faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Conceito de Harvard pode revolucionar investimentos em saúde

value-based healthcare VBHC.jpg
Por Cristian Rocha, CEO e co-fundador da Laura

A maneira de fazer saúde se aprimora cada dia mais. A pandemia da covid-19 certamente acelerou esse processo, com a adoção da telemedicina e outras tecnologias. Mas ainda há mais um passo a ser dado: a adoção do VBCH (Value-Based Health Care) no Brasil. O conceito proposto em 2007 pelos professores da Escola de Negócios de Harvard, Michael Porter e Elizabeth Teisberg, busca proporcionar que o investimento em cuidados de saúde seja convertido em melhoria na saúde da população, trazendo como consequência uma melhor experiência para o paciente.

Resumindo: trata-se de um modelo de saúde baseado em resultados. A atenção à saúde é uma forma para a reestruturação dos sistemas públicos e privados com o objetivo abrangente de valorizar os pacientes.

Harvard e a transformação do sistema de saúde

O VBCH surgiu a partir da observação de um crescimento contínuo dos gastos em saúde, e ao mesmo tempo a população não apresentava melhorias na qualidade de vida ou estado de saúde. Os países costumam investir, em média, aproximadamente 10% do PIB em saúde. Nos Estados Unidos, o investimento se aproxima dos 18% - e ainda assim, a população americana está longe de alcançar um estado de saúde exemplar. Foi por isso que a Escola de Negócios de Harvard, em parceria com professores da Escola de Medicina da instituição, assumiu o compromisso de transformar o sistema de saúde. Para eles, era claro que a forma como o dinheiro era investido não trazia melhores resultados de saúde na população mundial.

Para isso, foi necessário redesenhar o sistema em um formato em que houvesse competição entre as partes, demandando o estabelecimento de novas formas de acordos de pagamento entre as partes, o que é conhecido como a migração do sistema de pagamento por volume (fee-for-service) para o pagamento por valor (Value-reimbursement strategies).

O conceito define o termo “valor” pela relação entre os resultados de saúde percebidos pelos pacientes e os cursos para entregar tais resultados. Um segundo termo também é relacionado à definição inicial de “valor”: a pertinência. De acordo com os autores, de nada adianta uma organização realizar um procedimento diagnóstico com excelência, se tal tratamento não for necessário ou benéfico à saúde do paciente. Isso gera não somente perda financeira com uso inadequado de recursos, mas também pode submeter o paciente a situações que ele não precisaria naquele momento.

Implementação do VBHC

Para guiar o processo de implementação, foi proposta uma Agenda de Valor, com seis elementos principais:

  1. Organização em unidades práticas integradas de cuidado (IPUs);
  2. Medir Resultados em Saúde e Custos para todo paciente;
  3. Implementar pagamento por Bundles para ciclos de cuidado;
  4. Integração do cuidado entre as diversas unidades;
  5. Expansão geográfica dos serviços de excelência;
  6. Desenvolvimento de capacidade Tecnológica para sustentar a implementação dos demais elementos.

Em 2021, o Brasil investiu R, 25,4 bilhões na atenção primária à saúde, segundo o Ministério da Saúde. Para 2022, o grande desafio é revolucionar a forma com que os investimentos são direcionados, focando na experiência do paciente, integração do cuidado, serviços de excelência e tratamentos pertinentes.


*Cristian Rocha é CEO e co-fundador da Laura, e foi eleito no ranking 30 Under 30 na categoria tecnologia, pela revista Forbes.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar