faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Estudo brasileiro sobre câncer de mama hereditário revela importância de ir além do BRCA 1 e 2

estudo cancer de mama brasil.jpg
Ao se analisar um painel de múltiplos genes é duplicada a chance de encontrar uma mutação genética em comparação à análise exclusiva dos genes BRCA 1 e 2. Descoberta foi publicado na revista Scientific Reports, da Nature

Um estudo brasileiro traz descobertas sobre o perfil do câncer de mama hereditário nas brasileiras, considerando a diversidade genética por conta da miscigenação do país. Publicado na Scientific Reports, do grupo Nature, o estudo traz os resultados da maior coorte de pacientes brasileiras com câncer de mama submetidas ao teste de painel multigênico com sequenciamento de nova geração (NGS). O uso de testes de painel multigênico quase dobrou a identificação de variantes patogênicas ou provavelmente patogênicas da linhagem germinativa (herdadas ao nascimento), em genes de predisposição para câncer de mama. No Brasil, mais da metade dos genes mutados não BRCA1/2 (totalizam 47,7%) e os autores destacam que atenção especial deve ser dada às variantes do gene TP53.

Highlights

  • O uso de painéis multigênicos para o câncer de mama duplicam a chance de encontrar uma mutação genética em comparação da análise do BRCA1 e 2.
  • O terceiro gene mais comumente mutado na população brasileira é o TP53, que quando identificado exige um cuidado mais complexo que o BRCA1 e 2.
  • As variantes de significado incerto, que são encontradas mais vezes em painéis multigênicos, nunca devem ser utilizadas para modificar a conduta clínica.

A diversidade genética de variantes germinativas em genes de predisposição para câncer de mama é inexplorada em populações miscigenadas, que é o caso da população brasileira. Com esta premissa, neste estudo, 1663 brasileiros (99,2% mulheres e 0,8% homens) com câncer de mama foram submetidos a testes de painel multigênico hereditário (20-38 genes de suscetibilidade ao câncer). Os resultados foram comparados com 18.919 casos controle (indivíduos brasileiros, sequenciados como parte de vários testes genéticos específicos de doenças, excluindo amostras de casos de câncer).

Na amostra, o câncer de mama hereditário representaria 2 entre 10 casos da doença. Isso porque, na análise, 335 (20,1%) participantes carregavam variantes germinativas patogênicas ou provavelmente patogênicas (P/PL). Destas variantes P/PL, 167 (10,0%) em BRCA1/2, 122 (7,3%) em genes acionáveis de câncer de mama não-BRCA e 47 (2,8%) em genes candidatos ou outros genes de predisposição ao câncer. No geral, 354 variantes distintas de P/LP foram identificadas em 23 genes. Os genes mais comumente mutados foram: BRCA1 (27,4%), BRCA2 (20,3%), TP53 (10,5%), MUTYH monoalélico (9,9%), ATM (8,8%), CHEK2 (6,2%) e PALB2 (5,1%). Vale destacar que o número de pacientes portadores da variante TP53 R337H é semelhante ao número de pacientes com BRCA1 c.5266dupC, que é a variante patogênica de BRCA1 mais prevalente no estudo.  

Assim, esses resultados confirmam que a herança do TP53 R337H contribui para um número significativo de casos de câncer de mama no Brasil. “Esses achados reafirmam a necessidade de diretrizes diferenciadas para monitoramento e estratégias de redução de risco em pacientes com câncer de mama hereditário no Brasil. A investigação da variante TP53 R337H nas pacientes brasileiras na pré-menopausa com diagnóstico de câncer de mama é essencial”, destaca o autor principal do estudo, Rodrigo Guindalini, oncologista clínica e oncogeneticista da Oncologia D´Or e consultor científico da Igenomix Brasil.

De acordo com Guindalini, esses pacientes e seus familiares que carregam a mesma variante devem receber vigilância intensiva que inclui, pelo menos, ressonância magnética de corpo inteiro (RM) e RM do sistema nervoso central, conforme protocolo de Toronto50. Além disso, a ressonância magnética de mama deve ser oferecida anualmente a partir dos 20 anos e mamografia anualmente a partir dos 30 anos. Para esses pacientes, a cirurgia de redução de risco do tipo (adeno)mastectomia bilateral deve ser discutida. Para pacientes com câncer de mama, a mastectomia deve ser a opção preferida na tentativa de evitar a radioterapia. No entanto, a radioterapia deve ser considerada quando o risco de lesão locorregional, a recorrência é alta. Para tanto, é fundamental que seja ampliado no Brasil o acesso da população de risco ao teste de painel multigênico.

Referência do estudo: Guindalini RSC, Viana DV, Kitajima JPFW, Rocha VM, López RVM, Zheng Y, Freitas É, Monteiro FPM, Valim A, Schlesinger D, Kok F, Olopade OI, Folgueira MAAK. Detection of germline variants in Brazilian breast cancer patients using multigene panel testing. Sci Rep. 2022 Mar 9;12(1):4190. https://www.nature.com/articles/s41598-022-07383-1.pdf


Clique para assistir

Sobre a Igenomix – A Igenomix é um laboratório de biotecnologia que ajuda no sucesso dos tratamentos de Reprodução Assistida, diagnóstico e prevenção de Doenças Genéticas. Juntamente com clínicas e médicos em todo o mundo, investiga como a medicina de precisão, por meio da genômica, pode salvar vidas. Atuante em mais de 80 países, conta com 25 laboratórios genéticos. Com quase 500 publicações científicas e seis patentes, é um importante produtor de ciência em saúde reprodutiva e genética.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar