faz parte da divisão da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Brasil fica em quarto lugar no Índice de Prontidão para o Autocuidado

defesa-autocuidado.png
Único representante da América Latina está à frente de países, como França e Polônia, e atrás de países, como Reino Unido e Estados Unidos, segundo estudo que tem colaboração com a OMS

O Brasil ficou na quarta colocação no Índice de Prontidão do Autocuidado, pesquisa centrada na defesa do autocuidado e liderada pela Global Self-Care Federation (GSCF). O estudo integra a colaboração da GSCF com a Organização Mundial da Saúde (OMS) para apoiar a implementação da Estratégia da Medicina Tradicional 2014-2023 da OMS.

A GSCF reúne associações regionais e nacionais, fabricantes e distribuidores de medicamentos isentos de prescrição (MIPs). O Brasil é representado na GSCF pela ACESSA (Associação Brasileira da Indústria de Produtos para o Autocuidado em Saúde), antiga ABIMIP.

Segundo o estudo, os quatro facilitadores com maior capacidade de influenciar na adoção de práticas do autocuidado são:

  • Apoio e Adoção pelas Partes Interessadas, que trata da importância do apoio e confiança dos prestadores de serviços de saúde, pacientes e consumidores, reguladores e legisladores para maximizar a adoção de comportamentos e produtos para o autocuidado;
  • Empoderamento do Consumidor e do Paciente, que avalia como o autocuidado produz maior benefício quando consumidores e pacientes têm alto grau de letramento em saúde;
  • Política de Saúde de Autocuidado, que avalia como os legisladores podem apoiar a adoção de produtos e práticas de autocuidado pelos consumidores e pacientes;
  • Ambiente Regulatório, que trata do papel dos regulamentos e processos para apoiar a inovação e a adoção de soluções de autocuidado.

O Índice inclui pelo menos um país de cada uma das seis regiões da OMS: África, Américas, Sudeste Asiático, Europa, Mediterrâneo Oriental e Pacífico Ocidental. Os países avaliados escolhidos foram: África do Sul, Brasil, China, Egito, Estados Unidos, França, Nigéria, Polônia, Reino Unido e Tailândia.

Os achados foram codificados em uma escala de quatro pontos, onde as respostas foram atribuídas a um número entre um (sem prontidão para o autocuidado) e quatro (excepcionalmente pronto para o autocuidado).

Pontuação brasileira

No facilitador Apoio e Adoção pelas Partes Interessadas, o Brasil ficou com:

  • 2,67 em Empoderamento do Consumidor e do Paciente;
  • 2,33 em Política de Saúde de Autocuidado;
  • 2,43 e em Ambiente Regulatório 3,09.

A média da pontuação do país nos quatro facilitadores foi de 2,63. Na média da pontuação dos quatro facilitadores, a classificação foi:

  1. Reino Unido - 3,06
  2. Estados Unidos - 2,99; 
  3. Tailândia - 2,73
  4. Brasil - 2,63;
  5. China - 2,54;
  6. África do Sul - 2,44;
  7. Polônia - 2,33;
  8. França - 2,26;
  9. Egito - 2,18;
  10. Nigéria - 2,01.

Para a vice-presidente executiva da ACESSA, Dra. Marli Martins Sileci, uma das especialistas entrevistadas para o estudo, o autocuidado se tornou muito importante na vida dos brasileiros nos últimos anos, como evidenciado pela melhoria na alimentação saudável e, aumento da atividade física, por exemplo. “Contudo, com o isolamento social trazido pela COVID-19, estes dois pilares foram afetados. Temos trabalhado para incentivar e premiar ações que promovam o crescimento de práticas que estimulam o autocuidado. Além de manter um diálogo com órgãos do governo, que já gerou medidas para estimular o autocuidado, mas que ainda podem evoluir”.

 Entre as ações positivas do Brasil estão:

  • O plano de Ações Estratégicas para o Enfrentamento das Doenças Crônicas e Agravos Não Transmissíveis no Brasil (2011- 2022), que aborda a importância do autocuidado e o uso racional de medicações para um envelhecimento saudável;
  • O projeto de lei (PL) 3099/2019, que institui no calendário nacional o Dia Nacional do Autocuidado, em linha com o Dia Internacional do Autocuidado (24 de julho), já celebrado em outros países;
  • Os profissionais brasileiros entrevistados indicam disponibilidade para recomendar o autocuidado para seus pacientes;
  • Os consumidores brasileiros pesquisados concordam que reconhecem quais produtos e práticas de autocuidado devem usar no caso de sintomas do dia a dia, como dores de cabeça e problemas digestivos.

Os pontos de melhoria no Brasil compreendem:

  • O cuidado primário é um dos pilares do Sistema Único de Saúde (SUS). No entanto, a pesquisa e entrevista com especialistas para a produção do Índice sugerem que legisladores tendem a não ver o “quadro geral” ou a não entender a importância do valor econômico do investimento na educação e programas sobre o autocuidado;
  • O Governo brasileiro não tem nenhuma política ampla ou programas destinados a fazer do autocuidado uma solução economicamente acessível.
  • O site da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) oferece informações bem estruturadas sobre o processo de aprovação e supervisão de alimentos, cosméticos, tabaco, farmacêuticos, serviços de saúde e dispositivos médicos, entre outros, mas nenhum detalhe sobre os critérios de avaliação.
  • O Brasil liberalizou sua regulamentação para reclassificação de RX para MIP em 2016. Mas segundo o Índice, um especialista em regulamentação de uma indústria privada descreveu a situação no Brasil como “não a pior, mas longe de ser a melhor”, lembrando que as diretrizes para reclassificação estão em vigor há apenas alguns anos e que ainda existem desafios em termos de recursos.

Apesar de ter alcançado uma boa posição no Índice, na Pesquisa Socieconômica do Autocuidado – O Valor Socieconômico Global do Autocuidado 2022, também da GSCF, o Brasil aparece atrás de outros países da América Latina e Caribe, como Argentina, Chile, Trinidad e Tobago e Uruguai na prática do autocuidado, devido a fatores como a expansão da saúde per capta e o potencial gasto per capta em MIPs.

De acordo com o estudo Impacto da Covid19 nos hábitos de saúde, uso e compra de produtos de autocuidado e experiência com serviços digitais, da Associação Latino-Americana de Autocuidado Responsável (ILAR), que avaliou a disponibilidade de MIPs aos consumidores em nove países da região, o Brasil aparece apenas na quinta colocação com 86% de disponibilidade de MIPs durante a pandemia, atrás de Colômbia e Costa Rica com 90%, Argentina e Guatemala com 89%.

Ocultar comentários
account-default-image

Comments

  • Allowed HTML tags: <em> <strong> <blockquote> <br> <p>

Plain text

  • No HTML tags allowed.
  • Web page addresses and e-mail addresses turn into links automatically.
  • Lines and paragraphs break automatically.
Publicar