faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Sitemap


Articles from 2016 In March


Como seu computador pode juntar esforços contra o câncer

shutterstock_282063554

Existem belezas admiráveis na sociedade conectada. Como quando o mundo financiou R$ 1 milhão para ampliações da ONG Santuário Animal em Cotia-SP e tantas outras campanhas de crowfounding cheias de significado. Nesse espectro terno da sociedade conectada que o World Community Grid, definitivamente, reside.

O World Community Grid é uma iniciativa para usar, voluntariamente, o poder de processamento computacional ocioso dos nossos dispositivos - como celular ou notebook - para ajudar a resolver problemas globais, incluindo a cura para o câncer e a melhoria do tratamento para a AIDS. Para entender o que isso representa, precisamos levar em conta que processar grandes quantidades de dados leva tempo e que analisar esses dados tem muita importância para para o avanço científico.

Esse super computador público foi criado pela IBM em 2004. Inicialmente, apenas usuários do Windows podiam contribuir. De lá para cá, ele ganhou suporte a vários outros sistemas operacionais, incluindo iOS e Android, e já contribuiu com diversos projetos. Um dos projetos que utilizou o poder computacional do World Community Grid foi relacionado ao vírus da varíola. Foram analisados 35 milhões de moléculas de drogas com ações potenciais ao vírus da varíola e o resultado foi de 44 tratamentos potenciais.

O World Community Grid não é uma iniciativa única. Outros serviços com foco no avanço científico utilizam também o que chamamos de computação voluntária. Até há pouco tempo, o maior deles era o SETI@HOME, que processa dados coletados por radiotelescópios na casa de centenas de milhares de pessoas ao redor do mundo procurando por sinais de vida no universo. Atualmente, o Folding@home, administrado pelo universidade de Stanford, o ultrapassou e se tornou a maior iniciativa do gênero em funcionamento no mundo, seus esforços são voltados para entender doenças como o Alzheimer e a doença da vaca louca.

Na computação voluntária, você baixa um programa ou aplicativo e se cadastra no projeto. Normalmente, nunca usamos a capacidade total de processamento dos nossos dispositivos e o processador fica com poder computacional ocioso. O programa, então, detecta essa ociosidade e a utiliza em segundo plano, sem atrapalhar a tarefa principal que está sendo executada, em prol do projeto escolhido.

O World Community Grid está com projetos abertos na área da saúde voltado para análise de assinaturas genéticas do câncer, entendimento sobre a bactéria da tuberculose, drogas efetivas contra o vírus do Ebola e a melhoria dos tratamentos da AIDS. Ao todo, a iniciativa já processou o equivalente a 880 mil anos em poder computacional, apoiou 22 projetos e tem mais 65 mil voluntários espalhados em 80 países. Então que tal você juntar os seus esforços? Se você se interessou, pode começar aqui.

Unidade Home Doctor no Rio de Janeiro em novo endereço

shutterstock_150722831

Com 22 anos de atuação no mercado de Atenção Domiciliar, a empresa Home Doctor inaugura a nova sede da Unidade Rio de Janeiro. Tendo iniciado seu trabalho na região fluminense em outubro de 2007, atende atualmente pacientes de Internação e Atendimento Domiciliar nas regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Niterói, Volta Redonda e todo interior do estado.

O prédio, tombado pelo Patrimônio Histórico da cidade, irá abrigar as novas instalações administrativas da empresa em solo carioca. Localizada em Botafogo, na Rua Voluntários da Pátria, a casa em estilo neocolonial possui dois pavimentos e se destaca pela arquitetura rústica, beiral em massa e reboco crespeiro. Tombada em 1990, a construção data dos anos 30 e além de residência, já abrigou uma escola de computação e idiomas.

Com a nova infraestrutura de atendimento instalada, a unidade carioca da Home Doctor passou a contar com um centro logístico e um parque de equipamentos próprios - todos novos e de alta tecnologia - como respiradores e concentradores de oxigênio. Seus pacientes também têm à disposição, central de atendimento 24 horas e pronto atendimento médico com ambulâncias.

Com sede na capital Paulista, a Home Doctor possui dez unidades de negócios dividas entre os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Distrito Federal.

A inauguração acontece na próxima semana e contará com a presença de importantes nomes do setor da saúde carioca como operadoras de saúde, Grupo COI e Unidas (União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde).

Sobre a Home Doctor

Empresa brasileira atuante no mercado de Atenção Médica Domiciliar e Soluções em Gestão de Saúde. Fundada em 1994, é líder em seu segmento, somando mais de 43 mil atendimentos. Reconhecida por sua atuação em casos clínicos de alta complexidade, a Home Doctor já atendeu a mais de 1.000 pacientes em ventilação mecânica (respiração por aparelhos). Possui aproximadamente 2.500 profissionais atuando diretamente à assistência domiciliar: médicos, enfermeiros, farmacêuticos, nutricionistas, fisioterapeutas, entre outros que levam mais conforto, tranquilidade e segurança aos clientes.

Com sede na capital Paulista, possui seis unidades de negócios dividas entre os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Distrito Federal. Sua infraestrutura contempla alta tecnologia, inovação, central de atendimento 24 horas, atendimento pré-hospitalar, farmácia própria com logística para distribuição de medicamentos e materiais, pronto atendimento médico com ambulâncias e SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente).

11 Plataformas digitais para alavancar sua estratégia de comunicação

shutterstock_179161190

À medida que o Social Media e o Marketing Digital evoluem, as estratégias de anúncios das empresas também precisam evoluir, por isso não tenha medo de utilizar outras plataformas para ter um contato mais pessoal com o seu cliente em novas plataformas como o SnapChat, por exemplo.

Com isso em mente, o Mashable postou uma lista com 11 dicas de 11 jovens empreendedores da lista da Young Entrepreneur Council (YEC) sobre quais as melhores diretrizes para ser bem sucedido nas estratégias digitais da sua empresa:

  1. WeChat marketing  

De acordo com Joel Butterly da InGenius Prep, a ferramenta é essencial para trabalhar no mercado asiático, principalmente. É uma combinação de Facebook e Twitter e por possuir 650 milhões de usuários não se trata de um "oceano saturado", mas um lugar bem estruturado para as companhias negociarem. É altamente efetiva para se trabalhar marketing de conteúdo.

2. Geofilters do SnapChat

SnapChat é uma das maiores plataformas sociais de celular. Em 2015, o aplicativo finalmente abriu seus filtros de localização para anúncios de empresas como o McDonald's. É uma plataforma inteligente se você quer tornar sua marca forte pois o filtro de localização auxilia na divulgação do seu nome e no buzz de comunicação. Principalmente para a geração Millennium diz Doreen Bloch, empreendedora da Poshly Inc.

3.  Anúncios no Pinterest

Essa plataforma é perfeita para se produzir conteúdo enquanto marca, pois o retorno é comprovado por empresas como a Due. Tornando uma plataforma efetiva e menos custosa para as empresas. O empresário John Rampton afirma é efetiva também para alcançar clientes em potencial. O Pinterest é uma ferramenta para se encontrar coisas do seu interesse, logo o consumidor pode conhecer os produtos nesse conteúdo em que ele procura.

4.  Construir novos targets por mídia social 

Já foi confirmado que anúncios no Youtube e Facebook apresentam um ROI excelente, no entanto é preciso desenvolver conteúdo que a audiência desejada se interesse, para assim começar a mapear e segmentar demograficamente o seu consumidor. O Facebook e Youtube são redes sociais perfeitas para conhecer o seu target e ainda descobrir as novas oportunidades. Marcela DeVivo, Homeselfe.

5.  Integrar Facebook com Instagram

Anúncios no Instagram eram até então disponíveis apenas para os grandes players corporativos, mas hoje com a publicidade segmentada do Facebook, as empresas de médio e pequeno porte também podem fazer o link com as contas das duas redes e utilizar as imagens contínuas que eles já sabem ser mais efetivas com o envolvimento do consumidor. Matt Wilson da Under30Experiences.

6.   Vídeo Content

Afif Khoury, afirma que a SOCI Inc utiliza uma estratégia de conteúdo em vídeos para elevar os acessos ao site, porque os internautas consomem cada vez mais vídeos, aumentando o awareness da marca.

7.  Native Advertising

O tipo de comunicação que vem mudando porque eleva a performance através de uma mensagem relevante no ambiente digital. No entanto precisa estar amarrada a outras plataformas, geralmente um artigo ou vídeo com um conteúdo que converse com o target. Além disso o engajamento do cliente nesse tipo de anúncio. Ryan Stoner da Publicis.

8. Content Marketing externo 

Essa ferramenta auxilia o usuário que precisa se autopromover, mas não tem publicações para isso, não tem editorial. De acordo com Scott Weiner, da ClosingBell, o native marketing não custa um centavo porque se baseia um na troca de editorial e a outra parte na promoção dos próprios negócios.

9. AdWords

Jonathan Long, Market Domination Media, afirma que está lançando uma série de anúncios call-only. Anúncios que consistem apenas no número de telefone das companhias em pay-per-click. O usuário pode procurar apenas uma informação, mas anúncios call-only os conecta com pessoas reais da empresa. A solução aumenta o tráfico de telefone e garante uma interação mais humana.

10. Influenciadores em múltiplas plataformas

A GoldFire Studios e outras empresas estão procurando trazer o seu contato para algo sutil, com algum locutor que o consumidor confia mais do que a organização em si. As plataformas podem ser várias e as redes sociais principalmente. Afirma James Simpson.

11. Instagram ads

A EVENTup é uma companhia muito mais visual, por isso faz sentido para a Jayna Cooke alinhar com uma plataforma com o mesmo propósito. O Instagram ajuda as empresas que querem ganhar com a estética e a comprovação fotográfica, trazendo para o seu site.

Acelere sua startup de saúde em 2016

AceleraStartup
Two men on an early morning run.

Que ano desafiador para toda a sociedade brasileira, em especial para os empreendedores de saúde! Nós, que não contamos com a proteção social do governo caso nossos empreendimentos não prosperem, somos os primeiros a sentir os efeitos da recessão e somos levados a tomar duras medidas para que nossas empresas, não só sobrevivam, mas também prosperem.

Neste sentido, é fundamental que não somente as startups de saúde mantenham seu faturamento, mas também que cresçam aceleradamente, a fim de que possam contratar mais colaboradores, gerar mais riquezas e gerar um impacto transformador na saúde.

Tendo começado minha trajetória como médico empreendedor pelo EmpreenderSaúde em 2010, juntamente com o médico Vitor Asseituno, é incontável o número de vezes que vimos boas startups de saúde morrerem, em meio a este cenário inóspito ao empreendedorismo em saúde brasileiro em que vivíamos, e em alguns casos, ainda vivemos.

Mas ao longo destes anos identificamos também inúmeras startups de saúde de alto crescimento, caso da Memed de Ricardo Memed, Pebmed do médico Bruno Lagoeiro, Tá Na Hora, do norte-americano, Mike Kapps, além do Medportal, do amigo carioca Thiago Constâncio.

Por isso, no dia 05/04 vamos realizar às 18 horas, o evento intitulado “Acelera Startup Saúde 2016”, com a visão de executivos, empreendedores e investidores do que é necessário para ter startups de saúde de alto crescimento em 2016, bem como quais são os erros que devem ser evitados.

O evento é gratuito e limitado a 60 pessoas selecionadas presenciais através da ficha de aplicação, mas terá transmissão online gratuita pelo YouTube. Em ambos os casos, é necessário se inscrever pelo site do evento.

Estamos buscando startups, mentores e voluntários, que queiram participar ativamente do evento e ajudar a construir uma experiência enriquecedora para todos. Startups de saúde selecionados vão receber mentoria de 30 min de excelentes mentores e os voluntários nos ajudarão a criar uma ótima experiência para todos.

Faça sua inscrição para o “Acelera Startup Saúde 2016”: CLIQUE AQUI

Editage promove webinário para pesquisadores médicos

shutterstock_280370951

A Editage, empresa de comunicação científica, promoverá no dia 5 de abril, às 15 horas, o webinário “Dicas para publicar com sucesso: tenha seu artigo aceito na revista”. O conteúdo do evento online e gratuito mostra como evitar as principais incoerências cometidas na produção de manuscritos científicos e trará orientações para evoluir com sucesso em todas as etapas do processo de publicação. A sessão será conduzida por Karin Hoch Fehlauer Ale, Doutora em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo (USP), pesquisadora em nível pós-doutorado, tradutora e instrutora de renome internacional.

O webinário tem como público-alvo, além de pesquisadores em início de carreira e estudantes de mestrado e doutorado, profissionais que atuam com a elaboração de conteúdos e artigos científicos baseados em evidência médica. Os interessados em participar podem inscrever-se pelo site https://www.brighttalk.com/webcast/9615/192351 até o dia da sessão.

O conteúdo programático foi dividido em duas partes. A primeira abordará os principais pontos de atenção relacionados à linguagem de trabalhos científicos redigidos em inglês, além de algumas armadilhas que podem provocar equívocos na construção de frases e dicas de como evitá-las. O segundo bloco trará instruções sobre todo o processo que envolve a submissão do artigo a uma revista científica, com diretrizes para identificar a publicação certa para cada tipo de trabalho e orientações para aumentar as chances de ter a pesquisa aceita por revistas internacionais.

Hospitais brasileiros investem cada vez mais na informação e automação de seus processos

shutterstock_284928926

As instituições de saúde possuem enormes montantes de informação sobre a condição e o histórico de seus pacientes, bem como documentos administrativos, financeiros e assistências, todos arquivados em papel, tornando o seu acesso e compartilhamento ineficaz.

Partindo deste cenário e, a fim de otimizar o atendimento ao paciente, ao corpo clínico e as mais diversas áreas de uma instituição de saúde, o setor vem buscando investimento em plataformas que possibilitem maior eficiência em seus processos, facilidade e agilidade no acesso as informações e uma forte integração com sistemas de gestão, permitindo que o usuário tenha em uma única interface acesso aos dados que necessita.

No país, as instituições já estão se adequando a esse modelo, dando um passo importante em direção à digitalização, mas não se trata apenas de digitalizar papéis, mas sim, garantir o acesso rápido ao prontuário médico, exames laboratoriais e até mesmo de imagem, concentrando todos esses dados em uma única plataforma permitindo que o acesso e o compartilhamento dessas informações sejam feitos de maneira mais eficiente e automatizada.

“Como resultado, é importante pontuar a satisfação do paciente em obter suas informações quando precisa e a produtividade e assertividade na tomada de decisão com o acesso imediato ao protuário de seu paciente pelo corpo clínico,”, explica Thelma Bruzadin, Country Manager da Hyland no Brasil.“Além destes pontos, as instituições de saúde se beneficiam com grande redução de custos inerente a melhor gestão da informação e automação de seus processos”.

Dentro deste cenário já contamos com grandes instituições que vem se adequando a esta modelo, como é o caso do Hospital Samaritano, Santa Helena Assistência Médica e Hosptial Sírio Libanês. Além destes, recentemente, a Hyland, criadora do Onbase, firmou contrato com o Hospital Dona Helena, de Joinville (SC), e Hospital Oswaldo Cruz, de São Paulo, para a adoção da plataforma que levará estas instituições a um novo estágio evolutivo na busca pelo hospital digital.

“Com o contrato recém-fechado conosco, inicialmente o Dona Helena passará a digitalizar seus documentos a fim de garantir o acesso  aos prontuários eletrônicos com maior facilidade, enquanto o Oswlado Cruz pretende otimizar os processos internos, contribuindo para maior qualidade, transparência e segurança de suas informações”, destaca Paulo César Lima, gerente de Vendas da Hyland.

Com a adoção da plataforma única Onbase, essas instuições passarão a possuir toda a informação em formato digital, disponível ao profissional, no formato e momento certo, com o suporte a assistência, operação , backoffice e gestão.

Sobre o OnBase, criada pela Hyland:

OnBase é uma plataforma empresarial que unifica informações para o gerenciamento de conteúdo, processos e casos, auxiliando as organizações a administrar documentos e dados, e simplificar operações de negócios. Integrado às aplicações de negócios do dia dia, o OnBase fornece acesso instantâneo às informações críticas quando e onde estiver. A solução abrange toda a companhia, sendo possível adaptá-la a todos os departamentos. OnBase disponibiliza a informação necessária otimizando tempo por meio de acesso via mobile, nuvem ou no local. Para obter mais informações sobre o OnBase, acesse: OnBase.com.

A categoria de saúde é a terceira que mais cresce em aplicativos [Infográfico]

shutterstock_334666319

O site FLOAT Learning veiculou um infográfico com algumas informações bastante pertinentes a respeito do campo emergente que é Mobile Health. Os consumidores recebem cada vez maior assistência, das mais variadas profissões, a partir do seu celular, ele tem um personal trainer que ajuda na malhação até um médico que resolve as próprias questões relacionadas à saúde em um simples toque da tela touch screen.

Existem hoje mais ou menos dez mil aplicativos sobre saúde disponíveis na App store e Google store. E foi classificada como a terceira categoria que mais cresce em aplicativo. 80% dos médicos usam smartphone e aplicativos médicos, além disso 40% dos médicos acreditam que a tecnologia mobile reduz o número de visitas ao consultório.

Alguns exemplos de aplicativos mais conhecidos hoje são o IStethscope e o IHealthBPM, eles gravam e monitoram batimentos cardíacos e pressão sanguínea, respectivamente. Além de monitorar eles fazem um pequeno diagnóstico e compartilham os dados.

f63b64aaf9140649556cf801894568f9

Dados e sessões importantes na SAGES 2016 demonstram segurança e eficácia da terapia Stretta para DRGE

NORWALK, Connecticut, 30 de março de 2016 /PRNewswire/ --  A Mederi Therapeutics, Inc. relatou que novos dados Stretta foram apresentados e que a Stretta foi destaque em múltiplas sessões educativas na recente reunião da Sociedade Americana de Cirurgiães Gastrointestinais e Endoscópicos (SAGES) de 2016 em Boston. Essas atividades na SAGES confirmaram a viabilidade e segurança da Terapia Stretta para o tratamento de doença de refluxo gastroesofágico (DRGE) em diversas populações de pacientes.

Foto - http://photos.prnewswire.com/prnh/20130211/NY56794

A Stretta é uma intervenção transoral, não cirúrgica, que usa baixa energia de radiofrequência para remodelar o músculo entre o estômago e o esôfago. Estudos demonstram que a Stretta resolve sintomas de refluxo, aprimora a qualidade de vida, reduz ou elimina medicações, e diminui a exposição ácida em pacientes com DRGE crônica.

Novos dados Stretta do Reino Unido foram apresentados durante as sessões de poster da Stretta. "Um Estudo Prospectivo de Aplicação RF (Stretta) para DRGE: Experiências Recentes no Reino Unido", mostrou que o tratamento de Stretta resultou em alívio sintomático na maioria dos pacientes. O Sr. Viswanath YKS e coautores concluíram que em pacientes selecionados com resposta fraca a medicamentos, a Stretta é uma alternativa segura e eficaz à cirurgia. 

A Stretta foi destaque em um painel de especialistas que tratavam do problema de DRGE em pacientes após cirurgia bariátrica. No painel, "O Que Cada Cirurgião Deve Saber sobre Refluxo no Paciente Bariátrico", Dana Portenier, médico-chefe e cirurgião geral do Duke Regional Hospital e professor assistente na Faculdade de Medicina da Duke University, indicou que a Stretta pode ser uma opção ideal para pacientes com DRGE após cirurgia bariátrica. Percebendo que a cirurgia de revisão para esse paciente pode ter complicações significativas, Portenier e outros membros do painel consideraram a Stretta uma opção menos invasiva que pode ajudar a revisar a cirurgia de revisão mantendo, ao mesmo tempo, outras opções de tratamento em aberto.

"Os tratamentos da DRGE foram um assunto em evidência na reunião da SAGES deste ano. A Stretta foi apresentada em diversas sessões, bem como em um curso prático", observou Bob Knarr, CEO da Mederi. "É claramente um momento único para um tratamento com a Stretta. A DRGE está aumentando, o que, se não for tratada, levará a um câncer esofágico. Ao mesmo tempo, há uma crescente conscientização dos perigos do uso de PPI em longo prazo. A Stretta preenche a necessidade de uma opção não cirúrgica e não farmacêutica. Os pacientes querem mais opções, e como a Stretta, os médicos podem fornecer uma opção versátil que é amplamente estudada, e comprovadamente eficaz no longo prazo."

SOBRE A MEDERI® E STRETTA®

A Mederi fabrica dispositivos inovadores que usa energia de radiofrequência não ablativa para tratar de doenças digestivas. A terapia Stretta tem sido comprovada como segura e eficaz para o tratamento de DRGE em 37 estudos de cinco continentes. Os estudos Stretta mostram até 10 anos de alívio duradouro de sintomas. Mais de 20.000 procedimentos Stretta foram realizados em todo o mundo.

Para mais informações, acesse: www.stretta-therapy.com.

Contato com a imprensa:
Amy Phillips
+1.412.327.9499
amy@pascalecommunications.com

FONTE Mederi Therapeutics Inc.

4 benefícios da TI para assistência médica

shutterstock_254586763

Embora ainda existam resistências para o uso de ferramentas de TI na prática clínica, é inegável o benefício trazido pela tecnologia para a assistência. Soluções criadas especificamente para o setor de saúde permitem automatizar funções como a classificação de riscos em emergências e o histórico médico e integram equipamentos aos sistemas, permitindo monitorar as condições clínicas do paciente em tempo real e remotamente.

Com isso, foi possível antecipar cenários e situações de risco e a equipe passou a responder mais rapidamente às necessidades do paciente, já que agora conta com a informação nas pontas dos dedos e consegue saber, em minutos, se haverá interações medicamentosas ou se seu estado atual de saúde impede algum procedimento.

De acordo com a Healthcare Information and Management Systems Society (HIMSS – Sociedade de Informação e Sistemas de Gestão em Saúde), o principal órgão do mundo a tratar TI sob a perspectiva do setor, “a expectativa é que a informatização da saúde seja uma das principais alavancas para a significativa transformação na qualidade e custo da assistência”.

Nos Estados Unidos, com o Health Information Technology for Economic and Clinical Health Act (HITEC – Lei da Tecnologia da Informação em Saúde para Economia e Saúde Clínica), a adoção do prontuário eletrônico do paciente (PEP) se expandiu e hoje já cobre 97% dos hospitais e 74% dos consultórios. Responsável por esse mapeamento, o ONC – Office of the National Coordinator (Escritório da Coordenação Nacional para TI em Saúde), ligado ao governo norte-americano –, constata que os médicos e prestadores de serviços que utilizam o recurso conseguem tomar decisões melhores, com informações mais abrangentes.

Vantagens do prontuário eletrônico

O órgão elenca os quatro principais benefícios do PEP:

1)    Informação completa e precisa sobre a saúde do paciente – o que possibilita que, durante consultas de rotina ou atendimentos emergenciais, os cuidados de saúde mais adequados possam ser providenciados, considerando seu histórico e outros tratamentos a que esteja se submetendo;

2)    Rapidez no atendimento – o PEP garante acesso instantâneo a informações como alergias, medicamentos e histórico do paciente. Isso evita a necessidade de pedir testes para checar uma série de dados e agiliza a tomada de decisão médica;

3)    Assistência mais coordenada – que é especialmente importante no caso de pacientes crônicos, como diabéticos, por exemplo;

4)    É uma maneira de compartilhar informações com o paciente e seus familiares – com acesso fácil aos dados, as pessoas podem participar mais ativamente das decisões clínicas.

Segundo o ONC, apenas no US Department of Veterans Affairs, responsável pelo atendimento de veteranos de guerra, a adoção do PEP, prescrição eletrônica e troca de informações eletrônicas de saúde levou a uma economia de US$ 4,64 bilhões com a prevenção de eventos adversos relacionados a interações medicamentosas.

As evidências existem, mas se o sistema é difícil de usar ou requer muito tempo dos médicos, será deixado de lado para que ele se foque no que é seu principal negócio: o cuidado à saúde.

AbbVie está entre as companhias farmacêuticas melhor avaliadas em 72 países

shutterstock_284496374

A AbbVie, companhia biofarmacêutica global, ficou em segundo lugar, entre 48 companhias avaliadas, no ranking de Melhor Desempenho em Reputação Corporativa, de acordo com a organização Patient View. 31,8 % dos pacientes pesquisados classificou o desempenho da AbbVie como “excelente” ou “bom”.

A Patient View considera o quanto as companhias farmacêuticas atendem às expectativas dos pacientes e dos grupos de pacientes,em seis aspectos: foco no paciente, informação, segurança, lançamento de produtos úteis, transparência e integridade.

Na análise geral do setor, 44,7% dos grupos que responderam à pesquisa afirmaram que as companhias farmacêuticas têm “excelente” ou “boa” reputação corporativa – a melhor classificação

desde que foi instituído o ranking, em 2011. Segundo a PatientView, a capacidade da indústria em apresentar e lançar produtos de alta qualidade foi a principal razão pelos bons índices de 2015.

A PatientView é uma organização de pesquisa, com sede em Londres, na Inglaterra, que tem como atuação principal realizar pesquisas junto a grupos de pacientes e divulgar o trabalho dos grupos

de apoio. Para esta pesquisa, foram ouvidos um total de 1075 grupos de pacientes de 72 países. Para saber mais acesse o site da pesquisa: http://www.patient-view.com/corp-rep-reports-2016.html