fernando Cembranelli (CEO da Berrini Ventures). O grupo terá encontros presenciais e virtuais com as startupsvencedoras.

Os três primeiros colocados participarão do ciclo de aceleração da Berrini Ventures. Só nos Estados Unidos, o setor de Digital Health recebeu quase US$ 1 bilhão em investimento nos primeiros quatro meses do ano. No Brasil, o mercado ainda é incipiente, mas tem grande potencial de se desenvolver”, destaca Cembranelli.

Globalmente, desde 2004, a Pfizer investe em empresas inovadoras em todo o mundo por meio da Pfizer Venture Investments, seu braço em Venture Capital.

Vencedores da primeira edição

A primeira edição do Desafio Pfizer foi realizada no ano passado. Os quatro vencedores foram a LinCare (que desenvolveu uma pulseira inteligente para monitoramento de idosos), Epistemic (com um projeto de dispositivo para detecção antecipada de surtos epilépticos), DoctorID (tecnologia para gestão de escalas e plantões médicos) e Clever Care (solução para monitoramento de pacientes a distância).

Para a fundadora da LinCare, a empresária Ana da Mata, participar do Desafio Pfizer foi uma experiência rica, que ajudou a empresa a se desenvolver. O contato com uma empresa de renome mundial nos fez amadurecer e enxergar possibilidades por meio da ajuda e da colaboração dos mentores da Pfizer. Ganhamos uma aprovação do negócio e a ajuda de experts que colaboraram com a startup, afirma. Ela destaca também a importância do apoio da Berrini Ventures para as startups vencedoras no processo de aproximação do mercado de São Paulo. “Trocamos contatos, participamos de eventos e nos ajudamos. Foi incrível”, completa.

Um dos mentores da primeira edição do prêmio, o diretor da Unidade de Vacinas da Pfizer Brasil, Marco Ferrazoli, destaca que a parceria com as startups é um processo de aprendizagem mútuo, em que ambas as partes saem fortalecidas. “De um lado, provocamos os empreendedores para que pudessem desenvolver uma visão mais estratégica de planejamento e de gestão financeira, sempre pensando no longo prazo. Ao mesmo tempo, também aprendemos lições importantes que estão totalmente alinhadas com as premissas de uma organização global, como pensar grande, mas sem esquecer que muitas vezes é preciso começar de baixo, sempre validando as estratégias ao longo do percurso”, ressalta.

Serviço

Desafio Pfizer 2016

Inscrições: até 4 de setembro, por meio do site www.desafiopfizer.com.br

Avaliação das 12 startups finalistas: 15 de setembro

Premiação das 3 startups vencedoras: 27 de setembro

HIS – Hospital Innovation Show - São Paulo Expo (Ex-Imigrantes)

Sobre a Pfizer

Presente em 175 países, a Pfizer realiza um intenso trabalho de pesquisa e desenvolvimento para melhorar a qualidade de vida das pessoas e oferecer soluções inovadoras aos grandes desafios do mundo contemporâneo ligados à saúde.  Seu portfólio se concentra em sete áreas: imunologia e inflamação; oncologia; doenças cardiovasculares e metabólicas; dor e neurociência; vacinas, doenças raras e biossimilares.  São 150 opções terapêuticas entre medicamentos, vacinas e os mais famosos produtos isentos de prescrição do mundo. A companhia investe por ano US$ 7 bilhões no desenvolvimento de novos tratamentos, numa empreitada que envolve 260 parceiros, entre universidades e centros de tecnologia. Em todo o mundo, a Pfizer apoia projetos sociais associados à saúde, desenvolvimento social, educação e respeito ao meio ambiente. Com 166 anos de história, dos quais mais de 60 anos no Brasil, a companhia trabalha para fazer a diferença na vida das pessoas e ampliar o alcance da população aos seus tratamentos.

Sobre a Berrini Ventures

Maior aceleradora em saúde do Brasil, a Berrini Ventures dedica o seu trabalho com startups ao ganho de mercado, momento crucial no desenvolvimento das empresas. O objetivo é integrar empresas inovadoras a um ambiente de negócios, com relacionamentos e aceleração contínua, para solucionar os grandes desafios do sistema de saúde.

www.berriniventures.com.br

Pacientes do novo AME Lorena podem retirar os resultados de exames pela internet

Governador inaugura novo AME Lorena.
O governador do estado de São Paulo, participa da cerimônia de inauguração do novo Ambulatório Médico de Especialidades (AME). Data: 15/06/2016. Local: Lorena/SP. Foto: Gilberto Marques/A2img

Contando com a presença do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, o novo Ambulatório Médico de Especialidades (AME) em Lorena foi inaugurado no último dia 16. A unidade beneficiará os habitantes da cidade de Lorena e de outros 16 municípios do Vale do Paraíba com consultas e a realização de exames e de cirurgias de baixa e média complexidade.

Para que os pacientes não precisem se deslocar para retirar os resultados de seus exames, o novo ambulatório conta com o Portal de laudos e imagens na internet VeDocs, distribuído pela Inovapar Soluções e desenvolvido pela Touch Health. Pelo Portal do AME Lorena, mediante número de protocolo e senha, é possível obter resultados de urina e sangue, por exemplo, e de exames de imagem, como tomografia computadorizada, ressonância magnética, mamografia, raios x, ultrassonografia, entre outros.

O objetivo é proporcionar maior comodidade aos pacientes, principalmente àqueles que vêm de municípios vizinhos para realizar os exames em Lorena e que não precisarão retornar apenas para a retirada dos laudos. Além do Portal, o AME Lorena conta com a solução de elaboração de laudos Clirea ART, também distribuída pela Inovapar e desenvolvida pela Touch Health, para facilitar o trabalho dos médicos e agilizar a entrega dos resultados aos pacientes.

O AME Lorena oferece 31 especialidades aos pacientes encaminhados pelas Unidades Básicas de Saúde dos municípios. A unidade fica na Rua Dom Bosco, 562 - Centro, e funciona de segunda a sexta, das 7h às 19h. O website é http://www.amelorena.org.br/.

Sobre a Inovapar

A Inovapar é uma empresa de consultoria, projetos e integração de tecnologia com foco na área de saúde. Há mais de 15 anos no mercado, oferece soluções completas e complementares para clínicas, hospitais e laboratórios, além dos serviços de análise de negócio, gerenciamento de implantação, suporte e integração de sistemas e equipamentos. É channel partner de IT da GE Healthcare em 6 estados brasileiros e distribuidora exclusiva da Touch Health em toda América Latina.

http://www.inovapar.com.br

Sobre a Touch Health

A Touch Health é uma empresa nacional com mais de 15 anos de experiência, especializada no desenvolvimento de software para a área de saúde. Fornece diversas soluções de importante valor estratégico para seus clientes, com ênfase na área de diagnósticos - análises clínicas, anatomia patológica, exames de imagem e métodos gráficos. A distribuição dos seus produtos é feita pela empresa coligada, Inovapar Soluções, em toda América Latina. Está entre as melhores empresas para trabalhar no Brasil e na América Latina nos rankings do GPTW - Great Place to Work®.

www.touchhealth.com.br

Dr.Consulta abre novo centro médico na Barra Funda

image012

A partir de hoje, a rede de centros médicos, que oferece atendimento médico de forma acessível à população, tem uma nova unidade, desta vez na Barra Funda. O agendamento de horários no local pode ser feito no site www.drconsulta.com em apenas dois minutos e a rede também disponibiliza o telefone (11) 2065-1321. Na maioria das vezes, horários disponíveis são encontrados para as 24 horas seguintes.

O local conta com profissionais para atendimento em especialidades como cardiologia, clínica geral, dermatologia, gastroenterologia, endocrinologia, ginecologia, oftalmologia, ortopedia e pediatria. Além disso, exames em várias modalidades. A unidade pretende atender também os bairros da região, como Piqueri, Jaguará, Água Branca, Freguesia do Ó, Lapa e Limão.

Para o vice-presidente médico de dr.consulta, Marcos Fumio, as novas inaugurações reforçam o objetivo da rede em levar o serviço de saúde de qualidade a um número ainda maior de pessoas. “Hoje, já fazemos mais 50 mil atendimentos médicos mensais e temos mais de 450 médicos à disposição dos pacientes. Além de consultas, oferecemos exames e cirurgias a fim de melhorar a qualidade de vida da população", destaca.

Os centros dr.consulta foram criadas por médicos dos hospitais Sírio-Libanês e Albert Einstein para oferecer saúde acessível e de qualidade à população sem plano de saúde. Atualmente, a rede disponibiliza mais de 1.000 exames, profissionais em 33 especialidades médicas e sete não médicas, como fisioterapeutas, dentistas, fonoaudiólogos, quiropraxistas, psicólogos e outros.

Outros lançamentos

dr.consulta, rede de centros médicos, inaugurou uma nova unidade no Largo Treze: a estrutura, localizada na Barão de Rio Branco, próximo à linha 5-Lilás do metrô, já está à disposição dos pacientes. Recentemente, centros foram abertos também na Avenida Brigadeiro Luís Antônio e no bairro Itaim.

A partir de 26/07

CENTRO MÉDICO dr.consulta Barra Funda

Endereço: Rua Quirino dos Santos, 242 (próximo ao metrô Barra Funda)

Horário: segunda a sexta das 6h30 às 18h. Aos sábados, das 6h30 às 13h

Agende em www.drconsulta.com / 2065-1321

Especialidades que o centro médico oferece:

  • Cardiologista
  • Clínico geral
  • Coloproctologista
  • Dermatologista
  • Endocrinologista
  • Gastroenterologista
  • Ginecologista
  • Nutricionista
  • Neurologista
  • Oftalmologista
  • Ortopedista
  • Pediatra
  • Psiquiatra
  • Psicólogo
  • Urologista
  • Vascular

[+] informações sobre dr.consulta

dr.consulta é uma rede de centros médicos que oferece consultas e exames de forma acessível para famílias sem acesso ao sistema de saúde. Médicos com boa formação, uma concepção de serviços centrada no paciente e o uso inteligente de tecnologia contribuem para uma experiência de atendimento de alta qualidade. Assim, o paciente economiza tempo e recursos, e tem acesso a uma vida mais saudável.  Fundada em 2011, a rede tem 16 unidades em operação (Sacomã,Jabaquara, São Bernardo do Campo, Nove de Julho, Tatuapé, Diadema, Santo André, Tucuruvi, República, Teodoro Sampaio, Santana, Itaquera, Itaim, Brigadeiro e SP Market) nas quais é possível agendar com rapidez exames de laboratório ou imagem e consultas em mais de 40 especialidades, comoginecologia, oftalmologia, cardiologia, dermatologia e otorrinolaringologia. O dr.consulta é uma prova de que serviços médicos de qualidade podem estar ao alcance de todos, desafiando a ideia de que o acesso à saúde qualificada é algo caro ou inatingível.

Pelo pioneirismo e qualidade de atendimento, o dr.consulta é parte do Projeto Visão de Sucesso – iniciativa da Endeavor que fomenta o empreendedorismo de impacto social. Também recebeu o prêmio Trip Transformadores 2015 pelo trabalho de promover o avanço coletivo e foi reconhecido na categoria Empreendedorismo da premiação “Excelência da Saúde” da revista Healthcare Management no mesmo ano.  Completam a lista de reconhecimento da rede, o Prêmio Lide de Empreendedorismo 2015, o Men of the Year da Revista GQ Brasil e empresa de Maior Impacto Social no Latam Founders Awards 2016.

Mais informações: http://www.drconsulta.com/

ONA será colaboradora da ANS no programa Qualiss

shutterstock_131585624 (2)

Além de ter sua acreditação reconhecida, a ONA (www.ona.org.br) foi convidada pela ANS - Agência Nacional de Saúde Suplementar para ser colaboradora do Qualiss – Programa de Qualificação de Prestadores de Serviços de Saúde. O objetivo é desenvolver um programa de indicadores para medir, coletivamente e por prestador, a qualidade dos serviços de saúde suplementar. 

Para o projeto, a ONA tem como parceira de tecnologia a 2iM Inteligência Médica (www.2im.com.br), empresa reconhecida pela ANS como entidade gestora de outros programas para o Qualiss. A previsão é que os critérios para o cálculo dos indicadores se tornem públicos a partir de outubro, quando o programa deve ser homologado pela ANS. As instituições de saúde poderão aderir ao programa de indicadores de forma voluntária e gratuita, independente da acreditação. Os dados serão encaminhados à ANS pela ONA.

O Qualiss é um programa que promove a qualificação dos prestadores de serviços de saúde e contribui para melhoria da assistência no país. 

Para mais informações sobre o Qualiss, visite o site da ANS.

Sobre a ONA

A Organização Nacional de Acreditação (ONA) é uma entidade não governamental e sem fins lucrativos que certifica a qualidade de serviços de saúde, com foco na segurança do paciente. Sua metodologia de acreditação é reconhecida pela ISQua (International Society for Quality in Health Care), associação parceira da OMS e que conta com representantes de instituições acadêmicas e organizações de saúde de mais de 100 países.

Com 17 anos de atuação e mais de 500 instituições certificadas, a ONA se consolidou como a principal acreditação de saúde do país.

Seus manuais são específicos para nove diferentes tipos de estabelecimentos: hospitais, ambulatórios, laboratórios, serviços de pronto atendimento, home care, clínicas odontológicas, clínicas de hemoterapia, serviços de terapia renal substitutiva e serviços de diagnóstico por imagem, radioterapia e medicina nuclear. A ONA também certifica serviços de apoio a instituições de saúde, como lavanderia, dietoterapia, esterilização e manipulação.

Ética Saúde é apresentado na Beneficência Portuguesa

shutterstock_281107127

A 1ª Semana de Ética e Compliance da Beneficência Portuguesa de São Paulo - BP, teve um evento especial destinado aos fornecedores da instituição que lá estavam representados por executivos da alta direção. O encontro foi aberto pela gerente executiva de Auditoria e Controles Internos da instituição, Florence Monteiro, lembrando que a BP tem Código de Conduta há oito anos - relançado em abril do ano passado com um Canal Confidencial com atendimento telefônico, caixa postal, e-mail e administrado por uma empresa independente. Recentemente a BP lançou a Política de Ética Corporativa.

Uma pesquisa de resultado imediato, realizada no início da participação, mostrou que 92% dos fornecedores presentes no evento possuem Código de Ética em suas empresas e que 97% consideram a companhia onde trabalham ética. Porém, a porcentagem caiu pela metade quando avaliaram a reputação da concorrência.

A primeira palestrante do evento foi a diretora-executiva do Ética Saúde, Claudia Scarpim. Ela apresentou a estrutura de Governança do Ética Saúde e esclareceu a autonomia do Instituto, que hoje tem personalidade jurídica própria e participação ativa de integrantes de diversos segmentos do setor de saúde.

A Diretora ressaltou que as empresas associadas optaram por trabalhar sob um conjunto de regras claras e transparentes - para prevenir e controlar todas as formas de corrupção/suborno -, apresentou os mais recentes números do Canal de Denúncias e informou que, assim como na Beneficência Portuguesa, ele é administrado de forma independente e por uma empresa externa.

Foram palestrantes também, da 1ª Semana de Ética e Compliance da Beneficência Portuguesa de São Paulo, o presidente da Johnson & Johnson Medical Devices, Márcio Coelho que ressaltou, entre outras coisas, a importância da ética individual dos colaboradores da empresa e o credo da companhia, e o presidente do Conselho de Administração da ANAHP, Francisco Balestrin que informou sobre a dedicação da Associação ao tema ética neste ano que será o tópico central do CONAHP, em novembro. Ao final a CEO da BP, Denise Soares de Souza, mediou um debate que ampliou as discussões sobre Ética e Compliance.

Sobre o Ética Saúde

O Ética Saúde surgiu em junho de 2015 com o Acordo Setorial - Importadores, Distribuidores e Fabricantes de Dispositivos Médicos para autorregular o mercado. Uma iniciativa do Instituto Ethos e da ABRAIDI, logo se tornou um marco na saúde. No início de 2016, o Ética Saúde passou a ter personalidade jurídica e virou um Instituto.

O Instituto Ética Saúde busca garantir a segurança do paciente por meio de uma conduta ética entre paciente e médico em um ambiente de concorrência justa e transparente. Os objetivos consentidos do Instituto Ética Saúde incluem evitar incentivos ilegais ou antiéticos para agentes públicos e privados, prática de atos médicos ilegais ou antiéticos, evasões fiscais, irregularidades regulatórias, concorrência desleal, violação de direitos do consumidor e falsificação.

Este arcabouço será fiscalizado por meio de denúncias anônimas ou identificadas, com apuração justa e realização de um cadastro público positivo, para revelar à sociedade quais empresas atuam efetivamente de forma ética. O Canal de Denúncias é o www.eticasaude.com.br ou o 0800-741-0015 e é administrado de forma independente pela ICTS Protiviti, empresa premiada pela Controladoria Geral da União – CGU como sendo "Pró-Ética", em 2015.

O Instituto Ética Saúde tem a governança formada por uma Assembleia Geral, onde fazem parte todos os associados; um Conselho de Administração, com mandato de dois anos e eleito pela Assembleia Geral; um Conselho Consultivo com representantes de entidades de todos os segmentos do setor de saúde; e o Conselho de Ética, órgão de caráter disciplinar formado por três integrantes, sem qualquer vínculo com o setor de saúde.

São atualmente integrantes do Conselho de Ética: o subprocurador da República, Antônio Fonseca, o presidente do Fórum Nacional Contra Pirataria, Edson Luiz Vismona e o professor da Universidade de São Paulo, Celso de Hildebrand e Grisi. E do Conselho Consultivo: além do Ethos e ABRAIDI, a Aliança Brasileira da Indústria Inovadora em Saúde – ABIIS, Associação Brasileira de Auditores em Saúde – AUDIF, Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Produtos para Saúde – ABIMED, Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes do Estado de São Paulo - FEHOSP, Associação Nacional de Hospitais Privados – ANAHP, Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios – ABIMO e Sociedade Brasileira de Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista – SBHCI.

Sociedade médica e ONGs lançam campanha nacional contra o câncer de colo de útero

shutterstock_362163986

 Para chamar a atenção dos brasileiros e dar voz às mulheres que enfrentam o câncer de colo do útero, sociedades médicas, especialistas e ONGs se uniram à Roche, líder mundial em oncologia, para lançar, em agosto, o movimento Força Amiga. A iniciativa tem como objetivo estimular o apoio à pacientes com a doença e incentivar o debate em torno do tema e todos os seus estágios.

Dividida em diferentes etapas, a campanha prevê ativação nas redes sociais, com o uso da hastag #ForçaAmiga, engajamento de celebridades, sensibilização da sociedade por meio de conteúdo na conta de luz, em parceria com a AES Eletropaulo, intervenções no Metro de São Paulo e Programa Poupatempo, além de disseminação de conhecimento entre os especialistas, jornalistas, blogueiras e influenciadores, para fomentar uma discussão integral sobre a doença. A iniciativa conta com o apoio da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), a Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO), o Grupo Brasileiro de Tumores Ginecológicos - EVA, a Associação Brasileira de Patologia do Trato Genitário Inferior e Colposcopia (ABPTGIC).

O câncer de colo do útero é o terceiro mais comum entre as brasileiras. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), serão 16.340 novos casos em 20161, um aumento de 4,8% na incidência (15.590 registrados em 2015). Estima-se ainda que mais de 5 mil mulheres morrem por ano em decorrência da doença, o que totaliza uma morte a cada 90 minutos2.

Segundo Dr. Gustavo Fernandes, médico oncologista e presidente da SBOC, o cenário da doença no País é alarmante. As taxas de sobrevivência para o câncer de colo do útero no Brasil estão abaixo daquelas observadas em países desenvolvidos3, refletindo um diagnóstico tardio e falhas no tratamento. Apesar da alta incidência e mortalidade, pouco se fala sobre a doença, principalmente na fase avançada. Uma pesquisa realizada recentemente pelo Instituto Datafolha, constatou que 73% dos brasileiros não conhecem pessoas que tenham ou que já tiveram câncer de colo do útero4. “A causa propõe uma verdadeira construção, passo a passo, de um futuro melhor para as mais de 16 mil mulheres que são diagnosticadas todos os anos com a doença”, reforça Fernandes.

Especialistas alegam que o conhecimento insuficiente sobre esse tipo de câncer e das ferramentas para sua prevenção e tratamento justificam as altas taxas de incidência, morbidade e mortalidade no País. A doença é causada pela infecção, persistente e não tratada adequadamente, por alguns tipos de vírus, entre eles o HPV, mal que atinge 685,4 mil pessoas no Brasil5, um problema que pode ser evitado.

Muitas vezes, barreiras culturais, como a vergonha de realizar exame ginecológico ou proibição por parte de companheiros, se somam à falta de informação. Por isso, a disseminação das ferramentas de controle, como vacina, exame preventivo de papanicolaou e avanços no tratamento precisam ser globalmente difundidos na população, explica Dr. César Eduardo Fernandes, presidente da FEBRASGO.

No Brasil, 77% das pacientes com câncer de colo do útero são diagnosticadas com a enfermidade já em fases mais avançadas6, quando começam a surgir os primeiros sintomas, como sangramentos e dores pélvicas. Neste cenário, a paciente passa a ser uma figura ignorada pela sociedade, muitas vezes abandonada pelos seus parceiros e tratada com terapias insuficientes na saúde pública. Sem voz para lutar pelos seus direitos, essas mulheres jovens e economicamente ativas partem precocemente, deixando filhos sem amparo.

O tratamento do câncer de colo do útero

Estudo brasileiro, publicado em 2014, com mais de 51 mil mulheres, evidenciou que 20% das brasileiras com câncer de colo do útero apresentam resposta terapêutica inadequada as tecnologias utilizadas atualmente6. Devido aos avanços científicos, existem novos recursos da medicina que podem aumentar a expectativa de vida mesmo com o diagnóstico de câncer de colo de útero avançado. A escolha da terapia ideal dependerá do estágio da doença e condições clínicas de cada paciente. Em muitos casos, os tratamentos oferecidos contemplam apenas as combinações de cirurgia, quimioterapia isolada ou radioterapia, deixando de lado o uso de terapias mais inovadores, que podem proporcionar maiores benefícios às pacientes que hoje já têm a doença e que muitas vezes não tiveram acesso às estratégias de prevenção.

Diante desse cenário, Anvisa aprovou recentemente a indicação de um medicamento biológico já utilizado em outros países e recomendado com alto nível de evidência científica, o bevacizumabe, como a primeira terapia-alvo oferecida para o tratamento do câncer de colo do útero e o único avanço nos últimos 10 anos para tratar a doença em seu estágio mais grave. Trata-se do primeiro medicamento biológico que trouxe o benefício de taxa de sobrevida global sem redução da qualidade de vida das pacientes com esta doença.

Atualmente, diversas ações já foram implementadas no Brasil para o combate ao câncer de colo do útero, desde a vacina contra o HPV até o aprimoramento da qualidade do Papanicolaou e a cirurgia de lesões precursoras. Porém, especialistas, como o médico oncologista Dr. Fernando Maluf, defendem que “são necessários avanços em todas as etapas da doença, incluindo novas alternativas medicamentosas no SUS, para que os médicos do setor público também possam prescrever o tratamento mais adequado para suas pacientes”. No dia Mundial do Câncer de 2016, foi discutido o gerenciamento completo do câncer, ao promover a expansão de políticas de diagnóstico, além de terapias paliativas e melhorar o acesso ao tratamento de câncer7. Por esse motivo, a conscientização sobre a doença e seu tratamento é a principal aliada na luta por mais qualidade de vida para as pacientes.

Sobre o perfil da brasileira com câncer de colo do útero

Entre as pacientes que lutam contra a doença figuram mulheres jovens, média de idade de 49 anos8, com baixa escolaridade e casadas. Essas mulheres enfrentam a realidade do diagnóstico do câncer de colo de útero e dão início a uma jornada com pouca informação, dificuldade de encaminhamento e acesso às inovações em tratamento.

A previsão é que apenas daqui a 18 anos a vacinação contra o HPV, amplamente disponível desde 2014, ajude na redução efetiva do número de casos de câncer de colo do útero, causados pelo papilomavírus (HPV). Até 2034, para muitas mulheres, esse câncer ainda poderá ser uma realidade, e o acesso à saúde integral da mulher é elemento estratégico para a inclusão social, busca de equidade e fortalecimento do sistema público de saúde.

“Patologias Nasais de Origem Odontogênica” é o tema do próximo V Academic Monday do Hospital Paulista

shutterstock_200737046

No dia 15 de agosto, o Hospital Paulista realizará a próxima palestra do V Academic Monday, que terá como tema: “Patologias Nasais de Origem Odontogênica”, ministrada pela Dra. Juliana Ribeiro do Vale Mussi, Cirurgiã Buco Maxilo Facial da instituição.

A Dra. Juliana abordará em sua apresentação quais são as principais patologias nasais com origem odontogênica e explicará as causas mais frequentes. O objetivo é demonstrar os sintomas, os tratamentos e técnicas mais eficazes para cada caso, além de alertar sobre a importância de identificar o problema o quanto antes para conseguir minimizar ou até reverter o quadro do paciente.

O Academic Monday é um curso de Educação Médica Continuada, criado pelo Hospital Paulista, com o objetivo de complementar e atualizar os profissionais médicos que atuam na especialidade de otorrinolaringologia.

Com duração de cerca de 40 minutos, iniciará às 19h no anfiteatro do Hospital Paulista e é direcionada a todos os otorrinolaringologistas que queiram se reciclar.

Para os interessados em assistir a aula, basta entrar em contato pelo telefone (11) 5087-8793, com Grasiele, ou pelo e-mail adm@hospitalpaulista.com.br. O prazo para as inscrições será até o dia 12 de agosto, às 12h.