faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Conheça os principais indicadores da Cardiologia do Mater Dei

shutterstock_258604652

Essas reuniões clínicas, que discutem a complexidade de casos clínicos em busca da melhor alternativa de terapêutica, são comuns nos grandes hospitais do mundo.

A Cardiologia passa por importantes avanços em tecnologias e tratamentos medicamentosos, resultando na melhora da qualidade de vida e sobrevida dos pacientes. “Estas inovações, antes de serem aprovadas para uso clínico, precisam ser comprovadas cientificamente por meio de estudos evolvendo grandes grupos populacionais (os chamados RCT – Randomized Controled Trials). Os grandes estudos fundamentam a prática científica denominada Medicina Baseada em Evidências. O volume de informações é imenso e deve ser analisado quanto à qualidade e aplicabilidade”, explica o coordenador do Heart team Mater Dei, Henrique Patrus.

O cardiologista conta que “o foco da medicina assistencial é o paciente, um indivíduo com suas particularidades, muitas vezes com doenças concomitantes, com possíveis interações de outros medicamentos, e portador de características e estilo de vida próprios. Estas particularidades não são perfeitamente contempladas e traduzidas pela ciência moderna, fundamentada em grandes estudos clínicos. Assim, cabe ao médico interpretar os sintomas e diagnósticos de seu paciente, considerar sua individualidade e, à luz dos estudos clínicos, decidir o melhor tratamento”.

Reuniões do Heart team

As reuniões do Heart team Mater Dei contam com médicos cardiologistas, cirurgiões cardiovasculares, hemodinamicistas, eletrofisiologistas, residentes e especializandos da Cardiologia e acontece semanalmente. “Há a discussão dos casos selecionados, com informações detalhadas de sintomas e exames, mas a identidade do paciente é absolutamente preservada. Assim, são feitas as considerações sobre a melhor opção terapêutica para o caso. A discussão multidisciplinar é fundamental pois, muitas vezes, a decisão envolve o tratamento com cirurgia cardíaca, ou tratamento endovascular realizado na Hemodinâmica, e/ou tratamento medicamentoso. Discutimos intensamente até que haja consenso quanto à melhor terapia. Estabelecemos, aqui no Heart team do Mater Dei, que a decisão final volta-se à responsabilidade do médico assistente”, explica Henrique Patrus. Ele acrescenta que “há uma grande satisfação com a estruturação do Heart Team. Os pacientes se sentem mais seguros ao reconhecerem que a decisão foi fundamentada por um grupo de especialistas; o médico assistente se sente amparado em suas decisões; o grupo de especialistas se aprimora cientificamente; os especializandos aprendem e ganham experiência em casos complexos. Neste contexto, as seguradoras ou convênios médicos podem ter a segurança de que o melhor tratamento sempre é discutido à luz do melhor conhecimento científico, com o paciente no centro da decisão clínica”.

Para o coordenador do Heart team Mater Dei, somente medindo os resultados da equipe é possível conhecer a efetividade do trabalho realizado. “Mensuramos, por meio de indicadores de qualidade, os nossos resultados nas principais intervenções cardiovasculares. Utilizamos como meta os índices dos melhores centros hospitalares internacionais. Estes dados são analisados pela equipe e coordenação da Cardiologia e apresentados/discutidos com a diretoria clínica e técnica durante reunião trimensal de Análise Crítica”, esclarece o médico.

Conheça os principais indicadores da Cardiologia do Mater Dei:

Indicador Síndromes Coronarianas Agudas: A mortalidade da doença coronariana aguda é mensurada e comparada com um indicador internacional (o Grace Escore).

Indicador de Cirurgia Cardíaca: O resultado da cirurgia cardíaca realizada na Rede Mater Dei de Saúde é comparado ao resultado mundial, estratificando-se conforme o risco prévio (por meio de escores de risco validados mundialmente, como o Euroscore e o STS).

Indicador da Hemodinâmica: A eficiência dos procedimentos de intervenção endovascular realizada pela Hemodinâmica também é monitorada rigorosamente. A taxa de ocorrência de estenoses intrastents, a ocorrência de eventos clínicos adversos, e a necessidade de nova intervenção, são aferidos no após procedimento imediato, em seis meses e em um ano e são analisados comparativamente com os índices internacionais.

Tempo porta-balão: este indicador reflete a eficiência da Rede e de sua equipe multidisciplinar em atender o paciente com Infarto Agudo do Miocárdio. O Infarto Agudo é uma emergência clínica em que o tempo é fundamental, desde a recepção do paciente (chamado tempo Porta) até a abertura da artéria responsável pelo infarto (tempo balão - o termo balão faz referência ao dispositivo utilizado para dilatar a artéria coronariana). O intervalo de tempo desde o primeiro sintoma até a abertura da artéria coronariana responsável pelo infarto é o Tempo de Reperfusão (tempo gasto para reestabelecer o fluxo de sangue pela artéria e a irrigação e oxigenação da célula cardíaca). Quanto mais tempo gasto, mais células sofrem e morrem e, consequentemente, determinam mais sequelas e mortalidade. (A máxima da Rede Mater Dei de Saúde: Tempo é músculo cardíaco, músculo cardíaco é vida).

Os resultados dos indicadores refletem a boa prática da cardiologia na Rede. Na Rede Mater Dei de Saúde, a assistência integral e individualizada ao paciente portador de doença cardiovascular é orientada por Protocolos Assistenciais que se baseiam nos estudos clínicos e medicina de evidências, em consonância com as referências científicas internacionais.

“Podemos e devemos caminhar muito em nosso trabalho no Heart team. Nossa meta é discutirmos, sistematicamente, todos os casos submetidos a intervenções complexas dentro dos Hospitais da Rede. Neste ano, ainda, ampliaremos a participação para cardiologistas de referência de Belo Horizonte e Minas Gerais (Projeto Cardiologista de Referência) e motivaremos maior participação dos clínicos e geriatras da Rede”, finaliza Henrique Patrus.

*O termo Heart Team e sua concepção foram, primeiramente, descritos em um importante documento da Sociedade Europeia de Cardiologia (European Society of Cardiology) – Guideline for Coronary Revascularization, de 2010. O Colégio Americano de Cardiologia ( American College of Cardiology), em 2012, também formalizou o Heart Team em seu documento ACC/AHA Guidelines for Coronary Artery Bypass Grafting surgery.

Hospital Bandeirantes é um dos apoiadores oficiais da Virada Sustentável 2016

shutterstock_154772753

Com o lema “Sustentabilidade vai desde o ar que respiramos até a maneira como nos cuidamos”, Instituição promoverá diversas ações durante o festival

O conceito de sustentabilidade, muitas vezes relacionado apenas aos impactos ambientais gerados pela sociedade moderna, tem se mostrado cada vez mais amplo. Práticas como o uso racional de recursos naturais e a reciclagem são essenciais para o desenvolvimento de uma relação mais harmônica entre homem e meio ambiente. No entanto, a mudança de hábitos em prol de um cotidiano sustentável passa também pela adoção de uma vida mais saudável e ativa. Pensando nisso, o Hospital Bandeirantes apoia a edição deste ano da Virada Sustentável em São Paulo com o lema “Sustentabilidade vai desde o ar que respiramos até a maneira como nos cuidamos”.

Durante o festival o Hospital Bandeirantes promoverá ações voltadas à boa saúde e ao bem-estar. Entre elas, um passeio ciclístico, que percorrerá os arredores da Avenida Paulista e do Parque do Ibirapuera; uma gincana do pedal + caça ao tesouro no mesmo parque, na qual os participantes seguirão pistas distribuídas pelo personagem Wally, que circulará de bicicleta; uma oficina que ensinará crianças a andar de bike, também no Ibirapuera; e aulas de spinning especiais, que acontecerão ao ar livre, no heliponto do Hospital. As atrações serão gratuitas, assim como toda a programação da Virada Sustentável.

A ligação do Hospital Bandeirantes com o ciclismo não é casual. Entre seus serviços, a Instituição oferece um check-up esportivo voltado exclusivamente a quem já pedala ou pretende começar a praticar o ciclismo, seja de forma amadora ou buscando alta performance.

A sustentabilidade também é uma preocupação constante do Bandeirantes. Há vários anos o Hospital desenvolve ações e projetos que promovem uma relação equilibrada com a sociedade e com o meio ambiente. Dentre as medidas adotadas pelo Hospital Bandeirantes destacam-se:

Água de Reuso: mensalmente o Hospital capta, trata e reutiliza cerca de 450 mil litros de água que vão para descargas em bacias sanitárias, lavagem de fachadas e calçadas e irrigação de jardins. A ação gera não apenas economia, mas também reduz o lançamento de esgoto na rede pública.

Reciclagem: com o projeto Recicle-se, o Hospital Bandeirantes elevou seu índice de reciclagem de materiais de 20% para 30% no último ano.

Tecnologia limpa: quando se fala em segurança do paciente, a esterilização de materiais cirúrgicos é um dos pontos mais importantes. O Hospital Bandeirantes investiu em autoclaves ecoeficientes, que dispensam o uso de água e economizam até 150 mil litros de água por mês.

Hospital Verde: o Bandeirantes faz parte da Rede Global de Hospitais Verdes e Saudáveis, organização responsável por promover políticas e ações que melhoram o desempenho ambiental das instituições de saúde.

Para falar sobre a participação da Instituição na Virada Sustentável o diretor executivo do Hospital Bandeirantes, Rodrigo Lopes, será um dos convidados do “ContaAí”, uma série de rodas de conversa com o público sobre a cidade. O encontro será realizado no teatro Unibes Cultural no dia 25 de agosto, às 16hs, e terá também a presença de Wellington Nogueira, coordenador geral do projeto Doutores da Alegria, Paulo Saldiva, diretor do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (USP), e Evangelina Vormitagg, diretora executiva do Instituto Saúde e Sustentabilidade.

Serviço

Spinning ao ar livre: dia 27/08, em dois horários: 10hs às 10h40 e 11hs às 11h40.

Hospital Bandeirantes: Rua Barão de Iguape, 209 – Liberdade. Inscrições de 10/08 a 24/08 pelo e-mail [email protected] Vagas limitadas. Evento grátis.

Passeio ciclístico: dia 28/08. Concentração às 08h30 na Praça dos Arcos (próxima à Rua da Consolação). Saída às 09hs.

Trajeto (todo feito por ciclovias): Av. Paulista, Rua Dr. Rafael de Barros, Rua Tutóia, Rua Manoel da Nóbrega e Monumento às Bandeiras. Evento grátis.

Gincana do pedal + caça ao tesouro: dia 28/08, a partir das 10hs no Parque do Ibirapuera. Evento grátis.

Oficina de bike para crianças: dia 28/08, das 14hs às 18hs, no gramado de atividades da Virada no Parque do Ibirapuera. Evento grátis.

Sobre o Hospital Bandeirantes

Com 70 anos de história, o Hospital Bandeirantes é reconhecido por seus Centros de Referência e atendimentos em alta complexidade. Com uma média de 14 mil internações/ano e 10 mil cirurgias/ano, a Instituição possui certificação em nível diamante concedida pela Accreditation Canada International (ACI) – Qmentum. São mais de 3 mil médicos e 2 mil colaboradores focados em um único objetivo: manter-se referência no segmento hospitalar, preservando a qualidade de seus tratamentos clínicos e cirúrgicos. Aliando o atendimento humanizado à gestão sustentável, o Hospital visa fortalecer seu compromisso com o colaborador, comunidade e meio ambiente.

Planejamento de compras de suprimentos e insumos médicos

34b94eff21e4fbd9a0c23877945a4c11

O planejamento de compras, amparado por processos de rastreabilidade bem alicerçados, garante inúmeros benefícios para as instituições de saúde. Estima-se que de 15% a 25% das compras hospitalares são de urgências, que 30% dos valores de estoque são excessos e que exista de 10% a 30% de incerteza de inventário. Os dados são da Fehosp – Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes do Estado de São Paulo e demonstram um cenário complexo para a grande maioria dos hospitais e unidades de saúde.

A rastreabilidade de suprimentos médicos, integrada em um sistema desenvolvido exclusivamente para hospitais, abrangendo todo o caminho desses medicamentos e insumos, do seu recebimento até a entrega ao paciente, proporciona relatórios em real time, com provisionamento correto de compras, indicativos de estoque baixo, de materiais de maior consumo e muito mais. Com esse rigoroso processo, é possível realizar a logística reversa, o estorno físico e contábil desses materiais, permitindo que voltem a ser contabilizados, e não haja desvios, perdas e, nem mesmo, compras desnecessárias.

O controle também permite trabalhar com mais provisionamento para compras, já que indica com até seis meses de antecedência os medicamentos que precisarão ser comprados, garantindo maior poder de pesquisa pelo melhor preço e ainda para abertura de licitações, no caso de entidades públicas. Também permite uma organização financeira e operacional para picos, como por exemplo, como em demandas de campanhas de vacinação e combate de doenças epidemiológicas em geral.

Por fim, comprar de forma correta ainda garante economia de espaço físico com estoques adequados às demandas e sem risco de ficar com medicamentos vencidos. Como costumo dizer, estoque em excesso nos hospitais significa dinheiro e oportunidade jogados fora.  E quem pode se dar ao luxo do desperdício?

PACS na nuvem: cinco cuidados antes de contratar

cloud-computing-1484538_960_720

O PACS (Picture Archiving and Communication System, ou Sistema de Comunicação e Arquivamento de Imagens) permite maior integração e agilidade nas decisões clínicas. Quando disponibilizado em cloud computing, pode ser acessado de qualquer lugar, acelerando o acesso do médico aos resultados de exames dos pacientes.  

“A adoção do PACS na nuvem está ´pegando fogo´: é muito mais barato do que o formato convencional e a área de radiologia tem uma quantidade astronômica de dados para armazenar”, contextualiza Renato Sabbatini, professor doutor, diretor da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS), vice-presidente da HL7 no Brasil e consultor em interoperabilidade. Segundo o especialista, clínicas chegam a gerar dois  terabytes de dados por dia. “Se a clínica contratar um data center, vai custar muito caro. Com nuvem não: por ser elástica, contrata-se somente aquilo que vai usar, de acordo com a curva da demanda”.

O professor aconselha atenção a algumas questões durante a implantação do PACS na nuvem - especialmente as relacionadas à segurança da informação. “O item crucial é de que nenhum hacker consiga invadir e roubar os dados”, diz, detalhando cinco pontos que devem ser avaliados  antes de efetuar a contratação da tecnologia:

  1. Pesquisar e selecionar nuvens de alta disponibilidade. Geralmente, esse item é medido em porcentuais, a partir de 99%: quanto maior a proporção, menos probabilidade de a conexão cair. “Os números depois da vírgula indicam se uma nuvem tem chance de ficar fora do ar por seis dias ou apenas três ou quatro horas no período de um ano. Pode parecer pouca coisa, mas quando se está diante de uma decisão médica que pode resultar em vida ou morte do paciente, faz toda a diferença se a nuvem estiver indisponível bem na hora em que se precisa dela”, explica. Quanto maior a disponibilidade, obviamente, maior o investimento;

  1. Optar por nuvens privadas - clouds públicas estão fora de cogitação. É preciso que o ambiente seja somente daquela empresa, e não um espaço compartilhado;

  1. Garantir, por meio de certificações, que o ambiente seja altamente seguro e se valha de criptografia, para proteger a comunicação entre servidores, e de identificação de destino, para que os dados não sejam levados a um servidor criminoso;

  1. Optar por PACS na nuvem que tenham backup;

  1. A cloud deve ser escolhida por nível de qualidade e segurança, não por valor de investimento. “É preciso unir preço com qualidade. Não pode ser uma decisão meramente financeira", aconselha.

Sírio-Libanês oferece mestrado profissional em Saúde Coletiva

shutterstock 284597081

O Mestrado Profissional em Gestão de Tecnologia e Inovação em Saúde(MGTIS) do Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa (IEP/HSL) está com as inscrições abertas até 15 de julho. Os candidatos deverão ter vinculação com o Sistema Único de Saúde (SUS). Com 24 vagas e não oneroso ao mestrando, o curso é resultado de parceria entre o IEP/HSL e o Ministério da Saúde, dentro do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde.

Aprovado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), o mestrado, com duração de dois anos, é voltado para profissionais interessados em inovar, transformar e melhorar a qualidade do cuidado em saúde.

Entre os objetivos específicos do mestrado está a formação de parcerias com instituições públicas e privadas, visando à melhoria de produtos ou processos técnico-científicos na área da saúde, por meio da capacitação de profissionais e da geração e aplicação de conhecimentos para o enfrentamento de problemas.

Fonte: RedeNotícia

Crise, Operação e Ócio Criativo

IMG_9830

Estava conversando com Sílvio Meira, keynote speaker do Saúde Business Fórum, e ele me trouxe a preocupação das pequenas e médias empresas, empreendedores guerreiros, que quebraram ou quebrarão nessa crise, e com a dívida indo para a pessoa física, nunca mais se recuperarão, fazendo dessa não só uma geração perdida, mas algumas décadas perdidas talvez.

Para a maioria dos que sobrevivem, crise significa trabalhar mais pra conseguir o mesmo resultado ou algo próximo dos números do ano passado. E aí entra a crise criativa - e talvez a oportunidade. Mas principalmente a crise. Lutando para entregar mais com menos, para ter menos, o tempo pequeno do ócio criativo, se perdeu, e, sim, teremos oportunidades e desafios que a crise nos mostra, mas alguns investimentos não feitos previamente, nunca mais serão recuperados.

E as pessoas que não receberam emprego, as que não receberam investimentos de suas empresas ou de seu país, talvez não sejam mais recuperadas, e, assim, teremos mais algumas gerações perdidas e faremos investimentos grandes com grande energia para conseguirmos chegar onde já estivemos.

A oportunidade talvez seja o aprendizado, a resiliência, a força. Lembrar que passamos por esses dias e criamos coisas novas no meio do caos talvez nos deixe ainda mais preparados e confiantes para o futuro. Os problemas sempre estiveram aí, e não fomos capazes de resolvê-los. Talvez quando os problemas atuais forem embora, e os problemas antigos voltarem, nossas "novas" organizações estejam mais robustas e sólidas para finalmente resolvê-los.

2º Congresso Brasileiro de Informática Laboratorial (CBIL) oferece visitas guiadas a data centers no Rio de Janeiro

shutterstock_110625482

A segunda edição do Congresso Brasileiro de Informática Laboratorial (CBIL) ocorre nos dias 28 e 29 de setembro, durante o 50º Congresso Brasileiro de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial, no Rio de Janeiro. Sucesso em sua primeira edição, o 2º CBIL oferece aos inscritos visitas guiadas a data centers na cidade do Rio de Janeiro, além de programação ampla que inclui apresentação de casos, conferências e mesas redondas.

“As visitas guiadas aos centros de comando de governo, centros de tecnologia de empresas da área de saúde e hospitais permitirão que os congressistas visualizem na prática a aplicabilidade da tecnologia no atendimento ao paciente e à população”, explica o médico patologista clínico e ex-presidente da SBPC/ML Carlos Ballarati, responsável pela coordenação do evento.

A programação inclui também o TIID (Tecnologia, Informática, Inovação e Disrupção), em que empresas podem apresentar serviços de impacto no mercado, além de conferências e mesas redondas envolvendo temas como: business inteligence aplicada ao laboratório, como a informática identificou o vírus Zika e suas consequências, bioinformática na prática do laboratório e como a computação cognitiva vai mudar o mundo.

De acordo com Ballarati, “o 2º CBIL oferece uma programação de destaque, que envolve, de modo geral, as maneiras com que a tecnologia pode aumentar a produtividade dos laboratórios, facilitar o acesso do paciente ao médico e ao laboratório e harmonizar os serviços e equipamentos de saúde”, afirma.

Vale ressaltar que as inscrições para o 2º CBIL não são vinculadas ao 50º Congresso da SBPC/ML. Para participar, é necessário inscrever-se exclusivamente no evento. Associados da SBPC/ML, residentes de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial e estudantes da área de saúde ou de Tecnologia da Informação têm desconto na taxa de inscrição. As inscrições devem ser feitas por meio do site:www.cbpcml.org.br.

A coordenação do 2º CBIL ressalta que, em caso de fatores ambientais ou de outros eventos inesperados, as organizações que receberão as visitas guiadas podem impedir a entrada do público, por conta da segurança necessária nesses ambientes.

Sobre a SBPC/ML

A Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML) é uma Sociedade de Especialidade Médica, fundada em 1944 e que atua na área de laboratórios clínicos. Com sede na cidade do Rio de Janeiro, tem como finalidade reunir médicos com Título de Especialista em Patologia Clínica/Medicina Laboratorial e de outras especialidades como farmacêutico-bioquímicos, biomédicos, biólogos e outros profissionais de laboratórios clínicos, além de empresas do setor.

A SBPC/ML disponibiliza o PALC – Programa Acreditação de Laboratórios Clínicos que avalia um laboratório através de auditorias e determina se ele atende a requisitos predeterminados para exercer as tarefas a que se propõe. Dentre vários objetivos esse processo pretende garantir a qualidade dos serviços prestados e a confiabilidade dos resultados.

A SBPC/ML dispõe de projetos de habilitação e qualificação profissional de acordo com a legislação em vigor, através de atividades voltadas para ensino, pesquisa e divulgação científica em Medicina Laboratorial, tendo como meta principal a saúde da população. Para alcançar esses objetivos a SBPC/ML realiza cursos, jornadas, congressos, eventos relacionados e publicações científicas.

Os profissionais da saúde do Brasil são peças-chave no fomento ao aleitamento materno

shutterstock_390443278

Como parte da Semana Mundial de Aleitamento Materno, a Royal Philips (NYSE: PHG, AEX: PHIA) faz um apelo aos profissionais e às instituições de saúde para que estes orientem as mães sobre a importância do aleitamento antes e após o parto, a fim de beneficiar a saúde delas e das crianças, bem como para garantir um futuro sustentável em termos de nutrição infantil.

Estima-se que na América Latina e no Caribe apenas cerca de 40% das crianças recebam exclusivamente leite materno durante os primeiros 6 meses de vida. No Brasil, essa cifra é de 38,6%. Os benefícios da amamentação para mães e filhos são consideráveis, e promover essa prática de forma universal poderia prevenir mais de 800 mil mortes anuais entre crianças menores de cinco anos de idade, além de evitar 20 mil mortes anuais de mulheres em decorrência do câncer de mama.

“O início precoce do aleitamento materno é fundamental para a saúde do recém-nascido, uma vez que, nesse primeiro contato, o bebê recebe nutrientes importantes que o protegem contra infecções, além de oferecerem enormes benefícios a longo prazo, tanto para as mães quanto para as crianças. A saúde materno-infantil é uma prioridade para a Philips, e estamos comprometidos em apoiar os profissionais da saúde na tarefa de orientar as mães sobre a importância do aleitamento materno”, disse Alina Asiminei, diretora de marketing da área de Saúde Pessoal da Philips.

De acordo com estudos realizados por médicos especialistas no assunto, 60% das mães que amamentam interrompem o aleitamento materno antes do esperado. Já as que procuram conselhos e têm acesso direto aos profissionais da saúde são mais propensas a amamentar por um período mais longo. A fim de transmitir mais confiança e aumentar as taxas de início precoce da amamentação, as orientações às futuras mães devem começar no início da gravidez. De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), algumas das medidas mais importantes que devem ser tomadas são a capacitação dos profissionais de saúde materna, a fim de assegurar a implementação de políticas de aleitamento, apoiar e ajudar as mães a amamentar já durante os primeiros 30 min pós-parto, além de mostrar às mães como amamentar e manter o aleitamento mesmo em casos de separação dos seus bebês.

A Philips se esforça para melhorar a vida das mães e dos bebês no mundo todo, fazendo a diferença a partir do momento em que os pais começam a pensar na expansão da família até aquele em que todos se consolidam como uma família saudável. Os primeiros 1.000 dias de vida do bebê são os que mais influenciam no seu desenvolvimento, e o aleitamento materno desempenha um papel significativo nesse processo. Ao destacar os grandes desafios que as mães enfrentam para continuar amamentando, a Philips procura ajudar os profissionais da saúde e as mães a encontrar soluções para que atinjam as suas metas de amamentação no futuro.

Sobre a Royal Philips

A Royal Philips (NYSE: PHG, AEX: PHIA) é uma empresa líder em tecnologia da saúde cujo objetivo é melhorar a saúde das pessoas e permitir melhores resultados através da manutenção da saúde por meio de uma vida saudável e da prevenção de doenças, englobando também o diagnóstico, tratamento e cuidados em casa. A Philips utiliza-se de sua tecnologia avançada e dos profundos conhecimentos clínicos, além das perspectivas dos consumidores, para oferecer soluções completas. A empresa, sediada na Holanda, é líder em diagnóstico por imagem, terapia guiada por imagem, acompanhamento do paciente e informática de saúde, bem como na saúde do consumidor e nos cuidados em casa. Em 2015, o portfólio de tecnologia de saúde da Philips teve um faturamento de 16,8 bilhões de euros, e emprega aproximadamente 69 mil colaboradores, com vendas e serviços em mais de 100 países. Para obter mais notícias sobre a Philips, visite: www.philips.com/newscenter.

Obras Sociais Irmã Dulce recebem Prêmio Rainha Letizia

shutterstock_244561093

As Obras Sociais Irmã Dulce (OSID) conquistaram o Prêmio Rainha Letizia 2015, uma das premiações mais importantes do mundo relacionadas às iniciativas na área de reabilitação de deficiências e inclusão social, concedido pelo Ministério da Saúde, Serviços Sociais e Igualdade do Governo da Espanha. O projeto vencedor foi a Horta Educativa, desenvolvido pelo Centro Especializado em Reabilitação Irmã Dulce, localizada no Largo de Roma, na sede da OSID. A iniciativa, além de promover a inclusão social e cidadania de jovens e adultos com deficiência, a partir de atividades ligadas ao cultivo agrícola, visa trabalhar a noção de conhecimentos dos pacientes sobre educação ambiental e alimentar, agroecologia, jardinagem e agricultura urbana.

O programa Horta Educativa é voltado para moradores do Centro de Acolhimento à Pessoa com Deficiência João Paulo II (CAPD) e para pacientes do Centro Especializado em Reabilitação Irmã Dulce (CER IV), ambos núcleos da instituição fundada por Irmã Dulce. A iniciativa, existente há 22 anos, conta com 170 participantes, entre crianças, jovens e adultos com deficiência, que diariamente se dedicam ao projeto. Os integrantes participam de todo o processo, desde a compra das sementes em feiras, seleção dos grãos junto com as mães e cuidadores, plantio, acompanhamento do crescimento dos vegetais até a colheita.

“O programa exerce um papel terapêutico impressionante e estimula o desenvolvimento pessoal, a socialização e contato com meio ambiente. Temos casos de usuários que viviam reclusos, isolados, dependentes ou eram agressivos, e depois das atividades se transformaram, passaram a interagir e socializar. É uma ferramenta multiplicadora real de inclusão”, destaca o coordenador do projeto, Jorge Nascimento, que se orgulha de estar à frente dessa ação pioneira desde o início.

A cerimônia de premiação aconteceu no dia 08 de julho, no Palácio Real de El Pardo, em Madrid (Espanha), com a participação da rainha Letizia. A líder do Centro Especializado em Reabilitação Irmã Dulce, Rosinei Sousa, compareceu ao evento representando as Obras Sociais Irmã Dulce e recebeu como premiação 25 mil euros que serão investidos para melhorias e manutenção do projeto.

O Prêmio Rainha Letizia de Reabilitação e Integração destina-se a reconhecer trabalhos continuados, realizados ao longo de décadas de investigação técnico-científica no campo da reabilitação de pessoas com deficiência e integração com a sociedade, em países de língua espanhola e portuguesa (ibero-americanos).

“Esse reconhecimento nos traz muita alegria e satisfação. A Horta Educativa acontece há mais de duas décadas e envolve um empenho diário e se fortalece como importante ferramenta na atenção às potencialidades das pessoas atendidas e na integração com a vida”, comemora a líder do Centro de Reabilitação.

A edição 2015 do prêmio contemplou também o Colegio Mayor Juan Luis Vives, gerido pela Universidade Autónoma de Madrid, por conta do projeto de acessibilidade e integração de estudantes com deficiência na comunidade universitária.

Mais informações sobre o projeto: Horta Educativa

Entre os inúmeros benefícios da educação através do trabalho com a terra, a Horta Educativa promove o desenvolvimento das potencialidades cognitivas e afetivas, habilidades pessoais básicas e autoestima, estimulando a autonomia, a convivência coletiva e a cidadania, além de disseminar valores universais de paz, justiça, solidariedade, amorosidade e respeito consigo e com o próximo.

“A oficina surgiu da ideia de tornar os moradores com deficiência menos ociosos e buscar caminhos para a inclusão deles. Fizemos um trabalho de formiguinha, que foi crescendo pouco a pouco e trazendo cada vez melhores resultados e motivos para comemorar”, destaca o coordenador do projeto, Jorge Nascimento.

Paciente do CER IV, Paulo Henrique Gonçalves, de 27 anos, que há cinco participa da Horta Educativa, é um belo exemplo dessa transformação. De garoto pouco independente e com medo de plantas, ele hoje mexe na terra, semeia e rega os vegetais, além de tirar de letra a execução de tarefas que antes dependia de alguém para realizar. Feliz com as conquistas do filho, que tem Síndrome de Down, Nalva Gonçalves se diz encantada com a oficina terapêutica.

“No começo tive muito receio, pois Paulinho tinha pavor de mato, então pensei que jamais fosse dar certo. Imaginava que colocar ele numa horta fosse o mesmo que jogá-lo num rio cheio de crocodilos. Mas embora apreensiva, quis ficar aberta à novidade e em pouco tempo, para minha surpresa, ele se deu muito bem e só tem progressos e conquistas. Venceu o pânico e agora é um rapaz com mais independência, autonomia e iniciativa, sem falar que despertou nele a consciência ambiental. Todo material reciclável que vê quer juntar para contribuir com a horta. Confesso que até eu fui curada de alguns medos, como deixar meu filho sair sem mim e fazer algumas atividades sozinho. A Horta Educativa só tem acrescentado em nossas vidas”, finaliza.

A participação das famílias nas atividades realizadas também é destaque na Horta e tem como finalidade “favorecer a construção e o fortalecimento de vínculos familiares saudáveis, que auxiliem de forma construtiva no reconhecimento das potencialidades e limites de cada usuário”, salienta Rosinei Sousa. Dentro desse processo, as famílias são envolvidas nas rodas de conversa para o exercício da fala e da escuta, nas observações dos filhos enquanto executam as tarefas, organizam e consomem os lanches sozinhos e ainda participam de passeios, seminários e palestras.

Considerada um valioso instrumento de inclusão social e também de educação ambiental e sustentabilidade, a Horta Educativa está localizada ao lado do Centro Especializado em Reabilitação Irmã Dulce (Largo de Roma), na sede da OSID, e conta atualmente com cerca de 170 participantes, entre crianças, jovens e adultos com deficiência, que diariamente se dedicam ao cuidado com a diversificada flora que ali se encontra. Os integrantes do projeto participam de todo o processo, desde a compra das sementes em feiras, passando pela seleção dos grãos junto com as mães e cuidadores, plantio e acompanhamento do crescimento dos vegetais até o momento da colheita, favorecendo o desenvolvimento pessoal e as relações interpessoais e com o ambiente. No leque de plantas, sempre cultivadas com muita dedicação e carinho pelos aprendizes, estão dezenas de variedades, entre árvores frutíferas, plantas ornamentais, ervas medicinais e hortaliças, a exemplo de bananeira, abacateiro, cacaueiro, mangueira, capim-santo, erva-cidreira, manjericão, hortelã, sabugueiro, alumã, margarida, cebolinha, couve, alface, coentro, tomate-cereja, palmeira e alfinete. Com função produtiva também importante, a horta tem sua produção direcionada para consumo entre os aprendizes e seus familiares, beneficiando famílias inteiras da comunidade.

Dentro do princípio da sustentabilidade, o projeto cria iniciativas como as hortas suspensas verticais, com vasos e suportes construídos a partir de materiais recicláveis como garrafas PET, embalagens tetra pak, potes de iogurte e tubos e formas PVC. A Horta Educativa, que durante 14 anos contou com a parceria da EBDA – Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola, também é referência em escolas da rede pública municipal e estadual e instituições baianas e de outros estados, que adotam o modelo e as ações pioneiras da oficina, incluindo o conceito de educação ambiental e alimentar. Ao longo de sua história, o programa também já beneficiou mais de 2 mil famílias que tiveram projetos de pequenas hortas verticais e de jardinagem implantados em suas residências.

A Horta Educativa foi criada em 1994 como oficina terapêutica do Centro de Reabilitação e Prevenção de Deficiências (CRPD), núcleo da OSID que em 2013 foi desmembrado em Centro Especializado em Reabilitação (voltado para a comunidade) e Centro de Acolhimento à Pessoa com Deficiência (residência de moradores). Fundado em 1992, o CRPD sempre realizou um trabalho pautado na promoção do desenvolvimento, da inclusão social e da emancipação, com iniciativas como apoio à estimulação precoce, inclusão escolar, reinserção familiar e social, programa de atenção às famílias e diversas oficinas terapêuticas, como Artesanato, Dança, Capoeira, Esportes e Informática Educativa, além da Horta Educativa, iniciativas que até hoje continuam rendendo belos frutos.

Sobre as Obras Sociais Irmã Dulce: Entidade filantrópica sem fins lucrativos, as Obras Sociais Irmã Dulce (OSID) são uma espécie de ‘holding social’ constituída por 21 núcleos que prestam assistência à população de baixa renda nas áreas de saúde, assistência social e educação, dedicando-se ainda à pesquisa científica, ensino médico, preservação e difusão da história de Irmã Dulce e gestão de unidades públicas de saúde. Hoje, a OSID é considerada pelo Ministério da Saúde um dos maiores complexos de atendimento 100% SUS do país, responsável por cerca de 4,6 milhões de atendimentos ambulatoriais por ano. Atualmente, somente na sede, em Salvador, a instituição conta com mais de 2.400 funcionários, além de 320 médicos e 200 voluntários.

Philips apresenta software de gestão de saúde Tasy durante Hospital Med 2016

shutterstock_110678570

A Philips, líder em inovação para saúde e bem-estar, apresenta o software de gestão em saúde Tasy, que auxilia no gerenciamento e na integração de processos e fluxos de trabalho hospitalares, para clientes das regiões Norte e Nordeste durante a Hospitalmed, em Recife. “As instituições estão cada dia mais buscando o amadurecimento da gestão e queremos ajudar nesse sentido. A Philips acredita no potencial das regiões Norte e Nordeste, por isso apresentamos soluções completas, como o sistema Tasy, com visão específica para as necessidades regionais”, comenta Solange Plebani, gerente geral de EMR da Philips.

Além do Tasy, a empresa também apresentará as soluções em captura de imagem DR Compact Pendulum e BV Vectra.

DESTAQUES PHILIPS HEALTHCARE – HOSPITALMED 2015

Tasy: Completo e integrado software de gestão em saúde, o Tasy é uma solução para hospitais, bancos de sangue e operadoras de planos de saúde. O software auxilia no gerenciamento dos processos de entrada no hospital assim como nas funções de suporte e contribui para que os prestadores de serviços e operadoras de planos de saúde tenham maior integração e simplificação de processos e permite um controle efetivo de todos os fluxos de trabalho clínico e administrativo.

DR Compact Pendulum: O DR Compact Pendulum possui um sistema de captura digital de imagem com a tecnologia flat detector de alta resolução, que garante exames rápidos e de ótima qualidade. O sistema apresenta movimentos do conjunto (tipo pêndulo) totalmente seguros e motorizados, com controle de movimento regulável para rápido ou suave. Com grande flexibilidade, o DR Compact Pendulum é ideal para a realização de diferentes tipos de exames com o máximo de conforto para os pacientes e praticidade para o operador. Ele garante altíssima produtividade e mais tranquilidade aos pacientes. Acompanha o DR Compact Pendulum uma mesa sobre rodízios de fácil acesso, com movimentação simples e leve, permitindo ao operador posicionar o paciente da maneira mais eficaz para a realização do exame.

BV Vectra: O sistema de arco cirúrgico móvel BV Vectra é um sistema de fluoroscopia móvel dedicado para procedimentos cirúrgicos ortopédicos, incluindo trauma, coluna e controle da dor. Sua operação é intuitiva. Basta apontar e capturar. Suas imagens de alta qualidade o ajudam a oferecer um excelente tratamento. Esse sistema é perfeito para visualizar fraturas em espiral ou fragmentadas, auxiliando no tratamento de qualquer fratura, das simples às complexas. O BV Vectra é um sistema de braço em C móvel contrabalanceado. O sistema consiste em um suporte do braço em C com pedal e direção traseira compactos para uma operabilidade e posicionamento fáceis. O design inteligente da Estação de Visualização Móvel oferece ao usuário uma visualização ideal e recursos de armazenamento das imagens.

Serviço – Hospitalmed

Local: Centro de Convenções de Pernambuco - Recife - PE

Endereço: Av. Prof. Andrade Bezerra, s/n - Salgadinho, Olinda - PE, 53110-680

Data: 17 a 19 de agosto

Sobre a Royal Philips

A Royal Philips (NYSE: PHG, AEX: PHIA) é uma empresa líder em tecnologia de saúde concentrada na melhoraria da saúde das pessoas, permitindo melhores resultados por meio da continuidade em prevenção e vida saudável, para diagnóstico, tratamento e atendimento domiciliar. A Philips utiliza tecnologia avançada e profundas percepções dos clientes para oferecer soluções integradas. A empresa é líder em diagnóstico por imagem, tratamento guiado por imagem, informações de saúde e acompanhamento do paciente, bem como na saúde e atendimento domiciliar dos clientes. Com sede nos Países Baixos, o portfólio de tecnologia em saúde da Philips gerou em 2015 um faturamento de EUR 16,8 bilhões e emprega aproximadamente 69.000 funcionários em vendas e serviços, em mais de 100 países. Informações sobre a Philips podem ser obtidas em: www.philips.com/newscenter.