faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Transformação digital na Saúde: 3 pilares que devem ser reinventados

shutterstock_99929453
Hospitais precisam rever o modelo de negócios da empresa, seus processos e os métodos de trabalho para a nova era do setor, na qual a tecnologia é a base de uma assistência de qualidade e segura

O caminho rumo à transformação digital requer muito mais do que adoção de tecnologias. É necessário uma mudança cultural, com a união de todas as áreas - operacionais e médicas - e profissionais de saúde. A mudança começa na conscientização da importância da digitalização para a assistência à saúde e segurança do paciente, e passa por três grandes pilares, como explica o médico Abel Magalhães, professor de informática em Saúde do Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro (COPPEAD-UFRJ) e diretor de comunicação e mídias sociais da Sociedade Brasileira de Informática em Saúde (SBIS).

“A saúde digital pede a reinvenção do modelo de negócios da empresa, dos processos e dos métodos de trabalho”, explica. Para isso, é essencial contar com planejamento detalhado das mudanças, com perspectiva de investimento e tempo, e pessoas capacitadas para as implementações. Veja abaixo mais detalhes desses pilares:

  1. Modelo de negócios

Eles devem ser proativos e flexíveis para responder rapidamente à evolução das necessidades dos pacientes, cada vez mais informados e exigentes, ou às mudanças demográficas. O modelo de negócio para a transformação digital deve se basear nos seguintes pontos:

  • Integrar: mesclar bem-estar, prevenção e monitoramento, com assistência focada no paciente por completo, não apenas a um cuidado específico;
  • Especializar: identificar e direcionar os pontos fortes da instituição, para eliminar atividades de menor valor;
  • Praticar: compartilhar pesquisas clínicas para obter o que houver de mais moderno e eficaz para a oferta de uma terapia personalizada;
  • Criar: reagir a segmentos emergentes como saúde corporativa, turismo médico e saúde no varejo;
  • Interligar: equilibrar oferta e demanda, sincronizar e promover a saúde de acordo com as necessidades do paciente.

  1. Processos de negócios

Os novos processos têm o objetivo de unir especialistas e pacientes e, segundo Magalhães, devem se basear no desenvolvimento e execução de uma estratégia digital de negócios, baseada em cinco pontos:

  • Núcleo Digital: refazer a plataforma de processos centrais de negócios, para que as transações e análises em tempo real façam parte dela. Isso garante respostas mais inteligentes, rápidas e simples;
  • Participação do paciente: o cuidado deve ser holístico, com o envolvimento do paciente e o trabalho colaborativo entre todos os profissionais. Isso garante uma medicina personalizada, serviços de valor e terapias baseadas em resultados;
  • Recursos Humanos: capacitar e envolver todos os funcionários e equipes;
  • Internet das Coisas (IoT): aproveitar as informações gerados pela IoT para aprimorar as decisões clínicas e os diagnósticos e otimizar estratégias de prevenção

  1. Métodos de trabalho

“Cada unidade assistencial deve ser vista de forma mais ampla, relacionando o desempenho com a estratégia da instituição”, diz Magalhães. Segundo ele, a criação de uma área de planejamento e gestão da qualidade, por exemplo, com uma equipe contratada que detenha essa metodologia, pode funcionar como um setor de inteligência para a mudança de cultura. Para a formatação desse modelo, a instituição deve selecionar indicadores de monitoramento para cada área e seus respectivos gestores, levando em consideração o impacto na qualidade e segurança da assistência, os custos institucionais, o prazo de entrega e, até mesmo, o retorno dos investimentos. A ideia é criar um ecossistema que beneficie todos, modificando a maneira como os profissionais trabalham:

  • Médicos que podem, agora, coordenar um paciente mais informado e capacitado substituindo a hierarquia tradicional e a prática da consulta em que só o médico diz o que é melhor;
  • Enfermeiros como cuidadores pessoais assumem mais responsabilidade no tratamento;
  • Decisões clínicas mais fáceis devido ao acesso rápido de informação a qualquer hora ou local e com mais inteligência no fluxo de trabalho;
  • Mais espaço - e possibilidades - para a pesquisa clínica.

“A incorporação de novas tecnologias, como reflexo da transformação digital é uma tendência inevitável para as instituições de saúde, mas isso precisa estar diretamente ligada à melhoria da assistência. Em pouco tempo, isso será mais natural, com hospitais adquirindo tecnologias como forma de complementar ou melhorar as já desenvolvidas pela instituição”, completa.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar