Finalistas do prêmio Referências da Saúde: confira aqui!

referencias-da-saude-2018

O Referências da Saúde é um estudo realizado pela Informa Markets e tem por objetivo selecionar os melhores projetos nas áreas: Gestão Administrativo-financeira, Governança Corporativa, Gestão de Pessoas, Tecnologia da Informação e Qualidade Assistencial.

Os melhores cases serão apresentados no palco do Healthcare Innovation Show, maior evento de tecnologia e inovação para saúde, nos dias 18 e 19 de setembro de 2019 bem como a premiação do melhor para cada categoria.

Confira a lista dos finalistas a seguir:

EmpresaNome do ProjetoResponsável pelo projeto
Sabin Medicina DiagnósticaComércio Livre de EnergiaNatália Bruna do Carmo Sena Magalhães de Almeida
AH LabsGestão preditiva de pacientes com doenças crônicas a partir da inteligência de dadosRodrigo Aquino
Grupo FleuryCSC - Centro de Serviços CompartilhadosLeandro De Santi
Unimed PetrópolisPlano de Ação de Curtíssimo PrazoJair Costa Junior
AGIRProcesso de Programação Cirúrgica do do Hospital Estadual de Urgências da Região Noroeste de Goiânia Governador Otavio Lage de Siqueira – HUGOL.Ana Karolina
HNSGApp de Gestão de Escalas x Demanda InteligenteGlaucio Erlei de Souza
Unimed de Volta RedondaCultura Organizacional - Feira do Jeito Unimed de CuidarPoliana Coelho Barbosa Fernandes
Fleury Medicina e SaúdePrograma Communicate with H.E.A.R.T.®Daniella Kerbauy
Americas HealthSeleção sem FronteirasLoyani Moreira
ClinipamTakersCarol Rangel
Unimed-BHGestão da Reputação Unimed-BHCristiane Sanches | Rosana Chaves
Grupo FleuryControl Self Assessment – Empoderamento da Gestão no Gerenciamento de RiscosMatheus Sabbag Leonel
TAKEDAStrategic Direction - Paciente / Confiança / Reputação / NegócioIgor Gomes
Hospital das Clínicas da FMUSPEscritório de Projetos - Gestão dos projetos estratégicosPaulo David Domingues de Oliveira
BP -  A Beneficência Portuguesa de São PauloUma nova proposta para o futuro: aprovação do novo Estatuto Social da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo.Maria Alice Rocha
Unimed CuiabáMovimento Integridade - Governança Corporativa e Compliance na Unimed CuiabáElida Motinha Silva
Unimed Volta RedondaRevisão do Planejamento Estratégico da Unimed Volta RedondaGabriela Pinheiro
São Francisco SaúdeImplantação de sistema de Compliance e CertificaçãoPatrícia da Silva Vardasca Gomes
PBSF - PROTECTING BRAINS & SAVING FUTURESTecnologia e Inteligência para Prevenção de Sequelas Neurológicas em Recém-Nascidos de Alto RiscoGabriel F T Variane
AmilSistema de Gestao de CarteirasCamila de Souza Lobo Botti
Seguros UnimedAPP Reembolso DigitalFrancisco Dirceu Costa
ClinipamDr ClinipamAlessandro Neri
Sabin Medicina Diagnóstica1)     Aplicação do Knowledge Discovery In Databases na área de medicina diagnóstica e na implementação da Estratégia Seis Sigma: Desdobrando os indicadores tático-operacionais por meio da utilização do Gráfico de Pareto e o Índice de NihansNatália Bruna do Carmo Sena Magalhães de Almeida
Hospital Israelita Albert EinsteinPredição de Internação para Pacientes da Unidade de Pronto AtendimentoTatiane Ramos Canero
Unimed-BHInteligência Artificial na AutorizaçãoSergio Bersan
BP -  A Beneficência Portuguesa de São PauloObtenção do nível 7 do Electronic Medical Record Adoption Model (EMRAM) da Healthcare Information and Management System Society (HIMSS) no Hospital BP e no BP Mirante.Lilian Quintal Hoffmann
Hospital Sírio-LibanêsVioletaFelipe Veiga Rodrigues
DasaEstudo de viabilidade de dupla leitura mamográfica por Deep LearningLeonado Modesti Vedolin
Complexo Hospitalar Munipal de SBC - Hospital Anchieta FU ABCTERAPIA FOTODINÂMICA NO TRATAMENTO DO PÉ DIABÉTICOJOÃO PAULO TARDIVO
NovartisCarreta Novartis da SaúdeEmad Musleh
BP -  A Beneficência Portuguesa de São PauloExcelência na prevenção e tratamento da Sepse: é possível vencer esse desafio!Juliana Silveira
Unimed VitóriaGerenciamento em saúde na coordenação do cuidado de gestantes no programa Viver Bem – Unimed VitóriaRenata Loureiro Moretto
RADIOCLINIC - RADIOLOGIA INTERVENCIONISTAAmpliação da oferta e utilização de serviços de radiologia intervencionista na rede pública de saúde do Estado da Bahia.GUSTAVO SANTOS DOMINGUES
A.C.Camargo Cancer CenterImplantação do Centro de ImunoterapiaMilton José de Barros e Silva
Hospital Sírio-LibanêsRegula + Brasil  (INTEGRAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA TELESSAÚDE PARA APOIO À REGULAÇÃO NA QUALIFICAÇÃO DO ENCAMINHAMENTO AMBULATORIAL)Vania Rodrigues Bezerra
SulAméricaSulAmérica Gestão ConectadaRogério Pereira Cardoso
AGIRIdentificação de fatores de risco de quedas na marcha de mulheres idosas com suporte tecnológico do Laboratório de Movimento do Centro Estadual de Reabilitação e Readaptação Dr Henrique Santillo – CRER.Darlan Martins Ribeiro
Amil Serviços MédicosEquipes de Referência em Saúde MentalFabiane Minozzo
dr.consultaUso de guidelines no prontuário eletrônico para melhor qualidade assistencialTin Hung Ho
Hospital Mater DeiPainel do PacienteRoberta Stancioli Marinho Costa Guimarães
Hospital Israelita Albert EinsteinCentral de Monitoramento Assistencial (CMOA)Claudia Regina Laselva
Unimed-BHFeedback estruturado de corpo clínico como ferramenta para governança clínica nos ambulatórios da rede própria da Unimed-BHFlávia de Carvalho Oliveira Robson | Kenia Macedo de Castro | Larissa Vilela Cruz | Adriano Olivieri Brito
Hospital Mater DeiAgilidade para Desenvolvimento de Processos e ResultadosGustavo de Matos Paiva

Hospital de Amor divulga prestação de contas 2018 com evento de agradecimento aos doadores

hospital-barretos-amor-21092018161725838

Com o valor arrecadado de aproximadamente R$69 milhões, os parceiros e doadores ancoram a busca pela excelência tecnológica e humana no tratamento e atendimento de milhares de vidas

O Hospital de Amor (HA) – referência em oncologia, que acolhe pacientes de todo o País – realizará, no dia 2 de setembro, o evento anual de prestação de contas, referente ao ano de 2018, e estarão presentes os representantes de empresas parceiras da instituição. O encontro, que acontecerá na unidade de Barretos (SP), tem o objetivo de apresentar, com transparência, o trabalho desenvolvido pelo HA com o montante de aproximadamente R$ 69.400 milhões captados. Além de ressaltar a importância da atração de recursos para custear todas as 34 unidades (fixas e móveis) espalhadas pelo Brasil, que realizam exames, tratamentos e cirurgias com profissionalismo e de forma humanizada.

Em 2018, a maior captação de recursos veio por meio da Lei do Idoso. Foram R$ 54.577.370,71 repassados por meio do Fundo do Idoso de Barretos. Já o projeto no âmbito da Lei da Criança e do Adolescente, apresentado ao Fundo Municipal da Criança e do Adolescente de Barretos, arrecadou R$ 6.253.215,93 e o valor foi totalmente utilizado no tratamento das crianças e adolescentes recebidas nas unidades do HA. Os projetos por meio da lei Rouanet, apresentados pelo Instituto Sociocultural HCB, renderam R$ 3.874.713,43, levando também um pouco mais de cultura e alegria aos pacientes, familiares, cuidadores e colaboradores. Em Pronon, receberam R$ 4.756.528,22 para o projeto de screening e detecção precoce de tumores e, em Pronas, arrecadaram R$ 1.597.168,85 para os dois projetos de ampliação do serviço de reabilitação do paciente oncológico.

Na ocasião também será apresentado o novo Centro de Transplante de Medula Óssea Pediátrico que terá a capacidade de transplantar cerca de 70 pacientes por ano, reduzindo o tempo de espera na fila, que hoje é de aproximadamente 10 meses. A instalação possui 8 leitos de internação para o transplante, em uma estrutura moderna e humanizada, voltada para os pacientes e seus acompanhantes. Além de uma unidade de terapia intensiva (UTI) especializada, com 5 leitos.

A abertura da solenidade terá a presença de Henrique Prata, presidente do Hospital de Amor, que reconhece: “Entendemos a importância desse apoio e na manutenção de projetos do Hospital de Amor. Agradeço aos doadores e parceiros por serem entusiastas do trabalho que realizamos. É gratificante perceber que nossos resultados são alcançados pelas doações, pelo empenho, pela dedicação e pelo envolvimento de toda população”, completa.

“Por tudo isso, e pelo que ainda está por vir, agradecemos a todas as pessoas físicas e jurídicas que apoiam e ancoram nossas esperanças com sua generosidade e carinho. Essas ações são fundamentais para o funcionamento e manutenção dos 11 hospitais fixos de prevenção, cinco unidades de tratamento e mais 18 unidades móveis do Hospital de Amor que beneficiam milhares de pessoas”, afirma Henrique Moraes Prata, diretor de Responsabilidade Social do Hospital de Amor.

O Hospital de Amor busca conscientizar a sociedade brasileira sobre a importância das contribuições e reforça que essas doações podem acontecer por meio dos multicanais da instituição. Por exemplo, as renúncias fiscais no imposto de renda, de pessoas físicas e jurídicas. “Esses eventos e doações de empresas e pessoas são necessários para custear e manter as operações regulares das unidades: adulto e infanto-juvenil e, também, fazer toda a humanização do Hospital de Amor”, explica o diretor. “Ressaltamos que parte das despesas, incluindo cirurgias e salários dos profissionais, é bancada pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Então, Idoso, Criança e Adolescente, Pronon, Pronas e Rouanet são alguns dos incentivos fiscais que podem ser doados para projetos do HA”, finaliza.

O HA reforça a importância do Voluntariado Empresarial, quando as empresas podem organizar e promover ações sociais e convidar seus colaboradores para atuar como voluntários.

A prática da inovação

instituto-butantan-abre-inscricoes-para-mba-em-inovacao-em-saude.jpg

O conceito de inovação tem sido recorrentemente utilizado em diversas situações e inúmeros contextos, correndo o risco de se tornar mais um modismo. Para que isso não ocorra, é importante definir muito bem como a inovação pode ser conduzida na prática.

Na região de Campinas, em que predominam atividades de indústria, comércio e agronegócio, a inovação também precisa ser implementada pelas empresas interessadas em liderar processos de transformação que as tornem mais competitivas e bem preparadas.

O assunto é atual e relevante considerando que, de acordo com o Índice de Transformação Digital da Dell, só 6% das empresas brasileiras são líderes digitais, com esse processo enraizado no negócio. Apenas 33% estão avaliando soluções e destinando algum recurso para isso, 22% não têm programa de investimentos para a transformação digital e 2% são retardatárias nesse quesito.

Outro dado é que, segundo pesquisa recente do Gartner, apenas 64% dos CEOs têm algum tipo de estratégia digital. Contudo, enquanto 54% estão focados em transformar o próprio negócio, para 46% a ambição digital está em otimizar o negócio existente.

Esses e outros temas foram recentemente discutidos em um fórum prático realizado na região de Campinas que avaliou a inovação em termos de entendimento, problemáticas e ações desenvolvidas.

Entre as dificuldades principais, há um cenário de pouca colaboração interna, falta de foco no atendimento aos clientes, dificuldades em lidarem com riscos, imprevisibilidade de ações, pressão por receita no curto prazo e dificuldade de escolha de tecnologias diante de tantas ofertas disponíveis.

Além desses, outros problemas foram identificados: alto custo de inovação em processos, dificuldade de engajamento da liderança e de mudança da cultura organizacional.

Os desafios só serão superados quando as empresas absorverem algumas recomendações. Entre elas, está a criação de uma área de inovação independente, a realização de testes que gerem menos riscos, o uso de dados para tomadas de decisões em benefício do cliente, a colaboração com redes externas, parcerias estratégicas e fontes de financiamento que custeiem a inovação.

Para resultados mais assertivos, sugere-se a criação de ferramentas simples que facilitem processos e estimulem o planejamento, a criação de rituais diários para a mudança de cultura, a integração de equipes multidisciplinares e a cocriação com clientes.

Para entregar valor, gerar resultados práticos e ganhos reais, a inovação tem que estar presente no cotidiano das organizações. Nesse sentido, é cada vez mais importante que as empresas da região de Campinas encontrem soluções com seus clientes e utilizem métodos e ferramentas que, de acordo com cada ritmo, apetite e necessidade, façam realmente a diferença em termos de inovação e a competitividade.

A jornada da transformação digital será implacável e as empresas que estão otimizando negócios e criando modelos de negócios disruptivos sabem como inovar na prática. A tecnologia já está mais do que disponível, resta apenas utilizá-la adequadamente.

Sobre os autores

Fernando Aguirre é sócio de Mercados Regionais da KPMG no Brasil.

Fábio Munakata é gerente sênior de Inovação e Transformação Digital da KPMG no Brasil.

Sobre a KPMG

A KPMG é uma rede global de firmas independentes que prestam serviços profissionais de Audit, Tax e Advisory. Estamos presentes em 154 países e territórios, com 200.000 profissionais atuando em firmas-membro em todo o mundo. No Brasil, são aproximadamente 4.000 profissionais, distribuídos em 22 cidades localizadas em 13 Estados e Distrito Federal.

Orientada pelo seu propósito de empoderar a mudança, a KPMG tornou-se uma empresa referência no segmento em que atua. Compartilhamos valor e inspiramos confiança no mercado de capitais e nas comunidades há mais de 100 anos, transformando pessoas e empresas e gerando impactos positivos que contribuem para a realização de mudanças sustentáveis em nossos clientes, governos e sociedade civil.

Lei de Proteção de Dados pode colaborar para saúde de mais qualidade

FILIS - 30.08.2019

Para Diretora-Executiva da FenaSaúde, maior desafio agora é garantir que a LGPD seja bem regulamentada, interpretada e fiscalizada

As mudanças que a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) trará para o setor de saúde foram um dos assuntos debatidos durante a 4ª edição do Fórum Internacional de Lideranças da Saúde, que teve como tema “Medicina Diagnóstica: mais valor para um sistema de saúde em transformação”. Promovido pela Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica (Abramed), nesta sexta-feira (30/8) em São Paulo, o evento contou com a participação da Diretora-Executiva da Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), Vera Valente, e de outras lideranças do setor. 

“Com a LGPD, teremos uma excelente oportunidade de dispor de dados de saúde de mais qualidade, que permitam aplicação mais focada e assertiva, com impactos bastante positivos na gestão e nas possibilidades de assistência aos pacientes”, apontou Vera Valente. 

Alguns exemplos de benefícios previstos são o maior uso da inovação e de novas tecnologias nos tratamentos, a melhoria de protocolos clínicos e de comparabilidade de casos, além da prevenção a fraudes. "A tendência é clara, e é uma tendência mundial: os tratamentos de saúde vão depender, cada vez mais, do uso de dados, da inteligência artificial. Esperamos que a LGDP não se transforme num empecilho para estes avanços no Brasil". 

Para Vera Valente, o maior desafio para a melhor aplicação da LGPD é como ela será regulamentada, interpretada e fiscalizada e, por isso, será crucial a atuação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados em harmonia com órgãos reguladores já existentes, como é o caso da Agência Nacional de Saúde Suplementar.

A LGPD coloca o Brasil em um nível avançado na proteção de informações. Para a Diretora da FenaSaúde, a lei é bem-vinda, pois consolida práticas e procedimentos voltados à privacidade, ao respeito à intimidade e ao direito a sigilo que o setor de saúde já adota e com as quais já está acostumado. "Para as pessoas, representa mais segurança e transparência. E, para as empresas, segurança jurídica e previsibilidade, com padronização de processos e regras, definição de direitos e deveres, punições por descumprimento de regras. 

Sobre a FenaSaúde

A Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde) representa 15 grupos de operadoras de planos privados de assistência à saúde, que atendem cerca de 26 milhões de beneficiários, ou seja, 36% do mercado de saúde suplementar do país, e responde por 39% da arrecadação do mercado.

ANS lança iniciativa para estimular remuneração baseada em valor em saúde

modelo-de-remuneracao-mas-afinal-como-fechar-a-conta.jpg
remuneração - shutterstock

Projeto Modelos de Remuneração Baseados em Valor vai selecionar dez projetos-pilotos que serão acompanhados pela Agência

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) lançou nesta quinta-feira (29/08), durante o II Fórum sobre Qualidade da Atenção, o projeto Modelos de Remuneração Baseados em Valor. A iniciativa selecionará 10 projetos-pilotos de operadoras de planos de saúde fundamentados em experiências que levem em conta os resultados em saúde. Os selecionados serão acompanhados pela ANS e todas as operadoras com projetos aprovados receberão um bônus no resultado do Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS) a partir do ano-base 2019.

Os projetos deverão seguir as diretrizes apresentadas no Guia para a Implementação de Modelos de Remuneração Baseados em Valor, lançado no dia 20/03, durante o I Fórum.

A participação no projeto poderá ser requisitada pelo formulário FormSUS, disponível no portal da ANS, de 29/08 a 30/10. As experiências inscritas serão analisadas pela equipe técnica da ANS, que priorizará a seleção de projetos com enfoque na melhoria da atenção à saúde e na sustentabilidade do sistema, com iniciativas vinculadas à atenção hospitalar e aos projetos de Melhoria da Qualidade da ANS, como o Programa de Atenção Primária à Saúde na Saúde Suplementar (APS) e os Projetos Parto Adequado e OncoRede. Lembrando que valor em saúde é definido como a relação entre os resultados que importam para os pacientes (desfechos clínicos) e o custo para atingir esses resultados.

Na abertura do evento, o diretor de Desenvolvimento Setorial, Rodrigo Aguiar, destacou o papel da diretoria na promoção de melhorias no setor. "Todas as nossas ações contribuem para a harmonização entre os atores do setor e para a indução de qualidade na saúde suplementar. Nosso trabalho se pauta na regulação indutora, conduzindo de forma amistosa, não forçada, as boas práticas no mercado", disse.

Aguiar detalhou, ainda, a importância do novo projeto. "Para a ANS, a principal diretriz para a adoção de modelo de remuneração baseado em valor é a que tem como foco alcançar bons resultados em saúde para os pacientes com um custo mais acessível tanto para pacientes quanto para os planos de saúde, evitando-se focar somente na simples redução dos gastos", explicou o diretor.

Confira aqui mais detalhes sobre o projeto.

Debate sobre modelos de remuneração na ANS

A ANS iniciou as discussões sobre modelos de remuneração de prestadores em 2016, através da criação de um Grupo de Trabalho (GT) específico sobre o tema, no âmbito do Laboratório de Desenvolvimento, Sustentabilidade e Inovação Setorial. Na Fase 1 do GT, o papel da ANS foi principalmente compartilhar estudos sobre os principais modelos de remuneração, com foco nas experiências internacionais, estabelecendo comparativo com os modelos em andamento no Brasil, em especial na saúde suplementar. Já na Fase 2, foram criados subgrupos com o objetivo de aprofundar temas específicos.

"Agora, com o lançamento do Projeto Modelos de Remuneração Baseados em Valor, o Grupo Técnico que discute esse tema entra em sua Fase 3, avançando ainda mais na implementação de iniciativas que contribuam para testar modelos de remuneração mais adequados e resolutivos para a saúde da população", destacou o diretor.

A gerente de Estímulo à Inovação e Avaliação da Qualidade Setorial da ANS, Ana Paula Cavalcante, discutiu com os participantes as premissas para modelos de remuneração bem-sucedidos. "Temos hoje um ciclo vicioso onde o cuidado em saúde é descoordenado e fragmentado, com duplicação de esforços e sem previsão dos desfechos clínicos para a remuneração de prestadores. A qualidade do que está sendo entregue e a satisfação do beneficiário precisam ser consideradas", ponderou a gerente. Ana Paula frisou que o atendimento oportuno, seguro, efetivo e centrado no paciente são atributos da qualidade em saúde que devem ser considerados para a remuneração de prestadores.

Outros temas discutidos no Fórum

Além do lançamento do projeto sobre remuneração, ao longo do evento outros temas foram discutidos. Técnicos da ANS realizaram palestras sobre o Programa de Certificação de Boas Práticas em Atenção à Saúde, cuja primeira iniciativa é a Certificação em Atenção Primária em Saúde. O coordenador de Indução à Melhoria da Qualidade Setorial, Eduardo Neto, falou sobre a atual fase do Projeto OncoRede: a criação da certificação em oncologia. O especialista em Regulação Felipe Riani apresentou as conquistas do Projeto Parto Adequado e destacou as prioridades atuais: intensificação do apoio às operadoras participantes, atenção aos fatores ligados à mortalidade materna e a criação da certificação em Parto Adequado. A coordenadora de Avaliação e Estímulo à Qualificação e Acreditação de Operadoras, Rosana Neves, apresentou os indicadores do Índice de Desempenho de Saúde Suplementar (IDSS) ano-base 2019, que passa a integrar os programas de indução da qualidade da ANS e a utilizar dados do Padrão TISS (Troca de Informação da Saúde Suplementar).

O Fórum contou também com convidados especiais apresentando suas experiências. Aline Medeiros, da Optum (empresa de serviços de saúde e inovação), compartilhou o seu conhecimento sobre análise de dados de saúde em prol da saúde baseada em valor. Elenara Oliveira Ribas falou sobre o uso de indicadores para melhoria da qualidade em saúde no Hospital Moinhos de Vento. E Ruchelli França de Lima apresentou o Projeto Consórcio de Indicadores de Qualidade Hospitalar, uma parceria do Hospital Moinhos de Vento com a ANS.

Exame Melhores & Maiores consolida projeção da Pró-Saúde

Exame_MaioreseMelhores_2019

A 46ª edição da revista Exame Melhores & Maiores, lançada nesta semana pela Editora Abril, consolidou a relevância da Pró-Saúde Associação Beneficente de Assistência Social e Hospitalar no cenário brasileiro. Pelo sexto ano consecutivo, a instituição filantrópica foi destaque no ranking das mil maiores empresas e ocupou a posição 571, na categoria Serviços de Saúde.

A cerimônia de premiação aconteceu nesta segunda-feira (26/8), na Sala São Paulo, na Capital Paulista. Dom Eurico dos Santos Veloso, presidente da Pró-Saúde, monsenhor Antônio Robson Gonçalves, vice-presidente, Miguel Paulo Duarte Neto, diretor Executivo-Geral, e Eduardo Menezes, diretor de Suprimentos, prestigiaram o evento que contou com a participação do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do governador de São Paulo, João Doria.

“A gestão da saúde no Brasil tem se mostrado desafiadora, diante do cenário econômico do País. A Pró-Saúde, nesse contexto, tem desempenhado uma missão fundamental para assegurar o acesso e tratamento de milhares de pacientes diariamente, nas cinco regiões do Brasil. Na gestão hospitalar desempenhada pelos profissionais da nossa instituição, analisamos distintos indicadores para alcançar os resultados esperados. Sem dúvida, todos os esforços feitos nos últimos anos nos colocam na liderança do segmento e, indo além, asseguram nossos valores e perenidade organizacional”, ressaltou Miguel Paulo Duarte Neto, diretor Executivo-Geral da Pró-Saúde.

Após implantar um modelo de Governança Corporativa, a Pró-Saúde vem investido constantemente em sua Política de Integridade para nortear o trabalho de mais 16 mil colaboradores. Em 2018, a instituição apresentou o seu Código de Ética e de Conduta, um importante documento balizador para a toma de decisões estratégias.

O prêmio da revista Exame avaliou, no total, 22 categorias ou setores: Atacado; Autoindústria; Bens de Capital; Bens de Consumo; Eletroeletrônicos; Energia; Farmacêutico; Indústria de Construção; Indústria Digital; Infraestrutura; Mineração; Papel e Celulose; Química e Petroquímica; Saúde; Serviços; Siderurgia e Metalurgia; Telecomunicações; Têxtil; Transporte; Varejo; a Melhor do Agronegócio; e a Melhor Empresa do Ano.

A Melhores e Maiores avaliou dados de mais de 3.000 empresas e os maiores grupos privados do País. Foram analisados os balanços contábeis publicados no Diário Oficial dos estados até o dia 15 de maio. O ranking também considerou empresas de porte significativo e conhecidas que não divulgaram os resultados, mas tiveram seu faturamento estimado.