faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Medipreço, startup de benefício em medicamentos e produtos de saúde, recebe aporte de R$ 5,5 milhões

Crédito: Divulgação Alexandre Máximo -  CEO da Medipreço.png
Nova captação, co-liderada pelo Valutia e um grupo de investidores, tem como objetivo acelerar a expansão nacional e ampliar a equipe da healthtech

A healthtech brasileira Medipreço, que usa tecnologia, dados e atendimento humanizado para melhorar a qualidade de vida de colaboradores em organizações, acaba de receber um aporte de R$ 5,5 milhões. Esta é a segunda rodada da startup com investidores e o valor atual é 3,5 vezes maior que o anterior.

A nova captação foi co-liderada pelo fundo de venture capital Valutia e um grupo de investidores especializados no segmento de saúde e bem-estar. O aporte também contou com a participação da OSinova Participações (braço de Corporate Venture Capital do Grupo Odilon Santos), que já é um investidor da healthtech. 

Segundo o  CEO da Medipreço, Alexandre Máximo, o mercado de medicamentos cresce dois dígitos por ano e os gestores de RH e líderes nas empresas estão cada vez mais atentos à questão da saúde, principalmente a mental, dos funcionários. "Vamos dar continuidade à estratégia de expansão. Este é o momento certo para escalarmos nossa operação”, diz o executivo.

Nos últimos 12 meses, a healthtech registrou um crescimento 11 vezes maior no número de funcionários elegíveis de empresas que são atendidas pela startup. Segundo Máximo, isso se deve ao fato de as companhias estarem cada vez mais preocupadas com a saúde e bem-estar dos seus colaboradores, tendo a inteligência de dados como aliada na gestão de pessoas.

Atualmente, a Medipreço tem mais de 30 clientes, incluindo Danone, Creditas, Leroy Merlin, Vivest, CI&T e Hypera Farma. O número de vidas elegíveis ultrapassa a quantia de 200 mil. Com o investimento recebido, a ideia é expandir a operação em nível nacional e contratar desenvolvedores e profissionais de marketing e vendas.   

Na primeira rodada de investimento, realizada em fevereiro de 2021, liderada pela Valutia Capital e acompanhada pela Bossa Nova Investimentos e Uruau Participações, a Medipreço recebeu o aporte de R$ 1,6 milhão. No mesmo ano, a startup fechou o seu ano fiscal com cerca de 20 mil vidas elegíveis em carteira. Atualmente, o número de vidas já ultrapassa as 200 mil.

Saúde mais acessível a todos

A Medipreço nasceu da visão de atuar na saúde primária, com prevenção, atendendo também a saúde secundária, com medicamentos. "Partimos do princípio de que 87% da população brasileira compra medicamentos do seu próprio bolso e que 63,5% dos pacientes com alguma doença crônica, entre 40 a 59 anos, não fazem adesão ao tratamento medicamentoso. Logo, alguma consequência impactaria o mundo corporativo", explica Máximo.

O aplicativo permite aos colaboradores de organizações parceiras a compra de medicamentos e produtos de saúde com descontos significativos em relação ao varejo tradicional – o que os torna mais acessíveis a todos. A Medipreço oferece mais de 50 mil produtos, um sortimento maior que qualquer farmácia tradicional no Brasil. 

Além disso, com o conceito de Health Analytics, a Medipreço tem como base o comportamento de consumo da compra medicamentos dos colaboradores. Com essas informações anônimas, a healthtech gera estatísticas que ajudam os gestores de RH dos clientes na detecção de possíveis problemas de saúde e na tomada de decisão para solucioná-los. Com as análises, é possível identificar doenças crônicas, epidemias e outros indicadores relacionados à saúde na companhia. 

De acordo com Máximo, os gestores estão cada vez mais preocupados com questões como: baixa lealdade; baixa produtividade, engajamento e performance; planos de saúde mais caros e aumento de custos com afastamentos por doenças, absenteísmos e horas improdutivas causadas por problemas de saúde, ou presenteísm

O sucesso do negócio da healthtech se traduz em números objetivos: o percentual médio de aquisições, ou sign ups, hoje, é superior a 50%; enquanto o percentual médio de engajamento com o benefício já ultrapassa os 68%.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar