faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Projeto do PROADI-SUS reduz em cerca de 60% o tempo de execução de exame para diagnóstico de infarto em unidades públicas de saúde

Exame_diagnóstico de infarto .png
Intervalo desde a entrada do paciente passou de 55 para 14 minutos em 150 UPAs e 15 hospitais participantes do eixo de implementação às diretrizes assistenciais em síndrome coronariana aguda do projeto; identificação ágil é fundamental para evitar complicações e mortes

Realizado no âmbito do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS), do Ministério da Saúde, e conduzido pelo Hcor, o projeto Boas Práticas na Atenção à Cardiologia e Urgências Cardiovasculares realiza a qualificação do atendimento em 150 Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e 15 hospitais de todo o Brasil e já apresenta uma redução de 60% no tempo de intervalo entre a entrada de pacientes com suspeita de infarto e a realização de eletrocardiograma, principal exame para diagnóstico de ataque cardíaco. A queda expressiva no tempo para a realização do exame é uma das entregas da iniciativa que, além disso, promove a capacitação de médicos plantonistas, por meio de teleconsultorias e sessões aprendizagem virtual, para a realização do laudo e apoio à decisão clínica dos profissionais, favorecendo o fluxo de atendimento mais ágil no SUS.

De acordo com Cláudia Alves de Assis, enfermeira e especialista do projeto, as unidades foram selecionadas pelo Ministério da Saúde e já apresentam uma performance geral saindo de uma mediana de 55 minutos no tempo porta-eletrocardiograma para uma mediana de 14 minutos, próximo ao tempo preconizado pelas diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia. "Quando se fala em infarto, tempo é músculo, visto que se trata da necrose de uma parte do músculo cardíaco causada pela falta de irrigação sanguínea no coração. Por isso, esta queda é tão importante: quanto mais rápido o infarto é identificado, mais rápido o paciente passa por tratamento e menor é o risco de sequelas e de morte. Caso contrário, mais musculatura é necrosada com menor chance de recuperação posterior", esclarece.

Já o tempo porta-agulha (chegada do paciente até o início da medicação de reperfusão da artéria ocluída) passou de 130 para 57, enquanto todas as unidades contempladas já passam a realizar, em média, mil laudos por dia, totalizando mais de 30 mil por mês. Assis ressalta que, para chegar nesta média, a equipe do projeto Boas Práticas tem qualificado os profissionais do SUS na melhoria dos processos assistenciais por meio da telemedicina, com Seções de Aprendizagem Virtual (SAV) e implementação das diretrizes assistenciais em cardiologia. “Identificamos as oportunidades de melhoria e vamos trabalhando mensalmente com essas equipes a fim de identificar os processos, identificar oportunidades de mudanças, mantemos contato diário com as unidades. Todos os meses são realizadas reuniões com as equipes para dúvidas, revisão dos relatórios, protocolos para auxiliar essas instituições nestas melhorias”, afirma.

As doenças cardiovasculares são consideradas pela Organização Mundial da Saúde (OMS) a principal causa de morte no mundo, sendo que mais pessoas morrem por estas condições do que por qualquer outra causa. Com base neste contexto, o projeto é executado desde 2009 com o apoio às instituições públicas no desenvolvimento de estratégias de intervenções voltadas à melhoria da qualidade assistencial e segurança do paciente. Atualmente, atua em todas as 150 UPAs 24h em todas as regiões do país na realização de laudos qualificados de eletrocardiogramas, também à distância, que são analisados 24h por dia e em até 10 minutos a partir do seu recebimento. Ainda, a iniciativa oferece suporte na decisão clínica por meio da segunda opinião médica para os casos sugestivos de Infarto Agudo do Miocárdio e Arritmias e avaliação de desfecho clínico após 48 horas da realização do exame.

Camila Rocon, líder do projeto e cardiologista do Hcor, reforça que a iniciativa também oferece discussão de casos entre os profissionais das unidades contempladas e do Hcor, proporcionando uma rica troca de experiência. “O projeto está em muitas áreas de vazio assistencial e isso fortalece a atuação em todo o país. Então, levamos este legado para as equipes do SUS, esta sensibilização de que o tempo de todos os procedimentos a partir da entrada do paciente com infarto vai impactar no desfecho final e no prognóstico posterior ao tratamento. A nossa expectativa é que este aprendizado seja passado para os outros colaboradores, que eles também sejam multiplicadores desse aprendizado”, conclui.

Para saber mais sobre o projeto, acesse o portal do PROADI-SUS.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar