faz parte da divisão Informa Markets da Informa PLC

Este site é operado por uma empresa ou empresas de propriedade da Informa PLC e todos os direitos autorais residem com eles. A sede da Informa PLC é 5 Howick Place, Londres SW1P 1WG. Registrado na Inglaterra e no País de Gales. Número 8860726.

Laboratórios da Hapvida NotreDame Intermédica analisam 9 milhões de exames por mês

Article-Laboratórios da Hapvida NotreDame Intermédica analisam 9 milhões de exames por mês

superlaboratorios-hapvida-notredame-intermedica.png
Com dois Núcleos Técnicos Operacionais de ponta, a operadora prevê uma integração completa no fim do ano para aprimorar a eficiência e a distribuição de exames.

A Hapvida NotreDame Intermédica opera atualmente dois Núcleos Técnicos Operacionais (NTOs), laboratórios de grandes dimensões com os mais modernos equipamentos do mercado. Juntas, essas unidades processam cerca de nove milhões de exames por mês, incluindo análises de urgência realizadas nos hospitais. 

Segundo Julio Pessotti, diretor de laboratório da Hapvida NDI, 1,5 milhão de exames são de urgência, representando quase 25% da demanda total. "Os laboratórios são uma linha de produção tecnológica. Hoje, no mercado brasileiro de diagnóstico, a Hapvida NDI possui vasta capilaridade e número de unidades. Conquistamos a certificação PALC nos últimos dois anos, o principal selo em Programas de Acreditação de Laboratórios Clínicos no Brasil", afirma. A certificação é ligada à Sociedade Brasileira de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial (SBPC/ML). 

Integração dos Núcleos Técnicos Operacionais

Em São Paulo, o NTO está localizado na Lapa, zona oeste da capital, e em Recife, na Imbiribeira, zona sul da cidade. As duas unidades analisam mais de dois mil tipos de exames, cada uma com suas especificidades. A completa integração dos sistemas, desde a fusão da Hapvida com a NotreDame Intermédica, é esperada para o fim deste ano, permitindo uma entrega ainda mais robusta na análise dos resultados. 

"Com a integração dos dois centros de diagnóstico, a ideia é criarmos a rota Recife-Lapa, aumentando a internalização de exames do Brasil inteiro, distribuindo-os entre nossos NTOs e conectando-os via logística", explica o diretor. 

Os dois NTOs são tecnologicamente avançados e têm parcerias com a Roche e a Siemens. Já os Núcleos Técnicos Hospitalares (NTHs) realizam análises clínicas de urgência dentro dos hospitais da rede. 

Inovação e tecnologia na medicina diagnóstica

Pessotti destaca que atualmente os laboratórios dependem da logística, que envolve o uso de aeronaves em voos comerciais e sistemas informatizados. "O trabalho humano está mais concentrado na operação das máquinas e nos alertas emitidos pelo equipamento. Trabalhamos com o apoio da tecnologia de dados, com algoritmos de liberação que já conhecem o histórico de saúde dos pacientes. Temos 96% dos exames liberados pelo algoritmo", revela. 

A automação, integração e evolução tecnológica resultam em agilidade, controle, otimização de recursos, redução de prazos para resultados e, sobretudo, qualidade nas análises laboratoriais. "Nossos superlaboratórios estão alinhados com o que há de melhor e mais tecnológico no mercado. Estamos muito atentos à inovação e pesquisa, que são pilares dos dois NTOs. Com a verticalização da rede, é possível conhecer o histórico completo de saúde dos pacientes, permitindo uma análise laboratorial e diagnóstica ainda mais qualificada", afirma Cidéria Costa, diretora executiva de Medicina Diagnóstica da Hapvida NDI. 

Os NTOs funcionam ininterruptamente, com turnos 24 horas por sete dias. Outro diferencial da maior empresa de saúde da América Latina é a integração com programas de prevenção. Por exemplo, se um paciente diabético realiza um exame e é constatado que o nível de hemoglobina glicada está alterado, um alerta é enviado à equipe médica para acompanhamento. Isso possibilita um diagnóstico ágil e reduz o tempo de espera para início do tratamento. 

"Não somos apenas entregadores de resultados. Precisamos entender a fundo o que fazemos para melhorar toda a cadeia e, assim, trabalhar com inteligência na jornada do nosso paciente", conclui Pessotti.