faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Inovação tecnológica de saúde no Brasil, seus entraves e perspectivas, são pautas da Digital Journey By Hospitalar

inovação e tech.jpg

A segunda semana da Digital Journey by Hospitalar está no ar! Nos dias 11, 12 e 13 de maio as comunidades do setor de saúde se encontram em uma jornada 100% online, repleta de conteúdos especializados em uma plataforma que disponibiliza experiências de networking para oportunidades de negócios.

No dia 12, as sessões de conteúdo foram dedicadas aos temas relacionados à Inovação e Tecnologia.

A Digital Journey acontece até 20 de maio. Os encontros online começam sempre às 18 horas. Todo o conteúdo está disponível on demand e pode ser acessado gratuitamente. Inscreva-se aqui.

Veja alguns destaques das discussões que atraíram a Comunidade de Inovação e Tecnologia, uma área que sobressaiu na pandemia de COVID-19, mas que precisa evoluir para alcançar o estágio de outras nações e acelerar a conquista de sistema de saúde mais equânimes e eficientes.

Palestra: A Evolução da Tecnologia em Saúde no Estado de São Paulo

A Secretária de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Estado de São Paulo, Patrícia Ellen, abriu a programação da noite. Em sua palestra, enfatizou a relevância da aplicação de ferramentas como a Internet das Coisas (IoT, ou Internet of Things) e Inteligência Artificial (AI) para criar valor para o país. IoT é um conceito amplo que se refere à interconexão digital de diversos dispositivos.

A saúde é um dos ambientes que sofreria maior impacto positivo com a aplicação de uma ferramenta poderosa como a Internet das Coisas”, disse. Uma das soluções que essa tecnologia oferece é o monitoramento de pacientes com COVID-19 ou monitoramento de doentes crônicos. “Desenvolvemos metodologias para análises, avaliação e gestão de cenários usando dados de hospitais públicos e privados, de telefonia celular e de tráfego em rodovias, entre outros.”

Segundo a secretária, na pandemia, o Estado de São Paulo aplicou uma série de novas tecnologias em um ritmo sem precedentes. Foram recursos como monitoramento de leitos em tempo real e uma central de dados sobre casos de contágio, associados a um comitê de crise.

Também na pandemia, o governo do Estado também acelerou o surgimento de um hub de inovação chamado IdeiaGov para resolver desafios de gestão pública. Muitas soluções estão sendo testadas em instituições de saúde, como o Hospital das Clínicas. “Há muitas oportunidades de gestão da saúde com as novas tecnologias”, afirmou.

Painel de Debate: Legislação de Incentivos à Inovação e Aplicabilidade ao Setor

Representantes da indústria, academia e governo debateram o que deve ser melhorado na legislação para que o setor de alta tecnologia em dispositivos médicos possa avançar ainda mais em inovação para diagnosticar e tratar doenças, proporcionar cirurgias mais seguras, e, claro, salvar e prolongar vidas. 

A moderação coube a Fernando Silveira Filho, Presidente-Executivo da Associação Brasileira da Indústria de Alta Tecnologia de Produtos para Saúde (ABIMED), que iniciou as discussões questionando a visão de cada convidado sobre o momento atual e os entraves que o país apresenta para impulsionar a inovação.

Eduardo Jorge Valadares Oliveira, Professor da Universidade Estadual da Paraíba, apontou que, embora o Brasil tenha uma produção cientifica de alta qualidade, isso não é traduzido para o chão de fábrica. Ou seja, existe uma segregação entre academia e o setor produtivo. “Entre outras razões, por restrições de ordem legal impostas por universidades públicas”, explicou o docente. Outro entrave da inovação é atribuído à falta de garantia e previsibilidade de investimento em pesquisas, o que compromete projetos de médio e longo prazos.

O advogado Benny Spiewak, Sócio do escritório SP Law, lembrou que o marco regulatório da inovação acaba de completar pouco mais de 15 anos. “Ele segue evoluindo e promovendo transparência ao ambiente de negócios”, afirmou. Outros pontos positivos foram elencados pelo profissional. “Temos uma academia cada vez mais consciente de seu papel sócio-econômico, uma indústria interessada em se aproximar da academia e uma agência regulatória bem preparada”, enfatizou. O que falta? Diálogo entre essa tríade. “Temos um caminho longo pela frente, mas estamos evoluindo.”

Em consonância com os colegas do painel de debate, Leandro Rodrigues Pereira, Gerente Geral de Tecnologia de Produtos para a Saúde da Anvisa, acha que é fundamental a aproximação da indústria brasileira com as universidades para fomentar inovação, como ocorre nos Estados Unidos. O principal problema apontado foi a crise econômica, que inibe investimentos nas universidades. “Não existe uma indústria forte de dispositivos médicos quando não temos uma academia forte e quando também não temos uma agencia regulatória forte.”

Entrevista: A Quarta Revolução Industrial na Saúde

Foi vez de passar a palavra a Lucas Camara, Advogado e Diretor Executivo do Centro Afiliado para a Quarta Revolução Industrial no Brasil (C4IR Brasil), entidade afiliada ao World Economic Forum.

O profissional, entrevistado por Fernando Silveira Filho, Presidente-Executivo da ABIMED, explicou que o C4IR Brasil é uma parceria público-privada entre o World Economic Forum, Governo Federal do Brasil, Governo do Estado de São Paulo e seis empresas privadas.

Seu objetivo é ajudar países que encontram dificuldades de acelerar a adoção de novas tecnologias. Para tal, o Centro buscar auxiliar no desenvolvimento de políticas públicas em três áreas tecnológicas: Política de Dados, Inteligência Artificial e Aprendizado de Máquina, Internet das Coisas e Transformação Urbana.

O primeiro projeto do C4IR, de 2017, dedicou-se ao uso de drones para entrega de bolsas de sangue em Ruanda, na África. No Brasil, um dos projetos-piloto na área da saúde visa à manutenção de preventiva de equipamentos hospitalares. “Acreditamos que todos os projetos tenham uma escalabilidade gigantesca”, disse Camara. “Queremos mostrar como as diferentes entidades podem iniciar a jornada da Quarta Revolução Industrial.”

A programação completa do dia 12 e dos encontros as demais comunidades da saúde  pode ser encontrada na plataforma da Digital Journey by Hospitalar. Para acessar, é necessário realizar a inscrição gratuita no site Hospitalar.com.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar