faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Medicina baseada em evidências #3: os erros principais e como evitá-los

escrevendo-borrao-presente-de-natal-medica_1134-767
Confiar em pesquisas pouco embasadas e reunir informações heterogêneas são dois deles; médicos devem avaliar criticamente a evidência em relação ao seu diagnóstico

A definição de Medicina Baseada em Evidências (MBE) é clara: movimento que que se baseia na aplicação de método científico a toda a prática médica, com o intuito de auxiliar no diagnóstico e no tratamento de doenças. Entretanto, é preciso tomar alguns cuidados ao utilizá-la para que não haja má interpretação das pesquisas ou confiança em dados sem fundamento. Veja, a seguir, os três principais erros ao utilizar a MBE e como evitá-los:

  1. Pesquisas pouco embasadas

Atualmente, muitos estudos são publicados sem o embasamento científico adequado. De acordo com Regina El Dib, professora assistente doutora do Instituto de Ciência e Tecnologia da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e pesquisadora do Instituto de Urologia da McMaster University (Canadá), para saber se as pesquisas são confiáveis, é preciso checar se contam com um mapeamento e uma análise crítica de tudo que já foi publicado ou analisado em estudos sobre o assunto. O material deve mostrar qual foi o método de análise utilizado, além da descrição das etapas de realização e das referências teóricas. “Muitos só apontam dados estatísticos. Eles são muito importantes, já que compõem a metanálise da pesquisa, mas sozinhos e sem contextualização não dizem nada e podem conduzir a uma interpretação equivocada dos resultados”, explica Regina.

  1. Má interpretação do termo “ausência de evidências”

Algumas vezes, depois da realização de revisões sistemáticas, a pesquisa conclui ausência de evidências, ou seja, incapacidade de comprovar cientificamente que a intervenção ou diagnóstico sob investigação é efetivo. Isso não significa, porém, que a ideia que o médico teve não funcione; apenas que não há estudos de poder estatístico alto que comprovem a eficácia de um tratamento, ou mostrem que uma substância é melhor do que a outra. “O médico não pode perder a esperança quando, ao usar a Medicina Baseada em Evidências, uma pesquisa não apontar evidências sobre o tratamento que ele acredita. Por exemplo, se trabalha com a teriflunomida para tratar esclerose múltipla com bons resultados e surge uma pesquisa publicada em revista de alto impacto, mas pautada em metodologia fraca sobre a eficácia de outra droga, não é recomendado que o tratamento mude exclusivamente por conta disso”, ressalta Regina. Segundo ela,  na análise não pode levar em consideração qual foi a revista que publicou o trabalho, quem foi o autor que conduziu o estudo e, nem se a publicação é mais recente do que as demais; o ponto principal é a resposta do paciente.

  1. Estratégia de coleta de informações heterogêneas

Ao pesquisar, o médico deve tomar cuidado para reunir somente estudos homogêneos. Isso quer dizer que se ele está fazendo uma pesquisa para comparar a eficácia da dipirona e do paracetamol para aliviar a dor de cabeça, deve considerar somente os estudos feitos com essas duas substâncias. “Se ele acrescentar ácido acetilsalicílico, uma droga diferente, pode comprometer os resultados finais”, exemplifica Regina. É importante, também, que o desenho do estudo - como a pesquisa foi estruturada - mostre qual grupo foi analisado, se serve para todas as faixas etárias, se depende do sexo, comorbidades etc. “Achados com alta heterogeneidade clínica (critérios de inclusão e exclusão bem diferentes entre os estudos somados em uma metanálise) ou metodológica (estudos com baixo e alto risco de viés) sobre determinado assunto não devem ser levados em consideração, pois não são exatos, o que inviabiliza a prática da medicina baseada em evidências”, explica.

Para evitar esses três erros e praticar a Medicina Baseada em Evidências de forma correta, o médico deve levar em consideração quatro pontos:

- Formular uma questão clínica clara baseada nos quatro itens-chave decorrentes de um problema do paciente. Perguntas clínicas bem formuladas precisam de quatro componentes essenciais: paciente, intervenção, comparação e desfecho. Essa estratégia, denominada Pico, facilita a construção de uma boa pergunta clínica e pode ser utilizada para construir questões de pesquisa de naturezas diversas;

- Pesquisar na literatura por relevantes artigos clínicos;

- Avaliar criticamente a evidência em relação a sua validade interna (metodologia) e aplicabilidade na prática clínica (validade externa);

- Implementar os achados úteis na prática clínica, considerando o nível e grau de evidências.

Esta matéria é a terceira de um especial de cinco capítulos que mostrará como a MBE e a gestão hospitalar informatizada trabalham para uma melhor segurança do paciente. Veja as primeiras: Medicina Baseada em Evidências #1: mais segurança na assistência à Saúde e Medicina Baseada em Evidências #2: o papel do médico

Entenda como a solução de gestão hospitalar pode ajudar no gerenciamento da instituição de saúde. Baixe, gratuitamente, o ebook "O que muda no seu hospital com a implantação do ERP" 

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar