faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Sitemap


Articles from 2016 In October


Amil apresenta resultados de seu novo modelo de gestão clínica de internações

performance de serviços de saúde

Empresa estima que, em 2015, a redução do tempo médio de internação tenha evitado cerca de 1.250 eventos adversos, como infecção hospitalar, reação a medicamentos e úlceras de pressão

Rio de Janeiro, RJ (outubro de 2016) – Entre os dias 27 e 30 de setembro, médicos, pesquisadores e lideranças da Saúde de todo o mundo se reuniram na principal conferência internacional de diretrizes médicas: o Guideline International Network (G-I-N), que este ano aconteceu na Philadelphia (EUA). A Amil foi a única operadora de saúde brasileira a participar como palestrante do evento. A companhia compartilhou com o público presente os resultados de um projeto que alcançou índices de redução de até 17% no tempo médio de internação hospitalar dos pacientes, gerando, consequentemente, uma queda considerável no risco de intercorrências médicas inerentes ao ambiente hospitalar.

A apresentação do modelo de apoio à gestão clínica, iniciado pela empresa em maio de 2015, ficou a cargo da médica e pesquisadora Maria Elisa Pazos. Com o auxílio de uma plataforma de guidelines e recomendações que sinalizam as melhores práticas para cuidado do paciente, a empresa utilizou o conceito da medicina baseada em evidências para auxiliar os médicos de suas unidades na tomada de decisões assistenciais.

A implementação desse modelo resultou em uma redução de 17% no tempo médio de permanência hospitalar, em São Paulo, e de 8% nas unidades do Rio de Janeiro. A pesquisadora destaca que essa redução representa um ganho expressivo aos pacientes, uma vez que, fora do ambiente hospitalar, ficam submetidos a menos riscos. É o que comprova uma pesquisa realizada nos hospitais públicos do estado de Victoria, na Austrália, com mais de 200 mil pacientes internados em 2005 e 2006.

O estudo concluiu que o simples fato de ser internado já gera um risco de infecção hospitalar de 17,6%, enquanto as chances de ter uma reação adversa a medicamentos são de 5,5% e a probabilidade de desenvolvimento de úlceras de pressão é de 3,1%. A pesquisa também concluiu que, a cada noite adicional em um hospital, o risco de infecção cresce 1,6%, e o de reação e úlceras, 0,5%. Ao cruzar a redução do tempo de internação obtida em seus hospitais no Brasil com os indicadores da pesquisa feita na Austrália, a Amil estima que cerca de 1.250 eventos como esses podem ter sido evitados na sua rede no ano de 2015.

“Com essa nova prática e o uso da ferramenta, que é internacionalmente reconhecida, nossa proposta foi que o paciente ficasse internado o tempo realmente necessário para a sua recuperação - nem mais nem menos -, simultaneamente garantindo o melhor desfecho clínico dentro das diretrizes indicadas para o seu caso”, explica Maria Elisa Pazos.

Logística hospitalar de verdade é a que gera valor agregado

valor

Muito já falamos sobre a importância da gestão de excelência dos insumos e medicamentos e da necessidade de profissionalização da logística hospitalar, mas vejo que o setor como um todo ainda tem um caminho a seguir para operar, de forma homogênea, sobre o alicerce destas necessidades. E para que este caminho seja abreviado, é preciso de uma vez por todas separar a designação e função de fornecedores verdadeiramente de logística daqueles que oferecem “apenas” o transporte. E aprofundando mais nesta necessidade, saber diferenciar a logística hospitalar, dos estoquistas.

Em eventos e debates do setor que tenho participado, e mais especialmente nos bastidores de prospecções que acompanho, vejo ainda discussões primárias sobre processos obsoletos, que revelam a falta de conhecimento de contratantes e prestadores de serviços para a boa evolução de suas operações e onde percebo a necessidade de investimentos em melhor capacitação de material humano, de processos e tecnologias assertivas e operadas por pessoas treinadas.

No Brasil, já temos à nossa disposição tecnologia nacional de ponta e a custos mais acessíveis que os oferecidos por empresas estrangeiras, que promovem diferenciais como a unitarização, serialização e rastreabilidade de ponta a ponta para quaisquer necessidades da cadeia de medicamentos hospitalar. Porém, a falta de conhecimento e pensamento focado apenas no valor despendido para a sua aquisição, sem a real dimensão do valor de retorno no médio prazo acaba por comprometer esta evolução tão necessária.

Também vejo nos poucos que investem na automação, um uso subestimado dos recursos disponíveis, especialmente dos apontamentos estratégicos gerados em relatórios de fluxos, demandas e alertas de “erros” em operações diversas como de prescrição e administração, por exemplo, para que o ferramental faça, de fato, a diferença sobre os usuários que estão na linha de frente das instituições de saúde e os pacientes.

Somos um setor com enorme potencial de colaboração para a segurança da saúde brasileira, porém, ao fazermos mais do mesmo, estamos subestimando a capacidade desta inteligência de serviço e comprometendo os resultados de todos – operadores logísticos e instituições de saúde.

É preciso coragem, ousadia e visão de futuro para promover uma efetiva mudança na logística hospitalar. Não se pode ter medo de inovar. É preciso partir de algum lugar e seguir em busca do conhecimento constante e na extração do melhor que ele pode nos gerar. É isso ou a perpetuação dos serviços de transporte “travestido” de logística. Não é isso que eu sou. É isso que você quer continuar a ser?

Mayuli Fonseca, diretora de novos negócios da UniHealth Logística Hospitalar

Fundo GCI da Kuang-Chi investirá $ 250 milhões em startups mundiais

SHENZHEN, China, 31 de outubro de 2016 /PRNewswire/ -- A empresa Kuang-Chi Group anunciou hoje que lançou seu segundo fundo Comunidade Global de Inovação (Global Community of Innovation, GCI) que investirá até $ 250 milhões em empresas de desenvolvimento de tecnologia das indústrias, incluindo robótica, IoT, telecomunicações e saúde digital. O fundo é direcionado a startups mundiais e segue um investimento anterior de $ 50 milhões em áreas semelhante.

Através de investimentos do primeiro fundo GCI, a Kuang-Chi detém participações em empresas com foco em tecnologias inovadoras e disruptiva como a Agent Video Intelligence (Agent Vi), uma provedora de análise de vídeos.

Itsik Kattan, CEO da AgentVi, disse: "Depois que a Kuang-Chi tornou-se uma investidora estratégica da Agente Vi, nossa cooperação progrediu rapidamente. Entre outras iniciativas, abriremos um Centro de Inovação no início de 2017 em Tel Aviv, Israel, que vai procurar identificar e integrar as tecnologias para Cidades Inteligentes que estão sendo desenvolvidas em Israel como oferta da Kuang-Chi e nossa".

Além da Agente Vi, o fundo GCI investiu em empresas inovadoras mundiais, incluindo: eyeSight, líder em controle de gestos; Beyond Verbal, pioneira em análise de emoções; Zwipe, provedora de autenticação biométrica; e SkyX, empresa de vigilância UAV. A Kuang-Chi também formou joint-ventures para reforçar as posições de mercado do seu portfólio de empresas, incluindo uma associação com a Zwipe em Shenzhen.

Dr. Ruopeng Liu, presidente da Chi-Kuang disse: "A primeira parcela de $ 50 milhões do fundo GCI de $ 300 milhões foi investida com sucesso. Queremos aproveitar o momento para crescer expandindo nosso foco de investimento e, pela primeira vez, oferecendo a nossos parceiros a oportunidade de participar de nossos investimentos".

A primeira empresa chinesa de tecnologia a ter criado um fundo estratégico de joint-venture voltado para Israel, a Kuang-Chi tem experiência em aproveitar sua experiência tecnológica e de seu pessoal para identificar o potencial de startups e novas tecnologias. O Dr. Liu acrescentou: "As empresas que compõe o portfólio do fundo GCI terão acesso às capacidades tecnológicas, de vendas e distribuição da Kuang-Chi e à ampla rede de parceiros com quem trabalhamos na China e no exterior. Nossos investimentos vêm com uma oportunidade de expandir negócios no mercado chinês e estabelecer relações com líderes de vários setores".

Dorian Barak, diretor de investimentos globais da Kuang-Chi disse: "As empresas chinesas estão se tornando importantes investidoras em Israel e líderes de mercado como a Alibaba, Baidu, Kuang-Chi e Tencent estão se juntando à Intel, Google, Apple e outras como compradoras e investidoras estratégicas. Ao mesmo tempo, cada vez mais, startups israelenses estão priorizando trazer seus produtos e recursos para o mercado chinês".

"Estou feliz com o progresso da Kuang-Chi em Israel e ansioso para ver o fundo GCI expandir sua atividade a outros parceiros de investimento. O poder tecnológico, alcance geográfico e posição no mercado da Kuang-Chi oferecem vantagens significativas às empresas do portfólio que buscam operar na Ásia", disse Dorian Barak.

Sobre a Kuang -Chi Group

A Kuang-Chi é uma empresa de alta tecnologia que se dedica à inovação disruptiva. Com sede em Shenzhen, China, a Kuang-Chi é formada por um grupo de empresas públicas e privadas e institutos de pesquisa. Ela investe principalmente em setores de tecnologia de ponta, incluindo comunicações, metamateriais e tecnologia espacial, que têm aplicações em áreas de negócios diversificados como aeroespacial, equipamentos inteligentes, internet das coisas, e cidades inteligentes. Para saber mais sobre a Kuang-Chi, visite o endereço http://www.kuang-chi.com/en

FONTE Kuang-Chi Group

Custos com tratamento de AVC crescem 27,41% em um ano

tratamento avcUm estudo da Orizon – empresa de serviços para os segmentos de saúde, seguros e benefícios – constatou que o tratamento de Acidente Vascular Cerebral, o AVC ou derrame, encareceu 27,41% em um ano, na rede privada de saúde. A empresa analisou os dados de 10.130 beneficiários, que entre os anos de 2014 e 2015 usaram o plano de saúde por conta da doença.

            O tempo médio de internação por beneficiário foi de 22 dias. “Do total de 10.130 vítimas de AVC, 5.910, ou seja, 58,34%, foram internados alguma vez no decorrer dos dois anos analisados”, afirma o revela o pesquisador da Orizon, Bruno Luiz de Carvalho. 

            O Acidente Vascular Cerebral é a segunda principal causa de morte no mundo de indivíduos acima de 60 anos de idade. A principal causa do derrame é a hipertensão arterial não tratada de forma correta. Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, o Brasil tem 47,5 milhões de hipertensos e somente 19,6% estão com os valores pressóricos adequadamente controlados. A hipertensão é responsável por 63 mil mortes anuais em decorrência dos AVCs.

            Ainda de acordo com a Orizon, Bahia e Distrito Federal apresentam a maior quantidade de eventos relacionados ao AVC no Brasil, com 52 e 51 beneficiários a cada 10.000, respectivamente. São Paulo tem 19 beneficiários por 10.000 e Rio de Janeiro registra 17 por 10.000.

            A Orizon oferece, para as empresas, consultoria em Economia da Saúde e estudos, como o do Acidente Vascular Cerebral, que podem fundamentar avaliações e direcionamento de investimentos em prevenção. Os trabalhos da Orizon têm reconhecimento internacional da ISPOR (Intenational Society for Pharmacoeconomics and Outcomes Research), o maior fórum mundial fármaco-econômico do mundo. Nas edições dos últimos três anos, a Orizon teve 10 estudos apresentados.

Como foi o Hospital Innovation Show 2016?

img_5423

O Hospital Innovation Show (HIS) é o primeiro trade show de inovação focado no mercado de saúde na América Latina. Tivemos mais de 10 espaços simultâneos de apresentação de conteúdo com foco em diferentes cargos das organizações de saúde, apresentações de inovações tecnológicas de grandes empresas e startups, e nomes de peso do setor liderando os conteúdos, como Cláudio Lottenberg, Presidente do Hospital Israelita Albert Einstein, Denise Santos, CEO da Beneficência Portuguesa de São Paulo, entre outros.

Você consegue ver as fotos do evento clicando aqui e o vídeo encontra-se disponível abaixo. Já dá para preparar para o ano que vem:

Hospital Innovation Show 2016 from Live Healthcare Media on Vimeo.

Já estamos nos preparativos para a edição de 2017. Com certeza estaremos ainda maiores e com um conteúdo ainda mais relevante.

Se quiser saber das condições especiais para aquisição de ingressos do ano que vem, preencha o formulário abaixo:

MP-RJ se manifesta favorável a ação do INDSH para recebimento de atrasados da UPA São Pedro da Aldeia

shutterstock_258604652

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro emitiu, nesta semana, parecer favorável à procedência da ação de cobrança movida pelo INDSH contra o Governo do RJ (processo nº 0152265-23.2016.8.19.001, em trâmite na 14ª Vara da Fazenda do Rio de Janeiro), cujo objeto é o recebimento dos valores devidos pela gestão da UPA de São Pedro da Aldeia até maio de 2016, quando da saída do Instituto.

Segundo o parecer do MP-RJ, “o Estado do Rio de Janeiro em momento algum negou ou contestou o pedido do autor (INDSH), concluindo-se que os serviços foram executados, não se vislumbrando irregularidades na documentação acostada, sendo certo que a documentação acostada comprova a avença entre as partes”.

Ainda no entendimento do MP-RJ, “o réu (Estado do Rio de Janeiro) não efetuou, de forma tempestiva, os pagamentos devidos violando o princípio que veda o enriquecimento sem causa e ao princípio da legítima confiança”, afirmando, ainda, que a correção monetária e os juros moratórios são devidos a partir da “inércia do Estado” em pagar o valor da dívida.

Em setembro, o Ministério Público do Trabalho já havia notificado o governo do Rio de Janeiro sobre o eventual interesse em participar de uma audiência de mediação a fim de negociar o pagamento dos salários e verbas rescisórias dos empregados da UPA, a partir de um pedido protocolado pelo INDSH. Desde 27 de setembro se aguarda resposta do Governo do Estado no sentido de interesse nesse pedido.

O INDSH reafirma que confia na atuação da Justiça e reitera os esforços para recebimento dos valores devidos, a fim de honrar a dívida existente com ex-funcionários e fornecedores da UPA, principal objetivo de todas as ações movidas

Laboratório Sabin expande atuação em Salvador

Laboratório Sabin expande atuação em Salvador

Após quatro anos de atuação no mercado de Medicina Diagnóstica em Salvador, e há sete anos do estado da Bahia, o Laboratório Sabin anuncia a entrada na área de diagnóstico por imagem. O Sabin acaba de concretizar a aquisição da Clínica Bahia Imagem.

“Nossa intenção com essa parceria é oferecer aos nossos clientes um serviço mais completo e integrado com o padrão de excelência que temos”, garante a presidente executiva do Laboratório Sabin, Lídia Abdalla.

Tradicional no mercado de imagem local e com mais de 21 anos de experiência, a Bahia Imagem oferece um portfólio completo de exames de diagnóstico por imagem de alta definição e tecnologia, além de exames cardiológicos.

Os médicos Luis Pinho e Márcia Gesteira, que continuam como sócios e no corpo clínico da Bahia Imagem, acreditam que o Laboratório Sabin chega para somar mais qualidade e conforto no atendimento dos pacientes. Hoje, a estrutura da clínica é dividida em duas unidades na cidade de Salvador, sendo uma no Itaigara e outra em Canela, que empregam direta e indiretamente mais de 60 funcionários, incluindo o corpo clínico de médicos.

Cerca de R$ 20 milhões já foram investidos durante os sete anos de atuação do Sabin na Bahia, e isso inclui investimentos diversos como reformas, inaugurações de novas unidades, reestruturação, novos serviços e valores aplicados em estratégias de comunicação e tecnologias da informação.

Atualmente, o Grupo Sabin possui 33 unidades na Bahia, concentradas nos municípios de Barreiras, Lauro de Freitas, Luís Eduardo Magalhães, Camaçari e na capital Salvador.

Perda de visão e de memória são principais preocupações da velhice

NUREMBERG, Alemanha, 28 de outubro de 2016 /PRNewswire/ -- Internacionalmente, as cinco principais condições físicas que preocupam as pessoas, agora ou quando envelhecerem, são perda de visão, não estar mentalmente alerta, falta de energia, dificuldades para cuidar de si mesmas fisicamente e serem incapazes de caminhar ou dirigir.

Essas são as descobertas de uma pesquisa GfK feita de forma online em 17 países, que perguntaram às pessoas quais condições físicas mais preocupantes, agora ou quando envelhecerem, a partir de uma lista de 19 condições diferentes:

Perda de visão

38%

Não ficar mentalmente alerta / perda de memória

38%

Falta de energia

36%

Ter dificuldades para se cuidar fisicamente

34%

Perda de mobilidade / incapacidade para andar ou dirigir

33%

Sofrer de dores no corpo

30%

Ganhar peso

27%

Ter maiores riscos de doenças sérias

26%

Perder a audição

24%

Ter problemas digestivos / irregularidades

21%

Ter rugas, ficar encurvado / pele flácida

21%

Perder o cabelo ou ficar com cabelo muito fraco

20%

Incontinência

19%

Perder tonificação nos músculos

19%

Perder o desejo sexual

17%

Ficar com cabelo grisalho ou branco

16%

Desenvolver marcas de idade, cicatrizes ou veias muito evidentes

15%

Menopausa

10%

Nenhuma delas

10%

O estudo revela como são comuns algumas preocupações em países diferentes e entre gêneros - informações que fabricantes e varejistas podem usar para melhor direcionar a colocação e publicidade de seus produtos.

Por exemplo, 38 por cento da população online internacional diz que "perda de visão" é uma preocupação. Mas isso cresce para mais da metade na Espanha (53 por cento), México e Argentina (os dois com 52 por cento). Da mesma forma, "não estar tão mentalmente alerta" é uma preocupação para 38 por cento das pessoas internacionalmente, mas é muito maior na Espanha (66 por cento), Argentina (58 por cento), Alemanha (52 por cento), México (51 por cento) e Itália (50 por cento).

Alguns países também se destacam como mais preocupados com condições físicas específicas comparados com outros. A Rússia é o único país pesquisando no qual "perder os dentes" é uma das cinco preocupações mais populares, enquanto no Japão e na Coreia "ter rugas ou pele flácida" está entre as cinco maiores. O Japão também tem "perder a tonificação muscular" entre as cinco maiores preocupações, outro quesito que não apareceu entre os principais em outros países.

Também foram vistas diferenças entre homens e mulheres. Os dois gêneros têm as mesmas cinco preocupações físicas em relação ao envelhecimento - apesar de que em ordem um pouco diferente. No entanto, olhando mais fundo na lista, muitos mais homens que mulheres se preocupam com "perda do desejo sexual" (22 por cento dos homens; 11 por cento das mulheres) - e mais mulheres do que homens estão preocupadas com "ter rugas ou pele flácida" (32 por cento das mulheres; 11 por cento dos homens).

Faça o download dos resultados completos de todos os 17 países: http://www.gfk.com/global-studies/global-study-overview/

Sobre o estudo 

A pesquisa online da GfK entrevistou mais de 22.000 consumidores com mais de 15 anos em 17 países. O trabalho de campo foi completado no verão de 2016 com dados pesados para refletir a composição demográfica da população online com mais de 15 anos em cada mercado: Argentina, Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Itália, Japão, México, Países Baixos, Rússia, Coreia do Sul, Espanha, Reino Unido e EUA.

FONTE GfK

Crowdfunding visa construção do Centro de de Apoio de Microcefalia

shutterstock_397839646

O local será construído para o ser uma referência em capacitação, pesquisa e atendimento gratuito e humanizado de mães e crianças diagnosticadas com a Microcefalia. As doações do financiamento colaborativo podem ser feitas pela internet com quantias a partir de R$ 10

Para arrecadar fundos visando à construção do Centro de Apoio Integrado de Microcefalia, foi criada uma campanha de crowdfunding, modalidade de financiamento colaborativo para iniciativas de interesse coletivo. O centro será construído em Campina Grande, na Paraíba, para o ser uma referência em capacitação, pesquisa e atendimento gratuito e humanizado de mães e crianças diagnosticadas com a microcefalia. As doações podem ser feitas pelo link com valores a partir de R$ 10.

O projeto é liderado pela doutora Adriana Melo, médica e pesquisadora que alertou as autoridades brasileiras acerca da relação entre o vírus Zika e os casos de microcefalia. O objetivo da campanha é levantar R$ 200 mil, recursos que serão aplicados na construção do edifício em um terreno doado pela Prefeitura de Campina Grande, com base em um projeto desenvolvido voluntariamente pelo arquiteto Jonas Lourenço. Os tijolos também já foram fornecidos pela empresa Salema.

Com o Centro de Apoio Integrado de Microcefalia será possível proporcionar tratamento às crianças, reunindo múltiplas especialidades médicas necessárias para os cuidados, em um único lugar. Já é de conhecimento dos cientistas que complicações locomotoras decorrentes da doença, de fala, deglutição, cognição e outras, podem ser significativamente reduzidas quando as crianças recebem estímulos cerebrais até dois anos de idade.

Por tratar-se de uma enfermidade nova, causadora de alteração do sistema nervoso central, requer muitos cuidados às crianças e orientações às mães, que não contam com recursos econômicos necessários para o grande desafio que terão pelo resto da vida. Além disso, é necessário continuar as pesquisas para desvendar muitos aspectos ainda desconhecidos. Por exemplo, ainda não se sabe porque algumas mulheres foram acometidas pelo Zika, mas seus bebês não nasceram com microcefalia. E se voltarem a engravidar, os bebês terão a doença?

A campanha para a construção do Centro de Apoio Integrado de Microcefalia, foi criada pelo IPESQ – Instituto Professor Joaquim Amorim Neto de Desenvolvimento, Fomento e Assistência a Pesquisa Científica e Extensão, uma organização civil de fins não econômicos, de caráter filantrópico, fundada em 2008 em Campina Grande, na Paraíba.

Rubens Felix é o novo diretor executivo do Hospital Madre Regina Protmann em Santa Teresa, ES

shutterstock_189611945

Em outubro, Rubens Felix assumiu o comando do Hospital Madre Regina Protmann (HMRP), em Santa Teresa (ES). O novo diretor executivo assumiu o lugar de Débora Marques, que esteve à frente do Hospital nos últimos cinco anos.

A mudança faz parte de um processo de restruturação da Associação Congregação de Santa Catarina (ACSC), entidade mantenedora do HMRP, que também acontece em outras unidades administradas pela ACSC nos estados de Mato Grosso, Santa Catarina e Rio de Janeiro.

Felix responderá regionalmente para a ACSC, sendo que ele acumula a direção executiva do Hospital Dr. Benício Tavares Pereira (Hospital Central de Vitória), também administrado pela ACSC. Com mais de 30 anos de experiência na área hospitalar, o executivo ingressou na ACSC em 2005 e deste então já passou pelo Hospital São Luis de Cáceres (MT), pelo Polo de Atenção Intensiva em Saúde Mental da Zona Norte de São Paulo (PAI-ZN), pelo Hospital Santa Teresa em Petrópolis (RJ), entre outros.

Débora Marques trabalhou por mais de oito anos na entidade e no HMRP. Ao longo do tempo, sua formação técnica, social e humana, além de sua experiência, tornou-a qualificada para vários processos de promoção interna. Depois de tantos anos de dedicação, Débora parte agora para novos desafios em sua carreira profissional.

O Superintendente da ACSC, João Alberto Santos, agradeceu a Débora por toda dedicação, compromisso e profissionalismo. “Débora foi uma grande parceira à frente do HMRP e na incansável busca de recursos financeiros, técnicos e humanos em prol dos usuários do Hospital e de toda população teresense. Desejamos a ela sucesso em seus novos desafios”, declarou.

Sobre a Associação Congregação de Santa Catarina (ACSC)

Com mais de 100 anos de atuação no Brasil, a Associação Congregação de Santa Catarina (ACSC) é responsável pela administração de 33 entidades em três segmentos de atuação: Saúde, Educação e Assistência Social. A ACSC criou um modelo de negócio no qual instituições que geram superávit transferem recursos para as obras sociais, a fim de executar dignamente suas atividades e acolher cada ser humano na sua integralidade, conciliando eficácia organizacional e compromisso com as necessidades das comunidades e valores cristãos. São cerca de 17.000 colaboradores distribuídos em diversas instituições de saúde, mantendo inúmeros estabelecimentos de ensino e acolhendo crianças, adultos e idosos em espaços assistenciais, com atendimento humanizado e serviços de qualidade para milhares de pessoas em 8 estados brasileiros (Ceará, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo).